HONRA AO MÉRITO

copa875Estou infeliz com esta copa, por razões óbvias, mas penso ser oportuno usá-la como ilustração para uma interessante consideração. Vamos supor que a nossa seleção esteja no último jogo pela disputa da taça. Estão em campo jogadores bem treinados, que atuam em suas diversas posições – existe até aquele com a função principal de fazer o gol. A equipe faz o melhor, o gol sai e a vitória é conquistada. Somente aquele que fêz o gol irá receber a medalha? É claro que não; todos os jogadores a receberão, mesmo aqueles que ficaram no banco dos reservas. A taça também será mérito de todos pelo esforço pessoal. Isso me faz lembrar que algo parecido irá acontecer com o povo que irá chegar ao céu. Veja, alguém pode ter atuado como pastor evangelista internacional, músico renomado, diácono ou mesmo como um obreiro voluntário; não importa o cargo ou a função que recebeu na terra, todos receberão exatamente o mesmo prêmio. A diferença está na honra ao mérito, que será unicamente pelo sangue de Cristo e não pelo esforço pessoal. É a sabedoria de Deus em ação para evitar a luta pela supremacia entre os irmãos, fazendo com que cada um exerça com simplicidade e humildade o dom que recebeu para a missão que lhes foi designada. Ainda assim, infelizmente, existem os que fazem uso da velada “politicagem denominacional” para garantir-lhes status e beneficios financeiros. A estes também existe uma recompensa, à luz da afirmação do profeta Jeremias: “Maldito aquele que fizer a obra do Senhor fraudulosamente.” Jer. 48:10. Mas talvez uma questão venha à tona: e como fica o grupo especial dos 144.000 de Apoc. 14:13? Penso não ser conveniente entrar no mérito desse número. Mas se fosse lhe perguntado se desejaria ter morte natural ou ser lançado dentro de um forno de chamas ardentes, o que você escolheria? Ficaria chateado por não ter o mesmo privilégio daquele que deu a vida por Jesus, sendo devorado por leões? Você lutaria com todas as forças para “cavar” o martírio de ser queimado, só para ter um lugar de destaque no céu? De acordo com I Cor. 13, é possível que alguém entregue o corpo para ser queimado por pura presunção e vaidade, sem amor. Amigo, o que estou tentando dizer é que a qualificação para a entrada no céu não é pelo que você fez, mas pelo que fizeram com você e por você, especialmente na cruz do calvário. Isso exclui qualquer intenção de vaidade pessoal e sede de proeminência. No fim de tudo, o importante é estar lá. E para tanto, cumpra a sua missão diante de Deus e dos homens com humildade, seja ela elitizada ou humilde, para que um dia possa ouvir dos lábios do Mestre: “Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor.” Mat. 25:21.

Por: Rubens Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *