Ex-homossexual, Daniel Felipe testemunha encontro com Deus

Na infância, Daniel Felipe não gostava tanto de futebol, pipa e outas brincadeiras comuns dos garotos.
Por conta disso, sempre foi alvo de brincadeiras de mau gosto. Ainda garoto descobriu que não era filho do homem que imaginava ser pai dele.
Decepcionado, Daniel se envolveu com drogas e com a homossexualidade. Ainda assim o vazio em sua vida continuava. Até que um verdadeiro encontro com Deus mudou sua história.
“Quando eu disse sim de verdade eu senti as àguas do Senhor sobre mim, foi uma coisa maravilhosa”, conta.
Conheça a história e o testemunho do jovem Daniel nos vídeos abaixo.



Fonte: Guiame / Jornal Gospel News

Cura divina: médicos e acadêmicos se unem para documentar milagres

A Global Medical Research Institute (GMRI), uma organização formada por médicos e acadêmicos, está estudando práticas de cura por meio da oração em nome de Jesus e pela atuação do Espírito Santo.
Com a utlização de rigorosos métodos científicos baseados em evidências o grupo que reunir uma documentação com fatos médicos e verdades espirituais sobre cura.
A ideia do estudo é do avivalista Randy Clark. Segundo a enfermeira Brenda Jones, membro do conselho do GMRI, a maioria das pessoas e mesmo os profissionais de medicina acreditam no poder curativo da oração. Ela conta que mesmo pessoas não religiosas aceitam que orem por elas. “Queremos provar que Deus está realmente curando pessoas  por meio da oração”, diz Randy.
Segundo reportagem da Time, 82% dos americanos acreditam no poder da oração pessoal e 64% dos pacientes acreditam que os médicos deveriam orar com aqueles que pedirem por isso.
Acima da explicação humana
O site do GMRI disponibiliza documentação médica para revisão. Os dados são checados por assistentes sociais e  enviados a peritos médicos em Boston, muitos deles filiados à Escola de Medicina de Harvard.
A conclusão dos pesquisadores é que muitos casos vão além da explicação médica. Alguns profissionais sugerem que o poder de cura divina realmente se manifesta.
O professor da Universidade de Indiana Candy Gunther Brown, que estuda há anos o assunto e lançou o livro Testando a Oração: Ciência e Cura,  o assunto está em alta, com um grande número de médicos interessados em saber sobre a oração e seus efeitos. Segundo o site Charisma, “se o GMRI conseguir um bom número de casos positivos, isso irá motivar outras pessoas a se envolver”, diz Brown.
Uma dessas pessoas é Cal Pierce, diretor da Associação Internacional de Quartos de Cura. Seu ministério, focado no poder e presença do Espírito Santo, tem o objetivo de levar ministros  aos doentes em todo o mundo. Os resultados seriam enviados ao GMRI.
“Podemos fornecer informações sobre o que é cientificamente inexplicável”, diz Pierce.   A intenção é também providenciar registros médicos que forneçam dados que mostrem a atuação do Espírito Santo.
Ele acredita que “mais pessoas vão colocar sua fé na cura pois  milagres serão reconhecidos por Deus e pelo homem. ”
Por Jussara Teixeira

Fonte:  Gospel+ / Jornal Gospel News

Hábitos comuns como sentar-se errado na cadeira do trabalho ou levar uma bolsa pesada podem causar até problemas sérios nas costas

Mesmo quem não sofre de problemas de coluna experimenta algumas vezes dores no corpo, principalmente nas costas. A razão disso é a má postura, gerada por situações e ações comuns do dia a dia. Carregar a bolsa, adaptar-se aos assentos do carro e do trabalho, movimentos impensados, entre outros, vão levando a probleminhas que podem causar dores e até lesões mais sérias. “A médio e longo prazo, causam dores e inflamações, pois a  alteração biomecânica dos movimentos leva a compensações. Isso cria novas lesões por novas compensações, principalmente de quadril, que podem ganhar assimetrias, e de coluna, como escoliose”, explica o terapeuta corporal Claudio Rogerio Petrin, da Clinica Davantel.
O especialista enumera atitudes comuns que alteram o equilíbrio do corpo e ensina que é preciso buscar reeducar-se no cotidiano, mudando pequenas atitudes para evitar problemas de saúde. “Fazer alongamentos de uma maneira geral também ajuda”, afirma ele.
Na cadeira do trabalho
Aqui, normalmente são vários os pontos que merecem atenção. Primeiro, a região lombar costuma não ter apoio, o que faz com que os quadris sejam jogados para frente. Sentar-se assim com as costas, e não com o bumbum, faz com que o pescoço fique mais esticado do que o normal para enxergar a tela, que não fica no nível dos olhos. Além disso, a falta de apoio no cotovelo cria uma tensão adicional nos ombros.
Bolsa nos ombros
Causa desequilíbrio, pois traz alterações musculoesqueléticas pela sobrecarga de um dos lados, principalmente quando a bolsa é muito pesada, atitude comum entre as mulheres.
Salto alto
Os pés influenciam diretamente a coluna. Uma pisada ruim gera tensões desorganizadas. O salto gera uma pisada em desequilíbrio, pois a base anterior fica apoiada, trazendo os quadris para frente, o que gera dores na região.
Movimentos do dia a dia
O principal problema está na combinação de flexão e rotação. Lesões diversas ocorrem, desde pinçamentos e contraturas musculares, fazendo ações do cotidiano, como agachar para pegar algo, deitar ou levantar da cama.
Agachar da forma errada
Dobrar os joelhos e descer em direção ao chão com a coluna reta evita sobrecarga na região lombar e deve ser feito mesmo quando não se vai levantar peso. Agachar rapidamente e esticar-se para pegar algo é arriscado e pode levar a estiramentos.
Relaxar no sofá
Pode soar perfeitamente normal se jogar no sofá após um dia de trabalho, mas esse hábito cria desconfortos musculares. Os principais problemas são sentar apoiando a região lombar e não o bumbum, sofás altos para pessoas baixas e baixos para pessoas altas – dificilmente um modelo atende às necessidades de todos de uma mesma casa. Se possível, tente colocar um apoio nos pés para manter os joelhos em 90 graus e apoie a lombar. Pode ser com a ajuda de uma almofada.
Postura no carro
Quem passa muito tempo no trânsito precisa levar em conta que a postura no carro pode influenciar no equilíbrio do corpo. Mantenha a região lombar bem apoiada, o banco numa inclinação de 100 ou 110 graus e numa altura razoável sem que as pernas tenham de ficar muito esticadas para que os pés alcancem os pedais.
Cicatrizes
Os cortes feitos na musculatura e nos tecidos causam tensão na região, que será compensada de outra forma. É normal tensionar alguma região do corpo após cirurgias plásticas, por exemplo. Mulheres que se submeteram a implantes de silicone podem tensionar os ombros. A médio prazo, haverá dores.

Fonte: Terra / Jornal Gospel News

Existem dois tipos de festas, e você só pode escolher uma delas.

Mas estou falando daquelas festas gigantes, com comida quase que infinita e alegria que não acaba. As duas são, aparentemente, bem interessantes.
Existem dois tipos de festas, e você só pode escolher uma delas.
Para você entrar na primeira festa, precisa dos seguintes requisitos:
Estar disposto a tudo
Desejar provar ‘coisas’ novas
Seguir o slogan “o que é feito na festa, fica na festa”
Aproveitar o máximo e se comprometer o mínimo
Ser jovem de coração, querer viver o carpe diem e ter a felicidade hoje.
Esta festa promete:
Prazeres incríveis
Músicas surreais
Curtição garantida
Noites inesquecíveis
Esquecer os problemas saindo de si
Amizades temporárias, que abafam a tristeza e solidão
Os que vão à esta festa frequentemente, se intitulam como aqueles que ‘aproveitam a vida’. Eles afirmam que estão curtindo o máximo possível dos anos de sua juventude, e que ainda que este tipo de festa traga alguns probleminhas, dizem que é o melhor jeito de se viver.
Mas qual é a outra festa? Como disse, somente uma das duas pode ser escolhida.
A segunda festa requere mais, mas também promete mais:
Requisitos:
Estar disposto a tudo
Buscar algo que não é deste mundo
Seguir o slogan “faça aos outros o que quero que façam a mim”
Comprometer todas decisões e atitudes de sua vida pelo ideal do amor
Não viver para si, mas estar disposto a viver uma renúncia de si para ter uma recompensa eterna.
Recompensas:
Uma vida infinita
Melhor gastronomia e vinho já experimentados
Ser escolhido como um líder para governar povos
O fim do choro, da tristeza e dos problemas que existem
Viver em comunidade, no lugar mais belo que será criado na história.
E aí, qual você acha que encaixa com seu perfil?
Estas festas são nossas opções de vida. Logicamente, nem tudo é festa nesse mundo, mas fiz essa analogia para analisarmos onde está nosso coração.
O marketing da primeira festa é: “Seja livre de regras”, “a vida é curta, curta a vida”, “deixa a vida me levar”, entre outros. Esta primeira festa é sobre o agora, mesmo que traga danos irrecuperáveis no amanhã.
A segunda festa é sobre o amanhã, mas exige uma entrega completa agora. Ela traz o maior dos benefícios, que a outra festa não traz: uma vida que durará para sempre, sem nunca mais haver tristeza.
Muitas vezes vivemos sem pensarmos o que estamos vivendo. Este mundo é como a primeira festa, e o Reino de Deus como a segunda festa.
Planeje-se, almeje usufruir da segunda festa. Você é um convidado de ambas, mas não abra mão de valores eternos por coisas que não duram, que desaparecem como a neblina que passa.
Que você aceite o convite para a maior festa de todos os tempos, feita por Deus, a Festa de Deus!
Neste monte o Senhor dos Exércitos preparará um farto banquete para todos os povos, um banquete de vinho envelhecido, com carnes suculentas e o melhor vinho.
Neste monte ele destruirá o véu que envolve todos os povos, a cortina que cobre todas as nações;
destruirá a morte para sempre. O Soberano Senhor enxugará as lágrimas de todo o rosto e retirará de toda a terra a zombaria do seu povo.
Foi o Senhor quem disse!
Isaías 25:6-8

Fonte: Não morda a maçã / Jornal Gospel News

O suor excessivo pode causar constrangimento, mas alguns hábitos e tratamentos podem livar você dessa situação

A transpiração possui duas funções: manter a temperatura adequada do corpo (entre 35,5o C e 36,5o C) e eliminar toxinas. Por isso, o suor é essencial para o bom funcionamento do organismo. Porém, não tem como negar que ele às vezes pode se tornar um incômodo, especialmente quando aparece em excesso. “Essa quantidade depende de diversos fatores como o metabolismo da pessoa, a temperatura ambiente, se ela está fazendo atividade física e até de seu estado emocional”, explica a dermatologista Thais Pepe. De acordo com pesquisas da Unilever, uma pessoa normal elimina cerca de 1 litro de líquido por dia.
As áreas que mais transpiram, segundo a dermatologista Christina Blattner, são aquelas com maior quantidade de glândulas sudoríparas como axilas, mãos e pés. No entanto, algumas pessoas suam de forma concentrada em outras partes do corpo. “Diversas doenças tem a hiperidrose, o suor excessivo, como um sintoma. Por isso, se você reparar um aumento de transpiração procure um especialista para se certificar que está tudo bem com sua saúde”, aconselha Thais Pepe. Certos medicamentos e alterações hormonais também podem causar um aumento na quantidade ou mudança no odor do suor.
De acordo com Andrea Santa Rosa, membro da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional, alguns alimentos também podem influenciar. “O consumo exagerado de proteínas pode aumentar a produção de amônia, deixando o suor com cheiro mais intensos. Os alimentos que contêm enxofre, como alho, cebola, couve-flor, lentilha, feijão e trigo devem ser evitados em excesso”, afirma a nutricionista. Iguarias condimentadas como curry e pimenta do reino, além do café e chás com cafeína, que aumentam a liberação de adrenalina, também podem fazer com que a pessoa transpire mais. Já o álcool pode aumentar a produção de suor por ser vasodilatador.
Além de evitar esses alimentos, outras dicas podem ser úteis para combater o suor incômodo. “Beber muita água e comer frutas, legumes e cereais integrais ajuda a melhorar as funções metabólicas, reduz o estresse corporal e pode diminuir o volume de suor”, defende Andrea. Alguns chás desintoxicantes também podem ajudar a eliminar toxinas com mais facilidade como chá de hibisco, verde, canela, gengibre, carqueja e boldo. “Alimentos ricos em clorofila como couve, espinafre, agrião e rúcula também ajudam a neutralizar o odor”, afirma a nutricionista.
Na hora de escolher o produto que vai protegê-lo da transpiração excessiva é preciso estar atento. O desodorante diminui o odor e reduz a quantidade de bactérias sobre a pele, mas não impede o suor. “Já o antitranspirante tem cloridrato de alumínio, que penetra no poro do pelo, fazendo uma leve obstrução, tendo uma ação mecânica”, explica Christiana. Este produto porém deve ser aplicado apenas na região das axilas. Mas, diferentemente do que muitos pensam isso não causa problemas para a saúde, a não ser, é claro, em caso de alergia. “O corpo tem diversas formas de compensar isso e encontra outras formas de eliminar água e manter a temperatura. Em outras partes do corpo você pode optar por cremes ou por talco, que diminui a umidade do local e ainda ajuda a neutralizar o odor”, diz Thais.
Quando o assunto é roupa, prefira as peças de algodão, que são mais arejadas, e evite as fibras sintéticas, plásticas ou impermeáveis. As cores escuras esquentam mais, gerando mais transpiração, então prefira as claras. “Usar roupas mais fechadas para suar mais enquanto se exercita irá causar apenas um aumento na perda de eletrólitos e não de gordura. Esse é um erro comum, que pode levar a uma desidratação grave”, afirma Andrea. Além da água, isotônicos, água de coco e outros líquidos podem ajudar na reposição de eletrólitos e hidratar o corpo.
A transpiração pode gerar problemas em uma entrevista de emprego e outras situações formais, resultando em constrangimento. E o maior vilão quando se trata de suor excessivo, segundo os especialistas, é de fato o estresse. “Muitas vezes o paciente está preso em um circulo vicioso: fica nervoso porque sabe que vai suar demais e sua mais ainda por estar ansioso”, explica Thais. Por isso, o tipo de tratamento vai depender muito do caso. Segundo Christiana, em alguns casos um medicamento ansiolítico natural, para controlar esse estado emocional, pode ajudar.
A hiperidrose pode ser controlada com medicação via oral, um tratamento com íons, uso de toxina botulínica (botox) ou cirurgia. “O remédio oral é a opção mais barata, mas tem efeitos colaterais. A melhor opção atualmente é de fato o botox. Com uma sessão o paciente consegue passar geralmente de oito a nove meses sem suar naquela região. Às vezes, em casos com fundo emocional, uma única aplicação pode ser definitiva”, afirma Thais. O tratamento pode ser feito em diversas áreas do corpo, como pés, mãos e costas. A cirurgia para controle da hiperidrose é feita com pequenas incisões e não deixa cicatrizes, mas nem sempre é indicada. “Como todo procedimento invasivo, ela não é isenta de riscos. Pode levar o paciente a suar mais em outras regiões, causar paralisia em caso de erro etc”, afirma Christiana.

Fonte: Guiame / Jornal Gospel News

Embalagem ou conteúdo? Cuidado, as aparências enganam

Você já julgou ou foi julgado apenas pela aparência?
Esse pré julgamento pode te surpreender ao mostrar o conteúdo que existe dentro de cada embalagem, ou cada vestimenta.
Felippe e Mariana Valadão abordaram o tema no programa ‘Só Vai Melhorar’ e exibiram um vídeo impactante sobre o peso da aparência.
Outro tema tratado no mesmo programa foi a doação. Um vídeo sobre a conscientização da doação de órgãos foi exibido.
Mas a doação não precisa ser só de órgãos, doar roupas, brinquedos, alimentos é importante.
Assista a mais um programa Só Vai Melhorar.

Fonte: Guiame / Jornal Gospel News

AVEC APOIA PROJETO EM DEFESA DA VIDA – Bom viver cuida de mulheres com gravidez inesperada e enfrenta a luta contra o aborto

Bom viver é um projeto localizado na Penha (RJ), que atende a mulheres com gravidez inesperada. Idealizado mundialmente por Iná Sobolewsky, o projeto social foi criado no Rio de Janeiro em julho de 2011 pelo ministério do Pr. Silas Malafaia e da Pra. Elizete Malafaia, e desde o início conta com o apoio da Associação Vitória em Cristo.
Em abril de 2011 a Assembleia de Deus Vitória em Cristo recebeu Iná Sobolewsky, que fez um curso de capacitação para que o projeto social idealizado por ela fosse implantado no Rio de Janeiro. A Pra. Elizete Malafaia e o Pr. Silas Malafaia aprovaram o projeto e a Associação Vitória em Cristo entrou com o apoio para a fundação do Bom viver.
O projeto tem como objetivo atender, orientar e acompanhar gestantes de todas as idades, independente de sua condição social, religiosa ou cultural, e que estejam passando por momentos de crise e conflitos. Elas também recebem toda a atenção e o trabalho de profissionais de serviço social, psicólogos, médicos, enfermeiros, terapeutas e outros, para que possam zelar por sua saúde física, mental e espiritual. Cuidado que influencia na gestação do bebê, evitando o risco do aborto.
As mães assistidas pelo projeto têm aula de capacitação profissional, onde fazem oficinas, cursos e palestras educativas, resgatando a autoestima e incentivando o empreendedorismo, já que elas aprendem uma nova profissão e podem gerar a própria renda
A equipe do Bom viver é formada pela Pra. Elizete Malafaia, diretora, Maria de Fátima, coordenadora, e Elizabeth Malafaia, supervisora. A sede do projeto fica na Rua Honório Bicalho, 102 (Fundos), na Penha. O atendimento é de 2ª a 6º feira, de 9h às 16h.
Por:  Assessoria AVEC

Fonte: Jornal Gospel News

Associação Saúde Criança: entidade oferece suporte no tratamento médico de crianças e social às famílias

A Associação Saúde Criança, fundada há 21 anos, é uma organização social que desenvolve projetos junto a comunidades carentes, visando o estabelecimento de condições saudáveis para o desenvolvimento infantil.

A fundadora da Saúde Criança, Vera Cordeiro, tomou a iniciativa por constatar que crianças de famílias de baixa renda eram internadas nos hospitais, tratadas e após a alta, retornavam ao hospital com as mesmas patologias, sendo que muitas iam a óbito.

A partir daí, com o trabalho da associação, a saúde das crianças atendidas pelo projeto passou a ser um dos itens que eram abrangidos: Temos uma visão holística da saúde, na qual não só a patologia é analisada, mas sim todo o entorno do paciente. A falta de salubridade e condições adequadas de vida são facilitadores de enfermidades, por isso, a associação faz uma reestruturação familiar”, conta Mariana Veloso, coordenadora de captação da associação.

O cuidado com o estabelecimento de condições ideais para a recuperação e crescimento infantil tornou-se modelo, e atualmente é política pública de saúde infantil, com presença em diversos estados, de acordo com informações do G1.

Mariana Veloso conta que a avaliação do contexto social e familiar envolve diversas áreas: “Também é feita uma entrevista, para saber em que condições vive essa família e, posteriormente, uma visita domiciliar. Oferecemos auxílio psicológico e, se necessário, psiquiátrico, além de uma assistente social, para ajudar a enfrentar o problema”, explica.

O trabalho é dividido em áreas, conta Mariana. Segundo ela, as famílias atendidas recebem apoio em todas as direções: Doamos alimentos, medicamentos, leite especial, equipamento médico-hospitalar, utensílios domésticos, como filtro de água e ventiladores. Também encaminhamos o indivíduo a exames no serviço público ou na rede particular, temos parcerias com alguns laboratórios”, ilustra a coordenadora.

Em relação à moradia da família, o projeto também busca estabelecer condições mínimas de habitação: “Colocamos janelas, piso, vaso sanitário”, enumera, lembrando que o Saúde Criança ajuda ainda em questões legais, como emissão de documentos e obtenção de benefícios do governo.

Na educação, a Associação criou o Projeto Aconchego, com palestras socioeducativas de acordo com temas que os próprios atendidos tem curiosidade ou necessidade de obtenção de informação: “São temas como violência doméstica, gravidez precoce, DSTs, melhor aproveitamento dos alimentos, drogas e higiene”, afirma Mariana, que ressalta o caráter social do projeto, que busca oferecer cursos profissionalizantes para o maior responsável da família: “Quando o chefe da família se forma, recebe um certificado e começa a trabalhar no mercado informal. Por ter tempo reduzido, devido ao tempo necessário para cuidar de seu filho doente, é muito difícil conseguir um emprego formal. O que fazemos é ajudar a montar um salão de beleza domiciliar, uma carrocinha para trabalhar na comunidade onde vive”, exemplifica.

A partir de 2011, a Associação Saúde Criança tornou-se uma franquia social, com unidades em outros estados: “São Paulo, Goiás, Pernambuco, Santa Catarina e Rio Grande do Sul são alguns dos estados atendidos, mas também temos outras franquias em bairros do Rio e em outros municípios do estado. Damos apoio para capacitá-las, treinamos pessoal e controlamos a parte de captação”.

Nos 21 anos de atuação da Associação, mais de 43 mil pessoas, entre crianças e familiares foram atendidas: “No Saúde Criança Lagoa, atendemos cerca de 250 famílias por mês. Para receber nosso apoio, a criança enferma tem que estar em uma unidade pública de saúde ligada ao projeto, que fará o encaminhamento”, completa.

Para mais informações sobre a Associação Saúde Criança, acesse o site saudecrianca.org.br. Para doações ou trabalho voluntário, clique na aba “Como Ajudar” e informe-se.

Redação Gospel+

Luciano Costa Jornal Gospel News

Música alta pode afetar memória e aprendizagem, diz estudo

Muitos adolescentes gostam de ouvir música alta, especialmente durante os estudos, costume que tem sido criticado pelo pais através de gerações.
Agora, cientistas da Argentina mostraram que a reclamação dos progenitores não é pura chateação: através de um experimento com ratos, eles descobriram que o som alto pode afetar a memória e os mecanismos de aprendizagem de animais em desenvolvimento.
O trabalho, publicado na revista Brain Research, foi realizado utilizando camundongos com idade entre 15 e 30 dias, o que corresponde a uma faixa etária entre 6 a 22 anos nos humanos.
“Nós usamos ratos pois eles têm um sistema nervoso semelhante aos seres humanos”, disse à BBC Mundo Laura Guelman, coordenadora do projeto e pesquisadora do Centro de Estudos Farmacológico e Botânico (Cefybo) da Universidade de Buenos Aires (UBA).
Os pesquisadores expuseram os animais a intensidades de ruído entre 95 e 97 decibéis (dB) mais altos do que o patamar considerado seguro (70-80 dB), porém abaixo da intensidade de som que produz, por exemplo, um show de música (110 dB).
Concluído o experimento, eles descobriram que, depois de duas horas de exposição, os ratos sofreram danos irreversíveis nas células cerebrais.
Segundo os pesquisadores, foram identificadas anormalidades na área do hipocampo, uma região associada com os processos de memória e aprendizagem.
“Tal evidência sugere que o mesmo poderia ocorrer em humanos em desenvolvimento, embora seja difícil de provar, porque não podemos expor as crianças a este tipo de experiência”, disse Guelman.
Danos
Já era sabido que a exposição ao som alto pode causar deficiência auditiva, cardiovascular e do sistema endócrino (além de stress e irritabilidade), mas Guelman afirmou que é a primeira vez que tais alterações morfológicas são detectadas no cérebro.
“Pode-se supor a partir dessa descoberta que os níveis de ruído a que as crianças são expostas nas “baladas” ou ouvir música alta com fones de ouvido podem levar a déficits de memória e cuidados de longa duração”, disse Maria Zorrilla Zubilete, professora e pesquisadora da Faculdade de Medicina da UBA.
Uma das curiosidades relevadas pelo estudo é que, para as crianças, uma única exposição a ruídos altos pode ser mais prejudicial do que uma exposição prolongada.
Durante a experiência, dois grupos de ratos foram analisados: o primeiro foi exposto uma única vez a duas horas de ruído e o segundo recebeu o mesmo estímulo, mas uma vez por dia durante duas semanas.
Após 15 dias, os ratos que tinham sido submetidos a uma única exposição no início da experiência mostraram sinais de danos mais contundentes.
Os cientistas atribuíram tal fato à chamada “plasticidade neural” existente durante os anos de desenvolvimento, quando o sistema nervoso ainda está em formação.
“É possível que os estímulos do cérebro já não tenham tempo para reparar tais ferimentos”, disse Guelman.
Conclusões precipitadas
Embora o estudo cause preocupação em um cenário em que cada vez mais crianças ouvem música em alto volume através de dispositivos digitais e vídeo games, Guelman alerta para conclusões precipitadas.
“O som que usamos para o experimento foi o ruído branco, um sinal que contém todas as freqüências de som, e é percebido como se fosse o barulho de uma TV mal sintonizada”, disse ela.
“Mas a música que muitas das crianças ouvem contém apenas algumas freqüências, e ainda não sei exatamente o que causou o dano”, acrescentou.
O próximo trabalho desses cientistas é determinar o “mecanismo molecular” pelo qual o ruído afeta as células do hipocampo.
“Nós não sabemos se o dano é gerado diretamente pelas vibrações sonoras ou o som ativa neurotransmissores que causam o problema”, diz Guelman.
Depois de entender esse mecanismo, os peritos tentarão desenvolver drogas que podem prevenir lesões.
Enquanto isso, cientistas argentinos acreditam que este estudo deve servir como um alerta para evitar a exposição das crianças a sons altos.
Com a descoberta, os professores, que já se queixam de como as novas tecnologias podem distrair os alunos, têm agora um novo argumento para proibir os gadgets em sala de aula.

Fonte: BBC Brasil/ Jornal Gospel News

Evite queixas de dor na coluna ao retornar de sua viagem de férias

O período tradicional para férias em todo o Brasil, é o mês de julho. E junto com o lazer vem a dor nas costas, causada por problemas principalmente relacionados às malas e não pela má postura no carro, no ônibus ou no avião.

Dores que surgem na hora do preparo ou até mesmo no transporte das malas, sobrecarregando a coluna e ocasionando as terríveis dores nas costas.  De acordo com o fisioterapeuta Dr Leonardo Eicke, membro da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna (ABRC), é importante seguir algumas regras para evitar queixas de dor na coluna ao retornar das férias. “O ideal é preferi malas com rodas, pois diminui o esforço ao transportá-la; optar por viajar com duas malas pequenas ou médias ao invés de uma mala grande e pesada; se a pessoa já possui dores nas costas, vale a pena contratar um ajudante nos aeroportos ou rodoviárias”, explica o Eicke.

Outra sugestão do fisioterapeuta é ter total atenção na hora de organizar as malas. “Procure separar e dobrar as roupas em um local que você não precise se curvar. Por isso, evite a cama e faça a organização em uma mesa, por exemplo”, sugere.

Dr Leonardo também lembra que ao carregar ou descarregar o bagageiro o ideal é evitar curvar o tronco para frente, pois essa posição sobrecarrega a coluna. “Faça uma base larga entre os pés, posicionando um na frente do outro. As pernas devem estar um pouco dobradas e a coluna ereta. Retire ou coloque a mala no bagageiro pela alça, fazendo força com as pernas, jamais com a coluna”, ensina.

No aeroporto, a sugestão é procurar ficar de lado para a esteira e fazer a mesma postura do bagageiro. “É muito importante suspender a mala por sua alça, pois ela já estará na posição correta para ser colocada no carro”, explica Dr Leonardo, lembrando que essas dicas valiosas fazem parte do Guia de Postura Dr Coluna, elaborado pela ITC VERTEBRAL, e que está disponível gratuitamente no site:http://www.herniadedisco.com.br

 



Serviço:

 

Clínica Eicke Saúde/ITC Vertebral – /SC. O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 08h às 21h, não fecha no horário do almoço. Sábados, apenas com hora marcada. Telefone para mais informações/avaliações/agendamentos, (48) 3024-3830 ou eicke.saude@hotmail.com. Para conhecer o site, acesse http://www.herniadedisco.com.br.

Artigo enviado pelo Dr Leonardo Eicke

Luciano Costa Jornal Gospel News