Benny Hinn estará no Brasil durante o carnaval participando do Congresso Fogo de Avivamento, ao lado de Marco Feliciano

benny-HinnO pastor e evangelista Benny Hinn estará no Brasil durante o carnaval para participar do Congresso Fogo de Avivamento, organizado pela Igreja Apostólica Plenitude Trono de Deus, liderada pelo apóstolo Agenor Duque e bispa Ingrid Duque.
Benny Hinn dividirá o palco do Ginásio da Portuguesa com os pastores Marco Feliciano, Abílio Santana e Yossef Akiva, durante os dias 09 a 12/02.
De acordo com informações do vídeo de divulgação do evento, os cantores Thalles Roberto, Cassiane, David Quinlan, Elaine de Jesus, Davi Passamani e Rafael Bittencourt também estarão presentes.
O evento terá entrada franca, o que poderá resultar num grande público para o evento. Em fevereiro, o Hinn também estará presente num evento em Porto Alegre, organizado pelo Centro de Avivamento para as Nações, nos dias 08 e 09/02.
Benny Hinn é conhecido mundialmente pela “Cruzada de Milagres” e pelas polêmicas relacionadas a seu ministério. O pastor é tido como um dos principais adeptos da teologia da prosperidade e da doutrina popularmente conhecida como “cai cai”, além de autor do livro Bom Dia Espírito Santo, entre outros.
Confira o vídeo de divulgação do evento:

Por: Tiago Chagas

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

SINDICAPE – Sindicato Nacional Dos Capelães, Teólogos, Pastores, Presbíteros, Ministros Religiosos e Missionários.

mailÉ necessário recuperar a capacidade e a legitimidade da representação sindical”. Depoimento especial com Pr. Ayer Alexandre O movimento sindical, a partir da proposta do Acordo Coletivo Especial, “conhecerá ainda mais refluxo em suas lutas, hoje já defensivas, como regra”, diz o teólogo.
“As esquerdas têm perdido a capacidade de disputar a hegemonia e isso
possui, a meu ver, uma grande importância”. A reflexão é do Vice-Presidente do SINDICAPE, Pr. Ayer Alexandre  em depoimento concedido a este veículo de tão expressiva e importante  informaçõa ao seu leitor.
Por e-mail. Ao avaliar a atuação do PT na atual conjuntura trabalhista, ele assegura que “se, por um lado, ainda há a centralidade do trabalho em duplo sentido (…), por outro lado, não se pode fazer vista grossa à crescente dificuldade de os obreiros da fé, terem o protagonismo na cena política e à igualmente relevante dificuldade do sentimento de pertencimento à condição de não assalariados se efetivar em termos de identidades políticas religiosas, com o aspecto da então conhecida prebenta. E rebate: “Isso está na raiz de uma postura mais negocial e menos religiosa”.
No depoimento a seguir, Pr. Ayer Alexandre comenta a necessidade da comunidade eclesiástica evangélica entender “a prevalência do negociado sobre o legislado tende a rebaixar o que a legislação assegura”. E acentua: “Eu veria essa proposta de forma positiva se o negociado sempre significasse conquistas para além do que está previsto na legislação trabalhista, mas sabemos que o contrário é a tendência”. Na avaliação dele, o atual contexto é de “dificuldade de mobilização e aglutinação dos trabalhadores da fé , Os sindicatos vivem, há tempos, e em termos mundiais, uma crise de representatividade e capacidade de mobilização. Mas é preciso reconhecer que essa crise não é homogênea, nem ocorre sem contra tendências. Aqui e acolá, os trabalhadores também dão sinais de que não aceitam permanecer num quadro de lutas apenas defensivas”.
O Sindicalista Pr. Ayer Alexandre esclarece vários tópicos.
Quando se questiona sobre o balanço que faz do movimento sindical, das centrais sindicais nos últimos anos, e que mudanças é possível apontar após o governo Lula e Dilma em relação à atuação anterior. Podemos dizer que o modelo de gestão política implantado pelo atual governo, possibilitou a implantação de um sindicato do gênero que é o nosso SINDICAPE, Por outro lado, há de se reconhecer que reconhecer a importância da mão de obra dos obreiros de Deus esta baseado na ordem de nosso Deus na sua infinita sabedoria, determinou em Gênesis 3-19, disse Deus ao homem: “No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que tornes a… O mau pastor vive da carne do seu rebanho.
E no que atribui à mudança no sindicalismo, que assume uma postura mais negocial e menos confrontadora, podemos afirmar a liberdade de reconhecimento das atividades laborais dos obreiros da igreja, por exemplo, se Deus ordenou que o homem sobrevivesse do suor de seu rosto, sendo nosso Deus um Deus de honra, de justiça de amor, não escravocrata é óbvio que o mesmo ainda imputou um dizimo, não como tributo, mas como obrigação ao reconhecimento da mão de obra de seus servos, em honra.
E que podemos dizer sobre o significado de prebenda?
Ora o significado de Prebenda é dentro das formalidades nome utilizado ao rendimento que recebe o pastor, o bispo e outros que ocupam cargos eclesiásticos.
Podemos exemplificar do uso da palavra Prebenda: O pastor recebem R$900,00 (novecentos reais) de prebenda da igreja. Portanto entende-se que prebenda ´´É o pseudônimo de salário, honorários etc.
Já alguns lideres do  segmentos da gestão de igrejas têm perdido a capacidade de disputar a hegemonia e isso possui, a meu ver, uma grande importância. Se, por um lado, ainda há a centralidade do trabalho em duplo sentido (como atividade produtora das condições materiais de existência, o trabalho é ineliminável das igrejas; além do mais, o capitalismo contemporâneo continua a fazer do trabalho abstrato sua lógica estruturante), por outro lado, não se pode fazer vista grossa à crescente dificuldade dos trabalhadores da Eclésia evangélica, terem o protagonismo na cena política e à igualmente relevante dificuldade do sentimento de pertencimento à condição de assalariados se efetivarem em termos de identidades políticas. Isso está na raiz de uma postura mais negocial e menos confrontadora. Entretanto, há outros elementos a serem considerados. A ampliação do assalariamento (mais atividades laborativa ocorrem no interior de múltiplas formas de compra e venda da força de trabalho, algumas delas disfarçadas por mecanismos que tentam burlar direitos trabalhistas, como a famigerada “prebenda ” não significa um correspondente aumento do universo de homens e mulheres que se põem a campo na luta política como  obreiros da fé. Os mecanismos e os instrumentos param se tentar
diluir a solidariedade entre os que vivem da venda de sua força de trabalho voluntario ! têm sido eficazes, e isso não é pouco na luta política mais geral.
O SINDICAPE tem como avalia a proposta do em reorganizar, as atividades, qual eu entendo que essa atitude  especial é uma reedição da proposta de que prevaleça o negociado sobre o legislado, ou seja, é um “prato requentado” de uma proposta que já experimentou outros balões de ensaio. O problema é que a prevalência do negociado sobre o legislado tende a rebaixar o que a legislação assegura. Eu vejo  essa proposta de forma positiva se o negociado sempre significasse conquistas para além do que está previsto na legislação trabalhista, pois o próprio texto bíblico declara nas palavras de Jesus  mas sabemos que o contrário é a tendência. O movimento sindical, a partir dessa proposta, conhecerá ainda mais refluxo em suas lutas, hoje já defensivas, como regra.
E não podemos de esquecer como avalia a notícia de que os governos do Brasil e da Alemanha vão firmar um acordo para desenvolver em conjunto um modelo de relações do trabalho. Qual neste caso, Isso é uma evidência de que também a atual divisão internacional do trabalho se faz repercutir nas formas como os governos buscam regular as relações trabalhistas. Mas vejo nesse horizonte alguns obstáculos quase intransponíveis. A estrutura sindical brasileira é uma afronta à liberdade e à autonomia sindicais, quadro bem diferente da realidade alemã. Além do mais, se pensarmos na Convenção da Organização Internacional do Trabalho – OIT. Que regula as relações  trabalhistas na administração pública, o fosso ainda é maior, pois o Brasil é signatário dessa Convenção, mas não a implementa na prática. Então, como se falar em um modelo comum entre arranjos jurídicos sindicais tão díspares?
Como podemos interpreta a declaração do Ministro do Trabalho, de que o “Brasil já atingiu a maturidade institucional e econômica necessária para modernizar suas relações trabalhistas”
Eu como Pastor e sindicalista vejo, de um lado, a revelação de que muitos ainda pensam com critérios evolucionistas e segundo os quais o centro do capitalismo é uma meta a ser buscada. De outra parte, revela que Hegel tinha razão “O melhor dos mundos para o senhor de escravos é que estes pensem com a cabeça daquele que escraviza”.
E no que se declaram as novidades da luta sindical brasileira. Não vejo novidades de envergadura expressiva.
Talvez a novidade seja, na prática, o fim da permanência de uma realidade trabalhista que compromete a verdade cristã, porquanto o suor do rosto é trabalho e pesado, como não reconhecer tal fenômeno social?
No que se diz respeito aos desafios postos ao movimento sindical brasileiro na atual conjuntura, o mais importante me parece ser o da necessidade de se recuperar a capacidade e a legitimidade da representação sindical. Isso supõe, a meu ver, o fim da estrutura sindical vigente desde a promulgação da CLT, que se assenta na outorga da representação sindical, nas contribuições compulsórias e na unicidade sindical. Isso me parece condição necessária, ainda que insuficiente. Há outro desafio muito importante, que é o da organização das atividades eclesiásticas nos locais de trabalho, igrejas, campanhas etc..  horizonte há muito perdido pelo movimento sindical.
Faço como ilustração abaixo como referencias informativas pra facilitar o juízo das ações:
Prebenda ( do baixo latim præbenda,æ: ‘o que o Estado deve fornecer aos particulares em troca dos seus serviços’, ou ‘o que é devido aos magistrados enviados em serviço público a uma província, ajuda de custo’), do latim clássico præbere ‘apresentar, oferecer, fornecer’, de præ ‘antes’ e ‘habere’ “ter”) designa “stricto sensu” uma renda ligada a um canonicato (dignidade atribuída a um cônego), e que representa seu benefício eclesiástico.
O termo foi utilizado por Max Weber, ao analisar os tipos de dominação. No patrimonialismo, que é uma forma de dominação tradicional, o aparelho de Estado funciona como uma extensão do poder do soberano, de modo que a separação entre assuntos públicos e privados, entre patrimônio público e privado desaparece. O quadro
administrativo é constituído de dependentes pessoais do governante – familiares ou agregados, amigos, pessoas ligadas a ele através de vínculos de fidelidade e troca de favores. Assim, os cargos na administração são considerados como prebendas conferidas individualmente e posteriormente renovadas, sem, todavia se tornarem
hereditárias.
Por derivação, em sentido figurado, o termo adquiriu o significado de ocupação rentável e de pouco trabalho ou sinecura.
Logo salário, honorários etc.. São sinônimos de pagamento.
MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O SINDICATO E  SÓ CONTACTAR
MINHA ASSESSORIA QUE DAREI MAIS INFORMAÇÕES.
GRATO PELA ATENÇÃO,
PR. AYER ALEXANDRE.
Por: MÉRCIA MACHADO
ASSESSORIA DE IMPRENSA E PRODUÇÃO  (SINDICAPE)
TEL: 21 – 8282-5881 (TIM)
E-mail: mememachado@gmail.com
msn: merciamachado@hotmail.com

Fonte: Jornal Gospel News

Biografia de Edir Macedo pode virar filme

04 Livro Nada a Perder, biografia do bispo Edir Macedo - Samuel CostaEm entrevista à Folha de São Paulo, Douglas Tavolaro, vice-presidente de jornalismo da Rede Record falou sobre o projeto de transformar a biografia de Edir Macedo em um filme.
“Existe um projeto para adaptar a trilogia para o cinema, mas em estágio bem embrionário”, disse o coautor de “Nada a Perder”.
O primeiro livro da biografia de Edir Macedo já vendeu mais de 500 mil cópias se tornando um dos livros de não ficção mais vendidos nas últimas semanas.
Neste livro o fundador da Igreja Universal do Reino de Deus conta como surgiu e como conseguiu internacionalizar seu ministério. Os autores também contam como foi o período de 11 dias em que Macedo passou na prisão depois de ser acusado de charlatanismo, curandeirismo e estelionato.
“Existem personalidades com histórias de vida impressionantes mas, se forem mal contadas sob o aspecto literário, elas se tornam enfadonhas, burocráticas, sem vitalidade, distante dos leitores”, disse Tavolaro que gravou mais de cem horas de entrevistas com o bispo para poder escrever a história.
Até 2014 outros dois livros devem ser lançados, um deles vai falar sobre a compra de Rede Record e o último sobre a relação de Macedo com as autoridades.
“Não se trata de um livro-reportagem, mas de uma obra para registrar a versão dele para a história de sua vida”, disse.

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

48% da população não confia em pastores ou padres

21-08-12 CONFIE EM DEUSA confiança na religião organizada tem diminuído desde a década de 1970, indica um relatório do Instituto de Pesquisas Gallup. Seus dados mais recentes mostram que apenas 44% dos americanos têm “muita/bastante” confiança na “igreja ou religião organizada”. Uma leve queda em relação aos 46% de uma pesquisa similar feita em 2007.
Os números fazem parte de uma pesquisa conduzida anualmente pelo Gallup que investiga a “confiança nas instituições”. Os evangélicos expressam mais confiança na religião organizada que os católicos (56% contra 46%).
Os pesquisadores sugerem que “os escândalos sexuais envolvendo o clero e vários abusos têm afetado crescente ceticismo dos americanos em relação à igreja e à religião organizada”, mas “o declínio na confiança não indica, necessariamente, um declínio no apego pessoal à religião”. Igreja/religião organizada ficou em quarto lugar entre as 16 instituições pesquisadas, que incluiu escolas públicas, bancos, canais de televisão e o sistema de saúde.
Para 54% da população, a religião é “muito importante” em suas vidas, um número que tem se mantido estável desde o final da década de 1970.
A pesquisa pediu que os entrevistados indicassem quem são as profissões que consideram mais honestas e éticas. Em primeiro lugar ficaram os enfermeiros ou farmacêuticos, com 85% de aprovação.
Apenas 52% dos entrevistados deram notas altas para os sacerdotes. Mas é um índice dois por cento maior que uma pesquisa semelhante de 2009, que indicou o nível mais baixo da confiança pública no clero em 32 anos.
Confiança nos líderes religiosos teve seu ponto mais alto em 1985, com 67% e manteve-se consistentemente baixo nos últimos 50 anos.
Os vendedores de automóveis e os políticos são as profissões consideradas “menos honestas”.

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Silas Malafaia se encontra com executivos da Rede Globo

Silas Malafaia crê em abertura cada vez maior da Globo para comunidade gospel O coordenador dos projetos especiais da Globo, Amauri Soares, vai almoçar com o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo onde discutirão interesses comuns entre emissora e evangélicos.
Até o fim de janeiro, Soares também se reunirá com o bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra, que tem 35 templos no país e já atraiu para o seu rebanho familiares do apresentador Silvio Santos.
Silas Malafaia, que está à frente de 125 igrejas com cerca de 40 mil fieis no país, entre outros pastores, está pressionando a Rede Globo para que produza uma novela de horário nobre que tenha uma heroína evangélica.
No começo de 2012, a Folha questionou Octávio Florisbal, então diretor-geral da emissora, sobre o assunto. Ele desconversou.
De lá para cá, a Globo emplacou duas coadjuvantes evangélicas: Ivone (Kika Kalache), de “Cheias de Charme”, e Dolores (Paula Burlamaqui), de “Avenida Brasil”.
Izabel de Oliveira, coautora de “Cheias de Charme”, diz não ter recebido orientação para criar a personagem.
Os autores estão resistindo à pretensão dos evangélicos, de acordo com a Folha de S.Paulo. Silvio de Abreu, por exemplo, declarou ao jornal: “Sinto muito, nunca tratei de personagem religioso em nenhuma novela nem pretendo”.
Malafaia foi informado por Amauri Soares, coordenador dos projetos especiais da Globo, que o setor de teledramaturgia é muito independente. Mas ainda assim o pastor acha que está chegando a hora de os evangélicos serem mais bem retratados nas novelas. Quando há personagem crente, ele “é vagabundo”, disse. “Se for pastor, é safado.
A cena de pastores no Projac seria inimaginável em 2008. Malafaia atacava: “Em 25 anos, vin-te e cin-co [pontua cada sílaba], lembro de apenas uma reportagem boa na Globo sobre evangélicos. E tem semana em que, todo dia, o ‘Jornal Nacional’ fala bem da Igreja Católica”.
Desde então, o pastor reduziu as farpas trocadas com a Globo. Afirma ter apertado a mão de João Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, no fim de 2010, numa reunião “muito legal” no escritório dele, segundo o religioso.
“Ninguém deu mais pau na Globo do que eu. Se um veículo nos denigre, você acha o quê? Disse isso pro João. Ele até riu”, diz Malafaia.
Os encontros com os líderes evangélicos seguem uma agenda que teve início em 12 de novembro passado, quando Soares recebeu 17 deles no Projac, os estúdios do canal no Rio onde os religiosos acompanharam gravações e negociaram apoio e cobertura para a Marcha para Jesus, o Dia do Evangélico e o Dia da Bíblia em troca de apoio ao Festival Promessas, que a Globo criou em 2011 para divulgar a música gospel.

Fonte: Folha de São Paulo / Jornal Gospel News

Dayan Alencar assume a presidência da AD Bom Retiro

Dayan-de-Alencar1-e1357232757992A transição aconteceu nesta quarta-feira durante um culto especial na sede da igreja em SP
Dayan Alencar assume a presidência da AD Bom Retiro Dayan Alencar assume a presidência da AD Bom Retiro
O pastor Jabes Alencar passou a presidência da Igreja Assembleia de Deus do Bom Retiro para o seu filho, o também pastor Dayan de Alencar, em um culto especial que aconteceu nesta quarta-feira (2) na sede da igreja no bairro da Barra Funda, em São Paulo.
Ao lado de sua esposa, Carolinne, Dayan foi ungido pelo seu pai e pelo pastor Silas Malafaia que estava presente no culto especial.
Pelo Facebook o novo pastor presidente da ADBR recebeu os cumprimentos de diversos membros da igreja que aceitaram a troca de pastores. Jabes Alencar completou 30 anos de ministério em 2012, mas a AD Bom Retiro é um pouco mais nova, tem quase 25 anos.
Dayan antes de se tornar pastor passou por diversos cursos de formação, incluindo o seminário de Teologia e Música no Instituto Canzion, nos Estados Unidos. Além de ser pastor, Dayan também é cantor desde 2008 tem lançado seus álbuns pela Central Gospel Music.

Fonte: Verdade Gospel / Jornal Gospel News

Biblioteca Digital da Bíblia” dispõe Bíblia Sagrada em formato digital para todas as nações

SpanishBíblia Sagrada invade o mundo digital com grande acervo
Projeto “Toda Tribo, Toda Nação”
Com o objetivo de disseminar a Palavra de Deus para mais de seis milhões de pessoas no mundo, via internet, surgiu o projeto “Toda Tribo, Toda Nação” (em inglês, ETEN, sigla que significa Every Tribe, Every Nation), fruto da união de cristãos filantropos e ministérios especializados em literatura bíblica.
A iniciativa consiste na criação da primeira “Biblioteca Digital da Bíblia”. A expectativa é que no próximo ano haja mais de mil traduções diferentes.
Para que toda a população mundial tenha acesso às escrituras, é necessário que a Bíblia ainda seja traduzida em mais de dois mil idiomas.
O ETEN visa reverter este quadro alarmante e conta com o apoio de ministérios literários como: Wycliffe Bible Translators, Sociedade Bíblica Americana e Sociedades Bíblicas Unidas.
As organizações envolvidas no projeto acreditam que chegou a hora de a Bíblia entrar na “Era Digital”. A criação do acervo das Escrituras Sagradas é o primeiro passo.
Através desse sistema, os textos bíblicos estarão disponíveis em um formato padronizado, digitalizados e catalogados.
A Biblioteca Digital pode ser acessada pelo computador ou por meio de dispositivos móveis, como celulares, oferecendo áudio, vídeo, aplicativos, textos nos sites e impressão sob demanda.
Um dos principais parceiros da Biblioteca Digital é o popular aplicativo YouVersion. Outro importante parceiro é o BibleSearch (www.bibles.org), que já oferece 235 traduções diferentes das Escrituras.
A “Biblioteca Digital da Bíblia” é totalmente gratuita e espera alcançar, como o nome sugere, todas as nações do mundo.

Fonte: Noticiario Evangelico / Jornal Gospel News

A IMPORTANCIA DA BÍBLIA NOS DIAS ATUAIS.

a-biblia-e-luz-portanto-leiaA Palavra de Deus – viva, infalível, eterna – é totalmente fidedigna. É somente ela que deve nortear as decisões, que sacia a fome do coração e preenche as lacunas da alma. Ela revela quem é o Criador, quem é Satanás, exibe o plano de Deus para salvação dos perdidos e expõe os erros que vão surgindo, frutos dos pecados e imperfeições humanas.
Os fatos históricos demonstram que os relatos e os ensinos bíblicos são de origem divina. A Bíblia contém uma revelação divina. Não se trata de uma fé cega, calcada no subjetivismo. Trata-se de uma fé objetiva que pode ser analisada e explicada. A pessoa que abraça o cristianismo não precisa aposentar a cabeça. Ela deve continuar pensando e exercendo o seu senso crítico. A fé cristã, embora transcenda a razão, não é irracional. Ela faz sentido. Alguém até colocou isso muito bem na seguinte frase: “O meu coração não consegue se alegrar totalmente com aquilo que a minha mente não entende a contento”.
Existem aqueles que afirmam não crer na Bíblia por que ela foi escrita por homens. Quando alguém me diz isso, pergunto logo: “E você, queria que ela tivesse sido escrita por um cavalo? Aí sim, não daria para crer”. A Bíblia foi de fato escrita por homens, e o próprio apóstolo Pedro não negou isso ao escrever: “Antes de mais nada, saibam que nenhuma profecia da Escritura provém de interpretação pessoal, pois jamais a profecia teve origem na vontade humana, mas homens falaram da parte de Deus, impelidos pelo Espírito Santo” (II Pedro 1.20, 21).
UM LIVRO INCOMPARÁVEL
O que vem a seguir são algumas declarações que demonstram ser a Bíblia Sagrada um livro sem paralelo, diferente de todos que já foram escritos.
A Bíblia é o único livro no mundo que oferece provas objetivas de ser a Palavra de Deus. Somente a Bíblia fornece provas reais de ser divinamente inspirada.
A Bíblia é a única Escritura sagrada que oferece salvação eterna como um dom totalmente gratuito da graça e da misericórdia de Deus.
A Bíblia contem os mais elevados padrões morais dentre todos os livros.
Somente a Bíblia apresenta o mais realístico ponto de vista sobre a natureza humana, tem o poder de convencer as pessoas de seus pecados e a habilidade de transformar a natureza humana.
Somente a Bíblia oferece uma solução realística e permanente para o problema do mal e do pecado humano.
As características internas e históricas da Bíblia são excepcionais em sua unidade e consistência interna, apesar dela ter sido produzida por um período de mais de 1.500 anos, por mais de 40 autores diferentes, em três línguas, em três continentes, discutindo uma enorme quantidade de assuntos controvertidos, e ao mesmo tempo mantendo uma harmonia entre eles.
A Bíblia é o livro mais traduzido, mais comprado, mais memorizado e o mais perseguido em toda a história.
Somente a Bíblia tem resistido dois mil anos de intenso escrutínio pelos seus críticos, não apenas sobrevivendo aos ataques, mas prosperando e tendo a sua credibilidade fortalecida por tais críticas.
A Bíblia tem moldado a história das civilizações mais do que qualquer outro livro. A Bíblia tem tido mais influência no mundo do que qualquer outro livro.
Somente a Bíblia tem uma Pessoa específica (centrada em Cristo) como assunto em cada um de seus 66 livros, detalhando a vida dessa Pessoa através de profecias e tipos, por um período de 400 – 1.500 anos antes dela nascer.
Somente a Bíblia proclama a ressurreição de sua figura central (Jesus Cristo), provada na história. [1]
A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA
O mundo vive cercado de um desenvolvimento tecnológico e científico sem precedentes na história da humanidade. E apesar de todos os avanços conseguidos até agora, o ser humano continua sendo um fracasso moral e espiritual desde o Éden. Por essa razão, a Bíblia Sagrada tem sido, e sempre vai ser, um livro indispensável.
Por se tratar de um livro de extrema importância, é preciso, ao mesmo tempo, interpretá-lo de acordo com as regras da hermenêutica, a ciência que estuda a interpretação de textos.
Assim, pode-se dizer que a Bíblia é como uma navalha. Com ela se faz a barba, mas com ela se corta também o pescoço… Depende da maneira como ela é usada. Quando os princípios da hermenêutica e da exegese bíblica são abandonados, os abusos, as manipulações e os ensinos controvertidos começam a se multiplicar ao redor da Palavra de Deus. A ética desaparece do ministério cristão e da vida dos adeptos do cristianismo. Infelizmente, a situação atual reflete bastante este abandono da fidelidade bíblica, gerando mau testemunhos, suspeitas, heresias e transtorno para o progresso do evangelho. Parte disso será tratado, a partir de agora, neste artigo.
O leitor vai constatar que vários segmentos do evangelicalismo brasileiro abandonaram os princípios sólidos de interpretação bíblica, sucumbindo às pressões do marketing, do mercado e do capitalismo, em suas formas de atuar e de desenvolver o ministério cristão.
O QUADRO ATUAL
Uma das características de boa parte da Igreja Evangélica Brasileira é a sua avidez por novidades. Muitas igrejas hoje, ditas evangélicas, não se contentam mais com a sã doutrina pregada pelos apóstolos e pais da Igreja – mais tarde defendida pelos reformadores – e vivem numa busca constante de novidades e modismos doutrinários.
Uma novidade a invadir o arraial evangélico brasileiro chegou de Bogotá, na Colômbia. Idealizado por César Castellanos Dominguez, o G 12 (Grupo dos Doze) é um movimento que propõe o crescimento das igrejas através de células, com reuniões nas casas. Até aí, tudo bem! De fato, não existe nada de errado em dividir a igreja em células ou grupos familiares para reuniões nos lares ou outros locais. Muitos grupos ao redor do mundo tem feito isso e até com bons resultados. Pode dar certo para uma igreja, enquanto que para outras não. Depende das circunstâncias, do contexto geográfico, social ou de outros fatores.
Agora, o que preocupa em relação ao G 12 é o emprego de práticas e ensinos contrários a Palavra de Deus, tais como quebra de maldições hereditárias, cura interior, mapeamento espiritual e liberar perdão à Deus. O G 12 é ainda apresentado como o último avivamento de Deus na terra. É, de fato, muita pretensão!
Outra coisa curiosa é a facilidade com que muitos líderes têm de criar os locais sagrados de peregrinação. Enquanto o catolicismo romano conta com Aparecida do Norte, Lourdes, Fátima, o movimento da Nova Era com a Fundação Findhorn, na Escócia, o Instituto Esalen, na Califórnia, Machu Pichu, no Peru, muitos evangélicos partiram em caravanas para Toronto, no Canadá, em busca da gargalhada sagrada e o cair no espírito.
Outros foram em grupos para Pensacola, nos Estados Unidos, em busca de avivamento. Qual será a próxima onda?
A igreja evangélica, hoje, em sua grande maioria, é uma igreja mundana, que segue os mesmos padrões de mercado e competição do mundo secular. Há uma mudança da visão bíblica para a visão empresarial.
Antigamente, as qualidades valorizadas num líder cristão eram a sua vida de oração e ética, as suas habilidades e dons para interpretar e transmitir a Palavra de Deus, o seu convívio com as ovelhas, cuidando de suas feridas e levando as suas cargas.
Hoje, o líder bem sucedido deve ser um animador de auditório, um especialista em marketing, sempre apressado, vestido com roupas de grife, frequentando os melhores restaurantes e vivendo em mansões, com uma agenda cheia, sem tempo para orar, meditar e conviver com as ovelhas. Aliás, há muitos líderes hoje que amam a multidão e odeiam os indivíduos. Eles gostam da massa, mas nunca têm tempo para as pessoas. Os tempos realmente mudaram!
Assim, as pressões do mercado levam os líderes e as igrejas a se tornarem extremamente criativos na tarefa de arregimentar seguidores. Estes já não são vistos como uma vida, uma alma pela qual Cristo morreu, mas como uma fonte de renda para encher os cofres de uma instituição que vai saciar a ganância e a luxúria de seus dirigentes. Surgem, assim, as sete sextas-feiras do poder, as sete quartas-feiras da prosperidade, os cultos de libertação, a reunião dos empresários, etc.
Outra coisa preocupante é o grande uso de símbolos, práticas e artefatos para pregar-se o evangelho. Há de tudo: tapete ungido, arruda, sal grosso, corredor do amor, vassoura de fogo, mirra para embelezamento do corpo, cair, soprar, sandália de fogo, meia santa e uma série enorme de correntes (da prosperidade, libertação, saúde, do amor etc.).
Ora, o evangelho não foi feito para os olhos. O evangelho foi feito para o coração e para o intelecto, para a mente. Tanto que a fé cristã tem poucos símbolos. Ela tem os símbolos do batismo e da ceia. Não há preocupação com uma variedade de símbolos, pois o cristão adora a Deus em espírito e em verdade.
Isto quer dizer que o nosso serviço a Deus deve ser segundo a orientação do Espírito Santo em dentro dos parâmetros da Palavra de Deus, que é a verdade (Jo 17.17). Assim, uma grande necessidade do momento no mundo evangélico é uma volta ao fundamento firme da Palavra de Deus.
DE VOLTA À BÍBLIA
Quando o apóstolo Paulo chegou a Mileto, enviou um recado aos anciãos de Éfeso para que se encontrassem com ele, pois queria falar-lhes. O texto de Atos 20.17-38 revela vários aspectos do caráter de Paulo e algumas de suas prioridades ministeriais. O texto também fala de sua humildade, suas lágrimas e tentações na pregação do evangelho.
Paulo relata aos líderes de Éfeso que, nas suas viagens, ele nunca sabe o que lhe vai acontecer, senão aquilo que o Espírito Santo lhe revela, de cidade em cidade, dizendo que lhe esperam prisões e sofrimentos (v. 23).
Assim, pode-se perceber que não existe na vida do apóstolo a preocupação com o conforto, a busca do luxo ou de reconhecimento. Ele nem mesmo considera a sua vida importante. Para ele, o mais importante é cumprir a sua carreira e dar testemunho do evangelho (v.24). Por isso, Paulo nunca deixou de anunciar-lhes toda a vontade de Deus (v.27).
Em seguida, Paulo faz uma séria advertência: “Sei, que depois da minha partida, lobos ferozes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho. E dentre vocês mesmos levantar-se-ão homens que torcerão a verdade, a fim de atrair os discípulos para si. Por isso, vigiem! Lembrem-se de que, por três anos, jamais cessei de advertir a cada um de vocês, noite e dia, com lágrimas” (Atos 20.29-31).
Por um lado, vemos hoje o crescimento das seitas e a infiltração de heresias no seio da igreja evangélica com muita tristeza. Por outro lado, somos obrigados a reconhecer de que se trata de um cumprimento profético.
A Bíblia diz que isso iria acontecer. Ao escrever à Timóteo, Paulo declara: “O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios” (1Timóteo 4:1).
Na segunda vez que escreve a Timóteo, o apóstolo volta ao assunto. Mesmo sabendo que sua morte está próxima, a preocupação de Paulo ainda é com a sã doutrina. Observe suas palavras:
Na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos por sua manifestação e por seu Reino, eu o exorto solenemente: pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda paciência e doutrina. Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo seus próprios desejos, juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos. (2Timóteo 4.1-4).
Paulo não diz à Timóteo: pregue sonhos, visões, revelações ou experiências. Embora haja espaço para tudo isso na vida espiritual, a ênfase do apóstolo é na Palavra de Deus.
Não foi apenas Paulo quem se preocupou com a sã doutrina. O apóstolo Pedro também tratou do assunto na sua segunda carta, ao escrever:
Mas surgiram também profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição. Muitos seguirão os caminhos vergonhosos destes homens, e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade. (2Pedro 2.1-2).
Talvez esteja aqui a resposta que muitos têm nos feito ao redor do Brasil. Por que os movimentos religiosos controvertidos e as igrejas evangélicas que abrem suas portas para ventos de doutrinas crescem tanto? A resposta é: por que é bíblico. A Bíblia disse que muitos seguiriam os seus falsos ensinos. Muitos, hoje, querem dar validade bíblica a um determinado movimento por causa do seu crescimento.
Ora, o crescimento numérico não é um critério válido para definir se algo é de Deus ou não. Se assim fosse, como ficaria o dilúvio, quando a maioria estava fora da arca e apenas uma minoria dentro dela? Se a quantidade fosse um critério válido, teríamos então que admitir que o Islamismo é a única verdade de Deus na terra, pois não há grupo maior ou que cresça mais.
O argumento da quantidade é muito usado pelos líderes do G-12. Ora, se juntássemos todas as igrejas do G-12, o movimento não seria maior do que a Igreja Mórmon. Logo, quantidade não pode ser a evidência de que Deus esteja aprovando algum movimento.
Como é bom constatar que os líderes de Éfeso levaram a sério as palavras de Paulo em Mileto. Quando lemos a carta à Igreja de Éfeso, no Apocalipse, vamos encontrar a seguinte declaração do Senhor:
Conheço as suas obras, o seu trabalho árduo e a sua perseverança. Sei que você não pode tolerar homens maus, que pôs à prova os que dizem ser apóstolos mas não são e descobriu que eles eram impostores. Você tem perseverado e suportado sofrimentos por cauda do meu nome e não tem desfalecido. (Apocalipse 2.2, 3).
Diante dos textos mencionados aqui e ao olhar o cenário evangélico brasileiro hoje, nada se torna mais importante para igreja evangélica do que uma volta à Palavra de Deus.
A Igreja no Brasil precisa, urgentemente, voltar a pregar o evangelho da salvação e não da solução. A enfatizar os tesouros eternos e não o sucesso presente.
Lamentavelmente, há igrejas, hoje, mais interessadas em fabricar milionários do que em transformar pecadores em santos. Infelizmente, em muitos púlpitos evangélicos, Satanás já levou a melhor. Que Deus tenha misericórdia de nós!
——————————————————————————–
[1] Essas declarações foram extraídas da Encyclopedia of Cults and New Religions (Enciclopédia de Seitas e Novas Religiões), de John Ankerberg e John Weldon, Harvest House Publishers, Eugene, Oregon, EUA, 1999, pp. 670 – 671.
Por:Pastor Paulo Romeiro

Fonte: Portal Vale Gospel / Jornal Gospel News

Pregador funda “Igreja Cowboy” e promove cultos em bares: “Idéia é levar a igreja para o povo”

steve-gilbertson-igreja-cowboyUm púlpito improvisado numa área de deserto, entre uma praça e um bar que serve biscoitos e cerveja a US$ 3, é o palco pregador Steve Gilbertson, que mantém sua pequena plateia atenta e concentrada na mensagem do Evangelho.
Por trinta anos, Gilbertson foi um pregador formal e tradicional, de terno e gravata, em igrejas dos Estados Unidos. Agora, é fundador da igreja oficialmente chamada “Ecclesia”, mas popularmoente conhecida como “Igreja Cowboy”.
A iniciativa surgiu quando seu amigo Larry Wendt, proprietário do salão onde são feitas as reuniões, pediu que Gilbertson fizesse orações às sextas-feiras, antes das reuniões e disputas dos cowboys da região. Wendt havia sido assíduo frequentador da igreja onde Gilbertson ministrava.
-Eu passo toda a semana fazendo os nossos bons vaqueiros e vaqueiras, vendendo-lhes bebidas e muita comida, transformando-os em pecadores. O mínimo que posso fazer é tentar endireitá-los um pouco aos domingos – disse Wendt, preocupado em transmitir a mensagem do Evangelho.
Embora incomum, a estratégia de usar locais de consumo de bebidas como palco da pregação do Evangelho não é nova. Há 30 anos, a Arquidiocese de Chicago iniciou uma série de pregaçõespara jovens adultos chamada “Teologia na Torneira”. Os locais dessas ministrações eram bares e restaurantes. O jornal New York Times relatou ainda outros casos como esse, de igrejas com iniciativas semelhantes, na matéria feita com Steve Gilberton.
A matéria colheu depoimentos de pessoas que frequentam as reuniões de Gilbertson: “Não é pretensioso, não é uma grande produção, mas amam ao Senhor apenas por si mesmos, que é o mais importante”, declarou uma das presentes.
-É muito legal ter acesso à mensagem bíblica em um ambiente diferente, fora de um edifício regular da igreja – disse outro frequentador. Ao jornal, Gilbertson disse que desde cedo imaginou seu empreendimento como uma oportunidade para “levar a Igreja para o povo”.
Durante o sermão que a reportagem do NY Times acompanhou, Gilbertson falou sobre a história da mulher acusada de adultério e condenada a ser apedrejada até a morte, relatada pela Bíblia: “Se nós formos muito honestos, nós todos seremos condenados por nossos próprios ideais – o amor torna-se ódio, o generoso se torna ganancioso – Porém, assim como a mulher adúltera, cuja vida foi salva por Jesus, todos nós somos culpados, mas não estamos condenados”.
Por: Tiago Chagas

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

APÓSTOLO FRED BERRY ANUNCIA QUE O AZUSAFEST 2013 SERÁ DENTRO DO II SALÃO INTERNACIONAL GOSPEL

 logo azuzaMais de um século atrás, um homem veio do Texas para Los Angeles para divulgar o ministério pentecostal. Seus primeiros esforços para pregar a mensagem pentecostal foram rejeitados. Os líderes da igreja ficaram desconfiados de sua doutrina religiosa e seus ensinamentos, mas ele perseverou e continuou a orar. Então, em abril de 1906, um poderoso derramamento do Espírito Santo ocorreu dentro de seu pequeno grupo de adoradores. Havia curas físicas e mentais, falar em línguas desconhecidas e muitas outras ocorrências milagrosas e inexplicáveis. A notícia se espalhou e logo centenas de pessoas começaram a vir de todo o mundo para a Missão de Fé Apostólica em Azusa Street, em Los Angeles, para receber o Espírito Santo.
O Reavivamento da Rua Azusa durou mais de três anos e é amplamente considerado como o principal catalisador que desencadeou o movimento mundial Pentecostal. Atualmente, estima-se que mais de 800 milhões de pentecostais nos Estados Unidos, América Latina, África e Ásia podem traçar suas origens religiosas para a revitalização da Rua Azusa e Bispo William J. Seymour. Fred e Wilma Berry continuam a história da Rua Azusa como representantes internacionais através da Azusa Street Mission & Historical Society. A missão da organização é levar a chama da Rua Azusa para a próxima geração em todas as nações do mundo…
O Azusafest, celebração normalmente realizada em Los Angeles desde 2006, em 2013 será em São Paulo, Brasil, de 19 a 21 de Abril, no Salão Internacional Gospel. O Apóstolo Fred Berry postou as seguintes palavras em seu perfil na rede social Facebook: “Saudações meus amigos no Brasil. Minha esposa e eu queremos convidá-los para o Azusafest, que será celebrado em São Paulo, Brasil, de 19 a 21 de Abril de 2013. Estaremos comemorando mais de 100 anos de expressão evangélica pentecostal, dentro do Salão Internacional Gospel. No auge do Renascimento na América, William Seymour parou uma reunião, em 1910, e profetizou que um maior reavivamento da Rua Azusa iria atingir a Terra mais de 100 anos a partir de então. Ao mesmo tempo, dois missionários suecos baptistas ficaram cheios do Espírito Santo sendo batizados. Estes dois homens foram enviados dos EUA, sendo pioneiros do movimento pentecostal no Brasil. Daniel Berg e Gunnar Vingren abriram a Missão de Fé Apostólica, que mais tarde tornou-se a Assembléia de Deus …. Durante três dias de seminários e workshops de celebração da música gospel vamos honrar os esforços desses homens …. Você pode se juntar a nós gratuitamente no Salão Internacional Gospel…. Participe dos nossos seminários e escolas de formação. Escola Profética ou a Escola de Intercessores será realizada durante o dia das 14:00 às 18:00 horas a cada dia …. e depois juntar-se a adoração em um de nossos três shows internacionais gospel …… cada noite de 19:00 às 22:00 horas.
Fred e Wilma Berry”
Por: Mazza – MR1
Comunicação & Marketing
ww.salaointernacionalgospel.com.br

Fonte: Jornal Gospel News