Arqueólogos encontram em Israel sinagoga da época de Jesus Cristo

Israelenses descobriram as ruínas do que eles acreditam ser uma das mais antigas sinagogas do mundo.
Segundo a arqueóloga Dina Avshalom-Gorni, as ruínas descobertas no norte de Israel são da época do Segundo Grande Templo de Jerusalém, entre os anos 50 antes de Cristo e 100 depois de Cristo. O local das escavações, a praia de Migdal, na costa do Mar da Galiléia, é citado tanto em escrituras judaicas quanto cristãs.
Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram uma pedra gravada com uma imagem de uma menorá, o candelabro de sete velas utilizado em cerimônias religiosas judaicas.
A menorá é um símbolo do judaísmo de mais de 3 mil anos e também o emblema nacional de Israel. A imagem gravada na pedra encontrada nas escavações aparece em cima de um pedestal e ladeada por ânforas. Segundo os arqueólogos, esta é a primeira vez que uma imagem de uma menorá é encontrada em uma escavação fora de Jerusalém.
A cidade de Migdal, sob o nome aramaico de Magdala, é citada nas escrituras cristãs como o local de nascimento de Maria Madalena, uma das mulheres que acompanharam Jesus Cristo e que depois foi tornada santa pela Igreja Católica.
Segundo Avshalom-Gorni , é possível supor que a comunidade que seguiu Jesus na Galiléia frequentava a sinagoga descoberta.

Via O Verbo.

Estudo aponta que 32% dos britânicos são favoráveis ao criacionismo

No aniversário de 200 anos de nascimento de Charles Darwin, o cientista que formulou a mais revolucionária explicação sobre os seres vivos, um estudo publicado no Reino Unido revela que seus próprios compatriotas ainda desconfiam dele.
Segundo a pesquisa “Rescuing Darwin” [Resgatando Darwin], que veio a público na última semana, mais da metade dos britânicos acredita no design inteligente, em detrimento da teoria da evolução. Esta determina que animais, plantas e seres humanos mudam para adaptar-se às condições do ambiente ao longo dos tempos, por meio da seleção natural.
Ensinamento bíblico indica que Deus criou a Terra e seus seres; para especialistas, força do criacionismo mostra deficiência na educação
Ensinamento bíblico diz que Deus criou a Terra e seus seres; para especialista, força do criacionismo mostra necessidade de informação
Realizada pelo Theos, um “think tank” dedicado a temas religiosos, e o Instituto Faraday, de Cambridge, o estudo aponta que aqueles que defendem ou simpatizam com a ideia de criacionismo da Terra Jovem somam 32%.
E o design inteligente conta com 51% de adesão –os números não são excludentes, pois referem-se a um questionário múltiplo.
A interpretação desse resultado é considerada difícil pelos próprios organizadores. Nick Spencer, diretor do Theos, considera que há uma imensa “área cinzenta” devido ao fato de as pessoas não conhecerem claramente os significados da teoria darwiniana, do criacionismo e do design inteligente.
“A urgente necessidade de educação e informação é o que mais impressiona. A confusão e o ceticismo, causados pelo modo como ciência e religião são ensinados, levam as pessoas a dar respostas até mesmo contraditórias de um ponto de vista científico”, disse à Folha.
Dez mil anos atrás
Feitas as ressalvas, acadêmicos como Denis Alexander, diretor do Instituto Faraday e responsável pela interpretação da pesquisa, consideram que ela traz resultados preocupantes. Principalmente por conta da grande quantidade de pessoas que acham que a Terra foi criada nos últimos 10 mil anos.
“É desconcertante que, em 2009, existam pessoas que pensam que o mundo tem essa idade por conta de uma leitura da Bíblia, quando toda evidência científica demonstra que isso é errado”, diz Denis Alexander, diretor do Instituto Faraday, responsável pela interpretação desses números, à Folha.
Alexander diz que não pode comprovar de um ponto de vista estatístico, mas tem a impressão de que o criacionismo esteja crescendo consideravelmente no Reino Unido nos últimos anos. E aponta três causas que considera principais.
As duas primeiras seriam o aumento da população de imigrantes islâmicos e a proliferação de igrejas pentecostais de africanos ou afrodescendentes, grupos em que o criacionismo é muito popular.
A terceira seria o “desfavor que vêm fazendo à ciência os ditos intelectuais neodarwinistas”. Entre eles, o principal culpado seria o também britânico Richard Dawkins, autor de “O Gene Egoísta” e “Deus, um Delírio” (Companhia das Letras), que, por meio das ideias de Darwin, defende o ateísmo.
“Não é sua intenção, mas ao fazer campanha pró-evolução, Dawkins tem estimulado a ascensão do criacionismo neste país. Sua mensagem, repetida de modo simplório em igrejas, mesquitas e sinagogas, é a de que “a evolução significa ateísmo”, ao que os fiéis são levados a responder: “Bem, não aceitamos o ateísmo, então também não apoiamos a evolução”.
Segundo ele, ao lutar contra algo com violência, Dawkins estaria estimulando um comportamento extremo oposto. “Um fenômeno social muito comum na história das ideias”, conclui Alexander.
James Williams, estudioso de ciência da educação da Universidade de Sussex, concorda. “Dawkins é um intelectual a ser respeitado, mas exagera em suas interpretações. Para ele, se você acredita em algo, isso é suficiente para que você seja considerado um idiota. Elimina a ideia de que evolução e crença em Deus possam andar juntas. Tenta provar que Deus não existe, mas não pode fazer isso. Desse modo, provoca uma reação violenta, que acaba dando força ao criacionismo”, diz o pesquisador.
Para o acadêmico, Darwin, se estivesse vivo, não lutaria ao lado de Dawkins, para desapontamento deste. “Ele o respeitaria pela importância de seus estudos, mas só isso, não concordaria com a violência que está imprimindo ao debate.”
Alexander também reforça essa ideia. “Darwin era um cavalheiro educado, ao estilo vitoriano. Deveria ser visto por nós como um exemplo de alguém que teve bom relacionamento com acadêmicos de diversas correntes e credos. É algo que está muito em falta nos dias de hoje. Estou seguro de que ficaria chocado com a brutalidade desse debate teológico. Além disso, esse nem era o centro de seus estudos.”
O caso brasileiro
O professor de sociologia da USP Antônio Flávio Pierucci acha que no Brasil os resultados de uma pesquisa como essa provavelmente não seriam os mesmos, devido à pouca força que os criacionistas têm aqui.
“Não dá para ter uma ideia clara, mas vejo uma tendência de simpatia pelo evolucionismo, por exemplo, entre adeptos do espiritismo, que é uma religião muito popular no Brasil. Mas é só uma sensação.”
Pierucci considera assustador o fato de que tantos britânicos acreditem no criacionismo. “As pessoas em geral não entendem como funciona a ciência até que ela tenha um efeito prático em suas vidas. Uma evidência científica funciona apenas para os cientistas”, diz.
Ele concorda com a ideia de que educação e informação permitiriam um melhor entendimento do significado de assuntos como a teoria da evolução, o criacionismo e o design inteligente.
“Ao ouvir a expressão ‘design inteligente’, a tendência é a pessoa pensar que há por trás um ‘designer inteligente’, a personalizar o processo; é assim que funciona o raciocínio popular desinformado”, diz.

Arqueólogos encontram em Jerusalém muralha atribuída ao rei Salomão

Arqueólogos israelenses descobriram em escavações realizadas junto à Cidade Antiga de Jerusalém os restos de uma muralha do século 10º a.C., que poderiam confirmar a descrição bíblica dos tempos do rei Salomão.
Uma parte da muralha, de 70 metros de comprimento e seis de altura, foi encontrada em um local de nome Ofel, entre a conhecida como Cidadela de Davi e a parede sul do Monte do Templo judeu, também conhecido como Esplanada das Mesquitas muçulmana.
Empreendidas nos últimos meses, as escavações fazem parte de um projeto da Universidade Hebraica de Jerusalém, a Autoridade de Antiguidades de Israel e outras instituições, e conta com o financiamento de patrocinadores americanos.
Sua diretora, Eilat Mazar, data a muralha com base em fragmentos de vasilhas descobertas nos arredores. Segundo ela, os objetos são de tempos do reinado de Salomão, o período de maior construção até então em Jerusalém e quando foi erguido o Primeiro Templo judeu, segundo o Antigo Testamento.
“Esta é a primeira vez que se descobre uma estrutura desse período que pode ter uma correlação com as descrições das obras de Salomão em Jerusalém”, afirma.
“A Bíblia conta que Salomão construiu, com ajuda dos fenícios, que eram excelentes construtores, o Templo e seu novo palácio e que os rodeou com uma cidade. O mais provável é que estivesse conectada à muralha mais antiga da Cidadela de Davi”, explica a diretora das escavações.
No local, foram desenterradas também uma monumental guarita de vigilância de seis metros de altura e uma torre que serviria de mirante para proteger a entrada da cidade, que são características do estilo do Primeiro Templo.
Deste período datam os antigos povoados israelitas de Meguido ou Be’er Sheva, declaradas em 2005 Patrimônio Mundial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
Para a arqueóloga, os restos da muralha representam uma prova adicional da exatidão com que as sagradas escrituras descrevem o esplendor do período dos reis Davi e Salomão.
Ela cita o Primeiro Livro de Reis (3:1), no qual “Salomão se tornou parente do então Faraó do Egito, pois se casou com sua filha Anelise e a trouxe à cidade de David, quando terminava de construir sua casa, a casa de Jeová e os muros de Jerusalém ao redor”.
As pesquisas sugerem que os restos da muralha revelam a presença de uma monarquia e que a fortaleza e forma de construção indicam um alto nível de conhecimentos de engenharia.
Os vestígios estão em um ponto estratégico, no alto do vale do Kidron, hoje limite da Cidade Antiga de Jerusalém.
“Ao comparar as últimas descobertas das muralhas e portas da cidade do período do Primeiro Templo e os restos de vasilhas encontrados no local, podemos assegurar com bastante certeza que os muros são da cidade construída pelo rei Salomão em Jerusalém, na última parte do século 10º a.C”, afirma Mazar.
A inscrição encontrada em um fragmento de vasilha descreve: “do supervisor do pa…”, que a arqueóloga acredita se referir ao “supervisor do padeiro”, um oficial responsável por controlar o fornecimento de pães à corte real.
Outros fragmentos contêm as palavras “do rei”, e também foram encontrados selos de cera com dezenas de nomes.
O explorador britânico Charles Warren descreveu o traçado da muralha em 1867, mas sem atribuí-lo à época de Salomão, cuja monarquia ficou conhecida pelas “decisões justas” ou “salomônicas”.
Nesse contexto de difícil equilíbrio, cabe se perguntar se a Bíblia pode servir ou não de guia arqueológico, uma polêmica que enfrenta duas tendências na arqueologia israelense e especialmente incerta no que se refere às descobertas em torno do período do rei Davi e de seu filho Salomão.
Mazar pertence à corrente que reconhece a validade do relato bíblico, enquanto arqueólogos da Universidade de Tel Aviv acham que o Pentateuco não está isento de interesses políticos de seus autores e que as monarquias de ambos os reis não eram uma potência regional como descreve o livro sagrado.

Maior templo da Roma antiga é reaberto ao público

O maior templo da Roma antiga foi reaberto ao público nesta quinta-feira após mais de 20 anos em obras. O anúncio ocorre em meio a uma tempestade política sobre a manutenção dos tesouros artísticos italianos, após o colapso da Casa dos Gladiadores em Pompeia.
O templo de Vênus e Roma, construído durante o governo do imperador Adriano no século 2 (de 121 a 135), se situa no coração do Fórum Romano, perto do Coliseu. Do imenso edifício original com duas entradas restam dezenas de colunas e partes de duas absides com tetos ornamentados.O templo era visível para os visitantes do fórum, mas o acesso estava interditado por causa das obras. Até os anos 1980, carros podiam até mesmo estacionar em frente as suas colunas.
“Restauramos para Roma um dos mais importantes símbolos de poder e grandeza do império romano”, declarou à AFP Claudia Del Monte, arquiteta encarregada da restauração durante a reinauguração do templo.
O trabalho de restauração foi centralizado, principalmente, na pavimentação do templo de Roma, nas melhorias nos vãos de sustentação do teto, enegrecidos pela poluição, e limpeza de um esgoto próximo ao local.
DEUSA DO AMOR E DA CIDADE
Erguida nas ruínas da Domus Aurea –a casa do imperador Nero–, este templo comporta duas partes unidas: o templo de Vênus, deusa do amor e ancestral mística dos romanos, e o templo de Roma Aeterna, deusa da cidade.
Mesmo fechado ao público, o templo vem sendo utilizado, desde o papa João Paulo 2º, para cerimônias da Sexta-Feira Santa.
Del Monte explicou que certos aspectos da restauração não teriam sido necessários se o local tivesse sido mais bem conservado.
“Os italianos devem estar conscientes de seu patrimônio e parar de maltratá-lo”, disse.
A reabertura ocorre na mesma época em que o ministro da Cultura italiano, Sandro Bondi, está sendo ameaçado por um voto de censura por sua responsabilidade no colapso da Casa dos Gladiadores que ocorreu no sábado, no sítio arqueológico de Pompeia, perto de Nápoles.
Bondi, aliado de Silvio Berlusconi, defendeu-se vividamente e rejeitou qualquer responsabilidade.

Fonte: Folha.com

Arqueólogos encontram em Israel sinagoga da época de Jesus Cristo

Israelenses descobriram as ruínas do que eles acreditam ser uma das mais antigas sinagogas do mundo.
Segundo a arqueóloga Dina Avshalom-Gorni, as ruínas descobertas no norte de Israel são da época do Segundo Grande Templo de Jerusalém, entre os anos 50 antes de Cristo e 100 depois de Cristo. O local das escavações, a praia de Migdal, na costa do Mar da Galiléia, é citado tanto em escrituras judaicas quanto cristãs.
Durante os trabalhos, os arqueólogos encontraram uma pedra gravada com uma imagem de uma menorá, o candelabro de sete velas utilizado em cerimônias religiosas judaicas.
A menorá é um símbolo do judaísmo de mais de 3 mil anos e também o emblema nacional de Israel. A imagem gravada na pedra encontrada nas escavações aparece em cima de um pedestal e ladeada por ânforas. Segundo os arqueólogos, esta é a primeira vez que uma imagem de uma menorá é encontrada em uma escavação fora de Jerusalém.
A cidade de Migdal, sob o nome aramaico de Magdala, é citada nas escrituras cristãs como o local de nascimento de Maria Madalena, uma das mulheres que acompanharam Jesus Cristo e que depois foi tornada santa pela Igreja Católica.
Segundo Avshalom-Gorni , é possível supor que a comunidade que seguiu Jesus na Galiléia frequentava a sinagoga descoberta.

Fonte: O Verbo.

Senador Magno Malta é reeleito, afirma ser descriminado por ser evangélico

“As pessoas que tentaram calar a minha voz devem ter algum interesse nisso. Elas sabem o porquê e eu também sei”. A reação do senador Magno Malta que conquistou a segunda vaga para o Senado no Espírito Santo com reeleito com 1.285.177 votos, mostra uma ponta de mágoa com as críticas de setores da sociedade civil organizada feitas a ele durante a campanha.
“Eu sou um nordestino, que veio para o Estado, filho de faxineira, discriminado pela fé que professa, num país como o nosso, vivendo num século como esse e ainda fui discriminado. Mas as pessoas reconhecem meu trabalho, eu tenho respeito no Brasil. O Brasil respeita esse senador do Espírito Santo, porque a minha defesa é da família, a minha defesa é de vida, a minha defesa é de criança, é de enfrentamento a violência.
O Senador reeleito agradeceu os mais de um milhão de votos conquistados nas urnas. “As pessoas reconheceram meu trabalho. Então eu estou muito feliz, agradecido a Deus. Num processo democrático, que você disputa com mais de três pessoas, acontece um embate e foi isso que aconteceu. Quem quer ver Magno Malta longe dessa história de combater pedofília e combater o narcotráfico e fazer a redução da maioridade penal: foram essas pessoas que trabalharam para votar contra o Magno Malta”, disse.
Em relação às vaias que recebeu quando chegou ao TRE, Magno Malta disse que foi vaiado por viúvas. Além disso, ele afirmou respeitar o governador mesmo não tendo sido apoiado por Paulo Hartung. “Eu nunca tive apoio do Paulo Hartung, eu trabalhei duro para o Ricardo Ferraço ter o meu segundo voto. Eu nunca reclamei de não ter apoio do governador. Eu não sou inimigo e nem sou cego pra não enxergar o que ele fez pelo Estado. Eu não beijo mão de homem, meu compromisso é com Deus, a minha espinha é dura e não dobra nunca”, afirmou.
Quanto às críticas que recebeu da Igreja Católica, Magno Malta disse que recebeu votos de católicos e por isso, os respeita. “Eu respeito a instituiçao católica, eu os respeito como respeito os budistas, induístas ou outras religiões. Quando o Papa foi atacado pela imprensa, quem fez a defesa fui eu. O meu crime foi ter prendido um senhor de 58 anos que abusa de criança. As pessoas que sentiram tanta dor de vê-lo indo preso não imaginaram que podia ser um filho deles sendo abusado”.

Fonte: Gazeta Online

Manuscritos do Mar Morto serão digitalizados na web

A Autoridade de Antiguidades de Israel está fazendo uma parceria com o Google para disponibilizar online os antigos Manuscritos do Mar Morto. O projeto vai garantir acesso livre e gratuito aos textos com mais 2 mil anos de idade, considerados uma das maiores descobertas arqueológicas do último século.
Os primeiros trechos serão publicados nos próximos meses e estarão disponíveis nos idiomas originais e traduzidos.
O representante do órgão de preservação cultural de Israel disse que o projeto vai assegurar a preservação dos manuscritos ao mesmo tempo que aumentará o acesso a este artefato de valor inestimável, que inclui trechos da Bíblia Hebraica.
Especialistas têm reclamado que só um pequeno número de acadêmicos recebem permissão para ter acesso aos manuscritos encontrados em uma caverna perto do Mar Morto nos anos 1940.
A administração israelense captará imagens em alta definição utilizando uma tecnologia “multiespectral” desenvolvida pela Nasa. As imagens serão, posteriormente, publicadas na internet pelo Google em uma base de dados. As traduções dos textos também serão colocadas à disposição. Shor afirmou que as primeiras imagens estarão disponíveis nos próximos meses e o projeto terminará em cinco anos.Descoberta arqueológica
Acredita-se que os 900 manuscritos encontrados entre 1947 e 1956 nas grutas de Qumran, no Mar Morto, constituem uma das descobertas arqueológicas mais importantes de todos os tempos. No material encontrado, há pergaminhos e papiros com textos religiosos em hebraico, aramaico e grego, assim como o Antigo Testamento mais velho que se conhece.
A descoberta
Acredita-se que os 900 manuscritos encontrados entre 1947 e 1956 nas grutas de Qumran, no Mar Morto, constituem uma das descobertas arqueológicas mais importantes de todos os tempos. No material encontrado, há pergaminhos e papiros com textos religiosos em hebraico, aramaico e grego, assim como o Antigo Testamento mais velho que se conhece.

Gospel Prime|Pátio Gospel Noticias

Mineiros resgatados:“Estive com Deus e com o diabo. Os dois brigaram e Deus venceu”

Presidente Sebastián Piñera saúda Florencio Ávalos, o 1º a ser resgatado “Estive com Deus e com o diabo. Os dois brigaram e Deus venceu”. Assim o segundo mineiro a alcançar a superfície, Mário Sepúlveda, definiu os 69 dias que passou soterrado na mina de San José, no norte do Chile. Os 33 homens começaram a ser retirados da mina nesta quarta-feira, pouco depois da meia-noite no horário local (mesmo horário de Brasília). “É íncrível que a 700 metros de altura, e sem nos ver frente a frente, eles conseguiram nos recuperar. Nós fizemos um pouco de nossa parte, um pouco de loucura, esse coração de mineiro que temos, a experiência de trabalhador. Mas todo o resto se deve aos profissionais”, disse Sepúlveda. “Estou muito feliz de estar aqui, nunca tive dúvidas sobre os profissionais que o Chile tem. Nunca duvidei disso. E em termos de fé, sempre tive fé no Criador.” O primeiro dos mineiros a ver a superfície foi Florencio Ávalos, 31, que desembarcou da cápsula Fénix 2 após 16 minutos de trajeto. Um dos momentos mais emocionantes foi quando ele abraçou o filho de oito anos, Byron, e a esposa, Mónica. Ávalos foi recebido sob as palmas dos colegas, parentes e jornalistas que acompanham a operação – também testemunhada pessoalmente pelo presidente chileno, Sebastián Piñera. .Não quero que me tratem como artista ou como animador, mas como Mário Sepúlveda mineiro. Nasci para morrer no batente. Mário Sepúlveda, o segundo a ser resgatado Outros dos primeiros mineiros a serem resgatados foram Juan Illanes, Jimmy Sánchez e o boliviano Carlos Mamani, o único estrangeiro do grupo. Ele foi recebido sob cânticos de “Bo-bo-bo-li-li-li-via-via-via”. Ao sair, se ajoelhou e recebeu a saudação do presidente Piñera. “Bem-vindo à superfície, bem-vindo à vida”, disse Piñera. “Obrigado Chile, obrigado mundo, a Bolívia manda um abraço a partir do acampamento Esperança”, agradeceu Mamani. Os homens que iniciaram a subida foram escolhidos para encabeçar a lista por serem os mais fortes do grupo – logo, estariam mais capacitado para lidar com eventuais dificuldades no trajeto. Entretanto, nenhum problema foi registrado antes da operação. Pouco menos de uma hora antes de o resgate começar, um técnico desceu até o local onde estão os mineiros, analisou o estado do túnel e deu o aval para o início do salvamento. Resgate está sendo acompanhado ao vivo pela mídia global Apesar da atenção da mídia, que deslocou mais de mil jornalistas para a mina, Sepúlveda disse que não quer ser tratado de forma diferenciada. “Não quero que me tratem como artista ou como animador, mas como Mário Sepúlveda mineiro. Nasci para morrer no batente”, disse. “Acho que tive uma sorte extraordinária. Enfrentei muitas situações, essa foi a mais dura.”

Dois cientistas japoneses e um americano dividem Nobel de Química

O cientista norte-americano Richard Heck e os japoneses Ei-ichi Negishi e Akira Suzuki são os vencedores do Prêmio Nobel de Química 2010 por seus trabalhos sobre reações do carbono, comunicou nesta quarta-feira a Academia Real de Ciências da Suécia.
As pesquisas baseadas em moléculas orgânicas complexas, feitas de longas cadeias de carbono, podem ser utilizadas no futuro em tratamentos contra o câncer, na indústria eletrônica e na agricultura.
Pesquisas podem ser usadas no combate ao câncer, em eletrônicos e na agricultura.
“Estas ferramentas químicas melhoraram enormemente as possibilidades dos cientistas para criarem (compostos) químicos sofisticados, como moléculas baseadas no carbono tão complexas como as existentes na natureza”, informou a Academia.
Concretamente, estas descobertas servirão para sintetizar moléculas novas com aplicações para a medicina, a agricultura, o setor industrial químico e, inclusive, para o desenvolvimento de componentes eletrônicos.
A química orgânica, ou química do carbono, é a base da vida, mas, para os analistas, os átomos de carbono não reagem entre si facilmente, com o que os cientistas precisam de agentes externos para provocar sua reação e, a partir daí, sintetizar novas moléculas.
O Nobel de Química incluiu um prêmio de 10 milhões de coroas suecas (1,1 milhão de euros) e, como o restante das distinções, será entregue em 10 de dezembro, dia do aniversário da morte de seu fundador, Alfred Nobel.

Arqueólogos descobrem templo filisteu na cidade natal de Golias

Arqueólogos em Israel, recentemente, descobriram um templo filisteu no local onde teria sido a cidade natal do gigante guerreiro Golias.
As ruínas do templo estão localizados na antiga cidade de Gate e remonta ao século 10 a.C., de acordo com o Prof. Aren Maeir do Departamento Martin de Estudos e Arqueologia das Terras de Israel da Universidade Bar Illan. O templo descoberto tem uma imagem arquitetônica semelhante ao descrito na história bíblica de Sansão, que derrubou o templo do filisteu Dagon sobre si mesmo.
“Nós não estamos dizendo que este é o mesmo templo onde a história de Sansão ocorreu ou mesmo que a história não ocorreu,” disse Maeir, que dirigiu a escavação no local durante os últimos 13 anos, ao The Jerusalem Post, na semana passada. “Mas isso nos dá uma boa idéia de que a imagem de qualquer um que tenha escrito a história, teria sido de um templo filisteu.”
Este é o primeiro templo filisteu encontrado em Gate.
Além da descoberta do templo, a equipe também encontrou provas de um grande terremoto do século 8 a.C. que poderia ser o terremoto mencionado nos livros de Isaías e Amós.
“Se os sismólogos estão certos, um terremoto de 8 graus na escala Richter teria nivelado uma grande cidade,” disse Maeir. “A intensidade da energia necessária para mover as paredes parecem ter sido de algo muito poderoso.”
“O que temos aqui é uma prova muito forte de um terremoto dramático, um acontecimento natural, que deixou uma impressão muito significativa sobre os profetas bíblicos do tempo.”
Maeir e sua equipe internacional descobriram no templo na antiga ruína, montagens de Tel Tzafit National Park, na planície costeira do sul.

Via O Verbo