Minha mãe

 

Na floração da vida,
no processo de multiplicação do amor,
semeiam-se no cálice do renascimento
gotas milagrosas do orvalho que germina: Mãe.

Mãe, símbolo de transformações
manipuladas por Deus;
no feliz seio do repouso amigo,
frontes curvam-se das amarguras da vida.

Mãe, muito mais que o fenômeno do conforto,
é complexo harmonioso
que sincroniza ternura e confiança;
simplicidade envolvente no discurso do amor.

Mãe, finalidade motora de corações latejantes,
compasso da música composta
na originalidade do nada-tudo;
é sabedoria justificada e definitiva.

Mãe, rosas vermelhas no canteiro da gratidão;
lágrimas de compreensão,
fluindo das flores do arrependimento,
como chuvas de perdão.

Mãe, coordenação da vida,
no embalo do berço e da saudade;
felicidade resumida no calor do abraço.
Mãe-esperança.

Ivone Boechat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *