Entrevista com Elaine de Jesus

Elaine de Jesus e sony01 – Como está a expectativa pelo lançamento do seu primeiro DVD pela Sony Music?

​A expectativa pelo lançamento deste DVD está altíssima! Não vejo a hora do povo de Deus estar de posse deste projeto lindo e poderoso em Deus para tocar vidas preciosas e trazer-lhes renovo espiritual. A Sony Music, com toda a equipe, fez um trabalho de excelência que realmente eleva o padrão da música gospel, pentecostal, que é a marca do nosso ministério para um novo nível. Estou muito feliz, animada, entusiasmada, e, claro, super ansiosa, no bom sentido da palavra, para o DVD ser lançado. Creio que o resultado deste trabalho será um divisor de águas na vida de muitas pessoas, assim como tem sido na minha vida!

02 – Relembrando a noite da gravação, com a presença de suas amigas, foi tudo como você imaginava?

Olha, para ser sincera, superou em muito as minhas expectativas! A presença de Deus; a força da unção; a graça que veio sobre todas nós; o público que estava irradiante, o profissionalismo da banda e das equipes que trabalharam de forma excepcional; em fim, tudo, excedeu as minhas expectativas! Antes de assumir o palco agente fica um pouco apreensiva, mas a graça de Deus nos envolveu de tal forma que parecia que tudo já tinha sido coreografado a meses! Deus nos surpreendeu naquela noite histórica. Senti a mão do Senhor tomando a frente de tudo e a glória do céu desceu sobre aquele povo que ali estava. Creio que aquela mesma glória contagiará as casas, as igrejas, as reuniões, em fim, onde este DVD chegar aquela glória chegará. Glória a Deus.

03 – Este projeto do DVD reúne seus grandes sucessos de 20 anos de carreira. Foi difícil selecionar o repertório?

Este projeto nasceu do desejo de glorificar a Deus pelos 20 anos que Ele tem me abençoado neste maravilhoso ministério de louvor. Sim, são centenas de músicas que compõem a história do meu ministério e não foi nada fácil escolher as músicas para este DVD. Porém, pedi a direção de Deus para escolher aquelas que marcaram minha vida de uma forma especial e que também contassem a história do poder e da graça de Deus no meu ministério. Confesso que fiquei impactada com a manifestação do Senhor em cada música que foi escolhida durante a gravação do DVD. Revivi durante a gravação do DVD o impacto e a emoção dos momentos extraordinários que estas canções causaram em minha vida durante estes abençoados 20 anos que louvamos ao Senhor.

04 – E como será a divulgação deste projeto no Brasil? Você pretende seguir com alguma turnê de eventos com banda ao vivo?

Sim, estaremos nos empenhando e trabalhando duro durante todo este ano na divulgação deste projeto. O trabalho da preparação, da gravação, da edição foram maravilhosos, mas o povo de Deus precisa tomar conhecimento do que este projeto representa através do DVD e também das turnês que estarão acontecendo em várias cidades e capitais do nosso lindo Brasil. Teremos a Elaine de Jesus e banda, e, também estaremos levando algumas das nossas queridas cantoras que fizeram parte da gravação do DVD conosco. Creio que a mesma glória e a mesma presença de Deus se manifestará em cada igreja, em cada cidade e em cada lugar que o Senhor nos levar. Estamos nos preparando para chegar ai na sua cidade com toda a banda e equipe com aquela mesma garra do dia da gravação e com o enorme desejo de adorar ao Senhor. Creio que será um ano de reconciliação, de restauração e da manifestação de coisas extraordinárias da parte de Deus e este projeto é mais um instrumento poderoso de Deus para a edificação do povo de Deus.

05 – A homenagem para Shirley Carvalhaes em seu DVD foi algo especial. Como foi a ideia e a reação da cantora ao seu convite?

Shirley é uma grande amiga, uma serva de Deus tremenda! Ela que tem deixado um forte legado para muitas gerações, especialmente, para o povo de Deus no meio pentecostal. Isso não é novidade para ninguém; Shirley me influenciou muito a ser uma cantora pentecostal. Louvei a Deus com muitos louvores dos álbuns dela e sempre fui muito abençoada por sua vida e ministério. O desejo de convidá-la e ela aceitar, muito enriqueceu este projeto. A ideia de convidá-la partiu do princípio da gratidão, do reconhecimento e da honra. Shirley tem tocado muitas vidas com seu ministério e não podemos nos esquecer de agradecer a Deus pela vida daqueles que nos ajudaram e serviram de inspiração para chegarmos onde chegamos. Não posso responder por ela quanto à sua reação, mas o que puder perceber foi a gratidão dela. Recentemente, Shirley esteve conosco aqui em Boston e tivemos momentos de muita unção e bênçãos. Relembramos o dia da gravação e já fizemos planos para o futuro do DVD. Ela é uma guerreira e deve ser lembrada e reconhecida por todas nós. Obrigado Shirley!

Tatiane Silva
Gospel Sony Music

Confira nosso bate papo com o cantor Nathan Ramos que falou sobre seu novo disco – Tempo de avançar

NathanQuem é Nathan Ramos?

Um Jovem determinado, sonhador, buscando realizar os seus sonhos e objetivos, muito alegre, extrovertido, e ás vezes também um pouco tímido, uma pessoa que ama cantar, falar do evangelho do Senhor, procurando fazer a diferença por onde passar.

Como foi seu início na música e, mais especificamente, na área de louvor e adoração?

Comecei a cantar muito pequeno, logo nos meus 5 anos de idade já acompanhava meu pai no playback, sempre cantava no coral das crianças da igreja, tudo que eu fazia envolvia a música, então fui me aperfeiçoando e a cada dia foi aumentando o desejo de louvar ao Senhor, mas a partir do momento que fui buscando “mais de Deus” comecei a escrever algumas músicas, desde então o louvar a Deus tem sido o meu maior prazer.

O que mais marcou você durante a gravação do novo álbum – “Tempo de avançar”?

O que mais me marcou foi poder compartilhar este momento de gravação com o meu Pai, que faz participação na canção “Mais que Vencedor”, ele que me ensinou tudo sobre música, me incentivou a cantar… Compartilhar este sonho e ainda gravarmos uma canção juntos, foi muito marcante para mim.

Qual o estilo e a sonoridade do disco?

Estilo pop, com canções de adoração, algumas um pouco mais pentecostais.

E quanto às canções? Como foi o processo de seleção do repertório?

Pra mim foi um período muito delicado, porque como tenho muitas composições de minha autoria e gosto de todas elas, sem exceção, foi difícil escolher 12 canções, mas a partir da mensagem que eu queria passar através deste CD, o Espirito Santo foi me conduzindo, tive a ajuda da minha mãe também que me ajudou na escolha, até que chegassem as canções que fariam parte do álbum “Tempo de avançar”.

Qual ou quais músicas você destaca neste trabalho?

Todas as canções deste CD tem letras fortes que falam muito comigo, é difícil destacar apenas uma.

Qual(is) canção(ões) o público tem se identificado mais? E porque essa identificação ocorre?

Logo que lançamos o CD, a canção que primeiro se destacou foi “Jardim da Adoração”

As pessoas me falam, nas igrejas sempre pedem para cantar esta música, até mesmo as crianças cantam essa canção. Acredito que essa identificação ocorre, devido ser uma oração, não vejo uma pessoa que não queira ser guiada por Deus diariamente, ás vezes erramos e não sabemos a quem recorrer, e está canção diz exatamente isto, que o melhor lugar é estar no centro da vontade de Deus, só Ele pode segurar a nossa mão e nos socorrer no dia mal.

Você pretende investir em vídeo clipes? Como você enxerga esta ferramenta dentro do seu ministério?

Claro! Acho fundamental investir em Videoclipes, é uma maneira de passar a mensagem da música, uma forma de evangelismo também através das redes sociais.

Como você tem tratado sua identidade visual na web e nos meios de divulgação em geral?

Sempre procura estar sempre atualizado, em todas as redes sociais, é uma forma também de interagir com as pessoas que estão acompanhando o nosso ministério, busco sempre estar envolvido nos meios de divulgação também, que tem servido para levar a palavra de Deus para todo o mundo.

Quais os seus planos para o ano de 2014?

Temos muitos planos e projetos para serem desenvolvidos ainda, mas este ano pretendo me dedicar totalmente na divulgação deste CD Tempo de avançar. 11- Poderiam deixar um recado para nossos leitores?

Quero dizer para você que está lendo está mensagem, por mais que seja difícil a caminhada, não pare, lute pelos seus sonhos e projetos, coloque Deus no controle de tudo, que Ele irá escrever uma história de vitória para você, não olhe para trás, avance sempre, o alvo maior é JESUS e Ele sabe o momento certo de te honrar, persevere, maior é o que está com você!

Deixe aqui os seus contatos:
Telefones: 55 11 988424958 / 55 11 975370646
Website: www.nathanramos.com.br

Fanpage: Facebook.com/NathanRamosOficial

Entrevista com PC Baruk

Álbum comemorativo de Baruk terá regravações com convidados especiais01 – Como andam os preparativos finais do seu álbum “Graça”?

Estamos trabalhando a todo o vapor na finalização do CD, os elementos musicais, por vezes gravados separadamente, estão sendo reunidos e tudo começa a soar exatamente conforme o sonhado. Falta bem pouco pra que tudo esteja pronto e todos tenham acesso aquilo que preparamos com tanto amor. Que o Senhor seja louvado!

02 – Por que este título? Este será um tema recorrente no projeto?

Sem dúvida. Tudo gira em torno da GRAÇA como tema central, e nessa ótica abordamos vários assuntos, tais como, amor, perdão, oração, amizade, etc. Não há a menor pretensão de esgotarmos o assunto da graça simplesmente porque isso nunca seria possível. Meu convite é à experiência pessoal que a Graça gera em cada um.

03 – O CD terá participações especiais ou alguma surpresa?

Acho que todo o CD será uma grande surpresa. Na verdade, revelamos bem pouco do projeto como um todo até agora, teremos surpresas do encarte até o último segundo da última faixa.
Temos tratado cada músico, cantor ou técnico como participante especial, isso porque estamos procurando extrair o melhor de cada um na essência.
Quanto a cantores convidados, sim, provavelmente teremos isso confirmado, mas também será surpresa! rs

04 – A produção deste novo projeto aconteceu no Brasil e no exterior. Como tem sido esta experiência?

Estou muito feliz pela possibilidade de variar nas formas de execução musical deste álbum. Estive em Nashville gravando com músicos americanos e a outra parte foi gravada aqui, com músicos brasileiros de extraordinária qualidade. Não há melhores lá ou aqui, são apenas formas diferentes de se expressar através da música. O resultado da soma não poderia ser melhor, estou completamente grato e satisfeito!

05 – Quais são as suas expectativas pelo lançamento de “Graça” pela Sony Music?

Todo o estudo e busca por aprofundar-me no tema do CD serviram pra que eu perceba que não há limites pra quem se lança no imenso oceano que é a graça, aprendi muito e o muito que aprendi ainda é tão pouco frente o que se pode conhecer.
Minha expectativa maior é que pessoas ouçam nesse CD um convite a experimentar do que é a graça. Que ninguém mais se contente em apenas escutar e ler a respeito, que haja um desejo incontrolável de arriscar esse mergulho.
Vejo nessa parceria com a Sony Music uma oportunidade imensa de potencializar o alcance das canções, que muitos lares sejam invadidos pelas águas desse grande mar!

Tatiane Silva
Gospel Sony Music

Lettersvitae entrevista o pastor Oswaldo Trujilho

Entrevista 01Nome: Oswaldo Trujilho
Idade: 67
Reside: Xaxim, Brasil
A importância da verdade escrita na bíblia tem ficado escassa e sua real aplicação tem regredido, são poucos os homens das quais receberam dons e talentos que ainda continuam na verdade.

Esse mês o blog LettersVitae entrevista esse extraordinário soldado de Deus que ainda continua aplicando a verdade, independente das mudanças deste novo século. O pastor Oswaldo Trujilho fala sobre alguns assuntos de extrema importância para nossa vida continuar na retidão.

LV: Pastor conte-nos como foi sua conversão.
Pela dor conheci o evangelho, eu tinha 7 anos de idade quando estava indo para meu primeiro ano escolar e ouvi em uma igreja o corinho “a graça de Jesus jamais me faltará”, então pensei como a graça de Jesus jamais me faltará sendo que em minha casa estamos passando por uma tempestade?

Esse corinho ficou martelando em minha mente e na saída da escola tive que voltar pelo mesmo caminho e encontrei um vizinha que era paraplégica, então a vi sem as muletas, contei para minha mãe ao chegar em casa e falei que iriamos levar meu pai à noite naquele lugar, minha mãe me indagou perguntando como iriamos levá-lo sendo que não andava, dois vizinhos nos ajudaram a levar.

É nesse mesmo dia meu pai voltou andando, além disso todos os nossos bens foram recuperados.

LV: Existe uma grande importância na obra missionaria para que outros também possam ter a oportunidade de conhecerem a Deus, como começou seu trabalho missionário?
Dentro da Igreja participei de vários trabalhos, isso ajudou a adquirir experiência para depois trabalhar na área missionaria e desenvolvendo cada vez mais os talentos que o Senhor havia dado, minha primeira viagem missionaria foi para Loanda (Paraná) e fui acompanhando algumas outras viagens.

Depois fui para Xaxim (Santa Catarina) por causa das dificuldades da região e sentimos o chamado de Deus para essa obra, então fixamos morada em 4 de Julho de 1990.

LV: Naquela época havia um grande avivamento, as pessoas se voltavam para Jesus, tinha batismo espiritual, etc. Porque neste novo século não acontece mais? O que acha que houve?
O segredo hoje é buscar, as Igrejas não focam tanto esse evento principal da vida do cristão, que é fundamental, o selo do batismo do Espírito santo.

LV: Governos no mundo inteiro mudaram e introduziram novas leis, você acha que isso influência as pessoas a conhecerem menos a palavra sagrada?
Não vou dizer tanto a respeito de leis, mas quero dizer que hoje o ser humano está focado mais nele mesmo e envolvido na mídia, hoje quase não se fala e sim se digita, então com isso o pessoal perdeu o foco da realidade da vida espiritual.

Hoje temos a palavra de Deus sendo vista 24 horas por dia em todos os seguimentos de comunicação, porem com o individualismo criado pela mídia e internet, então vemos que não estão dando tanta prioridade para uma vida espiritual mais abundante como nos primórdios na minha conversão.

LV: Oswaldo, nesses anos todos servindo ao Senhor, qual foi o maior milagre que já presencio, sei que foram vários, mas cite um que te deixou estarrecido.
Numa quarta-feira à tarde, onde tem a reunião das mulheres, uma senhora chegou na igreja e nos contou que estava com um tumor cancerígeno, então começamos a orar, aquela mulher sentiu vontade de ir ao banheiro e colocou para fora todo aquele tumor.

Houve outro caso em uma quinta-feira de um homem que não escutava, então ele entrou e começou a escutar. Isso tem acontecido porque temos mostrado as maravilhas de Jesus.

LV: O trabalho de evangelismo que tem feito nos comércios, nos conte como começou.
Deus nos preparou para nos inserirmos na cidade, chegamos como desconhecidos, encontramos uma situação bem caótica, ninguém quer trabalhar em vão, quer ver o êxito não é verdade? então o Senhor nos preparou uma forma maravilhosa, houve uma reunião na Escola de nosso filho e a diretora da escola nos apontou para sermos representantes foi quando começamos a descortinar a cidade.

Conseguimos angariar fundos para ajudar na escola e a sociedade começou a ver esse trabalho, foi daí que começamos a sermos inseridos e por esse trabalho, ficamos conhecidos nos comércios, começamos a fazer um trabalho também com a polícia militar, nisto um comerciante nos chamou para visitá-lo, depois outro e até hoje fazemos esse trabalho, ganhamos a simpatia da cidade e muitos aceitaram a Jesus.

LV: Temos visto que você é realmente um soldado do exército de Deus, transmitindo a verdade da bíblia, qual recado deixa para todas as pessoas que querem galgar um caminho real com Deus e não tem forças?
Não existe outro recado a não ser aquele que está na palavra de Deus, buscai e encontrareis, batei e abrisse-vos a, quem pede encontra, quem busca acha, todas as oportunidades de falarmos na rádio, televisão ou nos encontros ecumênicos na cidade procuramos nos envolver com tudo o que podemos e nós temos esse refrão de vida ” floresça onde você estiver plantado”, porque onde Jesus te colocou irá ajudar a florescer e germinar tua vida em Sua presença.

NO MÊS EM QUE SE COMEMORA O DIA INTERNACIONAL DA MULHER DIRETORA DE COMUNICAÇÃO DA III FLIC SALÃO GOSPEL FALA SOBRE SUA EXPERIÊNCIA NO SETOR

mazzaok21) São quase 20 anos de profissão. Como começou essa história?

Sim, lá se vão quase 20 anos de muito trabalho, dedicação, de muita luta, de muito joelho no chão, de muitas decepções, mas também de muitas boas surpresas e vitórias que culminaram em finais surpreendentes… Eu comecei numa época bem diferente dos dias atuais, existiam bons veículos de imprensa cristã, que hoje não existem mais e deixaram saudade… Então, certa vez, eu recém-formada, depois de trabalhar quase 3 anos num grande jornal secular, pensei: “porque não poderia exercer minha profissão no meio cristão, já que eu era cristã e amava as coisas sobre Deus?”. Então, quando tive a oportunidade, agarrei com unhas e dentes e nunca mais saí. Tive verdadeiros amigos com quem aprendi muito, não posso esquecer do jornalista Carlos Fernandes, que na época era editor da Revista Eclésia, ele me deu oportunidade de sugerir uma pauta e trabalhar nela. Sempre muito sincero, falou: “olha, faz a matéria, busca as fontes e manda o texto pronto, se eu gostar publico a matéria e você pode continuar na turma da redação, se não gostar te pago da mesma forma e continuamos amigos”. Batalhei muito naquela matéria e mandei o texto, algumas semanas depois ele me ligou dizendo: “Bem-vinda a Revista Eclésia, sua matéria foi escolhida para ser a capa dessa edição!”. Me lembro que fiquei muito feliz naquele dia que jamais saiu da minha memória…

2) Você veio de uma família evangélica? Quando e como se converteu?
Sim. Sou bisneta, neta, sobrinha, filha e esposa de pastor (risos). Bom, aceitei Jesus na minha vida quando eu era bem pequena. Nossa família toda era de Igreja Batista, meu avô era missionário americano, o nome dele era Leon Charles Galgoul e nós freqüentávamos a Igreja Batista Memorial, na cidade do Rio de Janeiro. Estudei minha vida inteira no Colégio Batista Shepard. Mas, um belo dia, meu Pai chegou para mim e falou a respeito de intimidade com Deus. E que eu precisava conhecer isso na minha vida! Ele não poderia ser mais o Deus íntimo do Vovô, do Papai, mas tinha que ser o meu melhor amigo e nesse dia minha vida mudou de vez, passei a compartilhar todos os momentos com ele…

3) Pode fazer uma reflexão a respeito desses 20 anos de trabalho no segmento evangélico?
Acho que foram anos difíceis devido a muitos tabus que existiam dentro das igrejas e preconceitos, porém, de uma criatividade maravilhosa! Só tenho motivos para agradecer a Deus por ter feito parte de uma geração escolhida que ficou para a história! Como meu amigo DJ Alpiste fala, “preparamos a massa! Para que hoje essa geração que pretende se estabelecer pudesse comer o bolo!” (risos).

4) É jornalista, cineasta e está à frente da comunicação de uma tradicional associação de Editores Cristãos e de uma grande feira, que hoje representa o segmento cristão perante a sociedade. É muita responsabilidade? O que pode falar sobre o seu trabalho?
Sim, é muita responsabilidade dada por Deus. Mas ele nos dá talento, nos prepara e nos capacita. Como fala a palavra, quando nos sentimos fracos é que somos fortes! E nos cobra também quando pensamos em desistir! Sobre o meu trabalho, assessoria de imprensa, posso dizer que não é para qualquer pessoa e sim para aqueles que estão preparados para pisar no terreno do relacionamento com os veículos de mídia. É tarefa para quem está disposto a desarmar minas terrestres todos os dias. Todo cuidado é pouco.

5) Como concilia tantas responsabilidades e ainda as tarefas de ser esposa e mãe?

Bom, em relação ao meu casamento não sofro tanto, porque trabalho com o meu marido. Somos a M (Mazza) R (Rebello) e 1 (Jesus em 1º Lugar). Sempre eu sou a comunicação e ele o marketing. Mas em relação aos filhos, sempre tomamos muito cuidado, afinal, significam o amor de Deus por nossas vidas! Eles precisam da nossa atenção e o tempo passa tão rápido… Mas, eles entendem e mesmo nessa correria somos muito felizes!

6) É verdade que foi uma mãe de UTI? Pode nos contar resumidamente esse período da sua vida?

Sim, minha filha Chaya foi prematura e tinha apneia da prematuridade, ela esquecia de respirar e precisava ser reanimada, ficamos 28 dias com ela na UTI, entre a vida e a morte! Mas Deus entregou nossa filha nos nossos braços perfeita! É um milagre que todo dia me olha e diz: “Mamãe, eu te amo!”. Chaya, que significa VIDA é um presente de Deus. É uma guerreira, uma pequena grande mulher (risos)!

7) Como você vê a comunicação que é feita hoje dentro do mercado evangélico?

Acho que precisa melhorar muito, acompanhar o crescimento do setor com qualidade e se tornar mais profissional. Vejo tanta gente mal orientada por seus “assessores” com “c”… que escreve “release” com “z”… O que mais vejo hoje são pessoas abrindo agências de comunicação, sem ao menos dominar o que vão fazer e aí todo mundo já conhece o desfecho da história… Prejuízo à vista!

8) No portfólio da MR1 tem diversas publicações de vários cantores, empresas e eventos em jornais e revistas conceituados de circulação nacional. Qual o segredo para “bombar” um cliente na mídia?
São vários os segredos… Primeiro, conhecer bem o peixe que você vende para os outros, depois, ter olhos de águia para identificar as boas oportunidades e onde dá para criar o que até então não existe, ser bem relacionado com as redações e manter boas fontes.

9) Pelo fato de ser mulher já se sentiu alguma vez discriminada em seu ambiente de trabalho ou nos meios mais tradicionais cristãos?

Nunca! Sempre fui respeitada pelos meus clientes e pelo meio onde trabalho! E hoje muitos deles são meus amigos pessoais!

10) Como vê a emancipação das mulheres? E como na sua opinião será a figura feminina no futuro?

Vejo por um lado como algo muito bom, hoje temos uma mulher na presidência da república, temos mulheres no senado, temos mulheres na polícia, no exército, temos mulheres pastoras dentro das igrejas mais tradicionais brasileiras e isso é muito bom! Somos capazes de fazer a diferença no nosso país! Nós lutamos, votamos, lideramos e conseguimos chegar em posições jamais imaginadas no passado por homem nenhum. Porém, nessa corrida creio que houveram perdas de alguns valores fundamentais que a figura feminina do futuro vai precisar resgatá-los para ser feliz!

11) Você é mãe também de uma menina. O que diria para ela nessa semana em relação aos desafios que terá como mulher no futuro?

Diria para ser forte e corajosa, para não desanimar diante dos desafios e sempre se posicionar. Diria para praticar a intimidade com Deus e guardar o coração para a pessoa certa. Diria para ir atrás dos seus sonhos e sonhar os mesmos sonhos de Deus.

12) Se pudesse voltar no tempo mudaria alguma coisa?

Acho que faria tudo de novo, porém seria mais intensa e firme em cada momento… Não precisamos ter medo de fazer a diferença, isso é o que Deus espera de cada um dos seus filhos!

Luciana Mazza tem mais de 18 anos de trabalho dentro do segmento cristão. É jornalista e cineasta. Casada como o jornalista e publicitário Marcelo Rebello e mãe de Yeshua e Chaya. A frente do Grupo MR1 também é Diretora de Comunicação da III FLIC SALÃO GOSPEL e responsável pela comunicação da Associação dos Editores Cristãos (ASEC).

Grupo MR1
mr1assessoriadeimprensa@gmail.com
013 78135186
Fotos: Adilson Santos

REVERENDO ERNÍ SEIBERT DA SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL COMEMORA 40 ANOS DE MINISTÉRIO E CONCEDE ENTREVISTA AOS EDITORES CRISTÃOS (ASEC)

RevERNÍEle é Doutor em Ciências da Religião, mestre em Teologia, autor de quatro livros e trabalhos publicados em várias revistas especializadas em Teologia e Ciências da Religião, tanto no Brasil como no exterior. Estamos falando de Erní Seibert, que hoje é Secretário de Comunicação e Ação Social da Sociedade Bíblica do Brasil e Diretor do Museu da Bíblia de São Paulo e do Centro Cultural da Bíblia no Rio de Janeiro. Essa semana em que completa 40 anos de ministério, foi procurado pela assessoria dos Editores Cristãos para uma entrevista muito especial sobre sua vida. Confira na íntegra essa conversa:

 

ASEC: São 40 anos de ministério, correto? Como e quando começou tudo isso?

       

Rev. Erní: Quando me formei em teologia, no final de 1973, coloquei-me à disposição da minha Igreja para atuar no ministério pastoral. Eles me convidaram para trabalhar numa missão nova da Igreja, na cidade de Piratini (RS). Eu aceitei, fui ordenado e instalado neste trabalho. Aí tudo começou.

 

 

ASEC: Como era a igreja de 40 anos atrás e como surgiu seu profundo interesse pela Bíblia?

 

 Rev. Erní:  O mundo e a igreja eram outros. Por exemplo, nesta cidade em que fui trabalhar, não havia sinal de televisão, era difícil ouvir rádio (o melhor era em ondas curtas). No tempo que estive lá, nunca tive telefone. Computador pessoal não havia. Ligação por estrada asfaltada com outra cidade também não havia. Energia elétrica havia apenas no templo em construção na pequena cidade. No interior do município não havia energia elétrica. Isso já mostra a diferença para hoje. Só existia uma igreja católica e um pequeno grupo de luteranos que chegaram lá por migração de outras cidades. Eu era muito jovem. A dimensão de uma Igreja brasileira não estava presente naquele contexto.

 

 

ASEC: Em que ano começou a trabalhar na Sociedade Bíblica do Brasil? Quais eram os maiores desafios?

 

Rev. Erní: Eu comecei a trabalhar na Sociedade Bíblica do Brasil em 1991. Fui convidado para ser editor assistente. A direção da SBB estava pensando em ampliar sua linha editorial de material bíblico. Quase não havia publicação de texto bíblico para crianças e jovens. Os livretes (porções bíblicas) praticamente se limitavam a edições dos Evangelhos. Bíblias de estudo não havia. Os computadores estavam começando a se tornar mais populares. Estas áreas precisavam ser desenvolvidas para difundir o texto bíblico.

 

 

ASEC: Certamente, em todos esses anos, diversas edições e traduções passaram pelas suas mãos e pelos seus olhos. Quais o senhor considera verdadeiras obras primas?

 

Rev. Erní: É difícil falar em obras primas em geral. Obras primas são aquelas que atendem a uma necessidade. Lembro quando publiquei um livrete com o título “Por Causa do Amor de Deus”. Era uma novidade. Em três meses foram distribuídas 750 mil cópias. Quanto às Bíblias, neste período, foi lançada a Nova Tradução na Linguagem de Hoje. Ela alcançou uma popularidade enorme em nosso país e segue sendo a tradução que mais cresce em termos de distribuição. Em Bíblias de estudo, a Bíblia de Estudo Almeida e a Bíblia de Estudo NTLH continuam sendo textos com enorme aceitação. Em Bíblias temáticas, nada supera a Bíblia da Mulher. Também vejo com grande alegria o crescimento das publicações digitais. Algumas delas, de valor excepcional, como a Bíblia Glow e as Bíblias com número Strong.

       

 

ASEC: O que acha da diversidade de Bíblias modernas com reflexões e opiniões de pastores e celebridades evangélicas?

 

Rev. Erní: Vejo com alegria o surgimento de Bíblias de Estudo. É sinal que as pessoas continuam estudando a Bíblia. Sempre é bom fazer distinção entre o texto bíblico e as notas e comentários. As notas e comentários visam ajudar a compreensão do texto bíblico. Mas o texto bíblico continua sendo soberano. O tempo vai dizer quais dessas novas Bíblias de Estudo vão permanecer e quais não irão ser mais publicadas. Isso é assim com todos os livros. Mas, sempre que uma Bíblia de Estudo é publicada, ela provoca o estudo do texto bíblico e isso sempre é positivo.

 

 

ASEC: Nesses 40 anos como o senhor vê o crescimento dos evangélicos no Brasil? Eles entendem a Bíblia que leem?

 

Rev. Erní: É difícil falar sobre o crescimento dos evangélicos e até mesmo sobre os evangélicos. Há diferentes maneiras de ser evangélico e diferentes compreensões sobre o tema. De qualquer maneira, o crescimento das igrejas evangélicas nestes 40 anos é impressionante. Eu diria até que é surpreendente. Na década de 1960, na teologia, falava-se da morte de Deus. Lembro que quando estava na Faculdade de Filosofia, no começo dos anos 1970, ser cristão era visto pela maioria como algo ultrapassado. Em muitas Igrejas falava-se do declínio do cristianismo no mundo. Por isso, ver hoje o vigor do movimento evangélico no Brasil é algo surpreendente.

Sobre a compreensão que a igreja evangélica tem da Biblia, há diferentes situações. Se olhamos para as epístolas, no Novo Testamento, percebemos que eram cartas escritas para igrejas jovens. Elas tinham problemas e realidades diferentes. A compreensão da fé cristã que tinham também ressaltava alguns aspectos e era fraca em outros. O mesmo se passa na igreja evangélica no Brasil. Mas o movimento vai crescendo e amadurecendo. Com isso, a compreensão da Bíblia também fica mais ampla e profunda.

 

 

ASEC: Como surgiu o Museu da Bíblia? De quem foi a ideia?

 

Rev. Erní: A ideia do Museu é antiga dentro da SBB. Ela já existia na década de 1960. Havia até o embrião de um Museu da Bíblia (não com este nome) no Rio de Janeiro. Mas nunca chegou a ser realidade. No início dos anos 1990, o Rev. Luiz Antonio Giraldi apresentou a ideia ao então prefeito de Barueri (SP). Aí a ideia criou forma. O trabalho foi desenvolvido em conjunto, entre a SBB e a Prefeitura de Barueri. A SBB cuidou do Museu e a Prefeitura providenciou a infraestrutura. Foi um trabalho que deu certo.

 

 

ASEC: Como foi feito o acervo desse museu?

 

Rev. Erní: Havia algum acervo de Bíblias acumulado desde os anos 1960. Mas, quando começamos o Museu, a ideia não era que fosse baseado em acervo. Há museus modernos que apenas contam a história, sem ter como base, necessariamente, o acervo. Este é o caso do Museu da Bíblia. De qualquer forma, hoje já temos um acervo expressivo, recebido principalmente por doações.

 

 

ASEC: A Bíblia é o livro mais lido e traduzido de toda a história. Acha que algum livro um dia pode superar a Bíblia?

 

Rev. Erní: Não creio que outro livro vá superar a Bíblia. Ela é única na história da humanidade.

 

 

ASEC: Em toda essa caminhada, pode lembrar dos seus melhores momentos e dos piores?

 

Rev. Erní : A gente tende a lembrar os bons momentos e esquecer os maus. Mas aprendemos muito nos maus momentos. Aprendi muito para a vida em hospitais, presídios, asilos, orfanatos. Aprendi muito em visitas a casas humildes. Errei muitas vezes, infelizmente. Aprendi que o mais importante é confiar na graça de Deus em Cristo Jesus.

 

 

ASEC: Família, ministério e trabalho: como fez para administrar tudo isso?

 

Rev. Erní: Conciliar as diferentes responsabilidades faz parte da vida. Ter uma família amorosa e compreensiva é muito importante. Não vejo estas atuações como conflitantes ou buscando prioridade. Ter uma boa família e dar atenção a ela é fundamental para um bom ministério e para o trabalho em geral. Por outro lado, se conseguimos, pela atuação no ministério, trabalhar para ter pessoas melhores e uma sociedade melhor, isso é bom para a nossa família. Tudo está interligado.

 

 

ASEC: Se pudesse voltar no tempo, faria tudo novamente da mesma forma ou mudaria alguma coisa?

 

Rev. Erní: É claro que tentaria fazer melhor do que fiz. Não faria tudo igual. Mas dedicar-me ao ministério, isso, com a graça de Deus, faria novamente.

 

 

ASEC: Acha que será mais cobrado por Deus por trabalhar tanto tempo com um livro tão sagrado como a Bíblia?

 

Rev. Erní: Em Deus há dois aspectos. De um lado, devemos fazer a sua vontade. Ele nos cobra e nunca fazemos tudo o que poderíamos. Merecemos ser condenados. Por outro lado, em Cristo, Ele nos perdoa e convida graciosamente a sempre de novo voltarmos a andar nos seus caminhos. Trabalhar com a Bíblia é uma grande responsabilidade. Mas também é um grande privilégio. Somos lembrados diariamente da vontade e do amor de Deus. Mas, de forma alguma, é uma posição em que estamos mais ou menos debaixo da cobrança de Deus.

 

 

ASEC: Como o senhor analisa a literatura cristã brasileira moderna?

Rev. Erní: A literatura cristã no Brasil está tendo um grande desenvolvimento. Não vivemos mais apenas de traduções. Temos grandes autores nacionais e grandes editoras. É um trabalho maravilhoso feito nesta área.

 

 

ASEC: O que acha da Bíblia digital? Modernidade pode afetar o teor espiritual?

 

Rev. Erní: As Bíblias digitais ajudam muito em vários aspectos. Por meio delas chegamos a lugares onde é impossível atingir de outra maneira. Hoje há Bíblias sendo baixadas em celulares em países onde a Bíblia impressa não consegue entrar. Além disso, a Bíblia em formato digital é excelente ferramenta de estudo. O que muda é o relacionamento com o meio que traz a Bíblia até você. Na história da humanidade, a Bíblia em formato de livros é recente. A imprensa de Gutenberg só apareceu por volta do ano 1500. Até ali, o conhecimento bíblico era transmitido, na maioria das vezes, de forma oral. Pode-se dizer que o contato que as pessoas tinham com a Bíblia era o áudio. Por aí já se vê que não há, necessariamente, nada negativo nesta nova tecnologia de difundir a Palavra de Deus.

 

 

ASEC: Que mensagem resumiria todos esses anos de ministério?

 

Rev. Erní: Eu sou grato a Deus por, nestes 40 anos, ter tido tantas e tão diferentes experiências no ministério pastoral. Tive a oportunidade de servir na Igreja como pastor, professor, comunicador e servo. Deus foi muito bondoso comigo e com minha família. Sou grato a Ele.

Izaura Cardoso estreia na TV Boas Novas com o programa “Tudo De Bom”

reprodução

Nesse domingo (12/01), estreia na TV Boas Novas às 13h o programa “Tudo de Bom” com Izaura Cardoso.

O programa será semanal com duração de 15 minutos e abordará uma variedade de assuntos entre matérias destacando pessoas que contribuem para o crescimento do País através de seus trabalhos, empresas e testemunhos de vida.

Temas sobre cultura, arte, educação e uma reflexão da palavra de Deus de forma clara e objetiva também poderão ser acompanhados semanalmente no “Tudo de Bom”.

Izaura Cardoso tem história no Rádio como locutora do programa “De bem com a vida” na Pazm FM 89,5 em Goiânia, este que posteriormente tornou-se um quadro no programa Gente Legal transmitido pela Band TV, Fonte TV e NET.

O ano de 2014 começa com essa grande novidade, um programa dinâmico que abençoará lares de todo Brasil com conteúdo informativo e espiritual para a sociedade.

 “O objetivo desse programa é edificar vidas apresentando histórias que fazem a diferença além de mostrar que nós cristãos estamos envolvidos em todos os setores da sociedade e por isso temos a responsabilidade de mostrar Jesus em todas estas áreas.” Disse Izaura.

O programa será transmitido para 27 capitais brasileiras através da Rede Boas Novas TV.

Conheça o Canal da Rede Boas Novas na sua Cidade acessando: www.boasnovas.tv/cobertura/ ou assista o programa na web: http://boasnovas.tv/ao-vivo/

Serviço:

Programa Tudo de Bom com Izaura Cardoso

Quando: Todos os Domingos ás 13h

Onde: TV Boas Novas

Informações: www.izauracardoso.com.br

 

Sobre a apresentadora

Izaura Cardoso é autônoma, Missionária e Evangelista pela Assembleia de Deus/Campo de Campinas – GO, locutora da Rádio Paz FM 89.5, apresenta o Programa Tudo de Bom na Rede Boas Novas TV em rede nacional aos domingos as 13h. Na Band TV, apresenta o quadro De Bem com a Vida. É preletora da Adhonep – Associação de Homens e Mulheres do Evangelho Pleno.

Casada com Vanderlan Cardoso, Izaura é mãe de dois filhos, natural de Boa Vista – Roraima, filha de Francisco Ribeiro Perez e Ivone Alves Cantanhede, hoje reside na cidade de Senador Canedo – Goiás. Tem focado seus trabalhos em iniciativas individuais e coletivas que visam a melhoria da qualidade de vida de pessoas e comunidades. Desempenha projetos com missões na África como o projeto “Hands To Work” (Mãos Que Fazem), que ajudam com doações voluntárias de amigos, empresas e familiares; construção de poços semi artesianos, igrejas que são centros comunitários, aquisição de terrenos, bíblia na língua local, milhos para época da fome, como também, aquisição de carro, moto e bicicletas para missionários do grupo realizarem seus trabalhos, entre outras diversas necessidades.

Ao investir na organização e desenvolvimento de projetos e ações sociais, quebra barreiras e preconceitos e, ao mesmo tempo conscientiza sobre o papel da mulher cristã na sociedade. A receita é uma só: a fé e ação (oração).

 

Por Agência LiveCom – Assessoria de Comunicação Izaura Cardoso

Associação dos Editores Cristãos (ASEC) muda Presidência em 2014.

SERGIO OK“Foram dois anos de trabalho intenso dentro da Associação dos Editores Cristãos, perseguindo o desejo de manter a associação viva.”

(Sérgio Henrique de Lima)

Ainda no final de 2013, Sérgio Lima, da Editora Vida, passa o cargo de Presidente da Associação dos Editores Cristãos (ASEC) para Alberto Belan, da Editora Z3 Ideias. Confira na íntegra a entrevista que concedeu ao Grupo MR1 sobre o tempo que ficou à frente da associação:

MR1: Durante quanto tempo você esteve à frente da ASEC?

 Sérgio Lima: Como presidente foram 2 anos, 2011 a 2013.

MR1: Como chegou à Presidência?

 Sérgio Lima: A convite dos amigos editores e com a votação pelos associados.

MR1: Quais eram os principais problemas? E como resolveu?

 Sérgio Lima: O desejo de manter uma associação viva e ativa era o grande desafio e trabalho a ser feito dia a dia. E foi o que fizemos.

MR1: Além disso, o que foi possível fazer no período que esteve à frente da ASEC?

 Sérgio Lima: Realizamos duas edições da FLIC, estreitamos relacionamentos com a CBL, realizamos a comemoração de 25 anos da ASEC, aperfeiçoamos o Prêmio Areté. Fizemos pesquisa de mercado pela Datafolha, além do fortalecimento financeiro.

MR1 – Hoje em dia, qual o maior problema que existe no setor literário?

Sérgio Lima: O maior problema ainda é o acesso da literatura cristã pela rede de livrarias, não temos o número ideal de livrarias.

MR1:  Porque decidiu não tentar a reeleição?

 Sérgio Lima: Para dar oportunidade a outras ideias.

MR1: Quando você deixa a Presidência?

Sérgio Lima: Deixo a Presidência no último dia do ano de 2013.

MR1: Faça uma análise de como você deixa hoje o cargo.

 Sérgio Lima: Fiz o melhor que pude, trabalhei muito na conquista da credibilidade e importância da associação, tanto para o meio cristão como o secular. A união dos associados e as questões financeiras foram fortalecidas e vão ajudar a nova presidência na próxima gestão.

MR1:  E a FLIC, como surgiu e como foi estar à frente de um evento como esse?

rgio Lima: A FLIC surgiu pela vontade dos editores há muitos anos atrás, e com a capacidade e competência de toda a diretoria, conseguimos a concretização deste ideal.

MR1: Resuma em poucas palavras sua experiência de estar à frente da ASEC.

Sérgio Lima: Foi um privilégio e uma honra estar à frente de uma associação tão importante e querida no nosso segmento, ter o apoio de toda equipe foi fundamental para o sucesso de todos os trabalhos realizados. Aprendi  muito  com todos os associados  e pude contribuir um pouco com meus conhecimentos.

Luciana Mazza

Editores Cristãos/ASEC

Entrevista com o grupo AO CUBO

aocubo10anosO grupo AO CUBO lança nesta semana o projeto “Década”, gravado ao vivo no Memorial da América Latina em São Paulo que reuniu milhares de pessoas. O DVD e CD contam com as participações de Thalles, Irmão Lázaro e Dexter e reúne os grandes sucessos do grupo ao longo de sua carreira. Agora, pela Sony Music, o Ao Cubo vê ampliado o seu trabalho no mercado digital e em nível nacional. Conseguimos um tempo na agenda da turma para essa pequena entrevista. Vamos conferir.

01 – Como está a expectativa por esta nova fase do grupo, agora com uma nova gravadora, novo escritório de agenciamento e lançando o CD e DVD Década que reúne os grandes sucessos de vocês até agora?

Estamos muito otimistas e preparados para viver um novo ciclo em nossa carreira. Só nós sabemos como foi difícil chegar até aqui, e o valor que esse CD e DVD têm, são inestimáveis. Queremos fazer jus a todas essas bênçãos de Deus com o nosso melhor. Podem esperar um novo tempo do Ao Cubo.

 02 – Este DVD foi uma super produção e todo o projeto foi diretamente coordenado e planejado por vocês. Como se deu o desenvolvimento de todo o projeto? Todos participaram das decisões, das ideias, do roteiro?

Planejamos esse DVD por dois anos, sabíamos que seria difícil mas que poderíamos fazer uma produção de padrão internacional, gostamos de explorar nosso lado artístico em todas as etapas de produção, o resultado fica autêntico e com nossa essência. Deus se alegra quando somos zelosos, com tudo que Ele põe em nossas mãos.

03 – Em 2013 a agenda de vocês está muito intensa. Como tem sido a receptividade do público ao trabalho que vocês vêm desempenhando? Há algum lugar do país onde o público de vocês é ainda mais intenso?

O público é um combustível, eles são responsáveis pela nossa evolução, as vezes nem entendemos o que eles sentem com cada canção, mas vemos transformações de vidas em cada cidade visitada. Certamente nossa segunda cidade é Guarulhos SP e o estado é Minas Gerais.

 04 – Quais os objetivos, desejos e sonhos do Ao Cubo para 2014?

Desde 2003 tentamos quebrar a barreira do gospel/secular, fazemos som para quem tem ouvidos, e esse é nosso objetivo, desejo e sonho para 2014.

 05 – Como manter a amizade e o trabalho em alto nível por tantos anos? A convivência entre vocês na banda é tranqüila ou meio tensa? E como lidar com as diferenças de cada um e ainda assim, manter o grupo unido e focado?

Rsrs, é tensa, é tranquila, espiritual, profissional… Cada dia é um dia, o importante é que todos se respeitam e trabalham com a mesma garra.

Tatiane Silva

Gospel Sony Music

Sony Music Entertainment Brasil | Day 1 Entertainment Brasil 

‘Pra quê existe a ANAJURE?’ – No dia do aniversário da associação, seu presidente fala sobre o primeiro ano da entidade.

Anajure-1ano-3Há um ano, em 29/11/2012, nascia a Associação Nacional de Juristas Evangélicos, em Brasília, numa solenidade realizada no Congresso Nacional. Porém, há muito tempo existia o anseio no coração de vários juristas cristãos brasileiros por criar e atuar em um grupo que pudesse trabalhar unido num só ideal: ‘Defender as Liberdades Civis fundamentais no Brasil e no mundo sob a égide de uma perspectiva judaico-cristã, que ao longo da História foi base de leis e diretrizes em várias nações, mas que hoje está ameaçada por movimentos pró-gay, pró-aborto, pró-legalização da prostituição, que nas suas essências são puramente anticristãos.’ E se analisarmos melhor, veremos que tais movimentos são, em verdade, anti-humanos.

Atualmente, a ANAJURE está firmada em quase todos os Estados brasileiros e tem em suas filiações cerca de 200 juristas, tendo entre esses vários juízes, desembargadores, professores universitários, promotores, procuradores da república, defensores públicos, auditores, estudantes de direito, e etc., que buscam, juntos, promover as liberdades civis fundamentais em nosso país. Além disto, a ANAJURE alcançou em apenas um ano de existência grandes parcerias internacionais.

Veja mais detalhes sobre a ANAJURE na entrevista com seu presidente, Dr.Uziel Santana.

ANAJURE – Neste primeiro ano, quais foram os maiores desafios da associação?

Dr. Uziel Santana – [Foi um primeiro ano de muitas lutas, mas também de muitas vitórias, seja no plano nacional, seja no plano internacional. Mas um dos maiores desafios que enfrentamos, certamente, foi aprendermos a lidar com um país com tantos problemas para um livre e efetivo exercício das liberdades civis fundamentais dos seus cidadãos e instituições – especialmente nesse contexto de Governo radicalmente à esquerda. Tal desafio é ainda mais potencializado pelo fato de vivermos, dentro do evangelicalismo brasileiro, uma série crise que muito mais que teológica é também ética e de conhecimento sobre como atuar no atual contexto da sociedade pós-moral em que vivemos. Neste sentido, a ANAJURE tem tentado, por exemplo, ajudar a que nossos líderes e evangélicos em geral entendam que não podemos entrar no mesmo clima de guerra e de hate speech (discurso de ódio) que caracteriza os chamados movimentos sociais anticristãos. Precisamos ser sal e luz na medida certa e esta medida, segundo o evangelho, indubitavelmente, é o amor. Precisamos ter bem claro na nossa ação política e jurídica que a nossa luta não é contra pessoas, como tem acontecido recorrentemente em certos setores do evangelicalismo brasileiro.]

A – No Brasil, perseguição e oposição aos valores cristãos é algo que tem se tornado cada dia mais forte, sobretudo em nossas leis, ou projetos de leis, ou mesmo políticas públicas governamentais. Como a ANAJURE trabalha neste sentido?

US – [Nossa experiência pretérita desde 2007, muito tem nos ajudado neste processo de análise e ação institucional. Hoje temos um sistema pronto e consolidado de ação, sempre baseado no nosso trabalho prima facie  de inteligência e estratégia. Por isso mesmo, por um lado, atuamos preventivamente, antecipando fatos e apresentando-os aos líderes e instituições eclesiásticas que trabalham e cooperam conosco, a fim de que a Igreja possa dar uma resposta equilibrada às demandas que surgem. Do mesmo modo, nosso trabalho, neste enfrentamento cultural, político e jurídico, também é ostensivo, através de interpelações administrativas – como temos feito com demandas internacionais, ao nos dirigirmos a embaixadores e representações diplomáticas no nosso país; como temos feito com as questões indígenas, com as questões educacionais, ligadas ao aborto, e etc. – e, quando é o caso, com interpelações judiciais, como estamos fazendo em casos sob sigilo. Assim também, nossos pareceres jurídicos em diversas situações jurídico-políticas, como o da Resolução do Conselho Nacional de Justiça no caso das uniões homossexuais, tem servido de base para a doutrina jurídica do nosso país a fim de mostrarmos que há um movimento de resistência, frente a esta onda de desconstrução do ethos judaico-cristão. O nosso parecer neste caso foi republicado nas mais importantes revistas e sites do meio jurídico secular e bastante elogiado no meio jurídico nacional. Certamente temos muito a avançar nas nossas ações e por isso mesmo temos vários projetos em andamento que, no tempo certo, poderemos anunciar.]

A – Sabemos que a ANAJURE tem uma firme atuação internacional. Como foi a entrada da associação no caso dos missionários brasileiros presos no Senegal e como está a situação deles hoje?

US – [Desde a nossa participação na Annual Consultation da RLP – Religious Liberty Partnership – em março, em Istambul na Turquia, nós temos tido o privilégio e a honra de servir aos irmãos e irmãs da igreja perseguida. Hoje nós somos membros plenos da RLP – que é o maior conglomerado de entidades cristãs em defesa da igreja perseguida, entre elas Open Doors International – e temos cooperado sempre com os nossos vários parceiros e conveniados de todo o mundo, em especial, com a Christian Solidarity Worldwide, com Advocates International, Middle East Concern e a Alliance Defending Freedom. São muitas demandas inclusive, tanto em matéria de liberdade religiosa, como nos casos do nosso programa de refugiados (o ANAJURE Relocation). Estamos trabalhando para poder cooperar ainda mais com eles em 2014. No caso dos missionários do Senegal, atendemos o pedido da presidência de uma das denominações que trabalham em aliança conosco, a Igreja Presbiteriana do Brasil e agimos localmente através dos nossos aliados da Advocates International. A situação lá permanece inalterada em termos jurídico-processuais. Quanto ao mais, por entendimento com a APMT (Agência Presbiteriana de Missões Transculturais), nós estamos mantendo sigilo para ao final de tudo podermos fazer um relatório completo em conjunto.]

A – Sabemos também que a ANAJURE tem tido uma forte atuação na América Latina, em especial, junto a FIAJC – Federación Inter Americana de Juristas Cristianos. Fale-nos um pouco sobre esta atuação.

US – [Realmente, graças a Deus, temos tido a honra de também cooperar com nossos parceiros na FIAJC. A FIAJC – antiga RLAAC – foi constituída juridicamente (apesar de ter uma história de mais de dez anos informalmente) em maio deste ano numa cerimônia no Congresso Nacional uruguaio, em Montevideo, quando estivemos presente. A ANAJURE por isso é membro fundadora da FIAJC e nós temos tido a honra de ter sido eleito pelos nossos irmãos e irmãs latino-americanos como presidente do Conselho Fiscal da entidade na eleição que aconteceu, ato contínuo, na X CLAC (X Convenção Latino Americana de Juristas Cristãos), ocorrida em Buenos Aires. O foco da FIAJC é o mesmo da ANAJURE: defesa das liberdades civis fundamentais e apoio à igreja. Temos, por isso mesmo, atuado em situações como a do aborto no Uruguai, e em alguns casos de liberdade religiosa. Ainda em termos de América Latina, temos trabalhado conjunta e fortemente com a CSW (Christian Solidarity Worldwide) no caso de Cuba. Temos tido uma atenção especial com este país porque, como tem sido noticiado pela ANAJURE, com a saída de Fidel Castro do poder, inexplicavelmente, as medidas contra a liberdade religiosa aumentaram significativamente. Esses são alguns exemplos.]

A – Como a ANAJURE tem trabalhado no suporte à igreja brasileira?

US – [Além do que já explicamos acima, a ANAJURE hoje atua em parceria e convênios com as denominações e igrejas históricas do país. Temos todo um trabalho de inteligência e estratégia neste sentido com os principais líderes denominacionais do país. Além disso, temos o nosso PAD – Programa de Apoio Denominacional, a partir do qual temos apoiado localmente denominações, igrejas e instituições eclesiásticas, no sentido de prepará-las para o bom exercício dos seus direitos constitucionais e infraconstitucionais. O retorno dos líderes tem sido motivante para o nosso trabalho, porque foi para isso que nasceu a ANAJURE. Hoje, graças a Deus e com muito esforço, suor e lágrimas do nosso staff de juristas, temos a confiança e o respaldo necessários para avançar ainda mais em 2014. Através do PAD, vamos continuar a capacitar igrejas e líderes em geral para que saibam se mover nesta sociedade pós-moral cristã em que vivemos.]

A – Quais os planos da associação para 2014 com relação ao jornalismo voltado para a Igreja Perseguida no mundo?

US – [Depois de muito esforço e trabalho da nossa equipe de comunicação neste ano, finalmente, vamos colocar em prática um projeto que reputo ser muito importante para a igreja evangélica no Brasil e na América Latina. Trata-se da ANAJURE Press, a agência de notícias da ANAJURE para o Brasil e América Latina. Será um portal de conteúdos escrito, em áudio e vídeo, com tradução simultânea em português, espanhol e inglês, elaborado por nossa equipe de jornalismo local e por nossos correspondentes internacionais. O objetivo da ANAJURE Press é trazer conteúdo informativo sobre liberdades civis fundamentais, notícias pró-vida e pró-família, sem sensacionalismos e com veracidade. Para isso, estamos neste momento de preparação celebrando convênios de cooperação com todas as nossas parceiras internacionais da RLP e FIJAC, assim como com outras entidades ligadas ao periodismo latino-americano. É um projeto que tem nos empolgado bastante e com fé em Deus no início de 2014 estaremos apresentando à sociedade e à igreja em geral.]

A – Quais são os projetos da ANAJURE no âmbito acadêmico?

US – [O programa do Blackstone, em parceria com a ADF, foi um divisor de águas este ano. A ANAJURE estará enviando em 2014 alguns estudantes nossos para participar de programas top de formação em Direito sob uma cosmovisão cristã. Fruto desta parceria inicial com a ADF, já começamos o entendimento para a partir dos próximos anos, realizarmos no Brasil, também em convenio com outras parceiras nossas (Universidade Mackenzie, Metodista e UniEvangélica) cursos de formação continuada para nossos juristas. Nossos membros do Poder Judiciário e Ministério Público, por exemplo, tem nos requisitado neste sentido. Por isso, nosso Diretor de Assuntos Acadêmicos, Dr. Valmir Nascimento, já começou a desenvolver este projeto a fim de implementarmos o quanto antes. Temos os parceiros e o público. Agora é o momento da realização.]

A – Quais sãos os próximos eventos nacionais da ANAJURE?

US – [Com a graça de Deus, no mês de março, em Brasília, estaremos realizando o 1º Congresso Internacional sobre Liberdade Religiosa, Liberdade de Expressão e Objeção de Consciência. Já temos vários palestrantes confirmados, entre eles, o Dr. Thomas Schiirmacher (Alemanha), um dos maiores especialistas na temática da liberdade religiosa no mundo, sendo inclusive, conselheiro da primeira ministra alemã Angela Merkel nesses assuntos. Por graça de Deus, o Dr. Thomas também é membro do Conselho Consultivo da ANAJURE. Nas próximas semanas, estaremos fazendo a divulgação completa deste importante congresso. Também, em agosto, em Cuiabá, já confirmado, vamos realizar a segunda edição do ENAJURE – Encontro Nacional de Juristas Evangélicos. O Dr. Jossy Soares, Coordenador da ANAJURE no Mato Grosso, está fazendo um grande trabalho neste sentido e a expectativa é muito grande porque neste evento pela primeira vez vamos estar com todos os diretores nacionais e coordenadores estaduais trabalhando e planejando mais ações para a nossa entidade.]

A – Quem pode se filiar à ANAJURE?

US – [A ANAJURE é aberta para todos aqueles juristas cristãos que amam ao Senhor Jesus e que, por assim ser, tem testemunho público disso. Entre nós temos membros do Poder Judiciário, do Ministério Público, das Universidades, da OAB, Defensorias, Polícias, estudantes e etc. Começamos o ano com menos de 30 e hoje somos mais de 200, graças a Deus. Temos tido muito trabalho, mas Deus tem sido fiel. É bem verdade que hoje somos mais criteriosos na admissão do que fomos no início, quando recebemos centenas de pedidos. Mas como temos um perfil de jurista que é técnico-jurídico, estratégico e de responsabilidade e comprometimento com o que fala e como age, então, pretendemos crescer, pouco a pouco, com qualidade e unidade de posição e pensamento.]

A – Por fim – ‘Pra quê existe a ANAJURE?’

US – [A ANAJURE existe para, como dissemos antes, defender e promover as liberdades civis fundamentais de todos os cidadãos da República Federativa do Brasil. Não só dos cristãos, é bom que se frise. Cremos que o evangelho de Cristo e nem seus valores, são impositivos a ninguém. Nossa luta é para que o Brasil seja um país onde a liberdade religiosa, a liberdade de expressão e de pensamento sejam plenas, sempre sob o fulcro dos valores éticos naturais e universais que compreendemos a partir da Palavra de Deus. A ANAJURE existe para apoiar a Igreja evangélica neste momento difícil em que vivemos, no qual a nossa liberdade religiosa de fato tem sido objeto de mitigação por parte do atual governo. Por isso mesmo temos trabalho em parceria com denominações, igrejas e entidades cristãs em geral. São várias ações ostensivas e de bastidores que nos motivam a seguir adiante. A ANAJURE existe para apoiar a igreja perseguida no mundo, como temos tentado fazer nas mais diversas situações, como no caso do nosso programa de refugiados, o ANAJURE Relocation. Agora, por outro lado, a ANAJURE não existe para esconder e apoiar os erros dos nossos líderes e pastores, quando cometem escândalos, ou para esconder os desmandos e casos de corrupção que acontecem, infelizmente, com vários parlamentares que se afirmam evangélicos. Assim também, a ANAJURE não existe para fomentar ou apoiar certo ativismo social “evangélico” que classificamos como “slacktivism” – ativismo de sofá – onde o dito defensor da igreja se esconde atrás de um computador para promover discurso de ódio contra pessoas, inclusive contra os da mesma fé que esses tais se propõem a defender. Esses não têm compromisso com a verdade, nem com a realidade, porque não a conhecem. Preferem a comodidade da sombra, porque não prestam contas a ninguém dos seus atos. Esses não têm reputação a zelar, porque não tem vida em público. Notadamente, são pessoas que são usadas por outros e que se deixam usar. A ANAJURE não existe para esses, nem os apóia, mesmo se autodeclarando evangélicos. Ao contrário, apoiamos os mecanismos do Estado Democrático de Direito para coibir este tipo de atitude que nada condiz com o testemunho público de um cristão. Por fim, a ANAJURE não existe para esses vários meninos e meninas que apareceram agora como pretensos defensores do evangelho, gritando e proclamando uma espécie de guerra santa ou MMA evangélico, com o simples objetivo de alavancar suas meteóricas carreiras políticas, como se Cristo dependesse deles para que as portas do inferno não prevaleçam contra a Igreja. Nesses casos, a gente se lembra da Palavra, quando nos ensina: a humildade precede a honra e a soberba, a queda. Para esses, de fato, a ANAJURE não existe, e não serve, porque não compactuamos com tais atitudes. Por fim, a ANAJURE serve para glorificar a Cristo, edificar a Sua igreja e proclamar e defender os valores do Seu reino, de uma forma simples, mas contundente e inteligente. Assim o tentamos todos os dias, apesar das nossas fraquezas e defeitos. Certamente, Ele nos tem assistido em tudo. Para os nossos juristas, minha palavra de agradecimento e reflexão é a de Miquéias 6:8: ‘tudo o que o Senhor pede de nós é tão-somente que pratiquemos a justiça, amemos a benignidade, e andemos humildemente com o Senhor nosso Deus.’]

_________________________________
Por: ANAJURE l Press Officer – Wanda Galvão