Ministério Radicalize lança primeiro disco – Nos braços da graça

radicalize_cdEles são jovens, baianos, vivem em Salvador e já começam 2013 com todo o gás, lançando seu primeiro álbum intitulado “Nos braços da graça”!

Diga-se de passagem, “graça” é uma palavra que resume bem a trajetória desses garotos! O Ministério Radicalize surgiu como equipe de louvor do grupo de jovens de sua igreja local e rapidamente foi direcionado a levar essa “graça” além das portas de sua congregação.

Rainer Costa, líder e vocalista do ministério, é um jovem de 27 anos e há cerca de uma década trabalha na área de louvor e adoração, período onde também dedicou-se ao discipulado e liderança de jovens da igreja onde congrega. Ele é o compositor de 11 (sendo 03 parcerias) das 12 canções que integram o primeiro álbum. A banda conta ainda com Fillipe Schindler no baixo, Reuter Reuel e Murilo Marcos nas guitarras, Daday Limma na bateria e Paulo Roberto no teclado.

O projeto gráfico do cd foi desenvolvido pelo próprio Rainer, que é formado em design gráfico, em parceria com Sandro Limaverde, também designer e ilustrador com vasta experiência no mercado baiano. “Sandro possui um traço bem específico e característico. O tipo de proposta que estamos apresentando, seguindo um viés mais ilustrativo, é pouco comum no meio cristão brasileiro e as pessoas tem reconhecido esse diferencial”, afirma o líder da banda. Mas não para por aí.

A produção musical deste primeiro álbum é assinada por ninguém menos que Adson Sodré, atual guitarrista de Neal Morse, conceituado multi-instrumentista e compositor de rock progressivo cristão americano. Adson que é também vocalista, compositor e guitarrista nas bandas Promessa D e Speed Plain, já participou de grandes projetos com artistas como Aline Barros, Trazendo a Arca, Pregador Luo, Fernanda Brum, Emerson Pinheiro, André e Ana Paula Valadão, Regis Danese, Val Martins, Carlinhos Félix, Soraya Moraes, Jamily, PG, Banda khorus, Ariane, Wiliam Nascimento, Lázaro, Damares, Marquinhos Gomes, Nani Azevedo, Comunidade da Zona Sul, Paulo Cesar Baruk, Deise (Fat Family) e outros!

Ufa! Ficou curioso? Oxente, é só visitar o soundcloud.com/ministerio-radicalize e ouvir algumas canções para descobrir o que é que o som desses meninos baianos tem de bom!

Nome das faixas do CD:
01 – Iremos
02 – Eis-me aqui
03 – O tempo e o templo
04 – Nos braços da graça
05 – Quando estamos a sós
06 – Rio de amor
07 – Deus em mim
08 – Mais que um bem
09 – Cântico ao criador
10 – Confio em Ti
11 – Pé no céu
12 – A canção do dia

Acompanhe o trabalho do Radicalize na internet:
SounCloud: soundcloud.com/ministerio-radicalize
Facebook: facebook.com/MinisterioRadicalize
Youtube: youtube.com/MinisterioRadicalize
Twitter: @radicalizeband

Para convites e mais informações:
Telefones: 71 8889.5834 | 71 9214.0314
E-mail: contato@ministerioradicalize.com.br
www.ministerioradicalize.com.br

Fonte:
Assessoria de imprensa | Ministério Radicalize

Fonte: Jornal Gospel News

Lettersvitae entrevista o Teólogo e Escritor, Pastor Solon Diniz

Pastor SolonName:  Solon Diniz Cavalcanti
Idade:  56
Reside: São Paulo, Brasil
Graduado em Teologia e Pós Lato Sensu em Ciência da Religião pela FATIN – Faculdade Teológica Integrada – Brasil; Mestre em Teologia pela Fac. Etnia e na ULHT – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias fez o Mestrado em Ciência das Religiões e Doutorando em Educação pela mesma Instituição de Portugal. É Diretor do CEAB – Centro de Estudo Avançado da Bíblia, Escritor e Cientista da religião.
Esse mês o LettersVitae teve a grande honra de entrevistá-lo.

 

 

LV: Fico muito honrado pela oportunidade desta entrevista Pastor. Em mais de 50 anos o ministério ICPBB nunca teve um Departamento de Ensino ou uma Editora, como foi implantar e fazer esse trabalho crescer em pouco tempo?
O prazer da entrevista é todo meu, pois sei do seu alcance mundial e do seleto público que prestigia os seus escritos. Na Igreja Pentecostal da Bíblia eu tive a oportunidade de colaborar na criação do Departamento de Ensino. A ICPBB é uma igreja cinquentenária, oriunda da segunda onda pentecostal no Brasil, com um forte trabalho evangelístico e social, mas tinha uma deficiência no aspecto da instrução de suas centenas de unidades, a membresia não dispunha de um departamento de ensino voltado para ela. Como a igreja está espalhada pelo enorme território brasileiro, era necessário um instrumento de unidade de pensamento teológico. O Bp. Ronaldo, então presidente da denominação, me incumbiu de organizar o Departamento de Ensino, com alcance nacional.

Em um ano e quatro meses de existência nós conseguimos patrocinar dois simpósios de suma importância para a igreja. Um denominado “Administração Eclesiástica”, com a presença de dois palestrantes especialistas, um pastor advogado e um pastor contador. Depois fizemos outro, dando continuidade aos aspectos administrativos e da sua inserção na sociedade. No primeiro levamos os homens que interpretam a Lei, advogado e contador, no segundo simpósio, “A igreja e a Política”, foram debatedores aqueles que fazem as leis, uma vereadora, um deputado estadual e um deputado federal. Foram dois simpósios de grande proveito para a ICPBB. O mundo é dinâmico, a igreja precisa se atualizar, se inteirar do seu papel espiritual, social e político. O Departamento, embora um bebê administrativo, e mesmo com parcos recursos financeiros, ofereceu à ICPBB um Seminário de Educação de altíssimo nível. Foram três palestras, a Psicopedagoga Pra. Beatriz Burle com a “Psicopedagogia Cristã”, eu com “Erros e vícios na hermenêutica dos pregadores contemporâneos” e, encerrando de forma brilhante, o Profº. Luiz Sayão com a palestra “A Bíblia, uma só mensagem em várias versões”.

Também realizamos um grande número de palestras em igrejas locais, e colaboramos com as regionais com simpósios e treinamento de professores de Escola Bíblica. O departamento, embora contasse apenas com três membros efetivos, eu, a Beatriz Burle Diniz e o meu entrevistador, o Oscar Correia, foi muito dinâmico e empreendedor, a força vinha do Senhor.

Criamos um selo Editorial “Porta da Vida”, para viabilizar a produção do material didático da denominação. Hoje a igreja conta com revista de escola bíblica própria, um projeto arrojado e de identidade, pois as lições são escritas pelos próprios pastores da denominação. O Departamento de Ensino primeiro cria o tema da revista, depois um roteiro de cada lição para nortear os colaboradores escritores. Depois de escrita é revisada teológica e gramaticalmente pelo departamento, depois é impressa. Sendo que muitas destas lições são escritas pelo próprio departamento. No curto período que estivemos a frente do departamento seis revistas foram publicadas, sendo uma infantil, e uma sétima que já estava quase conclusa. A Editora ainda publicou um livro, tendo já mais dois no prelo.

Eu não poderia encerrar esta parte da entrevista sem falar do momento mais emocionante que vivenciamos no Departamento de Ensino. Resolvemos fazer um resgate da história da ICPB. A igreja ainda conta com a presença viva de alguns dos seus fundadores, precisávamos documentar a história da Pentecostal da Bíblia. Tudo o que ela dispunha era de umas três ou quatro páginas sobre a linda história do líder e fundador, Rev. Epaminondas Silveira Lima, mas nós queríamos mais. Com a ajuda dos colaboradores conseguimos entrevistar vários homens que fizeram história na pentecostal, alguns que assinaram a ata de fundação, outros mais recentes, nenhum com menos de trinta anos de ministério, foi o corte cronológico que estabelecemos. As entrevistas foram transformadas em pequenas biografias adaptadas como lição de Escola Bíblica, um trabalho fantástico, monumental. Demos à revista o título de “Vidas que inspiram”, que faz jus aos homenageados, verdadeiros abnegados, homens que se entregaram pela causa do evangelho, que construíram literalmente a história do cristianismo em território brasileiro, agora registrado nas páginas da produção literária da Editora Porta da Vida.

No mês de novembro, de 2012, fizemos o coquetel de lançamento da revista “Vidas que inspiram”, com músicas que relembravam a época das Tendas, nos anos cinquenta, quando começou o grande avivamento em solo brasileiro, a emoção da reminiscência dos heróis presentes, contagiou a todos que estavam na Igreja do Jabaquara (um bairro de São Paulo), a primeira a ser construída. E até quem a construiu de fato, o mestre de obras Pr. Geraldo, um dos fundadores, estava presente. Creio que até os anjos se abalaram.

Foi um lindo trabalho, só possível graças a visão do Bp. Ronaldo, preocupado com a edificação da ICPBB. Entregamos um departamento funcionando, agora queremos fazer o mesmo através do CEAB em outras denominações, especialmente os ministérios menores, que não dispõe de material humano suficiente para tal empreitada.

 

 LV: Gostaria que falasse sobre o grande trabalho que tem feito na Faculdade de Teologia do CEAB (Centro de Estudo Avançado da Bíblia).
O CEAB é um projeto que nasceu com o objetivo de servir à igreja evangélica brasileira na área do conhecimento, especialmente teológico, morávamos em Pirapora, eu era o diretor e o único professor do Instituto Bíblico Batista Missionário, que fora criado como um braço de um grande seminário da capital, mas com prazo para encerrar as suas atividades. Aproveitamos a experiência e crendo que ainda havia muito por fazer, criamos o CEAB assim que o Instituto Batista encerrou as suas atividades, levamos o conhecimento teológico a outras cidades, algumas pequenas. Oferecemos cursos de capacitação e montamos uma Escola de Profetas, com o objetivo de aperfeiçoar os obreiros evangélicos. Foi uma experiência rica, inspiradora.

Convidados a fazer o mesmo trabalho em São Paulo, pelo Bp. Natalino, ex-presidente da ICPB, mudamos em 2008 para Arujá, na Grande São Paulo. Além de pastorear uma igreja de um bairro da periferia, trouxemos o CEAB, e a sua filosofia de ensino. No primeiro ano instalamos nas dependências da Igreja sede da ICPB em Arujá a Escola de profetas, todas as segundas-feiras. Depois criamos cursos de teologia, estendemos o trabalho para outras localidades e na cidade de São Paulo, onde atualmente mantemos um curso de Bacharel em Teologia, outro de Convalidação do Bacharelado em Teologia junto ao MEC, e cursos de pós-graduação. A visão de levar a muitos o conhecimento da teologia cristã, nos fez criar os cursos virtuais, disponíveis através do site www.ceabonline.org.

 

LV: Solon, sobre seus livros, como foi essa experiência de começar a escrever e quais são os livros que já produziu?
Eu escrevi alguns livros, quatro deles já foram publicados, dois sobre Tipologia Bíblica e dois sobre Batalha Espiritual. Eu sempre tive uma queda para a literatura, gosto muito de ler e como sou pregador, palestrante, quero que a minha mensagem chegue ao maior número possível de pessoas. Outro fator que me levou a escrever é a capacidade de agregar maior conteúdo aos meus pronunciamentos. Quando prego não posso me alongar muito, no livro tenho esta possibilidade. Fora que também já escrevi muitos artigos para revistas, blog etc. Aliás, quem desejar poderá ler alguns artigos no meu blog www.pastorsolon.zip.net.

 

LV: Você tem visitado muitas denominações e conhece a história e percurso de cada uma delas. Como você vê os cristãos daqui a 10 anos em relação à espiritualidade e intimidade com Deus?
Sempre tive liberdade de ação dentro da Igreja, sou um cristão sem fronteiras denominacionais, sem preconceito teológico dentro do cristianismo. Isto me possibilita trabalhar com igrejas de diversas matrizes teológicas, calvinistas, arminianos, pentecostais e tradicionais. Aliás, eu já fui pastor batista, tanto de tradicionais como de carismáticos. Atualmente estava na Pentecostal da Bíblia, mas o CEAB tem uma parceria com a Assembleia de Deus. Creio que a igreja tem duas faces, a visível, mas também uma igreja invisível, que não pode ser medida, o corpo místico de Cristo na terra. A primeira sempre com muitos problemas desde o período apostólico, mas a segunda é sempre gloriosa, sem mácula. Daqui a 10 anos eu espero que não estejamos mais aqui, aguardo o arrebatamento.

 

LV: Como Cientista da Religião, você sabe que os tempos atuais são preocupantes, alguns aspectos são bem desafiadores, os conflitos que giram em torno da religião, o uso dos meios de comunicação. Como a pessoa pode posicionar-se diante dos desafios de um mundo cada vez mais secularizado?
Temos um conflito aberto entre setores da sociedade ocidental que desejam romper com os valores transmitidos pelo cristianismo, assim como foi com o movimento hippie nas décadas de 60 e 70 do século XX. Acabam confundindo valores de uma religião com a religião em si, que é muito maior do que os próprios valores, e com isto viram as suas armas contra ela.

Por exemplo, no caso da família tradicional, monogâmica, um casal hétero, um valor do cristianismo, sofre ataques dos chamados grupos políticos “progressistas”, de esquerda. Mas, se nós olharmos com atenção veremos que a família visa a proteção e perpetuação da humanidade. Se, por exemplo, abolirmos o casamento hétero, e toda a população se tornar gay, em duas gerações a humanidade será extinta. Portanto, o que é chamado de valor do cristianismo, também é um grande valor protetor da humanidade.

A religião tem sido tratada de forma vil, como é próprio da ignorância dos que não há conhecem em sua intimidade, especialmente os que atacam o cristianismo. Se hoje temos um mundo ocidental livre, democrático, é graças aos princípios cristão, de igualdade e fraternidade, da compaixão apregoada por Cristo. Liberdade é um legado do cristianismo, desde quando Paulo advogou pelo escravo Onésimo, que os ocidentais desfrutam como nenhuma outra parte do planeta.

  

LV: Pastor, nos conte como foi o começo da sua carreira na caminhada como Cristão.
Eu fui um drogado até os 18 anos de idade, no ano de 1974, quando Cristo me libertou e durante alguns anos a minha principal atividade era levar a Palavra de libertação, principalmente aos que estavam acorrentados às drogas. Após alguns anos passei um período espiritual difícil, até me afastei do convívio da igreja, mas ninguém se esconde de Deus. Voltei ao ministério pastoral e evangelístico no ano de 1997, em dedicação integral, e assim estou até o dia de hoje.

 

 LV: Em épocas passadas havia um movimento maior dos cristãos em relação à oração, jejum, busca de Deus, nesse tempo atual isso não mais tem ocorrido, o porquê do esfriamento dos cristãos?
A Bíblia nos ensina que os últimos dias seriam difíceis, tempos de esfriamento da fé. A vida é muito corrida, as pessoas trabalham mais hoje que os escravos na Idade Média. O tempo é escasso, os apelos da vida são muitos, mas ainda assim muitos estão servindo ao Senhor, buscando-o em orações e jejuns.

 

LV: Solon, vejo que você é uma grande soldado do exército de Cristo. Qual recado você deixa a todos que estão lendo essa entrevista e precisam de uma palavra de ajuda, ânimo e força?
A vida se tornou um apelo pelo consumo, somos a civilização mais rica da história, temos mais do que necessitamos. Mas, do que mais precisamos na verdade é da comunhão com o Senhor Jesus, é uma vida espiritual de qualidade, e isto nem sempre está entre as nossas prioridades. Embora tenhamos tanta riqueza, somos uma civilização doente, sobrevivemos mais tempo, mas mais tempo doente também. Os antidepressivos estão em primeiro lugar nas vendas das farmácias, pois a pandemia do século XXI é a depressão.

Produzimos mais alimentos do que podemos consumir, mas nunca tanta gente morreu de fome. Produzimos mais roupas do que gente para vestir, mas nunca tanta gente morreu de frio. A indústria do entretenimento fatura trilhões de dólares, porém nunca se viu tanta tristeza, tanto ódio e guerras. Somos a civilização do contraste, quem é rico e tem uma mesa farta não come porque está submisso á ditadura da estética. Quem é faminto e está dentro dos padrões da magreza, não come porque lhe falta o alimento que o rico jogou no lixo.

A Bíblia diz “quem tem o Filho tem a vida eterna”, portanto se alguém está cansado, lance suas preocupações Nele. (pastorsolon@hotmail.com).

 

 

LivroEsse é seu último livro “Maldição Hereditária – verdade ou mito?”

Mariana Ava marca presença no II Salão Gospel e grava clipe com Vlad Aguiar – Te Contemplar

mari_dany (2)Dona de bela voz e influências musicais brasileiras e norte-americanas, Mariana Ava é pastora, ministra de louvor, compositora e cantora.

Paulistana, mora em Nova Yorque e divide sua carreira entre o Brasil e Estados Unidos.

Com 10 faixas musicais, o seu terceiro disco solo, que leva seu nome como título, possui cinco faixas em português e outras cinco em inglês.

O disco contou com uma produção de alta qualidade, gravado entre Brasil e EUA, mixado e masterizado por Chris Athens (Sterling Sound Studios, em Nova York ).

O conteúdo do CD é autoral, salvo a faixa “All four Seasons”, que é a versão da música “Quatro Estações”/ cedida pelo cantor Kleber Lucas.

O disco tem uma sonoridade bastante diversificada. A base sólida é o pop/rock, porém contem uma faixa de jazz e outra de bossa nova.

A cantora esteve no Brasil entre os dias 16 e 22 de abril divulgando seu terceiro disco solo. Durante a semana ela gravou os programas “Noite com adoradores” com a Dany Grace, na RIT de São Paulo, além de Cabeça pra cima e Galeria Clip, com o apresentador Lincoln Lira, na REDE BOAS NOVAS no Rio de Janeiro.

Através de um convite da rádio Pão da Vida Mariana também marcou presença na II edição do Salão Internacional Gospel, em São Paulo.

A grande novidade é que, em parceria com Vlad Aguiar, Mariana gravou seu quarto clipe, da canção “Te Contemplar”, que compõem seu CD homônimo. E ela nos fala como aconteceu esse convite: “Recebemos um convite do talentoso Vlad Aguiar, uns 15 dias antes da minha chegada ao Brasil. Assim, juntos, escolhemos filmar, a faixa musical, Te Contemplar, que em breve estará disponível para todos possam assistir.”

mari_vlad_3

O vídeo foi gravado em uma ilha, no Rio de Janeiro, na região conhecida como Costa Verde. Estiverem presentes na gravação, além da cantora e do filmmaker, seu esposo Richard Zuclich, o cantor Francisco Jeici e a equipe D7 – Emerson Freitas (responsável pela fotografia), Débora Cristina (responsável pelo make-up) e Jean Ribeiro (asssitente de vídeo).

A cantora já confirmou o retorno ao Brasil entre os dias 13 e 21 de julho onde, além de cumprir algumas agendas, irá marcar presença na FIC – Feira Internacional Cristã – , também a convite da rádio Pão da Vida.

Entrevista: Carla Santiago – Uma história de amor e milagres

Release Carla A3 frenteNascida numa fazenda no interior de Minas Gerais, a cantora Carla Santiago foi criada em meio à natureza trabalhando na lavoura e ajudando a mãe nas tarefas domésticas. Em meio a essa calmaria do interior, Carla sempre contou com o apoio da família desde quando começou a cantar aos cinco anos em sua igreja localizada em Porteirinha. Entretanto, antes de entrar de cabeça no mundo da música, ainda na adolescência ela realizou trabalhos como modelo e também se formou em Relações Internacionais, com pós-graduação em Política Internacional e Direito Internacional do Comércio. Apesar do grande sonho em ser Diplomata, Carla viu que o chamado de Deus para sua vida falava mais alto e abdicou da carreira diplomática para trabalhar na obra de Deus e levar a mensagem por intermédio da música.

Em 2009, a cantora lançou seu primeiro CD intitulado Soberano, composto por 14 composições de grandes nomes do gospel nacional que evidenciou o estilo sertanejo numa produção de feita pelo maestro Melk Carvalhedo. Um ano depois, chegou o álbum Providência que lhe abriu portas para grandes eventos evangélicos. Agora, ela apresenta o disco Amor & Milagre, produzido novamente por Melk Carvalhedo em parceria com Ronny Barboza, que marca a consolidação de seu ministério que carrega desde o início as marcas da música sertaneja. Membro da Igreja Batista Ebenézer, Carla Santiago é casada com Gilberto Santiago e é mãe do Davi e conversou com o Gospel no Divã onde falou sobre carreira e projetos para o futuro.

1. Quando e como a música entrou na sua vida?

Deus me escolheu desde o ventre da minha mãe. Quando criança, aproximadamente aos cinco anos, comecei a cantar nas igrejas da região da minha cidade natal, no interior de Minas Gerais. Nesse período de descobertas, minha família foi extremamente importante, principalmente no sentido espiritual.

2. Apesar da paixão pela música, o que fez com que se apaixonasse pela vida de modelo e a acadêmica?

Sempre tive uma queda pelo mundo da moda, no sentido passarela. E fui convidada diversas vezes para desfilar, até que aceitei. Fiquei por pouco tempo também. Na vida acadêmica, sou formada em Relações Internacionais, pois amo estudar questões políticas no contexto mundial.

3. De alguma forma, essas experiências ajudaram a moldar a identidade de Carla Santiago?

Sim. O que eu aprendi academicamente me abriu os olhos quanto à situação mundial, pois estudei sobre as políticas dos países de forma geral e isso me deu ainda mais vontade de levar a palavra de Deus ao mundo.

4. Quando resolveu abrir mão do sonho de ser diplomata para fazer a obra de Deus?

 Vi que o meu chamado para fazer a vontade do Pai foi mais forte que meu sonho de ser diplomata e dediquei totalmente ao Governo maior de todos: o Reino de Deus.

5. Como foi ter o primeiro disco em mãos e por que o título Soberano?

Foi a realização de um sonho e o título veio da vontade de dizer ao mundo o quão Soberano é o Senhor. Foi uma forma de adoração.

6. Como foi se apresentar pela primeira vez como uma cantora profissional e com um disco próprio?

Foi gratificante, mais por saber que estava lançando a semente da palavra de Deus do que pelo reconhecimento em si.

7. O repertório contou com composições de grandes nomes da música gospel. Quem seriam eles?

No CD Soberano, os compositores foram: Moisés Cleyton, Daniel e Samuel, Vanderli Macedo, Edson Soares e uma de minha própria autoria. No CD Providência, foram: Agailton Silva, Anderson Freire, Os Nazireus, Edson Soares, Joel e Jânio e Ariney Oliveira. No último CD – Amor & Milagre ­­– temos composições de: Anderson Freire, Lázaro e Eduardo, Cleyton Smith, Damaris Ortiz, Ryldo Lopes e Irmãs Andrads.

8. Chegando agora com o CD Amor & Milagre, por que optou por esse nome e como foram os momentos de produção?

Não existe amor igual a este. Um amor que ultrapassa limites. E, sou milagre de Jesus e amo contar ao mundo sobre os milagres dEle. Os momentos foram de felicidade e também de luta. Glória a Deus por tudo que passei! O resultado foi fantástico!

9. O disco representa a consolidação de várias mudanças em sua vida. Que mudanças foram essas?

Anteriormente usava o nome Geila Carla (meu nome mesmo), mas as pessoas tinham dificuldade de pronunciar, fixar o nome, logo, mudamos para Carla Santiago (meu nome mesmo). E o estilo sertanejo ficou mais evidenciado.

10. E como foi contar com a participação de Damares e como surgiu essa amizade entre vocês duas?

Um dia a Damares estava com uma agenda marcada aqui em Brasília e peguei o telefone liguei para o Aldori (esposo dela) e disse que gostaria de conhecê-la pessoalmente e ofereci se eles não gostariam que eu fosse buscá-los no aeroporto. Foi amor à primeira vista. (Rsrs). Sempre que podemos estamos juntinhas. Ela é uma grande amiga que torce muito por mim e pelo meu ministério. E quando gravei esse disco eu a convidei para participar em uma música e ela aceitou prontamente e carinhosamente. Glória a Deus! Ficou demais! Ela canta muito!

11. E como foi a produção de seu primeiro clipe com direção de Bruno Fioravanti e qual a história da música “Laranjeira” e por que ela foi a escolhida para virar clipe?

Foi muito gratificante. O trabalho da equipe Fioravanti Filmes é muito bom e o Bruno é um mega profissional. Nasci na zona rural e ‘Laranjeira’ tem tudo a ver comigo. Sou simples, romântica e amo músicas neste estilo. A compositora fez esta música exclusivamente para mim.

12. Quais são seus próximos projetos?

O lançamento do meu primeiro DVD. Já gravamos e estamos em fase de finalização da produção. O lançamento deve ocorrer no mês de fevereiro e está ficando lindo demais.

13. Tem algum testemunho que marcou sua vida e poderia contar para nós?

Eu não podia ter filhos e chorei muito com o diagnóstico médico, mas descansei no Senhor. A Bíblia fala que Deus trabalha para aqueles que nEle esperam e, alguns meses depois, o Senhor me curou e fui fazer o exame de sangue e, olha só, estava grávida. Glória a Jesus! Meu filhote precioso está com dois anos. Meu milagre!

14. Qual balanço faz de sua carreira desde quando era uma criança cantando na fazenda até hoje?

Como Deus é fiel. Ele é demais. Ele pega as coisas que não são e confunde as que são. Eu vivia no meio do mato, trabalhava na roça, não tinha perspectiva financeira alguma, mas tinha um chamado, uma convicção e fé. Quando vou ao interior de MG e percorro os caminhos que fazia para ir cantar na igrejinha, atravessava o rio, muitas vezes cheio, para louvar a este Deus e hoje vejo o resultado, é emocionante, choro mesmo de alegria. Eu não mereço nada! Tudo é Dele! Jesus conquistou minha vitória na Cruz. Eu o louvarei eternamente.

Confira o clip oficial

Por: Angelo Luiz

AL Agenciamentos

Fonte: Jornal Gospel News

Vídeo: Entrevista completa Pr. Silas Malafaia no programa ‘SuperPop’

O pastor Silas Malafaia participou na segunda-feira (15) do ‘SuperPop’, da RedeTV!. O programa, sob apresentação de Luciana Gimenez, começou ás 22h30. Onde pelo índice de audiência,  foi explorado todo horário em entrevista com o Pastor. A participação do pastor Silas Malafaia no ‘SuperPop’ foi recheado de polêmicas.
A apresentadora perguntou sobre:
Direito dos homossexuais;
Legalização do Aborto;
Dizimo e Religião (Lei da recompensa);
Frase que marcou a entrevista ” Casamento é homem e mulher, o resto é par”
Veja vídeo abaixo com a entrevista completa:

Fonte: Jornal Gospel News

Marco Feliciano participa do Programa do Ratinho – Veja o vídeo

videoi-marco-feliciano-participa-do-programa-do-ratinho-d17d1101126e4c07f095f82ea04cfa2d.pngO parlamentar se explicou a respeito das polêmicas e manifestações contrárias ao seu mandato da Comissão de Direitos Humanos.

Marco Feliciano participa do Programa do Ratinho Marco Feliciano participa do Programa do Ratinho

O deputado federal pastor Marco Feliciano (PSC-SP) esteve nesta segunda-feira (15) no Programa do Ratinho, no SBT, comentado sobre as críticas que ele tem recebido por ter assumido a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

O apresentador Carlos Massa tentou entender o que há de tão importante na CDHM para haver tanta confusão em torno dela. “Essa comissão foi usada por quase 18 anos para beneficiar um grupo”, respondeu Feliciano citando o grupo LGBT.

Além de ser questionado pelo apresentador, o deputado também respondeu a perguntas dos internautas e de telespectadores que foram entrevistados pela equipe do Ratinho.

A questão sobre religião e homossexualismo permeou o programa, por diversas vezes Feliciano precisou explicar qual a sua posição sobre este tema e deixou claro que não incentiva o ódio contra homossexuais.

A respeito da sua declaração sobre o continente africano, Feliciano se defendeu dizendo: “Não se pode julgar um homem por 140 caracteres”. Ele lembrou que a frase foi retirada do contexto com a intenção de criminalizá-lo.

Feliciano também comentou que existe uma tendência da mídia para distorcer suas falas a fim de prejudicá-lo. E disse que ele seria mais prejudicial ao grupo LGBT se estivesse no colegiado da Comissão de Direitos Humanos do que como presidente, que é apenas um mediador do grupo.

Assista:

Por Leiliane Roberta Lopes

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

RACHEL MALAFAIA FALA SOBRE SUA MÚSICA DE TRABALHO

Em vídeo, cantora fala da nova canção De fé em fé, escrita pelo produtor do seu álbum Baruk As vésperas do lançamento do seu novo CD, Rachel Malafaia gravou um vídeo em que fala sobre sua música de trabalho, De fé em fé, que dará título ao terceiro álbum pela Central Gospel Music. A canção é de autoria de Paulo César Baruk, que também é o produtor do CD junto com Emerson Pinheiro. No vídeo, Rachel conta que a letra dessa música foi inspirada em sua própria história de vida.

Confira o vídeo

 

Fonte: Jornal Gospel News

Lettersvitae entrevista o membro associado do Instituto Bhaktivedanta

Michael CremoNome: Michael Cremo
Reside: Los Angeles, EUA
Idade: 65 anos
Michael A. Cremo é um criacionista americano cujo trabalho argumenta que seres humanos viveram na Terra há bilhões de anos. O livro de Cremo Arqueologia Proibida tem atraído a atenção de todo o mundo, mas têm sido criticados por alguns estudiosos tradicionais por suas opiniões “pouco ortodoxas” sobre arqueologia.
Michael Cremo discute evidências extremas de antiguidade humana e também apresentou sua tese de que a vida humana tem evoluído a partir de um estado mais elevado. É membro da Sociedade de História da Ciência, o Congresso Mundial de Arqueologia, Filosofia da Ciência, a Associação Europeia de Arqueólogos e um associado de pesquisa em história e filosofia da ciência para o Instituto Bhaktivedanta.
Cremo já apareceu em canais de televisão mais importantes como History Channel, WUAB-TV entre outras mídias. Esse mês o LettersVitae entrevista esta grande figura publica.
 Esta entrevista desafia-nos a repensar a nossa compreensão das origens, identidade e o destino da humanidade.

 

 
LV: Michael Cremo, é uma grande honra para mim e meu país a concessão dessa entrevista. Você tem acompanhado com grande interesse os trabalhos arqueológicos em Tiahuanaco, que está datado há 10 mil anos e no mesmo lugar tem indícios de um dilúvio. O homem das pedras não poderiam ter feito esse trabalho em hipótese alguma, como os cientistas darwinistas estão se comportando diante de suas pesquisas?
Existem dois tipos de darwinistas. Um tipo aceita as ideias de Darwin da evolução humana como um dogma, uma ideologia. Eles não vão mudar suas ideias. Eles não gostam do meu trabalho. Eles não querem ouvir sobre isso e não querem mais ninguém falando sobre esse assunto. O outro tipo de darwinista aceita as ideias de Darwin da evolução humana como uma teoria científica, que é possível mudar. Eles estão dispostos a ouvir ideias alternativas sobre a origem humana e antiguidade, como minhas ideias. Isso é importante, porque, se as ideias vão mudar, os cientistas primeiro tem que estar disposto a ouvir novas ideias.

 

LV: Há muito tempo se fala sobre arqueologia proibida, que seria a versão mais conhecida da história, na China, Índia e América Central existem muitos artefatos sendo achados. Porque não estão sendo tão divulgado essas grandes descobertas? tem a ver com política ou pelo fato que pode causar grande alvoroço e consequências por parte da ciência?
Há um processo de filtragem de conhecimento no mundo da ciência, descobertas que suportam a teoria dominante passam por esse filtro, o que significa que estão incluídos nos livros didáticos e os cientistas fala sobre eles. Mas descobertas que contradizem radicalmente a teoria dominante são filtradas. Em certo sentido, é apenas a natureza humana. Por exemplo, se eu amo alguém, e alguém me diz coisas ruins sobre a pessoa que eu amo, eu não acredito nisso. Assim, os cientistas estão no amor com a teoria darwiniana da evolução humana, e se ouvir algo que contradiz a teoria que eles amam, eles não querem acreditar.
 Poder também tem algo a ver com isso. Existem diferentes tipos de poder: o poder militar, poder político, poder econômico e poder intelectual. Nós vemos que aqueles que têm poder de monopólio não gostam de desistir. Por exemplo, se uma empresa tem um monopólio em um setor da economia, que não gosta de dar a sua posição. Atualmente, os cientistas que apoiam a teoria da evolução darwiniana tem um monopólio no sistema de ensino e instituições científicas. Assim, eles não querem desistir de seu poder de monopólio.

 

LV: Em seu livro você cita que humanos coabitaram com animais pré-históricos, existem representações gráficas desses animais em Tiahuanaco. Em Glen Rose, no Texas, no leito do rio Paluxy, pegadas de dinossauros foram descobertos junto àqueles seres humanos, tudo na mesma camada sedimentar. Suas pesquisas mostram que a espécie humana anatomicamente sempre foi moderna. Essas evidências têm causado transtornos?
Sim, mas eu não me importo. Seria bom viver em uma época em que minhas ideias fossem as ideias dominantes. Mas às vezes uma pessoa tem que falar a verdade como ele a entende, mesmo se aqueles que estão no poder não concordam.

 

 

LV: Cremo, a ciência convencional parece ter eliminado, ignorado ou se esquecido desses fatos notáveis, você traz à tona descobertas que contrariam a crença dominante sobre a antiguidade e a evolução do Homem. Um dia essa verdadeira história pode constar nos livros das escolas e universidades no mundo inteiro?
Ela já está aparecendo. Eu falo em muitas universidades em todo o mundo, eu apresento trabalhos em muitas conferências científicas. Portanto, há algum progresso. Mas, mais progressos precisam ser feitos. Para que isso aconteça, os governos do mundo precisam parar de dar os darwinistas um monopólio no sistema de ensino. Neste momento, apenas as suas ideias estão nos livros didáticos. Eu acho que as alternativas ao darwinismo também deve estar lá, e os alunos devem ser capazes de considerar todos os pontos de vista, e fazer as suas próprias mentes o que pensar.

 

LV: A “arqueologia Proibida” é mais do que um bem documentado, catálogo de fatos não usuais, é também uma crítica sociológica, filosófica e histórica ao método científico porque a ciência alcançou uma posição por demais privilegiada no campo intelectual e por historiadores da ciência. Com todas essas provas irrefutáveis, creio que dará uma força indiretamente à religião. Eles têm taxado você de criacionista e ajudante das religiões?
Eu não me considero um tanto cientista ou um religioso. Eu me vejo como um ser humano em busca da verdade. Se eu puder encontrar a verdade na ciência, eu vou aceitar. Se eu puder encontrar a verdade na religião eu vou aceitar isso.

 

LV: Você é membro do World Archeological Congress and the European Association of Archaeologists e da Bhaktivedanta Institute (membro fundador), seu novo livro (The Hidden History of the Human Race) Historia Secreta Da Raça Humana trouxe mais prestígio a esses lugares, ou o efeito foi ao contrario? e como seu livro esta sendo visto pelos cientistas, antropólogos e arqueólogos?
Alguns cientistas não gostam do meu trabalho, outros gostam e outros não conhecem meu trabalho.

 

LV: Os métodos científicos usados em Tiahuanaco são totalmente claros, principalmente quando vemos a precisão com a qual os blocos de diorito com grau de dureza 8 foram cortados, fora o fato de pesarem cerca de 40 toneladas cada um é simplesmente espantoso. O que esta faltando para que vejam uma nova consciência emergente que integra a ciência e religião em um paradigma coerente da realidade?
Alguns cientistas querem dizer que a ciência não pode incluir qualquer coisa imaterial e não pode incluir a ideia de que alguma inteligência suprema está operando neste universo. Mas eu acho que uma ciência real deve incluir tudo o que é possivelmente verdadeira sobre o mundo. É possível que existam aspectos não materiais a realidade (como consciência) e que há uma inteligência guia no universo. Portanto, uma ciência que exclui essas coisas não é uma ciência completa.

 

 

LV: Dr. Cremo, quais são seus projetos para o futuro?
Vou continuar a escrever livros e falar sobre eles, para o público em geral, para os alunos, e para os cientistas.

 

Para todos os que querem saber mais sobre seu trabalho, podem acessar o site:
http://www.mcremo.com

The Forbidden Archeologist

The impossible mision for a caveyman

Tiahuanaco the impossible work for a caveyman

O pastor e produtor Wesley Ros fala sobre seu ministério, Som Livre, Átrio Records e novos projetos

atrio-recordsO pastor Wesley Ros é um nome conceituado quando o assunto é produção musical. Ele já deixou sua marca através de grandes nomes como David Quinlan, Rose Nascimento, Marcelo Aguiar, Shirley Carvalhaes e Mara Maravilha, entre tantos outros adoradores.

Porém, nos últimos anos, Wesley Ros foi revelado ao Brasil como um dos principais ministros de adoração no estilo pop rock e pregador pela gravadora Som Livre e iniciou uma série de viagens com shows e ministraçoes pelo Brasil e Europa. Passou pela fase “pastor de igreja” e dirigente de grandes campanhas em São Paulo (AD. Bom retiro), depois se firmou como conferencista e seminarista palestrando sobre adoração no Brasil e em mais de 12 países europeus.

Agora, Wesley vive uma nova fase, iniciando sua carreira empresarial com a Átrio Records e Átrio Estudios, que nos leva a saber com mais detalhes sobre essa mudança de trajeto e o sucesso visível de seus ministérios. Para obter esses detalhes, vamos saber por etapas, sobre cada um de seus projetos, através desta entrevista, que teve perguntas elaboradas por diversos sites e blogs que admiram o ministério do pastor.

Qual é o seu ministério atual? Pertence a algum especificamente ou é lider de seu próprio ministério?

Apesar de pastor, sou uma ovelha. Pertenço ao Ministério da Fé de Brasilia, tenho um excelente líder, Pastor Fadi Faraj… esse é um pai, pastor, amigo… embora moro em São Paulo, acabo vivendo uma vida de missionário, viajando, atendendo agendas e ministrando onde Deus me leva… Mas não vou conseguir fugir do chamado que mais ferve dentro de mim. Sinto falta da minha igreja, choro de saudade… sei que sou um pastor de ovelhas e em breve Deus me colocará novamente dentro de um aprisco, em breve cuidarei de alguma extensão do Ministério da Fé, não tem como eu fugir disso.

Porque não prosseguiu com a Som livre?

A som livre foi um portão de todo o tamanho que Deus abriu pra mim, mas no que condiz a expandir meu ministério, seria necessário que houvesse um outro modelo de trabalho, pois a Somlivre tem uma política de gerar produtos conhecidos e colocar no mercado impulsionado pelos comerciais na globo. Eu tive meu comercial, foi benção, mas isso não faz as emissoras tocarem e consequentemente sua musica não acontece e se torna mais difícil de trabalhar, porque as pessoas passaram a conhecer meu nome, mas não sabem nada do meu ministério, nem se quer se lembram da musica do comercial, por ser apenas um flash. Por esse motivo resolvi cuidar melhor daquilo que Deus me deu, divulgar, organizar, gerar uma equipe, firmar melhor minhas alianças com os amigos pastores e organizadores de eventos… funcionou!

A gravadora Átrio Records é um projeto seu, ou tem outros empresários envolvidos?

A Átrio é meu grande sonho de infancia. Eu brincava de estudio, enrolava fitas k7 uma na outra pra fazer meus gravadores de rolo de madeira…. e Deus me deu um lindo e grande estúdio, e como sempre fui envolvido com esse sonho de produzir, tocar, ser um maestro, Deus acabou me transformando em um produtor musical e me colocou pra gravar grandes nomes pra grandes gravadoras. Só faltava Deus realizar meu sonho de ser uma gravadora, e agora estou vendo com meus próprios olhos que vale a pena sonhar, mas não tenho outros empresários comigo não; somente um sócio que se chama Espírito Santo (risos)

E o Wesley Ros Produtor, continua? Ou você agora só grava cantores da Atrio?

O Wesley produtor não pode parar, nunca, jamais… Sou empresario junto a Átrio, mas continuo minhas gravações fora dela. No momento estou produzindo novamente a Rose Nascimento, faço diversos adoradores independentes. Vou fazer pelo menos dois trabalhos pra MK ainda esse ano, contando com o CD da Andréia Fontes, enfim… não posso parar; o Wesley Ros produtor foi Deus quem gerou, a Atrio não conseguiria fazer ele parar (risos).

Você é um compositor de musica Pentecostal, mas só ministra com pop rock, seria por isso que você nunca canta suas musicas pentecostais de sucesso em seu repertório?

rsrsrsrs Perguntinha picante, hem!? Mas a resposta é simples, tenho meu estilo de ministrar, na liberdade de pular, correr, até porque eu toco guitarra em minha banda e tenho mais liberdade em tocar um estilo que tenha a ver com meu instrumento, por outro lado, gosto muito da linguagem direta ao trono e na musica pentecostal quase não se vê esse tipo de letra, pentecostal é sempre auto ajuda do tipo: “você vai vencer”, “sua vitória vai ter sabor de mel”, “a barreira vai ter que cair”, “o mar vai abrir” e etc… Sinceramente, admiro quem canta pra emocionar as pessoas como auto ajuda, tanto que existem grandes sucessos meus gravado por tanta gente famosa, mas eu particularmente prefiro cantar pra aquele que esta assentado no trono e dizer que Ele é majestoso, tremendo, formoso, adorável, santo…

Falando nisso, você concedeu uma entrevista a um programa de tv (RIT) falando da forma egocêntrica que algumas músicas pentecostais apresentam suas letras, mas a Rose Nascimento gravou uma musica sua “Estou de pé” que diz algo parecido através da frase “avisa que eu estou de pé”. Essa frase gerou polêmica nas redes sociais. Não seria uma controversa do seu ponto de vista?

Não, eu continuo contra esse estilo grosseiro de afrontar o próximo do tipo: “seu inimigo vai te aplaudir de pé”, “ele vai ter que te engolir” e etc… quando citei em minha musica a frase “avisa que eu estou de pé” eu mencionei um sujeito que estava caído, se levantando e anunciando a sua vitória. Isso não significa que tenho que desejar o mal pra quem o derrubou… quero estar sim no palco, mas desejo que meu irmão da platéia também esteja lá comigo, ainda que ele tenha me prejudicado… porque nossa luta não é contra o próximo, meu inimigo é o diabo!

Bom, você tem a prática de tocar e caírem demônios nos shows. O que você explica sobre esse fenómeno? Como surgiu a unção do tangedor?

Com certeza é um chamado… mas ele amadureceu após eu ter colocado um monte de entulhos pra fora através de um dialogo com o Pr. Cirilo em minha casa. Ele me escutou, me orientou, e por fim orou por mim e por minha esposa e naquela oração ele me disse que Deus estava me dando algo que estava enterrado no tempo… daquele dia em diante, todos os lugares que eu começo a ministrar, na terceira, no máximo quarta musica tem gente vomitando obras de macumbaría, pessoas caindo oprimidas, outras sentem tonturas, dores… tipo, começa uma batalha de anjos e demônios no ambiente e Deus me usa pra libertar essas pessoas. Então entendi nas palavras do Cirilo, que o que estava enterrado no tempo era a unção que Davi tinha, tanger demônios tocando, adorando, é só o que sei explicar sobre isso srsrsrsr

Voltando a falar sobre a Átrio, qual é o grande projeto da gravadora daqui pra frente?

Eu vivo as surpresas de Deus, e Ele me reservou uma grande surpresa que ainda não posso revelar nesta entrevista, mas em breve, um grande fenômeno vai surgir na TV… a Átrio esta por trás desse acontecimento, será um grande lançamento, mas no que se refere a nosso casting, não posso qualificar alguém como o grande projeto, pois todos são queridos da mesma forma. Quero o sucesso de todos que contratei, ou não teria os contratado. A princípio estamos muito felizes por dar as mãos a um grande talento que é a Priscilla Alcântara, acho que conseguimos através do CD “Pra não me perder” mostrar uma Priscilla muito mais musical e muito mais cantora, a Tamara é uma graça, a Fernanda Medeiros é um estouro no Mato grosso do Sul, a Jeyci é uma promessa real pra explodir, o João Sérgio é um sertanejo que vai pegar, a Kelly te uma voz arrepiante, a Alice tem um pentecostal agressivo, forte, bonito, a Pastora Simone tem minha pegada de rock com libertação… enfim, acho que estou cercado de grandes projetos no geral rsrsrsr

Pra encerrar, qual é o seu maior desejo a ser realizado? Ou já tem tudo o que sempre desejou?

Meu grande desejo, de coração, sincero, verdadeiro… é que Deus apresse em me dar a igreja que Ele quer que eu cuide… ou Ele faça isso, ou Ele me leva pra Brasília pra estar perto do meu pastor, da minha igreja que eu amo de um tamanho que nem eles sabem… talvez amanhã surja outro desejo, mas não posso nem arriscar dizer outro, pois esse ferve dentro de mim dia após dia… Eu poderia desejar viajar mais, ficar mais famoso, ganhar mais dinheiro, produzir mais…. mas nada supera meu chamado!

Saiba mais sobre o ministério Wesley Ros, suas músicas, composições e produções através dowww.wesleyros.com

Entrevista: COLETIVA DE IMPRENSA COM PERLLA

Foto divulgação da PerllaA cantora reuniu a imprensa no Rio de Janeiro para apresentar seu primeiro CD gospel
Perlla apresentou seu primeiro CD gospel, A minha vida mudou, à imprensa na última quinta-feira (28/2), no Centro de Convenções da Bolsa, no Centro do Rio de Janeiro. De antemão, os jornalistas puderam assistir com exclusividade aos clipes inéditos da cantora que serão exibidos neste sábado (2/3) no programa Vitória em Cristo [às 9h, na Rede TV, e às 12h, na Band], data do lançamento nacional do álbum. Durante a coletiva, ela falou sobre a mudança na sua carreira musical, o fato de tornar-se evangélica e detalhes a respeito do novo CD, pela gravadora Central Gospel Music.
A cantora conheceu a fama e o glamour com apenas 16 anos, quando estourou na música secular com o hit funk Tremendo vacilão. No final de 2011, Perlla surpreendeu o meio artístico secular quando renunciou à carreira para se dedicar à nova vida com Cristo. O que para muitos foi uma novidade, para Perlla foi apenas o resgate e a confirmação das promessas feitas por Deus quando ela ainda nem havia nascido.
Conheça então um pouco dessa história e sobre esse novo CD que promete ser um sucesso!
Muitas pessoas não conhecessem a sua história. Você já havia tido experiências com Deus no passado?
Perlla: Eu nasci em uma família evangélica. A minha avó era dirigente de reuniões de consagração. Antes de eu nascer, em um desses cultos, o Senhor profetizou que o bebê que a minha mãe esperava era uma menina e que eu seria uma levita, uma adoradora. Na época, a minha mãe não sabia o meu sexo. Durante toda a minha infância, eu participei dos cultos com a minha mãe.
Você se afastou do evangelho quando tinha entre 13 e 14 anos. Como se deu o seu envolvimento com a música secular?
Perlla: Foi por intermédio de um produtor que me convidou para ir ao seu estúdio fazer um teste. O meu pai, que na época não era cristão, foi quem me deu força e me levou. Eu comecei a gravar composições que eram apresentadas a alguns cantores para que eles conhecessem a música. Uma delas, Tremendo vacilão, acabou não sendo aceita e o produtor sugeriu que eu a gravasse. Deu certo, e a música acabou estourando nas rádios. Vendeu muito, ganhou Disco de Ouro, e eu fiquei totalmente envolvida pelo sucesso.
Você teve o apoio da sua família ou mudou alguma coisa no relacionamento de vocês depois que você começou a cantar funk?
Perlla: Eu não tive o apoio da minha família não, com exceção do meu pai que, como já disse, não era cristão na época. A minha mãe orava para que Jesus tocasse no meu coração para que eu voltasse para Ele. De minha parte, eu achava que aquele era o meu momento, a minha grande oportunidade.
Aparentemente, você era uma jovem que tinha tudo o que queria, estava nos jornais, nas revistas, tocava nas rádios, fazia muitos shows… Por que a depressão?
Perlla: As coisas na minha vida aconteceram muito rápidas e fáceis. Embora muita gente estivesse ao meu redor, eu me sentia sozinha. Foi uma época difícil porque, embora parecesse que eu estava bem, eu me sentia um “peixe fora d’água” no meio em que estava vivendo.
Quando tudo isso começou a soar diferente para você?
Perlla: Foi depois que eu conheci o Cássio, meu marido. Ele é baixista e junto com outros músicos foi tocar em um show para mim. Antes do ensaio, eles me chamaram para orar. Na hora, percebendo que todos eram crentes, perguntei: “O que vocês estão fazendo aqui?”. E eles responderam que haviam sido contratados para aquele trabalho. Hoje, eu sei que foi um propósito de Deus para me resgatar.
Fale dessa nova fase como esposa, mãe e cristã.
Perlla: Sou a mulher mais realizada do mundo. Primeiro, porque voltei para a Casa do Pai, lugar de onde nunca deveria ter saído. Segundo, porque tenho a família que profetizei para meu marido. Um dia, disse para ele que sonhava ter um namoro, noivado e casamento na presença do Senhor, e foi isso que Deus me deu. Minha filha é uma bênção. Vou com ela às igrejas ministrar e desejo criá-la nos caminhos do Senhor, assim como o pai dela e eu fomos criados.
O título do seu primeiro álbum gospel traduz a realidade que você vive agora?
Perlla: Sim. Este título se baseia na vida que vivo hoje com Cristo. Antes a minha vida era só tristeza, não tinha paz. Hoje, meu objetivo é mostrar para as pessoas que passam o mesmo que eu já vivi que a única saída é Jesus. Só Ele é o caminho, a verdade e a vida.
Quais são as expectativas para essa nova fase na Central Gospel Music?
Perlla: Estou certa de que será uma fase de bênçãos para mim e para quem ouvir o meu CD e o meu testemunho, pois tudo o que está acontecendo é a confirmação dos propósitos de Deus para o meu ministério. Tenho certeza de que o Senhor está no controle direcionando a minha vida e abrindo portas que eu sequer sonhava que seriam abertas.
Você é jovem e cantava para os jovens. Esse vai continuar a ser o seu público? Qual é o estilo do CD?
Perlla: O CD apresenta um estilo pop com elementos acústicos e canções alegres que abençoarão muitas vidas. Quero cantar não somente para os jovens, mas também para as crianças, para os adolescentes, para os adultos e para todos que queiram se alegrar na presença do Senhor, pois o povo de Deus é muito alegre. Quero compartilhar a alegria de Jesus com todas as pessoas.
Você se sentiu à vontade para gravar músicas gospel?
Perlla: Deus preparou esse momento. Confesso que nunca vivi o sentimento e a unção que experimentei na gravação do CD. Chorei do início ao fim e fui ministrada por intermédio de cada louvor. Antes eu entrava em estúdio e fazia o que eu queria. Nesse CD tudo aconteceu com a direção de Deus. O trabalho não é meu e sim de quem me enviou para levar a Sua mensagem, o que Ele quer transmitir. Sou um canal, um vaso nas mãos de Deus e só faço aquilo que Ele ordena. Este CD se resume ao cumprimento de uma promessa feita pelo Senhor.
O que achou do resultado do trabalho?
O Rafael Castilhol e o meu esposo Cássio Castilhol, produtores do álbum, foram instrumentos de Deus. É muito bom quando a pessoa entende que tudo tem que ser debaixo da bênção de Deus e foi assim do começo ao fim. Amei cada composição, cada produção. Está realmente como Deus havia me dito que eu iria viver e presenciar coisas que nunca vivi em minha vida, e que Deus iria me honrar. É assim que tem sido. Por isto, eu amo mais e mais este Deus. E o conceito retrô da capa do álbum mostra essa minha nova postura de dependência de Deus, e transmite a serenidade e a paz que vivo hoje com Jesus.
Com a sua história você pretende alertar os jovens e adolescentes para os riscos que o “mundo” oferece para a juventude?
Perlla: Eu era apenas uma adolescente de 16 anos quando comecei a fazer sucesso e a ganhar muito dinheiro. Chegava a fazer até quatro shows na noite. Imagine como ficou a minha cabeça com tantas oportunidades? Tenho certeza de que muitos jovens compreenderão que muitas vezes somos seduzidos para trilhar o caminho contrário ao que Cristo estabeleceu para nós, porém é o Espírito Santo quem convence o homem do pecado e não a Perlla. Eu desejo ser um canal dessa mensagem.
Você já ouviu ou leu comentários como “era funkeira e agora canta música gospel”, ou “parou de fazer sucesso e agora diz que é evangélica”. Como reage diante disso?
Perlla: A verdade é que existe muito preconceito com o artista que se converte, deixa a música secular e passa a gravar no gospel. As pessoas dizem: “Vamos orar para resgatar as almas perdidas”, mas quando a pessoa se converte, elas duvidam se a conversão é sincera. Penso que as pessoas que têm o seu coração voltado para as coisas de Deus compreenderão os planos e as promessas de Deus para a minha vida, assim como os frutos produzidos por ela.
O seu passado deixou um aprendizado? Há algo de que você se arrepende?
Perlla: Fiz muitas coisas que não agradaram Deus, mas, hoje eu posso contar que não fui feliz com essa experiência. Existia uma promessa para a minha vida, mas eu retardei o cumprimento dela com as decisões erradas que tomei. Mesmo assim, o Senhor Jesus, com Seu amor incondicional, resgatou-me e trouxe-me de volta para a Sua presença. Agora, tenho a oportunidade de testemunhar tudo o que vivi e o que vivo hoje com Jesus para a glória de Deus.

Fonte: Jornal Gospel News