Problemas de saúde mental é mais comum entre pessoas espirituais mas que não são religiosas

esquizofrenia2Estudo britânico diz que as pessoas que têm um entendimento espiritual da vida, na ausência de uma estrutura religiosa, ficam vulneráveis à doença mental.
De acordo com um estudo publicado no British Journal of Psychiatry, as pessoas que se identificam como “espirituais mas não religiosas” são mais propensos a sofrer de transtornos mentais ou aqueles que empregam um tipo religioso ou aqueles que não são nem religiosos, nem espirituais.
O estudo britânico examinou 7.403 indivíduos, 19% disseram que eles eram “espirituais mas não eram religiosos”. Outros 35% disseram que são religiosos, mas 46% disseram que não eram nem religiosos, nem espirituais.
Segundo a CNN, o novo estudo apoia a pesquisa americana sobre o tema feito anteriormente, incluindo estudos no passado feitos por Tanya Luhrmann, uma psicológica antropóloga da Universidade Stanford que descobriu que “a religião organizada oferece três saídas que são bons benefícios para bem-estar: o apoio social, um apego ao amoroso Deus, e a prática organizada de oração “.
“Quando você se torna espiritual, mas não religioso, você está perdendo os dois primeiros pontos e mais ainda a área espiritual, mas as pessoas não religiosas não estão participando do terceiro'”, disse Luhrmann à CNN. “”Não é apenas uma crença genérica em Deus que trabalha, são as práticas específicas de trabalho'”.
Em 2003, a Christianity Today informou que 33% dos americanos disseram que estavam espirituais, mas não religiosos. Mas esse percentual pode estar diminuindo: a Christianity Today informou, em novembro de 2012, que apenas 18% das pessoas descreveram-se dessa forma (incluindo 12% dos evangélicos). A revista também relatou extensivamente sobre questões de saúde mental, incluindo o suicídio, esquizofrenia e depressão.

Fonte: Cristianismo Hoje / Jornal Gospel News

Pesquisa revela que 27% das pessoas acredita que Deus interfere nos resultados esportivos

'A forma que tenho de pregar o evangelho é minha profissão', diz KakáPor ocasião do SuperBowl, o Public Religion Research Institute realizou um levantamento entre o público norte-americano e descobriu que 27% das pessoas acreditam que Deus “desempenha uma função na definição de qual time vence” os jogos.
A pesquisa descobriu ainda que mais de 50% das pessoas acreditam que “Deus recompensa os atletas que tem fé com boa saúde e sucesso”, segundo informações do Click Orlando.
O diretor executivo do instituto, Roberto P. Jones afirmou que surpreende saber que, apesar do profissionalismo atual, as pessoas enxergam a intervenção divina no esporte: “Em uma era onde os esportes profissionais são movidos por dólares e estatísticas, um número significativo de americanos vê uma mão divina no jogo”.
Os resultados do levantamento teve variações entre as regiões dos Estados Unidos: no Sul, 36% das pessoas acreditam na intervenção de Deus no esporte, enquanto que no Centro-Oeste, apenas 20%, contra 15% no Nordeste e 15% no Oeste.
A pesquisa fez também uma separação dos dados por etnia e por doutrina, aplicando as percentagens ao quadro social do país.
Jones afirmou ainda que os cristãos norte-americanos “têm uma visão muito pessoal de Deus, e O enxergam como um Deus que é muito ativo em suas vidas diárias, além de preocupado com as coisas que importam para eles”, pontuou. O diretor executivo do instituto de pesquisa disse ainda que como “o esporte é uma das coisas que importa”, para essas pessoas, “é lógico que Deus está desempenhando um papel importante”.
A relação entre a fé e o esporte é algo comum em todo o mundo, com atletas manifestando sua gratidão por conquistas. Na pesquisa, 50% dos participantes afirmaram aprovar essas expressões de fé, enquanto que 45% disseram achar que não se importam com isso, enquanto que 4% afirmaram reprovar tais atitudes.
Por: Tiago Chagas

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

Pesquisa mostra que pastores não estão preparados para morrer

Igrejas e pastores sofrem consequências da perseguição na ÁsiaUma pesquisa realizada recentemente pela LifeWay Research indica que 37% dos pastores não possuem nenhum tipo de planejamento para suas famílias após a sua morte.
Isso significa que não deixariam nenhum testamento, seguro de vida, plano de prevenção, ou assemelhado. “Os pastores sabem que não podem controlar o que acontece com seus familiares quando eles morrem, mas falta planejamento”, acredita Warren Peek, presidente da Fundação que encomendou a pesquisa. “Um planejamento básico economiza muita dor de cabeça e garante tranquilidade para a família.”
A pesquisa foi realizada com pastores ligados à convenção batista, mas a Lifeway acredita que não é muito diferente entre as demais denominações. Scott McConnell, diretor da LifeWay Research, disse que um número significativo dos pastores simplesmente não estão preparados para morrer.
Os pastores mais jovens (até 44 anos) são os menos propensos a deixar a família preparada. Quase dois terços dos pastores pesquisados ​​concordam que seria melhor o pai deixar um testamento.
McConnell disse que deve ser uma questão preocupante o fato de muitos pastores não conversarem com sua família sobre o que pode acontecer quando eles morrerem. O objetivo da Fundação Batista do Sul, criada em 1947, é ajudar instituições e indivíduos a se planejarem para todo o tipo de situação adversa. Os resultados desta pesquisa serão usados para uma campanha visando ajudar pastores e suas famílias a planejarem melhor o futuro.

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Bíblia no Facebook: Página de conteúdo bíblico tem mais de 1,5 milhões de “curtidas” na rede social

facebookCom quase 1 bilhão de usuários cadastrados, o Facebook se tornou uma das maiores plataformas de divulgação de conteúdo na internet. Mobilizando multidões em torno de pessoas e ideias, as redes sociais tem sido um meio utilizado por vários segmentos para divulgar suas ideias e ideais. Os grupos religiosos não ficaram longe desse movimento para as redes sociais, e páginas com conteúdo religioso agregam milhares, e às vezes milhões de usuários, como é o caso da página Bíblia no Facebook, que já soma mais de um milhão e meio de “curtidas”.
O pastor Renato Vargens escreveu em seu blog um texto comentando sobre o uso da rede social pelo povo cristão, e ressaltou que apesar de ser um espaço muitas vezes usado “para divulgar fofocas, imoralidades, tolices, chocarrices e palavrões”, ele afirma ter “absoluta certeza de que esta grande rede social pode em muito contribuir para sua edificação”.
Varges escreveu ainda uma lista de 10 formas para usar o Facebook para a glória de Deus:
1- Use o Facebook para fazer amigos.
2- Use o Facebook para consolidar relacionamentos.
3- Use o Facebook para “pastorear”, apascentar e discipular o povo de Deus.
4- Use o Facebook para criar pontes relacionais.
5- Use o Facebook para edificar o povo de Deus com postagens abençoadoras.
6- Use o Facebook para animar e fortalecer o fraco na fé.
7- Use o Facebook para celebrar a vida, a família e a amizade.
8- Use o Facebook para evangelizar e testemunhar do amor de Cristo.
9- Use o Facebook para celebrar a Cristo.
10- Use o Facebook para a glória de Deus.
Por Dan Martins

Fonte: Gospel+ / Jornal Gospel News

PRAZO PARA ATENDIMENTO MÉDICO AOS BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PRIVADOS.

 

plano-de-saude-3Estou doente, preciso ir ao médico, tenho plano de saúde, vou procurá-lo, pois sei que serei atendido com velocidade…
Este é o primeiro pensamento de milhões de consumidores que mensalmente gastam fortunas com o pagamento de planos de saúde, quando lhes surgem problemas de saúde.
Entretanto, o desejo do consumidor está muito, mas muito longe de ser a realidade que percebemos todos os dias.
Em regra, todo consumidor beneficiário de plano de saúde quando necessita de alguma especialidade médica, entra numa espera interminável, que em muito se assemelha à fila dos hospitais públicos.
Aposto que você caro leitor está se questionando; Eu pago um plano de saúde e ainda assim não conseguirei ser atendido, não existe nenhum direito que me assegure?
Existe sim…
Em 17 de junho de 2011, a ANS – Agencia Nacional de Saúde Suplementar, publicou a resolução 259, que dispões sobre a garantia de atendimento dos beneficiários de planos privados de assistência à saúde.
Ao fazermos a leitura dos artigos 2º e 3º, temos as seguintes disposições:
Art. 2º A operadora deverá garantir o acesso do beneficiário aos serviços e procedimentos definidos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS para atendimento integral das coberturas previstas nos arts. 10, 10-A e 12 da Lei n° 9.656, de 3 de junho de 1998, no município onde o beneficiário os demandar, desde que seja integrante da área geográfica de abrangência e da área de atuação do produto.

Art. 3º A operadora deverá garantir o atendimento integral das coberturas referidas no art. 2º nos seguintes prazos:

I – consulta básica – pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia: em até 7 (sete) dias úteis;
II – consulta nas demais especialidades médicas: em até 14 (quatorze) dias úteis;
III – consulta/sessão com fonoaudiólogo: em até 10 (dez) dias úteis;
IV – consulta/sessão com nutricionista: em até 10 (dez) dias úteis;
V – consulta/sessão com psicólogo: em até 10 (dez) dias úteis;
VI – consulta/sessão com terapeuta ocupacional: em até 10 (dez) dias úteis;
VII – consulta/sessão com fisioterapeuta: em até 10 (dez) dias úteis;
VIII – consulta e procedimentos realizados em consultório/clínica com cirurgião-dentista: em até 7 (sete) dias úteis;
IX – serviços de diagnóstico por laboratório de análises clínicas em regime ambulatorial: em até 3 (três) dias úteis;
X – demais serviços de diagnóstico e terapia em regime ambulatorial: em até 10 (dez) dias úteis;
XI – procedimentos de alta complexidade – PAC: em até 21 (vinte e um) dias úteis;
XII – atendimento em regime de hospital-dia: em até 10 (dez) dias úteis;
XIII – atendimento em regime de internação eletiva: em até 21 (vinte e um) dias úteis; e
XIV – urgência e emergência: imediato.

Ou seja, de acordo com as normas da ANS, não existem motivos para tamanha demora no agendamento dos procedimentos médicos.
Portanto não fique parado, faça valer seus direitos, reclame!

 

www.facebook.com/limaecezar

 

Pesquisa liga bebidas diet a maior risco de depressão

1110_viloes_dieta_f_014Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos verificou uma possível ligação entre o consumo de bebidas diet e um maior risco de depressão.
O estudo realizado com 250 mil pessoas verificou que pessoas que consumiam quatro latas ou copos de refrigerantes ou sucos dietéticos por dia aumentavam o risco de depressão em até um terço.
A pesquisa, apresentada na reunião anual da Academia Americana de Neurologia, não indicou a causa dessa ligação.
O estudo também analisou o efeito do consumo diário de café e verificou que os consumidores contumazes da bebida tendem a sofrer menos de depressão.
Segundo os pesquisadores, as pessoas que bebiam quatro copos de café por dia tiveram 10% menos chance de serem diagnosticados com depressão ao longo dos dez anos do estudo do que aqueles que não bebiam café.
“Nossa pesquisa sugere que cortar ou reduzir o consumo de bebidas com adoçante ou trocá-las por café não adoçado pode reduzir naturalmente seu risco à depressão”, afirma o coordenador do estudo, Honglei Chen, do Instituto Nacional de Saúde da Carolina do Norte.
Ele disse, porém, que mais estudos são necessários para explorar as causas dessa relação.
Os pesquisadores advertem ainda que os resultados se aplicam aos objetos do estudo – pessoas acima de 50 anos vivendo nos Estados Unidos, mas podem não ser repetidos em outras amostras.
Críticas
Os resultados da pesquisa americana são contestados pela Associação Dietética Britânica. Para a nutricionista Gaynor Russell, porta-voz da organização, o estudo não significa necessariamente que adoçantes provocam depressão.
“Para começar, as pessoas que sofrem de depressão podem se ligar mais à ideia de que suas bebidas adoçadas provocam o problema e então adicionar uma inclinação em seus relatos de consumo passado, especialmente porque os refrigerantes nos Estados Unidos são muito demonizados. Além disso, pode ser que o consumo de bebidas dietéticas esteja ligado à obesidade e ao diabetes, o que podem ser em si mesmos causas para a depressão”, afirma.
Segundo ela, “os adoçantes não caloríficos têm um papel importante em dietas para as pessoas que tentam perder peso ou que têm diabetes, e certamente não é recomendável que elas substituam suas bebidas dietéticas por mais café”.
Russell afirma que a segurança dos adoçantes, como o aspartame, já foi extensivamente estudada por pesquisadores e é certificada por agências reguladoras.

Fonte: G1 / Jornal Gospel News

48% da população não confia em pastores ou padres

21-08-12 CONFIE EM DEUSA confiança na religião organizada tem diminuído desde a década de 1970, indica um relatório do Instituto de Pesquisas Gallup. Seus dados mais recentes mostram que apenas 44% dos americanos têm “muita/bastante” confiança na “igreja ou religião organizada”. Uma leve queda em relação aos 46% de uma pesquisa similar feita em 2007.
Os números fazem parte de uma pesquisa conduzida anualmente pelo Gallup que investiga a “confiança nas instituições”. Os evangélicos expressam mais confiança na religião organizada que os católicos (56% contra 46%).
Os pesquisadores sugerem que “os escândalos sexuais envolvendo o clero e vários abusos têm afetado crescente ceticismo dos americanos em relação à igreja e à religião organizada”, mas “o declínio na confiança não indica, necessariamente, um declínio no apego pessoal à religião”. Igreja/religião organizada ficou em quarto lugar entre as 16 instituições pesquisadas, que incluiu escolas públicas, bancos, canais de televisão e o sistema de saúde.
Para 54% da população, a religião é “muito importante” em suas vidas, um número que tem se mantido estável desde o final da década de 1970.
A pesquisa pediu que os entrevistados indicassem quem são as profissões que consideram mais honestas e éticas. Em primeiro lugar ficaram os enfermeiros ou farmacêuticos, com 85% de aprovação.
Apenas 52% dos entrevistados deram notas altas para os sacerdotes. Mas é um índice dois por cento maior que uma pesquisa semelhante de 2009, que indicou o nível mais baixo da confiança pública no clero em 32 anos.
Confiança nos líderes religiosos teve seu ponto mais alto em 1985, com 67% e manteve-se consistentemente baixo nos últimos 50 anos.
Os vendedores de automóveis e os políticos são as profissões consideradas “menos honestas”.

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Cada vez mais, as pessoas descuidam da alimentação e têm problemas de saúde

alimentosComer depressa, não prestar atenção no que está à mesa, não saborear a refeição, não escolher o que ingerir. Estes são os maiores problemas, na opinião de especialistas do setor, para qualificar o que impera hoje na população brasileira: o descuido com a alimentação.
“As pessoas estão sempre correndo, ninguém mais senta para comer devagar e com prazer, engolem o que é prático e rápido. Virou um ato automático, mecânico”, destaca Carolina Mantelli Borges, endocrinologista da Clínica de Especialidades Integrada, em São Paulo.
“Parece que, hoje, é normal comer lanches ao invés de comida”, completa Wilmar Accursio, endocrinologista e nutrólogo, presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Envelhecimento.
O resultado disso é que, com frequência, as pessoas incorrem em vários erros que acabam comprometendo a estética e a saúde. O hábito de pular refeições, por exemplo, em especial o café da manhã, compensando nas refeições seguintes, é altamente prejudicial.
Outros enganos são ingerir pouca quantidade de verduras e legumes; comer excesso de massas e frituras nas refeições principais ou ainda recorrer a fast food, alimentos cheios de química que vão degenerando o organismo; substituir frutas por calorias vazias como doces, biscoitos recheados, salgadinhos nos lanches e nas sobremesas; abusar de sal e açúcar; exagerar no álcool; trocar água e sucos por refrigerantes.
Fome gera comilança
Outro deslize recorrente, apontado por Carolina Borges, é o jejum prolongado, comum em quem faz dieta. “Permanecer longos períodos sem se alimentar gera ansiedade e, consequentemente, faz com que a pessoa coma mais do que o necessário na refeição seguinte, tendendo a escolher itens mais calóricos e gordurosos.” Ela salienta que “está na moda” excluir carboidrato ou proteína do menu. “Não devemos deixar de lado qualquer classe de alimento por muito tempo, pois cada uma tem sua função específica.”
Os carboidratos fornecem energia e, se forem retirados do cardápio, o organismo a busca em outras fontes, atacando o músculo e a gordura. Aí, perdemos massa muscular e o corpo fica flácido. As proteínas fortalecem as unhas e os cabelos, e sua falta torna ambos mais moles e quebradiços. A boa gordura (HDL), por sua vez, auxilia no transporte e na absorção, pelo intestino, das vitaminas lipossolúveis A, D, E e K. Portanto, a recomendação é adotar uma alimentação equilibrada, com todos os grupos, em quantidades controladas.
Faltam nutrientes básicos, diz pesquisa
Estudo realizado em 2007 pela Universidade Federal de São Paulo, em parceria com a Faculdade de Saúde da Universidade de São Paulo (USP), mostrou que 90% da população brasileira com mais de 40 anos consomem cálcio (encontrado no leite, em seus derivados e em verduras de folhas verde-escuras) abaixo da quantidade internacionalmente recomendada (1.200 mg por dia).
No Brasil, a ingestão diária desse nutriente é de cerca de 400 mg por dia – 1/3, portanto, do considerado ideal para a saúde. E tem mais: 99% não comem a quantidade ideal diária de vitaminas D (gema de ovo e fígado) e E (óleos vegetais e soja); 80% não consomem magnésio (cereais e grãos) e vitamina C (frutas cítricas) suficientes; 50% não incluem o que deveriam de vitamina A (vegetais com pigmento amarelo) e 81% sofrem com falta de vitamina K (óleos vegetais e vegetais de folhas verdes).
A carência de tais nutrientes compromete a saúde óssea e cardiovascular, além de reduzir a imunidade e levar a doenças como hipertensão, diabetes e osteoporose. Participaram do estudo 2.420 pessoas com mais de 40 anos, entrevistadas por meio de inquérito alimentar em 150 municípios nas cinco regiões do país.
Atenção aos sinais
Felizmente, na maioria das vezes o corpo dá alguns alertas de que não está sendo nutrido adequadamente. Por exemplo, várias condições que levam à doença cardíaca têm relação com a alimentação: pressão alta, aumento de gorduras no sangue, diabetes e obesidade.
“Pessoas que consomem carboidratos em excesso, principalmente farinha branca, e não priorizam à mesa frutas, verduras e legumes, fontes de fibras, provavelmente irão manifestar sintomas como depressão, enxaqueca, tensão pré-menstrual (TPM), queda de cabelo, olheiras e celulite”, adverte Carolina Borges.
André Zamarian Veinert, especialista em nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), médico da equipe HealthMe Gerenciamento de Peso, em São Paulo, cita outros sinais: ganho de peso, mesmo que a pessoa não coma muita quantidade; inchaço nas pernas, principalmente no fim do dia, causado por itens ricos em sódio; queimação no estômago, comum quando se extrapola nos industrializados ou condimentados (pimenta, mostarda, catchup, molho inglês); e alterações no hábito intestinal, seja por prisão de ventre ou evacuações amolecidas. “Neste último caso, são resultado de penúria de fibras ou exagero de gordura no cardápio.”
Já os indícios de que está tudo certo com o menu são: unhas fortes e lisas, sem ondulações e manchas; cabelos resistentes e brilhantes; pele corada e com viço; boa digestão, sem formação de gases; sono de qualidade; disposição física e mental. Para saber como continuar assim e não vacilar, Carolina Mantelli Borges sugere seguir, sempre, a pirâmide alimentar.
No topo, gorduras, óleos, molhos para salada, azeite, margarina e doces em geral, itens que fornecem calorias e poucos nutrientes e, por isso, devem ser consumidos com moderação. Abaixo, vem a turma rica em proteínas, cálcio, zinco e ferro, principalmente de origem animal: leite, queijos, iogurtes, carnes, aves, peixes, leguminosas (feijão, ervilha, soja, lentilha e grão de bico) e ovos.
No nível seguinte, encontram-se os alimentos de origem vegetal: verduras, legumes e frutas, importantes fontes de vitaminas, minerais e fibras. Na base, pães, cereais e massas, que dão energia para as atividades diárias. “Basta imaginar a forma de uma pirâmide e ir em frente: os que estão embaixo são mais benéficos, os de cima devem entrar com parcimônia.”
De olho nos sintomas
As cinco deficiências nutricionais mais comuns no Brasil são de zinco, magnésio, vitamina D, vitamina E e ômega 3. Preste atenção aos sintomas:
Magnésio: ansiedade, insônia, nervosismo, irritabilidade, depressão, fraquezas e contrações musculares;
Zinco: depressão, apatia, acne, queda de cabelo, unhas quebradiças ou manchas brancas nas mesmas, níveis de colesterol aumentados, impotência, infertilidade masculina, perda de memória, imunidade comprometida e fadiga;
Vitamina D: cansaço, depressão, insônia, osteoporose, ganho de peso, raquitismo, sudorese no couro cabeludo, sensação de queimação na boca, alergias e comprometimento do sistema imunológico;
Vitamina E: distúrbios neurológicos como alteração de reflexos;
Ômega 3: pele e cabelos secos, acne, psoríase, cicatrização deficiente, depressão, infertilidade, pedras na vesícula, tensão pré-menstrual (TPM) e fraqueza imunológica.

Fonte: UOL/ Jornal Gospel News

Pentecostais representam 70% dos protestantes de todo o planeta

movimento pentecostalUm estudo publicado em 2006 prevê que até 2025 haverá um bilhão de evangélicos pentecostais no mundo.
Pentecostais representam 70% dos protestantes de todo o planeta Pentecostais representam 70% dos protestantes de todo o planeta
Uma matéria especial do jornal Mensageiro da Paz do mês de janeiro relata a importância do pentecostalismo dentro do segmento de cristãos protestantes.
A reportagem apresenta números mundiais que confirmam a representatividade que os pentecostais possuem, afinal são 630 milhões deles espalhados pelos quatro cantos da Terra, ou seja, 70% dos 900 milhões de protestantes que existem no mundo.
No Brasil a quantidade de membros de igrejas pentecostais também vem crescendo, o Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) notou este aumento em todas as regiões do Brasil e mostrou que a Assembleia de Deus é a igreja que mais cresce no Brasil.
Dos mais de 22,2% de evangélicos brasileiros, 13,3% são de igrejas pentecostais o que significa que temos mais de 25 milhões de membros de igrejas como as ADs, Deus é Amor, Brasil para Cristo, Congregação Cristã no Brasil, Igreja do Evangelho Quadrangular, Igreja de Nova Vida e outras.
A reportagem do jornal mensal publicado pela CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus) ainda mostra uma estimativa feita pela Hartford Institute for Religion Research, divulgada pelo MP em janeiro de 2006 já apontando este crescimento de evangélicos pentecostais no mundo.
O estudo diz que até 2025 terão mais de um bilhão de pentecostais no mundo, o que vai representar 45% de todos os cristãos – incluindo católicos, ortodoxos e protestantes em geral.
Por Leiliane Roberta Lopes

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News

Número de igrejas fechadas na Inglaterra bate recorde

1 Novos usos para os templos estão sendo estudados
Número de igrejas fechadas na Inglaterra bate recorde Número de igrejas fechadas na Inglaterra bate recorde
A acentuada queda na freqüência dos cultos tem levado muitas comunidades na Grã-Bretanha a verem os prédios usados como igrejas se tornando disponíveis para outros usos. Em média, 30 igrejas são fechadas na Inglaterra a cada ano, geralmente como consequência da diminuição do número de fieis. No Reino Unido, a igreja oficial é a Episcopal Anglicana, que tem ligações históricas com os reis daquela nação.
Estima-se que durante os últimos 30 anos do século passado, um período de acentuado declínio do cristianismo na Europa, a taxa de fechamento foi particularmente elevada. Mais de 1.500 templos cristãos ficaram obsoletos. Para muitos ingleses, o culto da véspera de Natal é a única visita à igreja durante o ano.
Encontrar um uso para essas belas e antigas construções tem sido uma dor de cabeça para a Divisão de Igrejas Fechadas do país. Muitas foram simplesmente demolidas porque o custo de manutenção se tornou demasiadamente alto. Algumas foram vendidas e posteriormente demolidas para que surgissem outros prédios em seu lugar. Um número não revelado foram convertidas em mesquitas islâmicas.
Edifícios que antes eram o ponto focal da vida nas aldeias foram simplesmente abandonadas e ostentam uma placa de “vende-se”.
Não por acaso este declínio na adoração coletiva coincidiu com as mudanças profundas no perfil dos moradores das cidades menores.
Barney White-Spunner, um ex-soldado que hoje preside a Aliança Pelo Campo, acredita os templos deveriam ser preservados, mas dando-se a eles um novo sentido.
Ele está fazendo um estudo para viabilizar que os antigos lugares de culto religioso possam se tornar pontos focais da comunidade, tornando-se auditórios, feiras, creches, postos policiais ou algo parecido.
Uma de suas sugestões é que as igrejas que possuem um número reduzido de membros e enfrente dificuldades financeiras, deveriam compartilhar o espaço com fiéis de outras religiões. Muitos pastores já estão caminhando nessa direção, mas têm enfrentado oposição dos membros restantes e por isso estuda-se uma maneira de incentivar essa mudança num país cada vez menos cristão.
Sir Barney acredita que em breve a maioria das antigas igrejas terá uma nova utilidade para suas comunidades. Traduzido de Telegraph.
Por Jarbas Aragão

Fonte: Gospel Prime / Jornal Gospel News