CUIDADO COM A VITÓRIA!

arrogante 2Fui terrivelmente tentado mas não caí. Amém! Fui terrivelmente tentado e caí, arrependi-me, pedi perdão e levantei-me. Amém! Existe uma tendência de se julgar, condenar, rotular e colocar no inferno pessoas que erraram ou que lutam para vencer algum pecado que os escraviza. Toda vez que censuro meu irmão, estou me colocando acima dele e no lugar de Deus. Se a admoestação não for motivada por amor, não tenho o direito e nem a autoridade para dirigir-me a qualquer errante sofredor. A intolerância religiosa e a má interpretação do texto sagrado tem sido uma triste realidade em algumas comunidades cristãs e feito um grande “gol-contra” o evangelho. O pecado é injustificável, porém Deus ama o pecador e nenhum pecado é grande demais que Ele não possa perdoar. Da mesma forma, nenhum pecado é pequeno demais que não necessite do perdão de Deus. Tanto uma “inocente” fofoca como um escandaloso adultério são igualmente ofensivos diante de Deus. Talvez você não cometa o “grande” pecado que o seu irmão andou cometendo, mas aquele “pecadinho” que só você sabe, não passará batido diante do Juiz de toda terra no dia final de ajuste de contas. Essa visão honesta e cristã nos livra da arrogância espiritual e nos mantém compassivos e misericordiosos para com os “mais fracos” na fé. O homem não peca porque ama o pecado e sim porque é pecador. O salmista já dizia: “Eis que em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.” Salmos 51:5. Mesmo o apóstolo Paulo lutava contra suas inclinações naturais. O que transforma vidas é o testemunho de alguém que teve a coragem de admitir que foi alcançado pelo evangelho após uma vida de quedas… e quem não as tem?! O próprio Deus não teve “vergonha” de deixar relatada em Sua Palavra a vida pregressa dos grandes personagens bíblicos, porque sabia que essa seria a  forma eficaz de fazer valer a cruz de Cristo e levar esperança ao pecador. Tenha muito cuidado ao contar suas vitórias para que esta não se transforme em velada vaidade pessoal, o que irá anular sua vitória. Depois da grande vitória do Carmelo, o profeta Elias precisou curvar-se e colocar a cabeça entre o joelhos sete vezes para que sua oração fosse atendida. Isso porque o orgulho pela vitória alcançou o coração do profeta. E Deus não o atendeu enquanto não despiu-se de toda vanglória e soberba(I Reis 18). Evite o exibicionismo espiritual e seja honesto no seu testemunho pessoal. Entenda humildemente que mesmo após uma grande vitória, é possível nova queda. Abandone o falso moralismo, admita que é pecador e que depende da graça de Deus para suas vitórias. Perfeito diante de Deus não é aquele que jamais peca e sim aquele que está perdoado.

Por: Rubens Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *