Uso inteligente da Internet

A Internet está disponível nas mãos de um número fantástico de pessoas, ao redor do mundo: mais de 2 bilhões!  Onde nem se imagina, há um lap top, um celular, e outros recursos cada vez mais incríveis, mostrando ao vivo uma seleção, quase sempre, do desequilíbrio, do mal, do feio, do que não deu certo, da desorganização, do destempero social.
As Igrejas têm o que mostrar e muitas mostram com eficácia: uma mensagem de boas novas, um caminho de esperança, um plano de salvação, e mais… um coral com hinos maravilhosos, uma orquestra, enfim… o que Jesus ensinou: conectar-se na tv a cabo do bem e deixar que a glória de Deus seja revelada à humanidade.
Mas… é preciso avaliar o que outras, e são muitíssimas Igrejas, têm feito. Elas têm a oportunidade nas mãos e não se conscientizaram da responsabilidade pelo uso do recurso on line, de forma competente, inteligente. Que pena!
Evidentemente, se as atividades da Igreja forem transmitidas ao vivo, seja pela TV ou pela Internet, o formato tem que ser diferente daquele que se faz no dia a dia, dentro do recinto. Isto não significa que se deve descuidar de tudo, quando não vai se mostrar a programação da Igreja para milhões de pessoas ao redor do mundo. Nem pensar. Hoje não se tem mais controle exato do número global de expectadores. As barreiras do tempo, do limite, do espaço foram rompidas. O ser humano está cada dia mais exigente, mais crítico, mais objetivo, mais apressado e informado. O improviso não cabe mais em absolutamente nada do que se faz, ainda mais na obra do Senhor.
A comunicação amplia acertos e erros… Cuidado com a cor da cortina, com as cores da roupa do pastor (não é a etiqueta), como se vestem os irmãos do louvor, com a iluminação, com a imagem de gente andando pra lá e pra cá ou dormindo…
É bom rever e planejar e reavaliar os devocionais  de uma hora e meia com as pessoas de pé, com instrumentos em último volume, com letras quilométricas (repetitivas) e mal feitas, com  “melodia” irritante, e os jovens minguando, desanimando… porque acham o modelo cansativo e chato, quando se tem hinos lindos, vozes ávidas para cantar num coral, gente preparada nas igrejas para ensinar.
Imagina uma transmissão pela Internet, quando o  internauta, não membro de nenhuma igreja, dá de cara com uma igreja que começa o culto batizando, ou fazendo uma lenta reunião de condomínio, com avisos, desde quem nasceu, até quem está em que hospital, com longas notícias de UTI, ou comemorando bodas, lançando cd, homenageando a mãe mais velha, apresentando bebê, campanha disto ou daquilo, etc…etc…etc.. (assuntos internos, de interesse exclusivo dos membros da Igreja). Quando é um testemunho de vida, ainda bem. Não precisa também ser de uma hora e tanto. Quem está na Internet e foi convidado por um amigo para se ligar no culto desta ou daquela igreja, vai à procura de uma mensagem de conforto para a sua vida e ficaria sensibilizado por um hino inspirado, por um belo coral, só que ele vai ter que esperar hora e meia para isto acontecer! Quando acontece! Sabe por que? O culto não foi planejado para se mostrar ao vivo e quem sabe ao morto. É, porque o som é tão alto que tem capacidade para acordar até morto… Já que avisos e assuntos internos da igreja são necessários, que se faça isto fora da transmissão.
O recurso está aí. Pode parecer até agressivo dizer tanta coisa assim, nesta avaliação. O educador está aflito, vendo tudo isto e as pessoas repetindo erros de metodologia. Há que se fazer uma produção.  Se a Igreja decidiu que vai transmitir, dominicalmente, pela TV ou pela Internet, a linguagem e o formato do culto têm que ser diferentes. Deve-se investir na contratação de profissionais como produtor, cinegrafista, editor de imagem, para não expor ao ridículo o povo de Deus.
Até quando a gente vai continuar sofrendo ao ver tudo tão lindo que os crentes sabem e podem fazer, mas se esqueceram de atualizar a forma?
Por: Ivone Boechat

Conheça nossa Colunista
Confira mais artigos da nossa Colunista

Fonte: Jornal Gospel News