Pastor de Neymar fala sobre a relação do craque com a igreja e com as baladas

neymar-602Aos 21 anos, Neymar é mundialmente conhecido como um dos melhores jogadores de futebol da atualidade. Com uma carreira esportiva marcada por gols, algumas polêmicas e vários dribles, o jogador é conhecido também por ser membro da Igreja Batista Peniel, localizada na Zona Leste de São Paulo, apesar de ser uma presença frequente em festas e baladas.
Em uma entrevista ao FOXSports.com.br, o pastor Newton Lobato, classificado pelo site como mentor espiritual do craque, falou da relação do jogador com a igreja, que ele começou a frequentar aos oito anos de idade.
Lobato revelou que o jogador começou a frequentar a igreja levado por Betinho, que foi seu treinador nas categorias de base, e que depois disso toda a família do jogador começou a frequentar a igreja.
O pastor contou ainda que atualmente Neymar frequenta a igreja com menos frequência, e revela que o craque buscou ajuda depois de enfrentar um problema com racismo, em uma situação em que teria sido chamado de macaco.
– Depois do jogo contra o Ituano, em que houve aquela confusão com o outro técnico, que teria o chamado de “macaco”, ele veio para o culto, na quinta-feira. Ele saiu daquele jogo muito chateado. Você pode ver que contra o São Paulo ele estava bem melhor, mais solto. – revelou o pastor.
Questionado sobre a vida badalada do atleta, com festas, iates e mulheres, o pastor afirmou que a igreja ensina, mas não obriga ninguém a fazer nada, e ressaltou que Neymar sabe o que é certo e o que é errado.
– O difícil de trabalhar com atleta é que eles têm jogos fora, ficam concentrados, eles não têm tempo para frequentar a igreja e acabam se afastando da pregação, das palavras da Bíblia. E aí, eles acabam liberando para outro lado, o do glamour, do luxo. A igreja ensina, mas não obriga ninguém a fazer nada. O Neymar sabe o que faz, o que é certo e errado – declarou.
A relação do jogador com a religião foi comentada também pela modelo Patricia Jordan, affair do craque santista.
– Acho bacana a religião do Neymar, mesmo porque sou evangélica também, mas ainda não fomos à igreja juntos – declarou Patricia, que também elogiou a relação do jogador com seu filho, afirmando que ele é “um paizão”.
Por Dan Martins

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

Pesquisa revela que 27% das pessoas acredita que Deus interfere nos resultados esportivos

'A forma que tenho de pregar o evangelho é minha profissão', diz KakáPor ocasião do SuperBowl, o Public Religion Research Institute realizou um levantamento entre o público norte-americano e descobriu que 27% das pessoas acreditam que Deus “desempenha uma função na definição de qual time vence” os jogos.
A pesquisa descobriu ainda que mais de 50% das pessoas acreditam que “Deus recompensa os atletas que tem fé com boa saúde e sucesso”, segundo informações do Click Orlando.
O diretor executivo do instituto, Roberto P. Jones afirmou que surpreende saber que, apesar do profissionalismo atual, as pessoas enxergam a intervenção divina no esporte: “Em uma era onde os esportes profissionais são movidos por dólares e estatísticas, um número significativo de americanos vê uma mão divina no jogo”.
Os resultados do levantamento teve variações entre as regiões dos Estados Unidos: no Sul, 36% das pessoas acreditam na intervenção de Deus no esporte, enquanto que no Centro-Oeste, apenas 20%, contra 15% no Nordeste e 15% no Oeste.
A pesquisa fez também uma separação dos dados por etnia e por doutrina, aplicando as percentagens ao quadro social do país.
Jones afirmou ainda que os cristãos norte-americanos “têm uma visão muito pessoal de Deus, e O enxergam como um Deus que é muito ativo em suas vidas diárias, além de preocupado com as coisas que importam para eles”, pontuou. O diretor executivo do instituto de pesquisa disse ainda que como “o esporte é uma das coisas que importa”, para essas pessoas, “é lógico que Deus está desempenhando um papel importante”.
A relação entre a fé e o esporte é algo comum em todo o mundo, com atletas manifestando sua gratidão por conquistas. Na pesquisa, 50% dos participantes afirmaram aprovar essas expressões de fé, enquanto que 45% disseram achar que não se importam com isso, enquanto que 4% afirmaram reprovar tais atitudes.
Por: Tiago Chagas

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

Conheça as estampas leves, modernas e confortáveis da Holy of Holies

Logo 1

Uma nova grife com temas cristãos acaba de chegar no mercado. A Holy of Holies (Santo dos Santos) é a marca de roupas da Achou Gospel e possui camisetas com malha 100% algodão e fio penteado, o que proporciona conforto, maciez e frescor absoluto.

As estampas são modernas, estilosas, atuais e elegantes, com mensagens que vão abençoar a sua vida e das pessoas ao seu redor. Além das camisetas, a marca apresenta outros produtos de alta qualidade e beleza, como bonés, bermudas, calças, mochilas e muito mais.

Seja um representande, ligue para (21) 7842-3791 OU 55*5345

Mais informações:
Nextel ID 55*116*2048 | (21) 7778-6045| (21) 2421.9792
(21) 2421.9795 | (21) 8316.7544
(11) 3042.3535 [São Paulo] | (71) 4062.9964 [Bahia]

Léo Moura afirma que má fase no Flamengo foi provação divina

JogoDepois que se converteu ele teve alguns problemas que ele acredita que aconteceram para tentar desanimá-lo na fé.
Léo Moura afirma que má fase no Flamengo foi provação divina Léo Moura afirma que má fase no Flamengo foi provação divina
Ao comentar a série de lesões que sofreu em 2012, o jogador Léo Moura diz que passou pela provação divina, já que antes de se tornar evangélico ele não havia tido uma fase tão ruim no Flamengo.
“De 2005 até metade do ano passado, estava solto no mundo. Ia à igreja, mas nunca tive aquele foco. A partir do momento em que me converti, comecei a ter lesões”, afirma.
“Quem conhece a palavra sabe que isso é uma tentativa de me fazer desistir”, disse o jogador em entrevista ao portal Terra.
Léo Moura se converteu na metade de 2012 e diz que não se arrepende da escolha que fez mesmo passando por esta provação. “Foi um teste, mas sou firme no que escolho. Escolhi este caminho e o ano de 2013 vai ser bom para mim”.
Apesar da má fase, Léo Moura teve o contrato renovado com o time e deve permanecer no Flamengo até dezembro deste ano. Sua vontade é ajudar o time a conquistar o título da Libertadores. “O único título que não ganhei aqui é a Libertadores. Ainda falta isso no meu livro. É isso que me motiva estar aqui no Flamengo. Vamos buscar uma vaga este ano na Copa do Brasil ou no Brasileiro”.
Por: Leiliane Roberta Lopes

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Jogador Kaká volta a frequentar igreja evangélica

 'A forma que tenho de pregar o evangelho é minha profissão', diz KakáDepois de um tempo aparentemente longo longe das igrejas, o astro de futebol Kaká passou a frequentar uma igreja evangélica em Madrid, relatou o El Mundo.
A informação foi confirmada pelo pastor da Igreja Evangélica Salem, Marcos Vidal, em entrevista ao LaOtra Crónica.
O também cantor gospel internacionalmente conhecido, revelou que Kaká vai à igreja com mais frequência em Carabanchel, mas nem sempre pode ir por causa do futebol.
Segundo Vidal, Kaká se comunica com frequência por whatsapps e ambos reúnem em hotéis para orar antes dos jogos.
“Eu o vi a pouco, na mesma manhã do Real Madri x Ajax em Bernabéu. Em seguida ele fez um gol”, disse ele, segundo a mesma publicação.
“Depois ele me escreveu para dizer que havia marcado graças a Deus”, conta Marcos.
Kaká era assíduo frequentador da Igreja Renascer emCristo no Brasil desde jovem. Sua esposa Carol Celico veio para a igreja por meio dele, sendo ordenada pastora logo em seguida.
Ambos, entretanto, tomaram uma polêmica decisão de deixar a igreja em 2009 e passaram um longo tempo fora das igrejas evangélicas.
Recentemente, Celico declarou que não sentia mais vontade de ir à igreja e que não gostava de rótulos, referindo-se a ser chamada de “evangélica”.
De acordo com ela, o encontro com Deus se dava em sua casa. “Hoje a nossa igreja é a nossa casa.”
Rivais em campo, irmãos em Cristo
O rival de Kaká em campo mas irmão na fé, Radamel Falcão, também frequenta a Igreja Salem e ambos já se sentaram juntos no mesmo banco para ouvir as pregações de Marcos Vidal.
“Falcão vem sempre com sua mulher, disfarçado, com gorro e óculos. Chega cinco minutos depois e vai embora cinco minutos antes.”
Durante os jogos, assim como Kaká, Falcão também usa camisetas por baixo do uniforme com frases do tipo “Com Jesus nunca estará sozinho” ou “Creia e verás a glória de Deus”.

Fonte: Christian Post / Jornal Gospel News

Testemunho: O missionário de ouro

“Eu viajei para Londres e ainda voltei com duas medalhas de ouro. Para quem imaginava que passaria o resto da vida preso em casa não é nada mal”. É com esse misto de humildade e bom humor que o maior nome da bocha adaptada no Brasil comenta o grande momento que viveu e está vivendo após um desempenho espetacular na última Paralimpíada.
Dirceu José Pinto, 32 anos, foi um dos responsáveis por uma marca histórica para o Brasil, que conquistou em Londres seu melhor desempenho na história da Paralimpíada. O País contabilizou 43 medalhas, sendo 21 de ouro, 14 de prata e oito de bronze. Apenas Dirceu conquistou duas medalhas de ouro e uma de bronze, um recorde na bocha adaptada.
Ele levou o bicampeonato da modalidade, classe BC4, nas categorias individual e dupla, tendo como parceiro Eliseu dos Santos. Nesse exato momento Dirceu está treinando para os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. A agenda dele em si é uma maratona.
Além do treinamento para os próximos desafios da bocha adaptada, o atleta coordena um projeto ousado em sua cidade natal, Mogi das Cruzes, que está revolucionando o modo de vida de dezenas de cadeirantes que, através do esporte, estão sendo reintegrados à sociedade.
Mas ele sempre arranja um jeito para fazer o que considera a atividade mais importante de sua vida: pregar o Evangelho. Membro da Assembleia de Deus Ministério Madureira, Dirceu se enxerga como um missionário eleito por Deus para falar especialmente às pessoas que, como ele, enfrentam as dificuldades da deficiência física.
Ao invés de carreira, ele fala em ministério; salvação de almas ao invés de competição por medalhas.
“Hoje tenho certeza que a minha missão na Terra é a de ganhar almas para Jesus através do esporte. Mas não sou eu quem faz isso. Deus me usa para fazer a obra Dele. Eu tenho consciência de que Deus tem me preparado para uma obra que é Dele porque vejo isso acontecer todos os dias”, afirmou.
Vida de desafios
Os pais de Dirceu, Maria e Carlos José Pinto, se mudaram de Rondônia para Mogi quando ele tinha apenas 11 anos.  Foi em Mogi que o sexto filho do casal descobriu sua doença.
O garoto se cansava demais quando ia para escola. Aos doze anos, recebeu o diagnóstico assustador: distrofia muscular de cinturas, uma doença genética incurável. A doença atingiu a parte interna da sua coxa, o abdômen e bíceps, substituindo o tecido muscular por tecido gorduroso. Dificuldade de locomoção, cansaço e dores fizeram parte do seu dia-a-dia.
Apesar do diagnóstico definitivo, o jovem Dirceu decidiu viver como se tudo fosse apenas uma fase ruim que passaria se ele fizesse exercício e tomasse os remédios certos. Mesmo com dificuldades de locomoção e dores, ele continuou na escola e concluiu o segundo grau.
Por acreditar numa cura, Dirceu fez o possível para manter uma boa saúde e condicionamento físico. Ele fazia natação, hidroterapia e fisioterapia. Apenas aos 16 anos que ele se deu conta de que não haveria realmente nenhuma cura.
Com isso veio a tristeza e, com o tempo, a depressão. A cadeira de rodas que era usada ocasionalmente nos momentos de maior cansaço também se tornou definitiva em sua vida.
Dirceu previu então que seu futuro seria sombrio por conta das severas limitações da doença.
Após o término de seus estudos, o jovem mogiano imaginou que poderia nunca mais sair de casa. O que lhe impediu de cair numa espiral de medo e desespero foi a formação religiosa. Dirceu foi “criado” dentro da escola dominical da Assembleia de Deus.
Ele ainda era um menino em Rondônia, mas se lembra claramente das professoras colocando cadeiras de plástico embaixo de árvores para contar histórias bíblicas. “Foi uma experiência que moldou meu caráter”, disse.
Dirceu conta que se comprometeu em ter contato com a Bíblia todos os dias. Em pouco tempo, ele começou a ler a Palavra de Deus de manhã, tarde e noite.
“Ao invés de perder tempo com TV e videogame, assumi essa responsabilidade com Deus. Acredito que li a Bíblia inteira seis vezes”, comentou.
Mas ele persistiu em práticas que hoje considera mundanas. Dirceu vivia uma fase depressiva que combinava bebidas e outros vícios.
Foi quando passou a ouvir a voz de Deus. Literalmente. E a voz dizia que ele estava fazendo tudo errado. No começo, Dirceu pensou que estava louco. Mas o conhecimento bíblico o ajudou a viver a experiência com outros olhos.
“Eu comecei a rir sozinho de pura felicidade. Porque sendo pecador da maneira como eu era e ainda sou, mesmo assim o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, em meio a bilhões de pessoas, estava falando comigo. Eu fiquei alegre de estar sendo corrigido pelo próprio Deus”, afirmou. Dirceu garante que até hoje escuta claramente a voz de Deus.
Trabalho social
Em tom pedagógico Dirceu explica que existem dezenas de modalidades para diferentes tipos de deficiências. A bocha adaptada, explicou, é especial porque é voltada para cadeirantes que não se encaixam em outras modalidades.
“São pessoas que normalmente ficam presas dentro de casa porque são paralisados cerebrais, sofrem distrofia muscular, que é uma doença muscular agressiva, ou são lesados medulares. A bocha adaptada surgiu para essas pessoas”, informou.
É por isso que Dirceu está engajado na missão de tirar cadeirantes de sua casa e agregá-los por meio do esporte. Ele é coordenador do programa municipal de Paradesporto, que funciona por meio de parceria entre o Trabalho de Apoio ao Deficiente (Tradef)/ Clube Náutico e Prefeitura.
“Nós vamos às escolas, nas igrejas, e buscamos cadeirantes nas casas. Hoje são 72 pessoas beneficiadas. São deficientes em situação de risco social que recebem um salário mínimo, mais vale refeição e plano de saúde. Um projeto que está mudando a vida de muita gente”, enfatizou.
Além dos benefícios sociais, o programa municipal oferece um meio de devolver autoestima às pessoas. “Eu vivi esse drama na pele e por isso estou nesse trabalho. Quando médico dá o diagnóstico definitivo, a pessoa perde sonho e a noção de futuro. Queremos mostrar que elas não precisam ficar presas de suas casas. É possível lutar contra as dificuldades. Deus nos dá a força necessária para conviver com a deficiência. Eu sou prova viva disso”, finalizou.
Recomeço
Aos 19 anos, Dirceu aceitou a Jesus como seu salvador. Ele começou a entender que sua a deficiência havia sido permitida por Deus para que Ele o usasse em Sua obra. Foi naquela época que ele conheceu a bocha adaptada de uma forma totalmente inusitada.
Ele fazia fisioterapia no clube Náutico e via alguns sujeitos “jogando bolinhas”. Para Dirceu, aquilo era pura perda de tempo. “Eu via os caras jogando bolinha e pensava: ‘esse fisioterapeuta ridículo, ao invés de passar atividade, faz os caras jogarem bolinhas’. E esse foi meu primeiro contato com a bocha adaptada”, diverte-se.
Mas o “fisioterapeuta” (na verdade treinador, Ronaldo Gonçalves), fez convite para que Dirceu participasse. Por educação, ele foi um dia com a intenção de nunca mais voltar. Mas descobriu na bocha adaptada sua grande paixão.
Dirceu começou a praticar a modalidade apenas para ter alguma ocupação que o ajudasse com sua condição. Mas ascendeu rapidamente a posição de atleta de alto rendimento. Em 2002 ele foi vitorioso em uma competição regional no Rio de Janeiro.
“Foi um momento de virada. Eu comecei na bocha por hobby e um mês depois disputava o regional no Maracananzinho. Fui e conquistei medalhas. Foi inesquecível. O Maracanã é ali do lado e pude assistir o clássico Flamengo x Fluminense. Eu pensava que minha vida seria minha casa, então, voltei deslumbrado”, destacou.
Dirceu resolveu fazer um propósito com Deus: se ocupasse os primeiros lugares nas competições, testemunharia sobre o amor de Jesus Cristo aonde quer que fosse. Ele só não imaginava que iria tão longe para honrar o pacto.
“Daquele momento em diante eu fui campeão brasileiro individual, campeão em dupla, campeão regional e paulista. Passei a jogar de forma extraordinária. É como se eu fosse Michael Jordan da bocha adaptada”, brincou.
Antes da consagração em Londres, quando foi bicampeão da modalidade, o mogiano viveu uma experiência significativa na China. Lá ele conquistou sua primeira medalha de ouro fora do Brasil e também teve a oportunidade de testemunhar sobre Cristo para os chineses.
Para vencer a dificuldade do idioma, Dirceu recorreu a duas chinesas que falam o português de Portugal. Uma delas o ensinou a dizer “Jesus te ama” na língua nativa. O brasileiro ia aos ginásios para competir e repetia a frase para todas as pessoas que cruzassem seu caminho.
“No primeiro dia os chineses apenas assentiam com a cabeça. Dias depois quando entrava no ginásio, começava a frase todo mundo já completava. E a chinesa que me ajudou com as traduções confessou Jesus como seu Salvador”, comemorou.

Fonte: Exibir Gospel / Jornal Gospel News

Daniel Dias é indicado ao Prêmio Excelência Cristã

Atleta evangélico é indicado na categoria ´Destaque no Esporte Paraolímpico´
O atleta paraolímpico presbiteriano Daniel Dias estará presente na noite de gala do Prêmio Excelência Cristã, realizado pela EBF Comunicações.
O nadador é reconhecido nacionalmente pelas vitórias e recordes conquistados em piscinas ao redor do mundo. Nas paraolimpíadas de Londres, realizada em agosto deste ano, o atleta conquistou seis medalhas de ouro.
Daniel nasceu na cidade de Campinas e cresceu na cidade de Camanducaia, interior de Minas Gerais. Com pouco mais de sete anos de carreira, Daniel Dias acumula 10 ouros, quatro pratas e um bronze em duas Paraolimpíadas disputadas. É o maior medalhista paraolímpico da história. Em 2009, foi ganhador do prêmio Laureus, considerado o “Oscar” do esporte.
Em novembro, Daniel Dias se casou com Raquel Andrade, na igreja Assembleia de Deus, em Bragança Paulista, interior de São Paulo, cidade onde reside.
Pelas conquistas conseguidas ao longo da carreira Daniel Dias é o indicado para a categoria Destaque no Esporte Paraolímpico.
O Prêmio Excelência Cristã é mais uma ação inovadora da EBF Comunicações e pretende premiar 47 personalidades que contribuem com excelência na obra de Deus. Para isto, será realizada uma noite de gala no dia 10 de dezembro de 2012, no Maksoud Plaza Hotel, na cidade de São Paulo. O evento marca também o lançamento da EXPOCRISTÃ 2013 – o maior evento internacional de produtos e serviços para cristãos – que tem a proposta de levar ao público uma edição histórica.
Outros detalhes sobre o Prêmio Excelência Cristã pode ser conferidos no site http://www.excelenciacrista.com.br

Fonte: Creio / Jornal Gospel News

Médicos americanos alertam para aumento de acidentes com brinquedos infláveis

Um novo estudo descobriu que nas últimas duas décadas mais de 64.000 crianças menores de 17 anos se machucaram com brinquedos infláveis em casa ou em instalações públicas de recreação.
Com um banco de dados nacional representativo que usa dados de mais de 100 hospitais, os pesquisadores encontraram um aumento de lesões de 111 por cento entre 2008 e 2010. No final desse período, 31 crianças por dia, em média, estavam sendo tratadas em salas de emergência por causa de distensões, fraturas e contusões sofridas em brinquedos infláveis.
“Isso é um aumento epidêmico”, disse o autor sênior, Dr. Gary A. Smith, diretor do Centro de Pesquisa de Lesões e Política do Hospital Infantil Nationwide em Columbus, Ohio. “Isso é algo de que temos que tomar conhecimento.”
O estudo, publicado online em 26 de novembro no periódico Pediatrics, descobriu que 90 por cento das crianças feridas tinham menos de 13 anos, e que 16 por cento de todas as lesões ocorreram em colisões com outro usuário. Fraturas e luxações foram as lesões mais comuns, e pouco mais de 3 por cento dos feridos tiveram de ser hospitalizados.
“Nós não estamos dizendo que não se deve usar brinquedos infláveis”, disse Smith. “Mas os pais devem considerar limitar o seu uso para crianças de 6 anos ou mais, reduzindo comportamentos de alto risco como girar ou dar cambalhotas no ar e, se várias crianças estiverem no brinquedo, garantir que elas tenham aproximadamente o mesmo tamanho e idade.”

Fonte: The New York Times / Jornal Gospel News

Entrevista: Assembleia de Deus lança projeto de evangelização para Copa de 2014

A partir do dia 12 de junho de 2014 o Brasil vai sediar um dos maiores eventos esportivo do mundo, a Copa do Mundo de Futebol. Os jogos ocorrerão em 12 cidades-sedes e devem atrair turistas de cerca de 200 países e algo em torno de 20 mil jornalistas do mundo todo.
Com olhos do mundo inteiro voltados para o país, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil está se preparando para lançar um projeto de evangelização durante o evento. O projeto se chamará “AD na Copa” e deve alcançar todo o território nacional.
O projeto já tem um site oficial (www.adnacopa.com.br) e contará com materiais de evangelismo. Além disso, no dia em que não houver jogos nas cidades sedes, serão realizadas grandes concentrações evangelísticas.
A Assembleia de Deus está desenvolvendo um projeto pioneiro e audacioso para a evangelização na copa. Coordenador do projeto no Rio Grande do Sul, o pastor David Mattos, presidente da Igreja Assembleia de Deus de Viamão, tem experiência missionária, foi missionário na África do Sul e em Israel e é um dos tradutores oficiais da Scool Of Christ International, em mais de 150 países.
O pastor falou com exclusividade ao Gospel Prime sobre o projeto “AD na Copa”.
Leia a entrevista na íntegra:
O senhor tem muita experiência como intérprete e em trabalhos missionários fora do país. No que isso pode contribuir para a coordenação dos trabalhos de evangelismo na Copa?
David Mattos – Tanto a experiência como intérprete como minha experiência como missionário fora do país, ajudam a entender os diferentes tipos de cultura que poderemos receber durante a copa do mundo. Creio que o fato de eu ter morado em três países diferentes, situados em três continentes diferentes, me coloca numa posição estratégica quanto ao conhecimento da cultura das pessoa que receberemos. Este conhecimento é fundamental para a aproximação e a comunicação da mensagem do evangelho.
A cultura influencia muito na forma de evangelizar?
Sem dúvida nenhuma. A cultura de um povo não se resume apenas a sua língua ou sua música. Nossa cultura determina toda nossa maneira de pensar, reagir e interagir. Tome como exemplo nosso país, onde temos diferenças culturais enormes entre o sul e o norte, alguns dos métodos que as igrejas do norte do país usam para evangelizar, simplesmente não funcionam em nosso estado, pois a cultura é outra. Agora imagine se recebermos; africanos, europeus, pessoas do oriente médio. É necessário encontrar o método apropriado, que se encaixe em suas culturas, para alcançar estas pessoas,
O Brasil é mundialmente conhecido como a terra do futebol e do carnaval, hoje se destaca no crescimento do cristianismo e como modelo econômico. Que tipo de influência isso pode ter nos trabalhos de evangelismo?
A imagem do futebol e do carnaval sempre levou ao exterior o entendimento de que o brasileiro é um povo alegre e cordial. Hoje, com o avanço econômico o brasileiro passa a ser visto como um povo trabalhador, eficiente e desejado no exterior (como turista) por seu poder financeiro. A imagem de cordialidade e alegria, associada com esta nova visão do brasileiro no exterior, facilita nossa aproximação para o evangelismo.
Há muito tempo os brasileiros são vistos como grandes missionários por sua capacidade de adaptação ao país em que estão.
Turistas de cerca de 200 países visitarão o Brasil na ocasião, 20 mil jornalistas do mundo todo, seria uma oportunidade de mostrar o país como sendo uma potência evangélica?
A ideia é levar a estas pessoas a mensagem do evangelho de Jesus Cristo. Mas, sem dúvida, a grande mobilização que está sendo feita poderá repercutir mostrando a potência evangélica que é o nosso país.
O futebol não é associado pela igreja brasileira, principalmente pelas assembleias de Deus, como “diversão familiar” lícita. Isso pode atrapalhar em algum momento os projetos de evangelismo?
É claro que sim! Mas, desde que o projeto iniciou tem se buscado conscientizar as lideranças de nossas igrejas que o objetivo é alcançar vidas que virão buscar divertimento em nosso país e, que, através deste trabalho terão a oportunidade de encontrar a Cristo.
O Rio Grande do Sul é ainda mais conservador neste aspecto. Como o senhor pretende vencer esta barreira?
A barreira começou a ser vencida com o apoio do presidente de nossa convenção, Pr. Ubiratan Batista Job, que me convidou para liderar este projeto em nosso estado. Em nossa última convenção estadual, tive a oportunidade de falar ao plenário e busquei mostrar que nosso interesse não é futebolístico e sim evangelizar. A resposta que tenho recebido por parte da liderança de nossas igrejas é a mais positiva possível.
Como serão coordenados os trabalhos?
Este é um projeto da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. O projeto é chamado de ADNACOPA e é coordenado pelo Pr. Arnaldo Senna da Silva. Cada cidade que receberá os jogos tem um coordenador local.
Aqui no Rio Grande do Sul, foi convidado todas as igrejas da grande Porto Alegre para participarem do projeto. De treze cidades tivemos apenas duas ausências em nossa última reunião. Cada cidade está estudando a melhor maneira para evangelizar.
Que tipo de material será usado?
O material é muito variado e dependerá também, da nacionalidade das pessoas que estaremos recebendo. Será usando banners, camisetas, dvds, panfletos (na língua destas pessoas). Muito mais está sendo planejado pelos coordenadores locais.
Já temos um site: www.adnacopa.com.br

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Time de futebol quase é multado por agradecer a Deus conquista do acesso à Série B do Campeonato Brasileiro

O Chapecoense, time de futebol de Santa Catarina que disputava a Série C do Campeonato Brasileiro, garantiu em novembro sua participação na Série B da competição em 2013. Porém os agradecimentos a Deus feitos pelos atletas da equipe na comemoração da conquista quase renderam uma pesada multa para o time.
De acordo com os relatos do árbitro da partida, Luiz Flávio de Oliveira, nos acréscimos da etapa final os jogadores catarinenses que estavam no banco de reservas “vestiram por cima do uniforme uma blusa onde constava ‘Deus é fiel, Série B 2013 (na frente) e nas costas estava escrito ‘Jesus Você’, e o desenho de um coração”.
Por causa da comemoração, o time foi denunciado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), e corria o risco de ser multado em até R$ 100 mil, por “descumprir regra de obrigação legal”, conforme previsto artigo 191, inciso I, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). A denúncia era por descumprir a regra da FIFA, que afirma ser proibida qualquer mensagem de cunho religioso dentro de campo pelos atletas.
Em sessão da Quarta Comissão Disciplinar do STJD, os auditores responsáveis pelo caso não viram qualquer gravidade no fato, e absolveram o clube catarinense por maioria de votos, segundo informações do TNH.
Por Dan Martins

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News