Esposa de pastor

 

Uma flor nasce solidária,

no coração do pastor!

decisões, desafios

ministérios, encantos,

exalam desta belíssima flor.

A mulher do pastor,

é flor sempre pronta

a compartilhar o perfume

do amor, da coragem, da fé…

mesmo frágil faz-se forte,

enfrenta vendavais

de vida e morte,

sem se curvar,

de pé.

Esposa de pastor,

força inabalável…

se jogada ao chão,

ergue-se forte,

ressurge, amável,

cresce

no coração.

Esposa de pastor,

flor de vida

gloriosa,

não brota em

qualquer jardim,

semente inigualável,

precisa de cuidados;

tem missão espiritual,

precisa das orações,

de carinhos sem fim

para estar abençoando

este ser especial.

Ivone Boechat

O que o educador pode dizer?

O que dizer a uma criança, a um jovem, ao idoso, a alguém que assiste, perplexo, pelos meios de comunicação, a tanta destruição, vandalismo, quebra-quebra, planejado por radicais livres, leves e soltos, mascarados profissionais, muito bem pagos, a pretexto de indignação, por este ou aquele motivo político?

O que dizer dos maus elementos travestidos de “políticos” que não têm o menor compromisso com o povo, porque já provaram que, na mínima oportunidade, surrupiam os cofres públicos e nem se importam com a fome e o abandono de milhares de pessoas, seus eternos e fiéis eleitores, coitados!

O que dizer de “jornalistas” que generalizam, confundem, induzem multidões ao erro, quando se precipitam com “notícias” equivocadas que esmagam esperanças. Ou então selecionam as piores desgraças para contar a todos, sem se importar com horário, idade, saúde, com a desculpa de “vê quem quer”. A ética passa longe! Esses têm o prazer de grifar o pior, como se no Brasil não acontecesse nada de bom.

O que dizer aos “educadores” ideológicos que consomem o tempo dos estudantes, traem as famílias, ao invés de ensinar os valores fundamentais para a construção do cidadão? Sala de aula não é diretório nem palanque é uma grandiosa oportunidade para a educação. Se “doutrinadores” gastam o tempo discipulando para desfraldar uma bandeira que não seja a brasileira, deveriam exercer a profissão custeada por aqueles que lhe encomendaram a  tarefa de desmoronar o país e  as instituições. A verba destinada à educação tem que ser investida na educação básica!

O bebê chega de fraldas à escola. Ele quer espaço para brincar, cantar, ser feliz. Ele nem sabe o que é aprender, porque ensina muito mais do que aprende. Mas cresce, passa a entender o mundo ao redor! Que tristeza! O menino vai crescendo e se traumatizando com tanta violência pra todo lado! Muito cedo vem a decepção com as chamadas “autoridades”, devido ao comportamento ridículo que essas crianças veem e registram pelos meios de comunicação.

É tempo de colocar a pátria, tão mal amada, no centro das prioridades! A sociedade está carente de assistência! Todos sabem que é a educação que traça o rumo. Exemplo ruim está sendo praticado a olhos vistos, até por aqueles que se proclamam “educadores”, quando invertem os objetivos educacionais e pervertem politicamente com mentiras. Mentiras, fábulas, delírios têm no jovem um terreno fértil. Os profissionais do mal sabem disto. Por causa dos “meios que justificam os fins” insistem e conduzem as vítimas a um velho curral eleitoral, mesmo tendo plena consciência do mal que fazem ao Brasil.

O Brasil é lindo! É uma potência! É rico! Tem quase tudo para dar certo, mas quem sabe, tropeça em você: saia da frente se você não é educador, se não é um político honesto, se não é o governante que prometeu ser. Devolva ao povo brasileiro o que ele sempre teve: esperança.

Ivone Boechat

 

Missões na família

Quando a humanidade se debruça para rever “a obra de suas mãos”,  vê assustada, o resultado desastroso da história que escreve: o mundo está mergulhado na violência.

O Brasil carrega nas costas o saco de lixo social que foi acumulando nos cestos de gabinetes frios de seus mandatários, desde a descoberta. São promessas de melhor distribuição de renda e o rascunho do discurso eleitoreiro que se especializou para arrancar os votos sofridos da população aniquilada. O cidadão morre, porque os projetos oficiais indicam a solução para o próximo milênio e quase ninguém agüenta mais esperar.

A tarefa de “anunciar o Evangelho a toda criatura” tem se esbarrado na falta de recursos. Os cidadãos sensíveis às Missões Nacionais são muito poucos, todavia, o  esforço concentrado na obra já alcançou a regiões distantes. Como obedecer ao Ide de Jesus? Como proclamar o Evangelho, se os obreiros são tão poucos numa seara tão grande ?

O campo missionário mais importante é aquele que está no Lar, na Família.. Por incrível que pareça precisa-se de missionários para milhões e milhões de lares. Quantos se perdem dentro de casa? Por que não fazer uma campanha de resgate dos excluídos que perambulam “anônimos” na família? Ou seja, um mutirão familiar em prol daqueles que agora estão desorientados, sem encontrar o Caminho?

Pais, usem a mídia para evangelizar seus filho. Poste diariamente um pequeno texto bíblico. Conte uma linda história da Bíblia. Esta geração não suporta nada muito longo, demorado, enfadonho. Tudo tem que ser muito rápido. Chega de tanta foto de churrasco e festa nos WhatSapp. Seu filho quer algo mais precioso. Ele quer ouvir uma palavra de você. Cadê os avós  missionários?

Hoje, quando os meninos de rua, fabricados ao sabor da irresponsabilidade, atropelam os olhos e o coração de toda a sociedade e os presídios superlotados agridem o mais elementar princípio do direito humano, o apelo de Missões na Família ecoa, a partir do mundo que se avista, a começar daqui. Ficou cada vez mais perto o limite para o início do trabalho missionário.

Sem desprezar jamais o avanço da obra e nunca se deter na ampliação do campo missionário no Lar, o guerreiro de Cristo define-se como aquele que abraça e adota a Pátria como filho amado.  Foi Jesus quem determinou: IDE ! Ou você vai ou paga alguém pra ir.

Como a voz do que clama no deserto, o apelo chega aos ouvidos sensíveis, reclamando por socorro espiritual para o descanso de suas almas e resposta aos anseios. É preciso ir e ficar. Ir, levando a chama olímpica do bom soldado que não se nega de partir aos campos de batalha. Ficar, orando e sustentando na base a saúde espiritual da família. Quem vai ou fica é guerreiro de Cristo, veste a farda celestial do “bom combate”.

Ivone Boechat

 

 

Mães

 

As mães precisam, urgentemente, de orientação psicológica para promover a grande reflexão que o momento não exige, implora. O ser humano não tem educação emocional para participar, ao vivo, das convulsões sociais, porque a evolução, em ritmo acelerado, ultrapassa as condições de adaptação e conceitos podem se atropelar.

Mulheres, quase meninas, estão, precocemente, com seus filhos nos braços, a maioria sem a mínima noção da responsabilidade. Sem emprego, inúmeras delas, na ilusão de conseguir recursos como trabalhadora diarista, procuram vaga na creche, que não existe, para o recolhimento desta criança que deverá ser educada por alguém que, na maioria das vezes não sabe o que é educar.

O círculo vicioso da desassistência põe em risco a formação do ser humano, capaz de atuar como sujeito e objeto das transformações que a humanidade reclama.

O que a mãe precisa saber para ajudar na educação do seu filho? Ele está encantado com esta Era da conexão. Até porque o homem de todas as eras sempre se esforçou para mover este mundo e o outro para se comunicar. Vem conseguindo verdadeiros milagres e isto não tem limite! Então, desde pequenino, ajude a formar o espírito crítico da criança, oriente, supervisione, diariamente. É uma tarefa sistemática!

A mãe não vai conseguir tirar das mãos das crianças os aparelhos cada vez mais modernos e abrangentes de comunicação. Ela consegue, sim, criar regras de uso e não é algo fácil. É um exercício diário que só dará resultados num grande mutirão: família; escola; igreja; juntos educando.

Crianças obedecem a quem amam. Ufa! É um alívio saber isto. Não relaxe, elas obedecem, também, ao desconhecido misterioso que lhe impõem ordens. Crianças adoram mistérios. As crianças gostam de jogar com o desconhecido e, não orientadas pelas famílias, ou solitárias por longos períodos, enquanto os pais estão fora de casa, ficam embaladas na rede – web; ali, podem pesquisar sobre as novidades radicais, porque têm autonomia para decidir sobre como preencher o seu tempo.  A liberdade infantil induz a atitudes eufóricas, atiçam a curiosidade a novas sensações, e ai, inimigos anônimos podem entrar em ação. Cuidado!

O índice de crianças que têm pensamento de suicídio é alto. Segundo a Organização Mundial de Saúde a morte por suicídio mata mais jovens do que o HIV em todo o mundo. O Brasil ocupa a 12º posição na lista de países latino-americanos com mais mortes neste segmento.

 Atenção: “75% das crianças já viram imagens online que as perturbaram, segundo uma pesquisa da ONG britânica NSPCC. Fabricantes de computadores e revendedores deixam para os pais a tarefa de encontrar e instalar softwares que filtram material inadequado para crianças”.

Mães, atenção. A luta atual para se equilibrar no fio esticado do circo da sobrevivência requer um planejamento singular na sua agenda. Não desanime, trabalhe em equipe, estabeleça regras de uso da Internet, use aplicativos e fique de olho nas crianças; sua prioridade! Bem usada a Internet é uma bênção.

Ivone Boechat

Pastor

site_sou_pastor

 

 

 

 

 

O pastor é profeta, porta-voz de Deus. “Não havendo profecia o povo se corrompe…” Pv 29:18. Nunca duvide, porque Deus mostra mais coisas ao pastor do que se imagina… Ele tem informações privilegiadas, vindas do céu, no tempo e no espaço. ”Ele é o anjo da igreja” Ap 2:8. “Com certeza o Senhor Deus não fará nada, sem antes revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Amós 3:7). O profeta Jeremias diz que “É Deus quem dá pastores ao povo”. O pastor não é um empregado da Igreja; é um servo exercendo o ministério recebido do céu, convocado por Deus. “E vos darei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com ciência e com inteligência” Jr 3:15. O dinheiro que gera o salário do pastor é de Deus, fruto do dízimo que as pessoas devolvem à Igreja. O patrão é o Senhor. É com o dinheiro dele que se sustenta a obra. A Igreja apenas administra e obedece ao que lhe foi ordenado: “Digno é o obreiro do seu salário”. Lc 10:7.

O pastor é sentinela da verdade. Doa a quem doer, se Deus mandar o pastor tem que pregar o que lhe foi ordenado. “Jamais deixei de anunciar todo o desígnio de Deus” At 20:27.

O pastor é um guardião do Evangelho e das doutrinas: “Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo” Gl 1:10.

O pastor é mensageiro de Deus, conselheiro, irmão na fé, porém, não é super-homem. É humilde servo do Senhor, chamado para o cumprimento da missão. Ele precisa do apoio, das orações, de cooperação para não fraquejar nem esmorecer nas tentações. É um ser solitário na dimensão humana. Mesmo casado, não pode desabafar com a esposa, por misericórdia, as experiências dolorosas e agruras que sofre. Ora e chora aos pés do Senhor.

O pastor precisa preparar, por ano, mais de cento e cinquenta mensagens só para o púlpito, e mais, muito mais ainda, para os cultos e eventos fora da Igreja, para as  emergências, aconselhamentos. Ele precisa ler e se atualizar sempre para não ficar repetitivo; a sua aparência deve estar ótima, distintamente vestido como requer sua opção pastoral, o humor em nível altíssimo, a paciência deve ser inesgotável. Se errar dificilmente será perdoado por seus pares.  Com missão tão gloriosa e árdua a cumprir os pastores se esforçam para agradar, e sofrem quando percebem que não são amados na mesma proporção que amam.

Quando se lê na Bíblia a vida e a obra dos servos de Deus; as falhas; os pecados; as fraquezas e retumbantes vitórias, está tudo detalhadamente descrito para que ninguém tenha dúvida de que o pastor é um homem comum. Ele está sujeito a erros, mas, com uma diferença: é um ser humano que ouviu a chamada divina,  obedeceu, está disponível para a obra de Deus. “Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” Hb 13:17.

Ivone Boechat

O valor da família

A família é resultado do projeto divino.

Todavia, a história de inúmeras famílias descrita no livro sagrado desaponta pelo retumbante fracasso, não do modelo traçado por Deus, mas, sim, pelo homem desobediente à orientação do Criador.

Num dos episódios da vida de Abraão, “pai da fé”, Deus recomendou:

“Sai-te da tua parentela”. Como não houve obediência, as conseqüências foram terríveis.

Abraão, não ouviu o que Deus determinou e “resolveu” dar uma carona ao sobrinho, Ló, e o resto da história é o resumo da história de muitas famílias, que têm a mania de, indiscriminadamente, carregar a parentada no banco de traz e na maioria das vezes, no banco da frente.

No casamento os noivos assumem o compromisso no altar de sustento mútuo, mas é comum encontrar um kit completo esperando por eles lá do lado de fora! Inúmeras vezes, do lado de dentro e o novo casal vai morar junto… E se encosta!

Na arca de Noé, quem entrou? Sua família.

Por que será que conviver com parentes é tão complicado assim? É diferente de viver em família: pai, mãe, filhos. Parentes são tios, sobrinhos, primos, cunhado, nora, genro, sogra…encostos… E a sogra, campeã de perseguições, vem carregando uma carga negativa de antipatia, rejeição, discriminação. Geralmente a sogra sofre injustiças, principalmente, com as pesadas malas deixadas por irresponsáveis nas costas dela. O sujeito se encosta na sogra e reclama de invasão de privacidade!

Um dos mais poderosos mísseis lançados no espaço familiar vem dos maus parentes agregados à família, e muitos nem disfarçam, chegam de olho nos “erros”, nas “falhas”, na herança, nas benesses. Nenhum esforço fizeram para se apossarem das vantagens conseguidas com suor e sangue dos outros e ainda julgam que têm pouco, são parentes… e aí…querem mais. Há parentes que colam na árvore genealógica  como planta daninha e querem derrubar o mito de uma família feliz e daqueles que se esforçaram para exercer o amor e a responsabilidade mútua.

A prioridade da família é a família. Não significa fechar os olhos ou encolher os braços para negar socorro. Pronto socorro é uma coisa, exploração perpétua é outra. O sujeito finge doença, pobreza e pasmem…feiúra! Até cirurgia plástica é cobrada por parentes!!

Jesus estava numa festa de família em Betânia e os olhudos estavam do lado de fora. Críticas não faltaram nem ao Mestre. Judas disse mais ou menos assim:“Com tanto pobre lá fora e você permitindo que se derrame sobre os seus pés um perfume tão caro?” E a resposta perfeita não faltou: “Pobres, sempre os tereis convosco”.

Esse “pobre que sempre tereis convosco” é aquele que bisbilhota a festa dos outros, os bens do outro, querem tirar proveito na sombra.  Querem comer e beber de graça! Ficam na espreita, com uma língua afiada desse tamanho!

Não precisa generalizar, na parentela, há pessoas grandiosas, muito especiais, mas “pobre sempre tereis convosco”: braços cruzados, preguiçosos, folgados, invejosos, exploradores, prontos pra achar que o seu perfume é caro, o carro do ano é luxo (enchem a paciência se vão de carona) para esses tudo está errado, tudo é desperdício: a casa na praia, o sítio, enfim, ao invés de irem à luta, não, ficam espionando o progresso do parente, do lado de fora, pior que a maioria fica dentro mesmo!

Ivone Boechat

O homem de Deus

O homem criado por Deus, à sua imagem e semelhança, vem ao longo de toda a história da humanidade, mostrando-se digno, eficaz e respeitável, sempre que se colocou, como servo do Senhor, pronto a ouvir o chamamento divino.

A Bíblia registra a biografia de homens extraordinários, que entraram para a história, como heróis da fé.

Enoque, homem que andou tão perto de Deus que Deus para si o tomou (Gn 5:24).

Noé, o engenheiro do Senhor, pai da ecologia, designado para iniciar o novo projeto de civilização (Gn 6 a 9).

Abraão, pai da fé, amigo de Deus (Gn 12 e Tg 2:23).

José, o jovem sonhador, homem que dignificou e traçou o perfil do político que governa e honra o cargo que exerce (Gn 41).

Moisés, líder fantástico, homem que teve a honra de marcar o limite ao redor do monte, estabelecendo o território que lhe foi ordenado por Deus para a santificação. Recebeu de Deus Os Dez Mandamentos (Ex 20).

Jetro, o sacerdote de Midiã, assessor respeitável que soube desempenhar o importante papel de conselheiro e amigo na obra santa (Ex 18:19).

Josué, o general de exército que, corajosamente, entrou na Terra Prometida com o povo de Deus (Js 3).

Gideão, o homem de Deus que com apenas 300 soldados obedeceu à voz do Senhor e venceu a dura batalha (Jz 7).

Samuel, último juiz e profeta de Israel que iniciou uma nova ordem social e espiritual, norteando o povo de Deus pelas veredas santas (I Sm 3).

Davi, rei, poeta, escritor, homem “segundo o coração de Deus” (At 13:22).

Salomão, o homem mais sábio da antiguidade, poeta, escritor (II Cr 1:7-12).

Elias e Eliseu, corajosos profetas do Senhor que enfrentaram reis maus e corruptos para levarem a mensagem do Senhor (I Rs 17 a II Rs 8).

Isaías, profeta messiânico, consultor, escritor notável, e cientista que durante sessenta anos de sua vida, assessorou reis e poderosos, porque seu nome foi e é respeitável.

Jeremias, profeta que viveu na época em que o povo Deus foi levado ao cativeiro. Mesmo no calabouço, nunca se calou, com firmeza, enfrentou perseguições e tortura.

Neemias, o assessor do rei, homem de confiança, prestigiado, autorizado e credenciado pelo rei Artaxerxes a partir para reconstruir os muros de Jerusalém (Ne 1).

Daniel, profeta, homem dedicado à oração, temente a Deus e não perdeu a fé, ao ser lançado na cova dos leões.

No Novo Testamento, há uma galeria de servos do Senhor que honraram a participação do homem, desde a preparação do nascimento de Jesus, até os últimos versos do Apocalipse.

Como Maria, mãe de Jesus, poderia submeter-se, plenamente, à vontade de Deus, se não tivesse ao seu lado, José, “homem justo?”

Registram-se profetas, sacerdotes, reis, escritores, mártires, apóstolos, discípulos, missionários, homens que se colocaram nas mãos do Senhor, como vasos de bênçãos, prontos a darem suas vidas, sacrificando-se para a honra e a glória de Deus.

Uma homenagem aos homens, que formam as fileiras do exército do Senhor, atuais heróis proclamados ou anônimos, pelo seu desempenho nas múltiplas funções no processo de transformação da sociedade atual.

 

Ivone Boechat

O trem da vida

Quando você chegar

à presença de Deus

que relatório você tem

de sua viagem à terra,

em missão especial?

Você vai dizer que

buscou a paz ?

que o tempo todo

se desviou do mal,

que pediu perdão pela guerra,

que fez o bem

sem olhar a quem ?

Fazer isto é obrigação,

o Senhor se agrada, sim,

quando você se aproxima de alguém,

socorre a casa do aflito,

ameniza a dor

de quem você nem conhece,

sem compensação!

Você viajou como servo à terra,

mas o trem de sua vida

pára na estação dos clamores,

você não desce,

só compõe o cenário…

O que você tem feito,

antes de sua despedida,

como obreiro do Senhor,

está na ala de quem faz

ou de quem só cobra?

apenas um adereço?

nem vê que há plano e sonhos

com a sua vida

para a expansão da obra ?

você não veio à terra passear,

como “visionário”,

seu bilhete de viagem foi pago

por alto preço

na classe especial de missionário.

Ivone Boechat

É tempo de planejar a vida

Vá pelo caminho que conduz à paz! Não se deixe abater por sentimentos falsos de tristeza, nem se demore na curva das promessas vãs. Estende a mão a quem procura abrigo. Ajude sem cobrar. Nunca ajude listando pré-requisitos; não exija que o necessitado preencha um questionário de perguntas humilhantes.

Não espere reconhecimento ou recompensa.

Ajude!

A estrada da vida é sua, estreita ou larga, escura, iluminada, cheia de buracos, reta ou sinuosa, mas é sua.  Não importa. Você iniciou a viagem que se comanda pelo controle remoto divino.

Seus passos não têm cadência igual a de ninguém, ninguém poderá imitar seu ritmo, é seu. Quando as pessoas o rodeiam com ameaças de impedir-lhe a viagem, quem decide é você.

Se há alguém sofrendo na beira da estrada, ajude, sem parar a caminhada: segue em frente, leve-o consigo, se for possível.

Não se atrase, reclamando do destino, tire os espinhos.

Não derrape os olhos no defeito alheio, olhe em sentido contrário, freando a língua.

Na subida, engrene a marcha do soldado idealista, vista a farda do “bom combate”. Na revisão geral da bateria da alma, quando a luz vermelha se acender, em sinal de perigo, quando as forças descarregarem a sua energia e os passos começarem a vagar ao léu, faça contatos imediatos com a UTI da misericórdia do céu.

Ivone Boechat

Pai é modelo

 

Pai é responsável, sim,

ao dar exemplo para o filho,

é espelho onde se mira

o pequenino;

pai é caminho, retorno, senha,

farol e brilho

na estrada até o fim:

na palavra, nos gestos, no comportamento,

nos amigos que tem, no ensino…

Pai é matriz de fé,

primeira pista

do segredo de amar,

adorno da educação

quando conquista,

com muita luta e oração,

o seu devido lugar…

Ivone Boechat