Diaconia, Proposta de vida cristã

Muito se fala hoje em servir, mas o que é ser um servo na íntegra?

Servo no texto Bíblico encontra-se correlacionado com a palavra diaconia, mas o que isso significa a luz da Bíblia e do contexto atual?

Diaconia é a fé em ação, é uma prática de espiritualidade que significa disciplinas da vida cristã; sendo o serviço uma das facetas de um homem espiritual, que na contramão do pensamento corrente não é medido pelo que tem, mas pelo que é, uma vez que ser indubitavelmente é mais importante do que ter.

Para muitos só deve servir quem tem ministério, ou é ordenado, entretanto analisando o grego do Novo Testamento, observamos que havia quatro expressões para designar um ministério: Arché (Liderança), Teolos (perfeição), Timé (dignidade) e Leitourgia (serviço ou engajamento em prol do corpo).

Com base nos ensinamentos de Cristo, podemos observar a importância do Servir (Mc 10:45) e que todos os membros do Corpo de Cristo são importantes até mesmo os que são considerados os mais fracos. “Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários” (I Co 12:22).

Todo o cristão recebe pelo menos um dom que deve ser usado para o exercício diaconal. Porém alguns erroneamente crêem que só são espirituais aqueles que receberam dom ministerial, ou dons de poder. Uns consideram mais espirituais aqueles que exercem o dom de profecia do que os que exercem o dom de misericórdia (Rm 12:7). Contudo demonstra falta de conhecimento quem age com este preconceito, pois confunde espiritualidade com ativismo.

Temos acreditado que o poder da Igreja é o de fazer, mas paradoxalmente o verdadeiro poder da Igreja é o de ser (I Co 3:10): A verdadeira espiritualidade não é medida apenas por um contato divino, mas por um contato Humano-divino que leva-nos a um relacionamento íntimo com Deus e que nos conscientiza da importância do contato com o próximo.

Lembre-se que o braço que levantamos para adorar a Deus encontra-se intimamente ligado com a mão que devemos estender para ajudar o próximo. Portanto demonstra compaixão quem dá assistência aos doentes, coloca a sua casa a disposição dos necessitados, faz visitas aos enfermos, visita asilos, creches, oferece carona para quem necessita, aconselha os desorientados, atende a viúva, ao órfão e ao pobre, prega, ensina e canta, visando por meio destas ações à glorificação do Reino de Deus.

Jesus resumiu os mandamentos da lei em dois: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outros mandamentos maiores do que estes”. (Mc 12: 30,31).

Infelizmente, atualmente, o que temos visto é uma falsa espiritualidade. Que valoriza apenas o contato com o divino, mas esquece-se dos problemas humanos, não valorizando o contato com as pessoas e os seus efeitos na sociedade. Fomos chamados para pregarmos o Evangelho do Reino que deve manifestar-se aos homens a partir do momento que, através de nossas vidas, apresentamos o Reino de Deus e a sua justiça.

ORLANDO E. C. MARTINS

Jornalista, professor de Teologia e obreiro na AD do Bom Retiro em Florianópolis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *