JOZYANNE CONTA TUDO EM ENTREVISTA EXCLUSIVA

Nas vésperas do lançamento de seu primeiro CD pela Central Gospel Music, Jozyanne fala sobre Meu milagre, ministério e curiosidades desta nova etapa de sua vida. Veja na íntegra detalhes desse bate-papo.
1- Após a espera, finalmente chegou o mês do lançamento. Como está o coração agora?
O coração está batendo forte por mais um desafio que me propus a viver. Estou muito feliz porque sei que, se cheguei até aqui, foi porque Deus me sustentou e colocou ao meu lado uma equipe de primeira para me dar todo o suporte que precisava durante a geração desse sonho. Agradeço a Deus pelo meu pastor, Silas Malafaia, meu marido, Pr. Odilton Angelo, meu produtor, Josué Lopez, e pela Central Gospel Music, por acreditarem nesse projeto.
2- Lembro que você falou sobre a importância de ter um ministério sólido, e não uma carreira. Como você diferencia uma coisa da outra?
Ministério é algo que Deus te dá, independente dos holofotes, e isso eu recebi do Senhor ainda na adolescência, quando comecei a ter uma pequena noção do que Deus queria realizar na minha vida. E como Deus faz muito mais além daquilo que pedimos ou imaginamos, estou eu aqui, falando com vocês. Verdadeiramente, Deus é fiel! Quanto à carreira, todos que buscam fazer o melhor em qualquer área da sua vida têm. Quando falo de carreira, lembro-me de histórias, e essas histórias é que nos faz construir tudo o que somos, experiências vividas. Isso chamamos de carreira. Mas devemos tudo a Deus, que por sua infinita misericórdia nos permite chegar a lugares diferenciados.
3- Você lembra da gravação do seu primeiro CD? Qual a diferença daquela Jozyanne para a de hoje, lançando o primeiro álbum pela Central Gospel Music?
Lembro-me como se fosse hoje. Tudo é muito mais difícil no começo, até mesmo você conseguir a confiança daqueles que vão te permitir entrar em suas casas com um álbum. A preocupação de manter a minha identidade era o meu maior desafio. Hoje, vejo que aprendi um pouquinho com tantas pessoas que me ensinaram a crescer, mas sei que o que estou vivendo hoje é só o começo de muitas histórias lindas que o Senhor tem preparado para mim. Estou aqui para aprender e ouvir o que Deus quer que eu faça. Sou apenas serva.
4- Você tem algum sonho especial para o seu ministério?
Acho que o meu sonho não é diferente dos sonhos de muitos que querem ser usados nas mãos de Deus. Que a minha voz e minhas canções sejam instrumentos, um canal para a cura e o agir de Deus na vida de pessoas no mundo inteiro. Poder ouvir testemunhos de diferentes lugares do mundo onde nunca fui e não conheço é um sonho.
5- As pessoas costumam falar que, quem realmente se dedica ao seu ministério (seja no louvor, na palavra ou nas missões), tem que “pagar o preço”. Você concorda com essa frase? Você tem “pago o preço” para levar a palavra de Deus em forma de canções?
Tudo na vida daqueles que querem ser bem sucedidos vem junto com muitos sacrifícios. O que realmente mexe comigo é a saudade da minha casa, do meu marido, das minhas filhas; mas por outro lado, quando fico muito tempo de férias, sinto que falta algo também (risos). Resumindo: Deus me preparou para viver o que eu vivo. A cada dia aprendo como administrar isso tudo. Levar a palavra por meio da minha voz é uma dádiva de Deus, e vale muito a pena tudo que vivencio.
6- Agora vamos falar do seu CD. Como foi a escolha do nome do álbum?
(Risos) Não foi nada fácil, já que queria que o título tivesse a ver com esse meu depender de Deus. No final de tudo, chegamos a conclusão de que a ministração sobre milagres estava muito presente em nas canções. Foi assim que nasceu Meu milagre.
7- Você compôs uma música nesse CD. Qual o nome? Você já havia gravado alguma canção de sua autoria?
Chuva de Deus é a minha única composição no álbum. Na verdade, essa é a terceira música minha que gravo. Ela nasceu depois do acampamento de jovens da Advec, onde Deus falou muito comigo. Coloquei no papel o que Deus tinha ministrado ao meu coração e então a música veio.
8- E sobre a parceria com Nani Azevedo em uma das músicas do CD. Por que você o escolheu? Como foi gravar com o Nani?
Escolhi o Nani porque, além dele ser um grande amigo da nossa família, ele somaria com sua interpretação e experiência nessa canção que é tão forte. Confiarei ficou maravilhosa! Essa mistura de interpretações ficou do jeitinho que eu havia imaginado. Como digo para o meu irmão e produtor Josué Lopez, ficou “lágrima” (risos).
9- Nani disse pelo Twitter que, ao ouvir a música Confiarei, não teve como não se emocionar. O que ela causou em você quando a ouviu?
Fiquei pensando em quantas vezes vivenciei essa canção na minha vida, sentindo-me às vezes sozinha. A única coisa que me consolava era saber que, se eu olhasse para o alto, o Deus do socorro estava pronto a me socorrer e a enxugar as minhas lágrimas, derramando o bálsamo sobre a minha vida. Pensei nas pessoas que ouvirão esse CD e serão consoladas por meio dessa música.
10- O CD marca uma nova fase de sua vida. O que você espera daqui para frente?
Espero que esse CD seja verdadeiramente o degrau de novas experiências com Deus. Quero continuar sendo serva, buscar aprender e melhorar a cada dia, pois aqueles que se acomodam com o bom nunca vão provar o melhor de Deus nas suas vidas. Eu quero viver tudo o que Deus me capacitou pra viver. Eis me aqui, Senhor. Usa-me.
Medo
De água. Não sei nadar (risos).
Deixa você triste
Mentira.
Deixa você feliz
Ficar com minha família.
Uma mania
Tenho tantas… (risos) Troco meu chinelo molhado pelo primeiro que vir seco pela frente, mesmo que seja menor que o meu pé.
O que te irrita?
Lentidão. Gosto de ver logo o resultado das coisas.
Família
Meu maior presente aqui na terra.
Sonho
Cantar meu repertório com uma Orquestra Sinfônica, principalmente esses três últimos lançamentos. Nem sei se conseguiria de tanta emoção.
Uma inspiração musical
São muitas também… Rachel Lampa.
Alguém que você admira
Meu marido
Pr. Silas Malafaia
Referência de coragem e atitude
Central Gospel Music
Minha casa
Deus
Razão do meu existir.

Fonte: Jornal Gospel News

Entrevista – SONORIZAÇÃO DE IGREJAS com o produtor ABNER BORBA

Igrejas das grandes cidades do Brasil estão se agendando, para mandarem seus representantes ao primeiro evento voltado exclusivamente a SOM DE IGREJAS realizado em suas cidades, com a presença de um dos maiores produtores do cenário gospel nacional, com mais de 20 anos de experiência no assunto.
Seu nome é Abner Borba: produtor musical formado pela Integrity Music, nos Estados Unidos. Além disso é gerente da gravadora Life de Porto Alegre/RS, onde já produziu e gravou CDs de grandes nomes da música gospel nacional e internacional como de seu irmão ASAPH BORBA, David Quinlan, Kléber Lucas, Casa de Davi, Filhos do Homem, Davi Silva, Willians Costa Jr. e muitos outros. São mais de 400 trabalhos realizados neste período que compreendem ainda gravação e produção de DVDs ao vivo.
Abner Borba têm ministrado um treinamento específico para operadores de som, instrumentistas e cantores, visando levar benção ao povo de Deus que precisa se aprimorar neste quesito bastante importante e, muitas vezes, fundamental nas igrejas. As informações e inscrições podem ser realizadas no site www.onixexpress.com.br, empresa organizadora do evento em parceria com grandes lojas musicais da cidade. No site também é possível acompanhar toda a agenda de Abner Borba. Os próximos eventos serão realizados nas cidades de São José do Rio Preto/SP, Porto Alegre/RS, Belo Horizonte/MG e Florianópolis/SC, respectivamente.
Nesta matéria, Abner nos fala um pouco de sua vasta experiência como produtor musical e ministrador deste importante evento, que gera grandes resultado pelos lugares onde passa. Somados, são mais de 1.000 alunos que melhoraram, e muito, a qualidade do som de suas igrejas, sem precisar gastar fortunas com equipamentos, usando da melhor forma o que já possuem em suas congregações.
1 – Quais as maiores dificuldades que as igreja encontram na hora de sonorizar os templos? Como melhorar o som das igrejas? ABNER BORBA- A maior dificuldade é a falta de conhecimento da parte de todos: pastores, líderes, músicos e operadores. A nível de Brasil, de uma forma geral, a maior parte das congregações têm dificuldade em resolver os problemas no som porque os pastores e líderes não têm alguém de confiança que possa realmente dizer qual é o som que é necessário na congregação. Não temos a cultura do projeto para instalação de som. O equipamento é configurado pelo irmão que sabe um pouco mais que o pastor, opiniões diversas, “achômetros”variados até chegar o ponto em que o pastor cansa de investir porque tudo o que falaram pra ele não resultou em grandes benefícios. Outro fator é a falta de conhecimento do operador de som que, em quase todos os casos, é um voluntário que não entende e nunca estudou o assunto. Som é uma arte que tem que ser estudada tanto quanto a música. O instrumento do operador é a mesa de som e ele tem que aprender a “tocá-la”. De outro lado os músicos vão instalando seus próprios equipamentos nem sempre visando o sistema como um todo e sim o que ele acha que é melhor. Com tudo isso instaurado nos cultos temos um sistema de som confuso que às vezes é alto demais para alguns e inteligível para outros. Com a minha experiência, creio que a solução para o problema deve ser trabalhada em três frentes: PROJETO PARA MONTAGEM E INSTALAÇÃO DE SOM (incluindo se possível um ajuste acústico na igreja) , TREINAMENTO DOS OPERADORES e CONSCIÊNCIA por parte da liderança em se submeter ao projeto. Por isso tem que ser alguém de confiança pra fazer um projeto.
2 – Qual a importância de uma boa sonorização? ABNER BORBA-  Jesus fez tudo o que fez frente às multidões sem som. O problema é que hoje nos reunimos em frente à avenidas, perto de aeroportos e fábricas. As pessoas estão mais acostumadas a terem que ouvir mais alto também. A fé vem pelo ouvir a palavra de Deus. Assim o som se torna uma ferramenta importante pra que as pessoas possam ouvir o que está acontecendo num culto. É possível ter um som de qualidade a baixo custo? ABNER BORBA-  Depende do tamanho da igreja. Bom e barato são poucas as coisas na vida hoje. Volto a insistir na questão do projeto. Com projeto , planejamento e metas com o som, mesmo que demore anos pra se ter um bom som , vale a pena ter um projeto. Se temos um projeto, mesmo sendo uma igreja pequena, compra-se aos poucos somente o que é CERTO que vai dar certo. Não tem erro. Assim, fica mais barato do que comprar equ ipam entos e testar pra ver se vai resultar.
3 – Qualidade de equipamentos que compõem o sistema de som de uma igreja são pontos fundamentais para uma boa sonorização? ABNER BORBA- Sim. Mas temos que ir com calma neste assunto. Qualidade tem que vir associada à necessidade. Não adianta ter um microfone caro para um lider de louvor e os demais microfones serem de péssima qualidade. Não adianta ter uma mesa de som de excelente qualidade se as caixas de som, cabos e amplificadores são ruins e mal dimensionados. Se o orçamento é enxuto, tem que ver antes qual é a necessidade e dentro dela , traçarmos um planejamento de como canalizar os investimentos de forma que o equipamento todo se supra uniformemente. Brinco com meus alunos que não adianta nada ter um fusca com banco de couro, luz de neon, ar condicionado e motor 2.0 (risadas).
4 – Nos cursos que você aplica é preciso ter um conhecimento básico de sonorização ou é aberto para iniciantes? ABNER BORBA- É aberto pra iniciantes e pra quem já tem experiência também.  Temos recebido testemunho de várias congregações que têm tido resultado com os operadores que têm treinado conosco. Quem tem experiência pode entender na teoria e solidificar mais seus conhecimentos e os que não sabem tanto, podem aprender do “bê-á-bá”.
5 – Os projetos de som são diferentes para cada ambiente (templos maiores, menores… etc)? ABNER BORBA-  Sim com certeza. Depende do tamanho do lugar, acústica e a quantidade de ouvintes que teremos no sistema.
6- Um dos maiores problemas enfrentados pelas igrejas hoje são reclamações e até ações judiciais devido a sons elevados. Como criar barreiras para impedir que o som “vaze” dos templos para as ruas? ABNER BORBA-  Aqui não tem jeito. O pastor vai ter que investir mesmo num projeto acústico. Tem que pensar no dimensionamento e na utilização dos instrumentos e equipamentos (limpeza acústica do palco) e tem que calcular que paredes estão vazando, quanto está vazando e qual material vai ser acrescentado (e como vai ser acrescentado) às paredes, portas, janelas e tetos.
7- Quando uma igreja não investe na qualidade de som, que tipo de prejuizo ela pode ter? ABNER BORBA-  Já vi alunos dizendo que tiveram membros saindo das suas igrejas por causa do som alto ou ruim. Daí acho que é um exagero por parte de quem saiu! O prejuízo maior, na minha opinião , é espiritual. Se o coração é sincero em querer fazer o melhor para Deus, Ele vai honrar o trabalho e a vida de quem o realiza. Isso vale pra qualquer área no serviço da Igreja: cantina, ministério de jovens, na limpeza, na música, na secretaria, no coral ou no ministério infantil. Estamos lidando com dinheiro de Deus e com vidas que pertencem ao Senhor Jesus. Temos que ter temor a Deus em querer tratar com o melhor as ovelhas que Ele tem nos confiado e tratar com carinho a noiva que Cristo virá buscar. Trabalhar nessa perspectiva nos faz transbordar em alegria e superar nossas dificuldades porque queremos dar o nosso melhor para nosso Pai.
COMENTÁRIO FINAL:  ABNER BORBA-Os treinamentos que tenho dado surgiram a partir de uma necessidade da igreja de ser treinada por alguém que entenda a realidade em que o conhecimento será aplicado. Tenho meu trabalho junto ao estúdio do Ministério do Pr. Asaph Borba(meu irmão) e tenho repartido meu tempo em cooperar com a Igreja do Brasil nessa necessidade. Dentro de tudo o que já fiz, gravei , mixei e sonorizei nestes 20 anos de profissão, treinar a Igreja é o que tem me dado mais prazer. Será uma alegria estar na cidade de vocês. Aguardo todos os músicos e operadores lá. Ao líder ligado à área de louvor e música recomendo que faça o curso também. Um abração a todos os leitores.
Para as igrejas de hoje, ter um som agradável é mais que necessário. Com um equipamento simples e usando técnicas essenciais, é possível fazer melhor para Deus. Por vezes, o que falta é oportunidade de aprimoramento. Abner Borba ensinará todos os segredos para se ter um som agradável a todos e ainda se colocará a disposição para tirar dúvidas e dar dicas aplicadas pelos profissionais da área. Maiores informações: (44)3029-6679 /  www.onixexpress.com.br ou pelo Facebook: facebook.com/onixexpress
Confira o vídeo de comunicado para líderes e pastores, feito por Abner:

Por: Jesner Cobucci
Onix Eventos
(44) 3029-6679

Fonte: Jornal Gospel News

Lettersvitae entrevista o correspondente veterano Andrew Malcolm

Nome: Andrew Malcolm
Reside: Los Angeles
Finalista do prémio Pulitzer em 2004, foi Editor do Los Angeles Times durante anos, é repetidamente sublinhado a importância ativa em uma democracia. Trabalhou um breve período como secretário de imprensa de Laura Bush em 1999-2000. Um correspondente veterano estrangeiro e nacional. Ele é o autor de 10 livros de não-ficção. Andrew Malcolm se juntou ao Investor’s Business Daily em outubro de 2011.
O LettersVitae foi a primeira mídia brasileira a entrevistá-lo.
LV: É um grande privilégio e honra entrevistar um colunista do seu calibre. Li seu artigo mais recente “DNC chair admits she hears worries over Obama’s commitment to Israel“. Porque o medo da aliança USA/Israel diluir com o governo Barack Obama?
Andrew Malcolm – Como muitos países, os Estados Unidos tem uma relação estreita com Israel e qualquer presidente que pareça ameaçar ou colocar em risco essa proximidade não seria apreciado.
LV: Um ex-apresentador e um ex-âncora de uma rede de televisão mundialmente conhecida que tem sede na Inglaterra, afirmaram que preconceito religioso aos cristãos é nítido, principalmente no que se diz respeito a zombar de Jesus. Outra afirmação é sobre funcionários terem a carreira prejudicada se eles não seguirem a mentalidade da empresa. Você já presenciou esse tipo de situação em algum momento de sua carreira?
Andrew Malcolm – Não tenho resposta para esta pergunta.
LV: Malcolm, você tem mais de 40 anos de experiência escrevendo artigos políticos, um correspondente internacional veterano, trabalhou com Laura Bush 1999-2000, finalista do Pulitzer entre outras várias experiências. Como você vê o futuro da política mundial daqui a 10 anos?
Andrew Malcolm – A velocidade da comunicação só vai aumentar e vai colmatar muitas fronteiras, ameaçando os governos fechados que podem fechar suas rodovias, mas não das rádios. Deve ser um momento muito interessante e talvez um pouco turbulento, como vemos agora no Egito e na Síria.
LV: Em 2004 foi finalista do prêmio pulitzer sobre seus editoriais ricamente texturizados que iluminaram uma variedade de situações da vida. Escreveu 10 livros incluindo dois best-sellers  e dois que se tornaram filmes. Agora que está no Investor´s Business Daily tem planos para escrever outro livro?
Andrew Malcolm – Não, eu não estou pensando no momento. Talvez quando estiver na estrada, viajando. Às vezes, olhando para trás vejo as mudanças do país durante a minha carreira, talvez.
LV: Malcom, eu preciso fazer essa pergunta. A Suprema Corte em 1963 proibiu a bíblia nas escolas púbicas. Você atribui essa violência neste novo século pela falta de leitura da bíblia nas escolas?
Andrew Malcolm – Isso seria difícil de provar. Mais importante é o papel da família na sociedade americana. Muitos filhos só têm o pai ou somente a mãe que faz tudo corretamente conduzindo seus jovens rebeldes. Então, eles não aprendem as regras de comportamento e responsabilidade que eles foram ensinados. É um problema tão grande que eu não sei como resolvê-lo.
LV: Você postou mais de 8 mil histórias, tem mais de 67 milhões de páginas vistas e centenas de comentários. Existe algum comentário que fizeram da qual chamou sua atenção?
Uau, foi tudo isso?
Andrew Malcolm – Não há nenhum comentário, mas eu tenho tido uma relação de leitura com muitas, muitas pessoas ao longo dos anos. Que é um prazer, para escrever uma história e por causa da maneira que você fala para ela, que toca a vida de um estranho e eles chegam e se comunicar com você. É emocionante e muito gratificante. Mas tem havido tantos milhares que eu não podia isolar um único comentário.
LV: Malcom, você foi um grande contribuinte para o Los Angeles Times durante anos, um grande correspondente, agora colunista da Investor’s Business Daily. Com a experiência que tem na política, pretende concorrer a algum cargo no futuro?
Andrew Malcolm – Oh, não. Definitivamente não. O meu papel na política foi como assessor nos bastidores. Eu era um porta-voz, às vezes, mas nunca tive e nunca vou procurar um cargo eletivo. É um trabalho muito exigente. As pessoas não entendem como os candidatos são realmente vulneráveis. Tem sido uma honra falar com você e trocar idéias.
Obrigado.
Andrew Malcolm.
Andrew.Malcolm@Investors.com
Website:  www.investors.com/AndrewMalcolm
Por: Oscar Correia
www.lettersvitae.com

Fonte: Jornal Gospel News

Em entrevista o famoso jogador evangélico Tim Tebow fala sobre sua fé e a vida esportiva

O famoso evangélico e atual quarterback do Denver Broncos, cedeu entrevista a uma multidão de mais de 2.300 pessoas no centro de Artes Cênicas de Montgomery, em um evento na última sexta-feira em benefício ao Centro de Bem-Estar do Câncer em Alabama.
Na sessão de perguntas e respostas de aproximadamente 45 minutos, que foi conduzida pelo âncora de esportes Jeff Shearer, Tim Tebow falou abertamente sobre suas primeiras lutas para superar a dislexia, sua contínua batalha com os críticos, sobre como manter o jogo de futebol em perspectiva e a sua fé cristã.
“Quando todo mundo está falando sobre a pressão que está sobre mim, a coisa especial são os 20 minutos ou 30 minutos antes de um jogo e as poucas horas depois de um jogo, onde sou capaz de realizar um sonho de uma criança e passar tempo com eles”, disse Tebow.
“Não há pressão sobre mim. Ser capaz de sair por aí com as crianças e dar-lhes um abraço é muito importante para mim. Podemos ganhar o jogo ou, podemos perder o jogo, isso não importa. O que realmente importa é o que eu fiz para esse jovem ou aquela jovem”.
“As pessoas que dizem que você não pode conseguir, são as pessoas que não conseguiram ou não conseguem”, disse o jogador, apelidado de o “milagreiro”.
A maioria das mensagems de Tim Tebow foram dedicadas sobre como manter a fé em si mesmo e nunca permitir que os críticos ou pessimistas os façam desistir de seus sonhos.

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

“A conversão verdadeira não é à religião, é à Deus” diz Sarah Sheeva no De Frente com Gabi; assista

No De Frente Com Gabi deste domingo próximo passado, 29 de janeiro, Marília Gabriela recebeu a cantora, compositora, missionária e escritora Sarah Sheeva. Filha de Pepeu Gomes e Baby do Brasil, Sarah deixou o grupo SNZ (que formou com suas irmãs Nãna Shara e Zabelê em 2000) e três anos depois mudou sua vida de forma radical. Ela é hoje missonária e pastora aspirante da Igreja Celular Internacional e defende a “castidade” e a “contenção sexual”. Sarah lançou dois livros sobre o assunto e defende a abstinência sexual completa antes do casamento. Ela vem ao programa para falar sobre sua história, sua conversão e suas opiniões sobre relações afetivas e sexuais.
Confira abaixo as melhores frases da entrevista:
• Meus pais demoraram 6 meses para me dar um nome.
• Existe hoje, no meio evangélico, muita gente hipócrita.
• O sexo tem o poder de unir espiritualmente as pessoas.
• Deus adormeceu o meu desejo (sexual) porque eu pedi.
• Nunca usei drogas, nunca fumei e nem cheirei.
• Estou esperando a minha hora para poder beijar muito.
• Me tornei pastora só em 2010, mas eu não queria isso porque é muita responsabilidade.
• Eu recebo uma ajuda de custo da igreja que não paga nem o meu aluguel.
• Existe hoje, no meio evangélico, muita gente hipócrita.
• Quando eu vi o filme “Thor”, eu falei: “Meu Deus, é o meu número!”
. Jesus me curou mas não me cegou.
• Eu acredito que tem gente que não frequenta igreja e tem um caráter muito melhor do que alguns que estão lá dentro.
• Eu tinha preconceito com igreja. Eu chamava todo mundo de fanático na minha cabeça.
• Em 1999 eu já estava convertida, mas era uma crente “007”, ninguém sabia que eu era.
• A conversão verdadeira não é à religião, é à Deus.
• Nunca me deixei levar pela cabeça de ninguém, eu tenho personalidade.
• A terapia te faz enxergar o problema, mas não tira ele de dentro de você. Deus tira.
Veja o vídeo na íntegra:

Fonte: SBT / Jornal Gospel News

Entrevista com CID MOREIRA sobre a gravação de provérbios de Salomão

Quem se emocionou com a Bíblia na íntegra, meditou com os Salmos, degustou o Pão Diário e aprendeu com os Conselhos Eternos da Bíblia, não pode deixar de adquirir mais uma grande obra: “Livro de Provérbios”,  interpretado pelo consagrado jornalista Cid Moreira, produzido pela MR1 Music, com direção executiva de Marcelo Rebello e concepção de Fermino Neto. Em entrevista, Cid Moreira fala sobre o novo trabalho, gravado em Dezembro de 2011, na cidade de Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro e que vai ser comercializado em formato de DVD (2 volumes) e CD, opina sobre música Gospel e comenta a homenagem que vai receber no Salão Internacional Gospel. Confiram a entrevista na íntegra:
Depois de gravar a Bíblia na íntegra em CD, o Livro dos Salmos em DVD e outras obras relacionadas com os textos bíblicos, como foi a experiência de gravar o Livro de Provérbios?
Cid:  Foi ótimo! Porque acredito que esse livro serve para todas as pessoas, independente de religião. É um livro que tem respostas para todas as perguntas dos homens. O livro mais lido no mundo, a Bíblia, que eu amo tanto, diz em Provérbios 1 verso 7 que “a fé (O temor do Senhor) é o princípio do conhecimento.” Quer dizer, não entendemos nada e, consequentemente, não conseguimos nada na vida se não tivermos fé. Por esse motívo, achei fascinante fazer um DVD específico sobre esse livro.
Porque escolheu Provérbios? Fale um pouco desse livro…
Cid: Eu sempre apreciei os Provérbios. E gravar foi muito inspirador. Quando eu era menino já lia esse livro para os meus pais nas tardes frias de inverno no interior de São Paulo. Taubaté. Não podia eu, naquela época, imaginar que leria  para tanta gente, como faço agora! Para começar fiquei feliz porque foi gravado em Petrópolis, na Serra linda do Rio de Janeiro. Depois, amo divulgar  cada vez mais a palavra de Deus. Não perco uma oportunidade quando o assunto é levar a palavra de Deus ao maior número de pessoas. De levar esperança e um sentido mais profundo para a vida. Que vai além dessa loucura superficial que estão todos os dias tentando nos impor.
Existe alguma preparação espiritual quando entra em estúdio para gravar livros da Bíblia?
Cid: Eu leio todo dia um trecho bíblico. Pela manhã, quando acordo pratico a meditação com algum trecho bíblico. Em especial quando estou gravando peço à Deus que me inspire a dar o melhor de mim. Que eu possa ser claro, tranquilo e que atinja o proposito DELE, não o meu.
Na Bíblia diz que “a fé vem pelo ouvir”. Acha que essas gravações são um diferencial na hora de salvar vidas?
Cid: Olha só, muita gente tem dificuldade em ler e conseguir interpretar, entender, quando estão lendo. Outras têm pouco tempo. Outras ainda têm problema de escolaridade ou mesmo uma grande parte têm alguma dificuldade visual. Algumas pessoas gostam de ler e ouvir ao mesmo tempo. Então, se você tem alguém narrando, acredito que fique mais fácil o entendimento. Recebo muito retorno nesse sentido.
Quais são suas expectativas para esse novo trabalho?
Cid: São as melhores possíveis. Que muita gente goste, se emocione! Quem já é Cristão, desejo que com esse trabalho renove a sua fé! Quem é descrente que seja tocado e sinta a mesma alegria que sinto ao ter recebido Jesus em minha vida! Não sou um padrão de crente, não! Sou um aprendiz! Desejo crescer cada dia mais! Tenho as minhas lutas internas e não me envergonho delas. Aprendi com o apostólo Paulo que não é fácil se tornar um verdadeiro Cristão.
Esse DVD sai pela gravadora MR1 Music. Pode falar um pouco desse relacionamento com o Grupo MR1?
Cid: Somos amigos recentes, mas já estamos criando uma profunda admiração mútua. Tanto o Marcelo Rebello, quanto a Mazza têm demonstrado, não só com palavras, mas também com atitudes, o quanto são fieis à Deus e como honram o nome DELE. E eles estão provando, dia à dia, o quanto somos capazes de honrar à Deus e como nosso pai é fiel em suas promessas.
É verdade que será homenageado na cerimônia de abertura do Salão Internacional Gospel? Qual o sentimento de ser reconhecido e homenageado entre irmãos na fé?
Cid:  É verdade sim! E me sinto muito honrado por isso. Eu já recebi muitos troféus e homenagens na vida pelo trabalho como jornalista e comunicador. Por ter ficado à frente do Jornal Nacional na Rede Globo por quase três décadas. Mas tudo isso perde o valor quando se trabalha para honra de Deus. E eu não mereço na verdade, nenhuma homenagem. Eu acredito que meu caminho no jornalismo, na verdade, tinha um propósito muito maior. Poder hoje falar sobre Deus para todas as pessoas e elas me ouvirem.
São tantos anos de sucesso, reconhecimento e credibilidade. Quais são seus planos para o futuro? Existe algo que gostaria de fazer que ainda não realizou?
Cid: Minha vida está nas mãos de Deus. Tenho 84 anos. Já caminhei bastante, me cuido, tenho saúde e disposição. Estarei aqui, até o último dia da minha vida pregando a palavra de Deus. Não tenho a eloquência, a desenvoltura de um pastor. Nem essa pretensão. Mas desejo falar desse bem que Deus me fez e desejo que as pessoas tenham isso também. Não é um privilégio meu. Deus quer estar presente na vida de todas as criaturas.
Fale um pouco sobre o seu relacionamento com Deus.
Cid: Eu tenho meus defeitos, minhas manias. Não sou perfeito, tenho muito o que aprender. O que mudou minha vida foi saber que Deus me ama assim mesmo! Todo imperfeito! Que posso chegar desse jeito e tentar ser uma pessoa melhor todos os dias. Mudou no sentido de saber que a justiça chega para todos. Que nenhum reconhecimento humano, nenhum título ou estudo faz diferença na hora em que estivermos diante de Deus. Ele não faz distinção. Isso é maravilhoso!
Acha que sua responsabilidade diante de Deus na hora de levar o evangelho é maior pelo fato de ser uma pessoa pública?
Cid: É verdade sim! A minha responsabilidade é maior quanto ao meu procedimento. Por ser uma pessoa pública posso causar mais escândalo que os outros com o meus erros. Esperam que eu seja uma pessoa melhor que os demais. Mas eu afirmo de todo o meu coração: Não sou melhor que ninguém. Posso ser um pouco mais conhecido, mas isso não quer dizer nada! Fico até um pouco intimidado. As pessoas esperam mais de mim do que realmente sou. Não sou diferente de ninguém. A não ser pelo tom grave da minha voz que até já encontrei timbres bem mais bonitos (risos)!
O que acha sobre o espaço que os evangélicos vêm connquistando dentro da imprensa brasileira?
Cid: Acho uma coisa natural. O crescimento do número de cristãos não pode ser ignorado. É impossível impedir esse movimento que vem ganhando força. Isso mostra que por mais que a vida das pessoas seja corrida, a mídia de uma maneira geral pregue o imediatismo, as coisas superficiais e os valores distorcidos, as pessoas estão com sede de Deus, de conhecimento verdadeiro. E nada, nem ninguém, vai impedir que se cumpram as escrituras.
O DVD do Livro de Provérbios começa a ser divulgado no mês de Janeiro. Que mensagem de início de ano você deixa para todas as pessoas que acompanham seu trabalho em todos esses anos?
Cid:  Que as novas mídias  levem as palavras de Jesus para todos os lugares. Para que ninguém possa dizer: “Meu Deus, nunca me falaram de ti!”.
Por: Luciana Mazza
MR1 Music & Entertainment

Fonte: Jornal Gospel News

Sara Sheeva em entrevista a Amauri Junior conta seu testemunho

No programa do último sábado dia 10/12/11 foi ao ar no Programa Amaury Jr. Show entrevista com a Pastora Sarah Sheeva na Rede TV.
Filha da cantora Baby do Brasil conta sobre a sua juventude, seu periodo de sua vida onde era ninfomania, vícios e o seu testemunho da nova vida.
Hoje, Sarah é pastora, missionária da Igreja Celular Internacional e ministra o projeto “Culto da Princesas”, em que ensina mulheres evangélicas a atraírem homens virtuosos. Crente desde 1997, Sarah é um fenômeno entre os evangélicos. Roda o Brasil com o “Culto das Princesas”, misto de palestra de autoajuda e pregação, alternados com os seminários Santificação.
Confira e conheça um pouco mais do testemunho da pastora e mais sobre o projeto “Culto da Princesa”;

Fonte: Jornal Gospel News

Pastor baleado na cabeça perdoa atirador e afirma: “o Todo-Poderoso sustentou minha vida”

O Pastor William Boss, que foi baleado na cabeça dentro de sua Igreja, a Faith Cristian Center Church, durante um culto, afirmou que apesar de não saber os motivos do atirador, ele o perdoa. “Eu acredito que houve uma intervenção divina do Deus Todo-Poderoso que sustentou minha vida”, conta o Pastor Boss.
Segundo a Polícia local, o atirador, Jeremias Fogle, de 57 anos, matou sua esposa Theresa Fogle, antes de ir à Igreja e atirar nos dois pastores que estavam presentes. O segundo Pastor, Carl Stewart, ainda se recupera do atentado. Ele levou três tiros pelas costas.
Segundo o Portal Padom, Boss afirmou em sua primeira entrevista aos repórteres da cidade de Lakeland, na Flórida, que ao levar o tiro, ouviu um “aplaudir alto do céu”. Boss contou o que sente após os acontecimentos: “Eu acredito que a oração que orávamos criou a atmosfera para o impacto e o milagre. Acredito que Deus não estava disposto a me levar para casa”, afirmou o Pastor.
A Igreja vem solicitando aos fieis que ao invés de enviarem cartões e flores, ajudem com ofertas para custear as despesas médicas. Ainda em fase de recuperação, o Pastor William Boss vem sofrendo com fortes dores de cabeça e se cansa rapidamente.

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

Entrevista com Ana Paula Valadão

Entrevista publicada no Blog Família DT
Família DT: Diz a nós uma música que Deus lhe deu que mais toca ao seu coração?
Ana Paula Valadão: Acho difícil escolher uma música, pois são todas especiais para mim, nasceram de experiências que tive com o Senhor. Mas, já que tenho que escolher uma, ESPERANCA foi uma canção que me marcou muito. Eu não podia engravidar e chorava aos pés do Senhor pelo sonho de ter filhos. Ela é muito preciosa para mim porque adorando ao Senhor eu encontrava alívio, consolo, esperança. E no tempo certo minha bênção chegou, pois como diz o salmista, no Senhor nossa esperança não será frustrada!
Família DT: como foi pra você ter que renunciar várias coisas em sua vida para poder responder ao chamado de Deus, inclusive a sua faculdade? Qual a reação dos seus pais em relação a isso?
Ana Paula Valadão: Um dos sinais que tive para as decisões mais importantes da minha vida foi a aprovacão dos meus pais. Sem seu apoio eu nunca tive segurança para dar um passo sério em qualquer área. Foi difícil renunciar a faculdade quando eu pensava em um futuro profissional, financeiro, e na minha reputação diante das pessoas, da sociedade, que valoriza os diplomas. Mas quando eu pensava na alegria que eu tinha em cantar e em servir nas coisas da Igreja, eu sentia claramente que devia investir minha vida naquilo em que eu tinha mais prazer, mesmo que não me trouxesse a mesma “garantia” de futuro. Meus pais sabiam da minha paixão pelo ministério, e me apoiaram quando decidi abandonar o curso de Direito e me dedicar `a música. Agradeço a Deus pela sensibilidade e apoio deles, e por ter me abençoado com um ministério que me deu uma reputação muito melhor do que eu poderia ter construído para mim mesma. Além disso, com o ministério que realizo tenho a possibilidade de ofertar mais do que eu acho que poderia fazer em outro caminho, e também é o meu sustento.
Família DT:  Ana, antes você não poderia ter filhos mas Deus fez um grande milagre depois que o Diante do Trono gravou o CD/ DVD ‘Esperança’, hoje você tem o Isaque e o Benjamin, você e o Gustavo pretende ter mais filhos?
Ana Paula Valadão: Eu e o Gustavo estamos vivendo um tempo diferente, morando fora do Brasil, longe dos nossos familiares. Por isso, não pensamos em ter outros filhos por agora, mas talvez, no futuro. Só Deus sabe.
Família DT: Ana, o que você pensa das pessoas consideradas “valadetes”, que são pessoas que gostam muito de você e do DT, mas que às vezes acabam te idolatrando?
Ana Paula Valadão: Eu acredito que o Espírito Santo vai ensinando as pessoas, e elas vão amadurecendo. Muitas pessoas admiram um cantor, pastor, alguém que Deus usou para tocar a vida delas e podem ficar bastante apegadas. Mas as pessoas vão crescendo espiritualmente e emocionalmente e passam a separar melhor a mensagem do mensageiro. Elas deixam de olhar tanto para o instrumento e passam a admirar sim, mas sem tanta empolgação. Os chamados “Valadetes” geralmente são pessoas mais novas na fé ou na idade, e os vejo com muito carinho!
Família DT: Qual foi seu maior medo ou dificuldade na liderança do DT?
Ana Paula Valadão: Quando gravamos, em 98, não éramos um grupo, mas sim, uma reunião de músicos e grupos da Lagoinha. Nem sabíamos que iríamos nos tornar um ministério cujo nome herdamos do primeiro CD, Diante do Trono. Eu não me via como líder, pastora da equipe, e fui amadurecendo junto com todos, entendendo melhor o meu papel e o papel de cada um dentro da equipe. Ao longo dos anos a visão de Deus para nós foi se clareando, e foram necessários ajustes. Algumas pessoas não aceitavam ou concordavam, e o mais difícil foi lidar com essa rejeição, e tomar decisões que só eu poderia tomar. Mas, Deus nos fez uma equipe unida no mesmo propósito. Só que foi doloroso, e demorou um pouco para chegarmos onde estamos na nossa unidade.
Família DT: Como estar sendo esse momento na sua vida em que você estar morando fora do Brasil?
Ana Paula Valadão: Tem sido um tempo muito bom para nossa família e estou aprendendo muitas coisas que não tinha como vivenciar na correria do ministério no Brasil. Confesso que não é fácil, que sinto muita saudade dos meus pais, sogros, do convívio com meus parentes e amigos. Também sinto falta da Igreja, do grupo. Mas sei que é por um tempo, e que Deus tem muitos propósitos. Um deles já está sendo cumprido, que é no mais profundo do meu coração. Mais dependência, mais simplicidade, mais de Deus em mim.
Família DT: Qual foi a maior dificuldade que você teve no E.U.A?
Ana Paula Valadão: Sair da nossa cultura é sempre complicado, pois nos sentimos perdidos, sem valor, sem “pertencer”. Leva tempo para aprender onde e como fazer as coisas, e muito mais tempo para criar laços e sentir que “fazemos parte” Sinto muita falta das pessoas que me cercam no Brasil.
Família DT: Como tem sido pra você ministrar em tantos países da Europa nos últimos dias, inclusive na Itália, lugar de tantos mártires do evangelho e também na Finlândia, onde Deus te usou para falar sobre a paternidade?
Ana Paula Valadão: Viajar para ministrar em outros países é para mim o cumprimento do chamado de Deus em minha vida desde a infância. Eu me lembro de, aos oito anos de idade, receber a vocação para ir a outras nações e levar o amor de Deus. Cresci pensando que iria como missionária doar a minha vida em algum lugar distante, e estava disposta a isso. Não sabia que havia outras formas de ir, muito menos que eu poderia ir cantando! Quando vou a outras nações, como essas que você citou, sinto que estou cumprindo o meu destino final!
Família DT: Nos últimos meses temos acompanhado o cumprimento das promessas do Senhor ao levar você e o DT para ministrar em outras nações, tendo em vista que isso tem acontecido com muita freqüência e nós acreditamos que de fato esse é um novo tempo de Deus para o DT, vocês não pensam em fazer um trabalho com versões das principais músicas do DT em inglês?
Ana Paula Valadão: Ainda estou esperando em Deus para que este trabalho em outros idiomas seja concretizado de forma mais eficiente. Sei que vai acontecer, e não vai demorar.
Família DT: Ana agora fala para nós quais são suas expectativas e em sua opinião a importância da gravação do DT13 em Barretos.
Ana Paula Valadão: Eu me lembro quando o Senhor me disse que era para começarmos a fazer os ajuntamentos do Seu povo ao redor do Brasil. Era para levantarmos um clamor pela nação, adorando e intercedendo pela nossa Terra. Aos poucos a visão foi se clareando mais e mais, e senti que deveríamos perseguir os locais de festas do nosso povo. Primeiro Deus nos levou aos estádios de futebol. Fomos também a Belém, onde acontece uma das maiores demonstrações de fé do Brasil. Fomos ao Recife, terra de muitas festas. O Rio de Janeiro, onde entronizamos o Senhor no principal palco de festa brasileira. Agora vamos a Barretos, na Arena de uma das maiores festas do peão de boiadeiro do mundo! Vamos adorar ao Senhor Jesus ali e clamar pela nossa nação. Será um momento muito importante na história do Brasil, no processo de redenção e cura do nosso país. A expectativa é de muita glória de Deus, pois o Senhor tem feito grandes coisas para este ajuntamento. Deus tem mobilizado a sociedade para que este evento aconteça e é para nós, povo de Deus, uma verdadeira conquista. Estamos em parceria com a Prefeitura da cidade, com o Hospital de Câncer, que será pela primeira vez beneficiado pelos evangélicos, e em parceria com os Independentes, donos do Parque do Peão, que pela primeira vez se abrem ao público evangélico. Além disso está acontecendo uma linda mobilização e unidade da Igreja do Senhor. É muita ação de Deus, o que nos faz crer que todos os Seus propósitos para esta gravação se cumprirão!
Bate-Bola:
Um vérsiculo: Jeremias 29:11 “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor. Pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que desejais”.
Seu ministério: Minha vida cantada.
Sua família representa: Meu primeiro ministério, meu maior sonho realizado.
Um hobby: Fotografar a vida dos meus filhos
Um defeito: Perfeccionismo
Uma qualidade: Diligência
Uma Data marcante: 13 de Setembro, meu casamento
Uma frase: “Se o cálice for pequeno, apenas uma gota é suficiente para transbordar”
Adoração sincera: Do coracão, uma oracão que posso e quero fazer a Deus, pessoal, real.
Diante do Trono: Um presente, uma equipe maravilhosa. Aprendi que é mais divertido viver a vida dividindo tudo com as pessoas do que sozinha.
Família DT: Ana foi mais que um imenso prazer ter você aqui no nosso blog, que você possa deixar uma mensagem para nossos internautas e para a equipe do blog, e que a cada dia mais você e sua família seja fortalecida pelo Senhor e que a gloria de Deus possa impactar cada vez mais o Diante do Trono.
Ana Paula Valadão:Obrigada a vocês por esta oportunidade! Que Deus continue abençoando a cada um e até Barretos!
Redação Família Diante do Trono

Fonte: www.familiadt.com / Jornal Gospel News

Raio X do Culto Racional

Como tudo começou?

Felipe – Um projeto de resgate que Deus fez em nossas vidas… Quando eu estava desviado em 2006, sem propósito nenhum de vida, fui fazer uma visita na Igreja Quadrangular do Bairro Ipiranga e ali Deus impactou meu coração de uma forma diferente. Então eu disse: Deus hoje eu quero começar uma nova história. Um mês depois de eu ter me reconciliado com o Senhor, teve um festival de talentos lá nesta Igreja. Embora não houvesse um nome ou caráter de grupo começamos um projeto de usar o rap como forma de evangelismo para ganhar almas.

Como se deu a formação do Grupo?

Felipe – Em maio de 2006. A formação era eu o Carlinhos e o Sandro, que hoje faz parte do grupo Eficaz. O espaço para o Rap Gospel era muito carente, as portas eram muito fechadas com relação ao Rap. Conheci o Carlinhos que era Diácono da Igreja e começamos uma amizade muito grande. O Carlinhos era sedento para ganhar almas. Eu tinha uma experiência com Rap e o Carlinhos tinha experiência com Deus, o que ele tinha faltava em mim e o que eu tinha faltava pra ele e Deus nos usou para unir as coisas.

Paulista – Eu congregava na mesma Igreja, eu e o Carlinhos somos irmãos de sangue. Fui convidado pra bater foto das apresentações do grupo e achava bacana o que Deus tava fazendo e Ele falou ao meu coração através do Rap, pois nunca tinha visto aquilo dentro da Igreja.

Mirian – Eu vim do Rio Grande do Sul, nasci num lar cristão, desde os 09 anos cantava no coral da Igreja e toda minha família canta e são músicos. Sempre fiz parte do Ministério de louvor. Vim morar e congregar em São José na Igreja dos guris, e quando surgiu a noite dos talentos me vieram com o convite para fazer o “back” pra eles. Nunca tive pretensão de cantar rap, sempre fui mais de louvor e adoração. Então fui orar pra ver se era da vontade de Deus que entrasse pro grupo – sempre levei a obra de Deus muito a sério. Deus já tinha falado comigo, mas nunca imaginei que seria através do Rap…

Cris – Eu já tava formado no colegial, gostava de rap por gostar, tava só trabalhando com Sonorização que aprendi na Igreja, mas recebi convite pra trabalhar no mundo também. Tanto em evento gospel como secular, só que eu vi que daquele jeito tava me afastando da igreja. Conheci os meninos cantando em eventos gospel, nunca passou pela minha cabeça ser DJ ou entrar numa banda de rap. Mas orei, pedi pra Deus um ministério pra poder ficar mais firme porque eu vi que aquele ali não era o meu caminho.

No que consiste o projeto?

Felipe – Nós determinamos que não importaria quem nos escutasse, o que aconteceria o objetivo era ganhar almas pra Jesus. O Carlinhos sempre falava uma coisa muito importante: “A gente tem que ser acima de tudo homens de Deus, não só ir lá e cantar as músicas, temos que ser homens de Deus”.

Quem compõe as músicas?

Carlinhos – O Felipe me ensinou a escrever para Honra e Glória do Senhor e a gente divide a maioria das composições. Mas, todo mundo participa e escreve.

Qual a mensagem que o Culto Racional procura transmitir através das suas músicas?

Carlinhos – Em primeiro lugar a Glória de Deus manifesta, na seqüência o testemunho vivido, a gente não canta coisas que a gente nunca viveu. A gente prega aquilo que a gente já passou e aquilo que a gente ta passando e vivendo.

Felipe – A gente procura passar nas músicas a solução não os problemas. O rap tem muito disso, mostrar o problema, nós mostramos em todas as nossas músicas a solução. Relatando o que Deus fez em nossas vidas, o que Ele pode fazer.

Houve renuncia pra levar adiante o projeto?

Felipe – Quando eu convidei o Carlinhos pra fazer parte do Culto Racional eu disse:”Cara tu quer mesmo fazer isso?” Então esquece todos os outros compromissos, com exceção da família é claro, e vamo embora, nós vamo ter que ensaiar. E ele Meu vamo aí… Porque isso ardia muito no nosso coração.

Qual a mensagem que o Culto deseja deixar pros leitores?

Carlinhos – Algo mais importante que quero deixar até mesmo de referência pras outras bandas, pros outros grupos é a Honra. A honra é uma palavra que faz toda a diferença na vida de quem quer ta fazendo a obra de Deus, pra quem quer ta nessa pegada. Porque tu honrar o teu pastor, ser submisso, saber a hora certa de ir, saber ouvir, se calar, principalmente receber o não. Se o Pastor disser que hoje não vamos cantar, não cantamos, pode ser marcha pra Jesus, SC Gospel Festival, se ele falou não é não. Ele é o nosso visionário, foi ele que Deus constituiu como nosso Pastor. E, se isso é quebrado, o grupo sofre conseqüências até mesmo de acabar. É de extrema importância ser submisso ao pastor, respeitar a liderança da Igreja, freqüentar os cultos e não só fazer shows, ser membro verdadeiramente da sua Igreja.

Os pastores são que nem os pais, eles sabem o que é melhor para nós bem mais do que as ovelhas.

A obediência quebra a maldição.

Como vocês encaram o ministério do Culto Racional?

Carlinhos – É muito especial, é de muita seriedade cada vez que a gente sobe no altar, pode ter 10 ou 10.000 pessoas, a gente pá mano, a gente não sobe de qualquer jeito e Deus sempre tem nos surpreendido. Tem coisas que a gente faz pra Deus que as câmeras não registram, temos ido a presídios, centro de recuperações, febens, trocamos nossos momentos de sono, de descanso muitas vezes para estarmos ministrando pras mais diferente pessoas. Já ministramos pra milhares de pessoas num só evento, mas nada substitui a alegria de tu ter um tempo pra ministrar, contar teu testemunho, fazer um apelo e ver as pessoas ali aceitando a Jesus.

Como vocês vêem o Culto Racional em si?

Paulista – Pra mim é minha segunda família, toda honra e toda glória seja dada a Deus. Mas, foi o projeto que me resgatou.

Cris – Pra mim é o amor de Cristo pelas almas, a gente só ta devolvendo aquilo que ele nos deu, assim como ele nos ama, nós estamos falando do amor Dele pra quem não conhece.

Mirian – É uma família, eu digo que os meninos são meus outros irmãos, a gente ta muito ligado, entrelaçados.

Carlinhos – Pra mim é: Corpo de Cristo, Obra de Deus e estilo de vida.

Felipe – Deus usa a vida deles pra manter a minha vida e se pudesse botar o Culto Racional no meu sobrenome seria a minha vida. Não falo de rap, não falo de música nem de subir no palco. Falo de Culto Racional, falo disso aqui que tu ta vendo e de cada um porque eu não consigo mais viver minha vida sem eles, porque já são parte de mim.