Willy Gregory segue em divulgação do seu primeiro single “Aleluia, Pai do Céu”

Adorador celebra repercussão do seu primeiro trabalho pela Warner

Em março deste ano, o adorador Willy Gregory lançou nas plataformas digitais, pela Warner Music, o seu primeiro single autoral, intitulado “Aleluia, Pai do Céu”. O videoclipe da canção já ultrapassou a marca de 60 mil visualizações: www.youtube.com/watch?v=U0juZortpYw. Desde então, Willy segue com a turnê de divulgação. Os meses de fevereiro, março, abril e maio marcam a participação do cantor em igrejas e vários programas de rádio e TV.

Por onde passa, Willy recebe muitos testemunhos. Ele compartilha um em especial. “Depois da ministração na Igreja Apostólica Gileade, em Poá, São Paulo, uma jovem me contou que Deus me usara muito, pois tudo que eu havia falado ali era idêntico à sua vida. Ela não conhecia Jesus, mas, naquele dia, decidira se entregar verdadeiramente a Cristo com inteireza de coração. Muitas outras pessoas já foram alcançadas, outras voltaram para Cristo, ainda outras se firmaram mais no Evangelho. O Espírito Santo tem tocado muitas vidas e criado bons frutos, que permanecerão.”

Em fevereiro, Gregory esteve no programa da cantora Sandra Lima (“Em Casa com Sandra Lima”). Em março, Willy marcou presença nos programas: Rádio Feliz FM, em São Paulo, com a apresentadora Bianca Pagliarin. A rádio tem uma das maiores audiências no segmento gospel. Foram quase 2 horas de programação ao vivo, com entrevista e a parte musical.

Em abril, participou dos programas de TV: “Patrícia Marta entre Amigos” e “Super Feliz”, momentos em que falou especialmente da sua conversão a Cristo. O adorador ainda esteve ao vivo, no Programa Renascer, apresentado pelo apóstolo Estevam, na Rede Gospel TV. Willy ainda concedeu entrevista às mídias: Programa Conexão Jovem, da Sara Brasil FM; Programa Câmera Bee, da TV Rede Super, com a jornalista Cléris Cardoso; Programa Esquenta Marcha, na Rede Gospel de TV; Programa Marcelo Aguiar, na Rede Gospel de TV; Nosso Programa, com Rinaldi na TV Gazeta; Programa Movimento Jovem, da RIT TV; Rádio Adore FM; Programa Mulheres da TV Gazeta.

O adorador ministrou o louvor e a Palavra de Deus nas denominações: Igreja Paz e Vida (Sede), em São Paulo; Conferência de Homens e Mulheres, promovida pelo Ministério Aliança do Tabernáculo, no município de Conceição da Barra, norte do Espírito Santo; Igreja Vida e Paz em Conceição da Barra, Espírito Santo; Igreja Gileade, Poá, São Paulo; Igreja Sara Nossa Terra (Sede) e Igreja Brasil para Cristo, em Itaim Bibi (SP).

Willy fala da sua convicção de que foi chamado por Deus para ser um ministro de Louvor. Ele diz que as suas características ministeriais mais marcantes são as de ensino e cuidado de pessoas: “Deus usa as características que Ele me deu para tratar os ‘sem esperança’ os ‘desacreditados’, além disso, para ensinar, formar e amadurecer ‘trabalhadores da última hora’. Eu tenho certeza que verei um grande avivamento na Igreja de Cristo e que terei parte nele. Quero ser um arauto do Senhor.”

Mais recentemente, no dia 7 de maio, Willy lançou o acústico exclusivo da música “Então Louve” no seu canal oficial no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=906bv7iM9E8.

No dia 31 de maio, Willy Gregory participou da Marcha para Jesus em São Paulo. O adorador se apresentou no palco principal do evento. A Marcha para Jesus na capital paulista é uma das maiores do mundo. Mais de 1 milhão de pessoas estiverem presentes.

 

Serviço de Música / Willy Gregory – “Aleluia, Pai do Céu”: https://lnk.to/AleluiaPaiDoCeu.

Spotify: https://spoti.fi/2wXlMhO.
Deezer: https://bit.ly/2khQgSx.    

Instagram: www.instagram.com/willygregoryoficial.
Facebook:
www.facebook.com/WillyGregoryOficial.

 

Por Ana Paula Costa
Jornalista / Divulgação Warner Music Brasil – Gospel
anacostacomunicacao@gmail.com
Instagram: www.instagram.com/warnermusicbr
Twitter: www.twitter.com/WarnerMusicBR
Facebook: www.facebook.com/WarnerMusicBrasil
Website: www.warnermusic.com.br

Círculo vicioso

Um dia, milhões de bebês choraram na liberdade uterina do milagre da vida: nasceram. Não vestiram seus corpos, não lhes calçaram sapatos nem lhes deram o conforto do seio materno, antes da posse do sonho infantil, foram rejeitados, ao rigor do abandono.
Um dia, mãozinhas trêmulas, inseguras, sem afeto, bateram na porta do vizinho, procurando abrigo. Não havia ninguém ali para oferecer afeto nem portas havia na pobreza do lado. O menino escorregou na direção da rua.
Um dia, a criança anêmica foi eleita à marginalidade da escura noite e disputava papelões e pães no lixo do depósito público. Aos tapas, cresceu como grão perdido no vão das pedras, sem a mínima possibilidade de sobreviver: sem teto, sem luz, sem chão.
Um dia, o adolescente esperto teve alucinações de vida e o desejo de conferir a sociedade: candidatou-se à luta amarga do subemprego. Alvejado pela falta de habilitação, foi condenado como vagabundo, recebendo etiqueta oficial de mendigo.
Um dia, o adulto desiludido, amargurado, sem emprego, sem referencial, saiu à procura do amor. No escuro, mas cheio de esperanças, foi colecionando portas fechadas pelo caminho. Sem Deus, sem nome, sem avalista, sem discurso, acreditou no “slogan”  das campanhas sociais.
Um dia, o menino mal nascido, mal amado, mal educado, não soube cuidar do filho que nem chegou a ver. Não ouviu seu choro. Imaginou apenas que, após nove meses de duríssima gestação, alguém brotara de um rápido encontro, irresponsável, assustado e vazio que sempre ouviu dizer que se chamava amor.

Ivone Boechat

SOS – misericórdia para as crianças

 

A sociedade vive sobressaltada, de cabelo em pé, com o resultado do seu próprio estilo de vida. É muito barulho pra todo lado. Aí, a própria família, essa que reclama tanto do incômodo, basta alguém comemorar o aniversário e o barulho é o primeiro convidado a chegar. Nas festas de casamento então, o barulho chega de fraque e cartola. Os convidados, coitados, que imaginavam rever amigos e botar o assunto em dia, nem pensar. Ninguém consegue falar, só se gritar para saber, pelo menos, como o outro vai. Também não ouve a resposta! Aliás, na primeira chance as pessoas vão saindo, estressadas e frustradas. É para economizar o consumo? É chic? É moda? É claro que um fundo musical na festa é maravilhoso! Mas, por que tanto volume? E não adianta pedir para baixar o som, o profissional contratado, o dj, tem poder; manda na festa e você pode morrer fuzilado com uma guitarra apontada para o seu ouvido que ninguém socorre ninguém.

Por onde anda a educação?

As crianças não escapam dessa maluquice de botar o som em último volume nas comemorações, pasmem, a partir de um ano de vida! Mas reparem como os pimpolhos homenageados se comportam na festa: desesperados, choram, querem tirar a roupa, os sapatos, os penduricalhos do cabelo, e geralmente os avós ou algum voluntário bom samaritano sai com a vítima aos farrapos, para dar uma volta lá fora, onde o aniversariante acaba dormindo, aliviado, longe dessa zoeira horrorosa! É um caos! Enquanto isso, uma nuvem de sofredores de tenra idade se esforçam para ficar na festa, anestesiados pela esperança de ganhar os brindes. Ufa! Que sacrifício! A maioria chega a casa e haja mecanismos para baixar a overdose de adrenalina.

A Escola não pode de maneira nenhuma se omitir na educação sobre o uso inteligente do som.

Os profissionais têm também que baixar o volume dos equipamentos utilizados nas aulas. É um horror!  Os professores devem reduzir o volume da voz. Por que gritar tanto assim? Numa conversa normal, com pessoas educadas falando, o decibelímetro marca 30, 35 decibeis! Imagina o incomodo de quem é obrigado a participar de uma aula com 60 decibéis ou mais dos professores que só gritam? O resultado é este que se registra: de cada cinco crianças, nas três primeiras séries do ensino fundamental, somente uma é capaz de ler e entender uma frase escrita! É só porque o professor grita? Não! Claro que não, mas que a gritaria interfere, ah! Interfere, sim.

“O excesso de ruído causa na massa cinzenta um estímulo desnecessário, que a deixa acelerada, sem motivo. Ficamos em alerta, como se estivéssemos em perigo”, explica Fernando Pimentel de Souza, neurofisiologista da Universidade Federal de Minas Gerais. Isso significa produção em excesso de cortisol, o  hormônio do estresse, em picos indiferente”.

.Excesso de som altera a química cerebral: barulho excessivo das indústrias, canteiros de obras, meios de transporte, áreas de recreação, recreio da escola, festas, reuniões, etc. estratosféricos, no organismo. “É uma estratégia de defesa, que o próprio cérebro, agredido, articula”, justifica o psicólogo Esdras Vasconcellos, da Universidade de São Paulo. Faz sentido, por se tratar de uma reação que prepara o corpo para se proteger de um possível problema”.

“O ouvido é o único sentido que jamais descansa, sequer durante o sono. Com isso, os ruídos urbanos são motivos a que, durante o sono, o cérebro não descanse como as leis da natureza exigem. Desta forma, o problema dos ruídos excessivos não é apenas de gostar ou não, é, nos dias que correm, uma questão de saúde, a que o Direito não pode ficar “A Escola localizada no centro nervoso das cidades tem o ensino prejudicado. Pesquisadores da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, ao avaliar os efeitos do som do trânsito diurno em alunos do 7º ano, chegaram à conclusão que alunos que estudam em escolas localizadas em áreas de tráfego intenso tiveram pior resultado nos testes de leitura – uma defasagem de sete meses – em relação às turmas de instituições situadas em áreas mais silenciosas”.

“Primeiramente, devemos educar a alma através da música e a seguir o corpo através da ginástica”   Platão.

Então, mãos à obra: família, escola, igrejas, amigos, todo mundo; baixem o volume do som! Use-o, com inteligência!

Ivone Boechat

O que é educar?

Extrair do interior da alma

a preciosa essência

que vai se descobrindo

na raiz do amor?

O que é educar?

ensinar, disciplinar, instruir,

aprimorar para o além?

Educar é

esculpir a rocha das vontades,

fazer resplandecer

o homem purificado,

refinado,

ser capaz de ajudar

a construir alguém ?

Educar é síntese

de tudo isto

harmonizado,

dar o visto

no advir,

ser avalista,

ajudar a prosseguir

no caminho do bem.

Ivone Boechat

Minha filha

Tanta ternura

guardada, acumulada,

na alegria,                 

na dor,

24 horas e sempre

para o amor;

uma filha é assim:

certeza de amparo,

de socorro,      

de favor,           

silenciosamente

confiável,           

filha é aquele ombro amigo,

aquela ajuda discreta,

aquela reserva de amor.

Ivone Boechat

Feliz é a Nação cujo Deus é o Senhor

A felicidade de qualquer nação depende, fundamentalmente, do reconhecimento da soberania de Deus e a influência que Ele passa a exercer sobre as pessoas, sobre as famílias e todas as instituições. Quando se buscam deuses falsos ou quando não se cultua a nenhum deus, quando a Palavra de Deus e as suas Leis não têm lugar de adoração e destaque na vida da sociedade, ela perece entregue aos vícios, à depressão, à infelicidade. Uma nação se constrói no alicerce da fé. Cada cidadão bem orientado, com uma base sólida de educação, vai ajoelhar-se, aos pés de Cristo, buscando a comunhão com Deus. Porque “Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia a obra de suas mãos” Sl 19:1. Ninguém é insensível à majestade divina, quando lhe apontam para a grandeza do Seu poder.
Feliz é a nação que “instrui ao menino no caminho em que deve andar” Pv 22:6.
Feliz é a nação, onde a juventude “Lembra-se do Seu criador nos dias da sua mocidade. Ec.12:1.
Feliz é a nação, onde os “príncipes ensinam aos anciãos a sabedoria…” Sl 105:22.
Feliz é a nação que atende aos profetas de Deus, pois suas palavras são “…como uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações” II Pe 1:19. 
Feliz é o cidadão que reclina sua fronte nas sagradas escrituras, porque “seca-se a erva e murcha a flor, mas a palavra de nosso Deus subsiste eternamente” Is 40:8.
Feliz é o homem que “anda pelo caminho da retidão, no meio das veredas da justiça” Pv.8:20.

A humanidade clama pela presença do Deus vivo, fiel, justo, capaz de transformar as tristezas desta civilização decadente numa geração eleita, confiante.

Cada família pode se apresentar como agência do bem, responsável por seus filhos, vigilantes da paz. 
O homem foi criado para viver feliz, serenamente, entre as flores do imenso jardim do Universo – único verso divino, ritmado na cadência de vozes angelicais e nas bênçãos que o Pai das luzes derrama sobre seus filhos.
Feliz é a nação que se esforça para caminhar debaixo da potente mão do Senhor e reconhece que, desde a antiguidade, “O povo que andava em trevas viu uma grande luz; e sobre os que habitavam na terra de profunda escuridão resplandeceu a luz”. Is 9:2.

 Ivone Boechat

Escola sem partido

 

Tenho uma longa trajetória, por anos e anos na educação, com experiência na arte de ensinar. Atuei nas diversas classes sociais, em todos os níveis e graus de ensino. Em toda a minha vida defendi a liberdade religiosa e política. Jamais usei o sagrado espaço da sala de aula para imprimir o carimbo desta ou daquela opção de vida! Isto é fundamental na educação.

Quando foi aprovada a Lei tornando obrigatório o ensino religioso nas escolas do meu Estado, fiquei de cabelo em pé. Quem vai ensinar religião? Quem? Não se preparou ainda o professor pra ensinar religião. Pensei: pode ser um desastre!

Não compete à Escola ensinar religião nenhuma, exceto se a Escola é confessional. O grande desafio da educação é ensinar valores. Em todas as séries, desde as primeiras experiências na Escola, na teoria e na prática. Os educadores podem e devem ensinar os valores básicos da vida e que vão servir às religiões.   Que isto seja feito sem paixões!

Muito mais importante do que qualquer projeto de Escola, é preciso preparar-se para fazer um projeto de vida! Todavia, é bom lembrar que a educação tem que ser natural e livre, espontânea, feliz! A criança tem sonhos e um dos maiores é a sua Escola. Ela é encantada com o professor! Então é simples incluir temas relacionados com a felicidade, a paz, o amor, a amizade, fé, sem fazer um pacote com a verdade pronta, com doutrinação e ideologia. Esses conceitos surgem lindos e sem preconceitos no viver infantil. São valores que formam o cidadão global, independentemente de ser cristão ou não, daquele ou daquele outro partido.

É triste o resultado da educação em que o menino sai preparado para quebrar, pichar, incendiar. Pronto para o apartheid social. O cidadão tem que ser preparado para MUDAR e MUDAR-SE.  Vendo a si mesmo como sujeito e objeto de sua própria história. As Escolas devem ensinar o amor à Pátria, a comunhão, o respeito.

A criança pode discutir todos os modelos políticos, sem o educador apontar que esta sigla resolve todos os problemas da sociedade e aquela outra explora; A missão do educador é trabalhar pela paz. Sem entrar em detalhes partidários, o educador pode indicar, sim, os valores que devem nortear e caracterizar o gestor de uma nação. É impossível um analfabeto administrar uma potência. Quais as características de um gerente? Deve-se ensinar que, quem dirige um Estado, deve, antes de tudo, estar preparado para amá-lo.

Os desencantos do educador com este ou aquele político ou partido podem ser  defendidos, endeusados lá nos diretórios, em outros espaços, nos palanques, nas ruas de forma democrática e pacífica, mas nunca em sala de aula. Que o educador, se achar que deve, vá defender suas convicções políticas e religiosas somente fora do recinto que é igualmente de todos. Ali não é um curral, é sala de aula!

Ivone Boechat

 

 

O que é o amor

O amor humano

não sustenta união,

casamento,

amizade,

família,

o propósito o sustém;

ele cresce, evolui,

a comunhão e a fé

o mantém;

o amor se sustenta

na leveza e na seiva

da compaixão,

na gentileza admirável

da compreensão,

na sabedoria,

amiga inseparável

do perdão.

Ivone Boechat

Kesia Mara lança “Meu Caminho” em parceria com africana Anabella Rocha

A cantora e instrutora vocal, Kesia Mara, acaba de lançar o videoclipe da canção “Meu Caminho”, gravado em Marinalva (PR), com produção de Wilhans Silva.

Meu Caminho” conta com a participação da africana Anabella Rocha, cantora e pastora que reside em Portugal. Esta é uma das composições do também produtor Wilhans Silva.

 

Sobre Kesia Mara

Paraense de Marinalva, 33 anos, nasceu em berço evangélico. Kesia já fez participação no coral de dois álbuns da cantora pentecostal Vanilda Bordieri, intitulado “Na Tua Vontade” (2014) e “UMA” (2016).

Uma das referências dela é a cantora americana Jenn Johnson.

 

Assista “Meu Caminho”

https://www.youtu.be/HdIWGTVPamM

 

Siga no Instagram

@kesiamara_oficial.

 

Contatos

(44) 9.9921-1277 / cantorakesiamara@hotmail.com.

 

Divulgação Junior Lima

contatojuniorlima1@gmail.com

 

 

 

 

Alice Melody comemora dez anos de carreira.

Jovem está se preparando para lançar um livro

 

Volta Redonda – A cantora gospel Alice Melody acabou de completar 15 anos de idade e está comemorando seus dez anos de carreira. A jovem, que desde os cinco anos se dedica em levar a palavra de Deus através de seu trabalho, conta que para 2018 o que não vão faltar são novidades. Para começar, de presente de Natal aos fãs, ela lançará ainda este ano um videoclipe e uma música nova, que em breve serão divulgados. E em janeiro do próximo ano ela dará início ao tour do CD “Um Grande Sonho” (Big Dream), onde realizará pocket shows em shoppings e igrejas.

– Acredito que nesses dez anos de ministério evoluí bastante em vários aspectos. Minhas músicas ficaram mais voltadas para o público jovem, as letras melhoraram muito, surgiram novos projetos, novas canções – diz.

Inclusive, a jovem está se preparando para lançar um livro em fevereiro de 2018. A obra “Onde a Noite Não Chega” é voltado para os jovens e tem como tema a distopia adolescente. “Já estou em fase de finalização do livro. Desde pequena sempre gostei de escrever poesias, redações, até entrei para a Academia de Letras e Músicas do Brasil. Sempre tive esse interesse pela escrita, e como gosto muito de ler, achei legal escrever esse livro, com esse foco na distopia adolescente”, conta.

Desde o início da carreira de Alice, todas as músicas gravadas são compostas por ela mesma, e sempre voltadas para a mensagem de fé. A jovem artista terminou o nono ano e vai cursar o Ensino Médio. “Pretendo cursar três faculdades: Música, Cinema e Design, e para começar a me preparar, ano que vem começarei um curso de Cinema no Rio de Janeiro aos finais de semana, para começar a investir nessa área de minha carreira”, fala.

Celebrando: Alice Melody está cheia de novos projetos para 2018 (Fotos: Divulgação)

Celebrando: Alice Melody está cheia de novos projetos para 2018 (Fotos: Divulgação)

Apoio

Os pais de Alice Melody, Kely Vidal e Gledson Vidal, sempre fazem questão de acompanhá-la em todos os compromissos da jovem.

– Nossa preocupação é porque esse mundo artístico é muito ilusório, que fascina muito, por isso achamos importante estarmos próximos a ela, para não deixar a Alice perder o foco, o chão. A gente sabe que o jovem se dispersa muito fácil, o brilho cativa, por isso gostamos de acompanhar ela, que é nossa filha única – diz a mãe, ressaltando que farão isso enquanto puderem.

Inspiração

Segundo Alice, o CD “Um Grande sonho” foi lançado há pouco tempo, e gradativamente ela vai apresentar os novos singles.

– Gosto de compor e de cantar. Minha inspiração para compor é algo que vem de Deus. Vem a melodia na minha cabeça e faço a música, é algo natural. Já compus mais de 30 músicas, fora as que não foram gravadas – detalha.

Alice já tem três CDs: “Brincadeira de criança”, “Turminha da fé” e “Um grande sonho”, além do DVD “Hora de brincar”.

– Um dos planos para o futuro é fazer um DVD ao vivo para comemorar os meus 10 anos de carreira. Aguardem que vem novidade por aí! – finaliza.

 

Serviço

As músicas de Alice Melody podem ser encontradas nas plataformas digitais Deezer, Spotify, iTunes e Google Play. Mais informações no Instagram (@alicemelodyoficial) e pelo telefone (24) 98846-7136.

Por: Roberta Caulo

Fonte:Diário do vale