Paulo, mudou o conceito do Cristianismo

Paulo mudou o Cristianismo da qual conhecemos hoje, muitos historiadores, pesquisadores e arqueólogos dizem que, sem ele, não haveria cristianismo. Saulo se tornou Paulo e moldou o nosso mundo. Uma de suas viagens começa no sudoeste da Turquia na cidade de Tarso.

Existem poucos escritos sobre a cidade natal de Paulo, havia uma ocupação romana naquele local e a língua usada na época era o Grego (o grego era usado no Oriente e o Latim no Ocidente), a antiga língua da diplomacia internacional. Quando era criança fez uma viagem para Jerusalém, ele vai para lá como parte de sua educação e com certeza ele encontra os seguidores de Jesus Cristo, ele considerava seus ensinamentos uma blasfêmia, quando cresceu ele dedicou sua vida a exterminar seus seguidores, era violentamente anti-cristão.

Na perseguição de alguns cristãos, foi atingido por uma luz ofuscante, e Jesus lhe apareceu em uma visão, depois de escutar a voz do Messias, se arrependeu de seus atos, de continuar a perseguir seu povo. Mesmo com toda aquela maldade que ele continha, somente a voz do Senhor o transformou. A partir desse momento se tornou um mensageiro do Evangelho. Ele continua em Damasco onde ele é batizado com o nome de Paulo e sua transmissão da palavra de Deus começa e vai durar o resto de sua vida, suas viagens cobrem mais de 20 mil milhas, ele teve uma facilidade na época graças as estradas romanas, as longas viagens se tornam menos amenas e foram construídas por soldados romanos.

Paulo começa sua missão na capital provincial da Síria, Antioquia, onde os seguidores de Jesus são os primeiros a serem chamados de Cristãos, segue então por uma viagem onde as antigas religiões são mais poderosas. Em 50-80 D.C, Paulo vai para a quarta maior cidade do mundo antigo na época, Éfeso. Ele é apenas um das dezenas de milhares de peregrinos que visitam a cidade, muitos iam a cidade para venerar  deusas e deuses. A cidade era como uma ímã para os peregrinos pagãos, muitos estavam lá para participarem de diversas festividades, isso tudo era um grande aborrecimento para Paulo conseguir pregar, muitos peregrinos achavam que os templos e estatuas foram construídos por deuses, por serem os maiores daquele tempo (alguns com 45 a 60 pés). Mesmo assim Paulo não vê barreiras, nem empecilhos.

Quando Ele começa a pregar, tem uma audiência de tamanho sem procedentes, pregou no maior teatro do mundo antigo, seus métodos causaria grande impacto para o cristianismo se tornar uma religião mundial, conseguiu ficar um bom tempo em Éfeso, muitos aceitaram a Jesus naquele tempo. Mas ele estava deixando os governantes e comerciantes muito nervosos, existia um grande comércio, vendas de artefatos de adoração aos deuses, ameaçando a sua principal fonte de renda,  e isso estava acabando com a entrada do cristianismo. Chegou ao ponto de muitos anticristãos eclodirem, então Paulo foi jogado na prisão, lá ele escreve umas das mais importantes cartas do Novo Testamento. Quando foi solto, foi orientado a sair de Éfeso, mas a nova religião já tinha tomado conta, a cidade foi se tornando uma cidade de cristãos, e começa a ruína dos templos pagãos.

Quando se mudou, sua mensagem teve um efeito igualmente poderoso em outro lugar, umas das partes mais distantes do Império Romano, Capadócia, uma região central na Turquia. Paulo efetuou três viagens à Capadócia entre 44 e 58, deixou um grande legado naquele lugar. Muitos dos primeiros cristãos habitavam a região, tendo as cidades subterrâneas sido usadas como refúgio pelos primeiros cristãos durante as perseguições de que foram alvo.

Sua Jornada entrou em sua fase final em Jerusalém, em torno de 60 anos de idade, ele foi preso por uma violação da lei judaica, ia enfrentar a morte, mas exerceu o seu direito como cidadão romano para ir a julgamento. Porem nesse meio tempo, houve um grande incêndio em Roma, Nero culpou os cristãos por isso, daí em diante começou a primeira das dez perseguições em 64, terminando com Maxêncio em 312, mas foi derrotado por Constantino e morto na Batalha da Ponte Mílvio. Em 325 o Imperador Constantino se tornou cristão. Os deuses pagãos foram deixados de lado, seus templos destruídos. A igreja se tornou um legado, o cristianismo cresceu.

Para escrever todos seus feitos esse artigo tinha que conter dez páginas, pelo menos, o intuito é mostrar as grandes dificuldades, barreiras e perigos que aconteceram na vida de Paulo. Mesmo diante de tudo isso e muito mais, nunca desistiu de Jesus, sua recompensa foi grande. Jesus nunca fez mal a ninguém, muitos estão desistindo dEle por nada, trocam Jesus pelo Facebook, televisão, um bom emprego, por um relacionamento ou por alguma palavra que deixou a pessoa triste.

– Paulo sentiu frio; nunca deixou a palavra esfriar seu coração ou seu ânimo por amor a Deus.

– Andou por inúmeras distâncias somente a pé; nunca reclamou por dor ou teve problemas por causa disso.

– Foi para uma enorme cidade; havia uma concentração enorme de pagãos, nada disso o impediu de anunciar o nome dos Reis dos reis, proclamar seu Nome foi algo extraordinário diante da maior dificuldade.

– Paulo usou de sua inteligência; seus métodos são usados até hoje.

– Passou por cidades que tinham grandes festividades; nunca deixou se enganar por isso, não aceitou participar, mesmo passando por lugares das quais ninguém o conhecia.

– Quando preso; escreveu uma das maiores cartas do Novo Testamento que tem edificando a vida de centenas de milhares.

– Por onde passava; sua fama o precedia, não tinha problemas de deixar pessoas magoadas.

Mesmo diante da morte não desistiu, depois dele, nas dez perseguições, nos trezentos anos seguintes, os cristãos nunca desistiram, ao chegar o tempo da Inquisição esse mesmo efeito aconteceu com os cristãos, 1,5 milhões de cristãos Armênios morreram martirizados, mas não desistiram. O comunismo matou em torno de 100 milhões de pessoas, muitos desses eram cristãos, no tempo da cortina de ferro com todo o sofrimento, eles se mantiveram firmes. O que tem de diferente em todos esses cristãos citados de nós cristãos do século 21? Nada, o mesmo Deus, a mesma palavra sagrada é usada, o mesmo propósito e as mesmas dificuldades.

Eles venceram, nós podemos vencer da mesma forma, a força do Senhor nunca se extingue.

 

(Oscar Correia)
CT

 

 Bibliografia
Bíblia Sagrada   – tradução João Ferreira de Almeida
Bíblia em Inglês – King James
http://pt.wikipedia.org/wiki/Paulo_de_Tarso
Dr. Eireann Marshall – ancient historian (deu seu depoimento para o programa History Channel – Lost worlds)
Lost Worlds the First Christians – History Channel
Capadócia – http://pt.wikipedia.org/wiki/Capad%C3%B3cia#Cristianismo_na_Capad.C3.B3cia

Fonte: www.lettersvitae.com

Assembleiana recebe Prêmio Jovem Cientista por criar plástico a partir de embalagens de arroz e feijão com bagaço de cana

 Cibele Rosa é aluna do 3º ano de Engenharia Industrial Química da Escola de Engenharia de Lorena
Confira reportagem publicada na revista Geração JC nº 87:
Desde pequena, Cibele Rosa sonhava em ser cientista. Como não tinha muitos brinquedos, ela inventava. E foi inventando que a jovem, de 24 anos, alcançou o 2º lugar do Prêmio Jovem Cientista 2011 na categoria Estudante do Ensino Superior. O trabalho da aluna do 3º ano de Engenharia Industrial Química da Escola de Engenharia de Lorena (EEL) da USP foi escolhido dentre 2.300 projetos.
Cibele nasceu em São José dos Campos (SP) e aos 15 anos se mudou para Lorena para estudar no Colégio Técnico. Em 2005, formou-se técnica em química. Um ano depois, passou no concurso para Assistente Técnico de Laboratório da EEL e 2007 ingressou na Faculdade Química de Lorena, tornando-se aluna da USP.
Mesmo sendo técnica em química, Cibele queria ser farmacêutica e, para dificultar a escolha, ela ganhou uma bolsa de estudos em São Paulo. Cibele pensou, pensou e decidiu ser engenheira. Rodeada por engenheiros químicos, a escolha não poderia ser outra. A jovem é irmã de Wanderson e Wanderley Oliveira, ambos engenheiros, é cunhada da engenheira Elaine França, que é filha do professor França, seu próprio professor no curso de Engenharia. E como não bastasse, ela é casada com o engenheiro Mateus Martins. Ufa!
Bi, como é conhecida pelos amigos, se dedica aos estudos, mas também se empenha na igreja. Ela ajuda o esposo na Escola Dominical e coopera no departamento infantil da Assembleia de Deus em Lorena (SP), liderada pelo pastor José Tenório dos Santos.
Quando não está trabalhando, estudando química, inglês ou na igreja, Cibele gosta de brincar com a “filhinha”, uma Shih-Tzu, de um ano, chamada Mel.
Você sonhava ser cientista?
Acho que toda criança sonha em ser cientista. Quando eu era criança, não tinha muitos brinquedos, mas eu inventava muitas coisas. Sempre fui muito curiosa, eu gosto de aprender de tudo e acho que essa curiosidade faz parte de quem gosta da ciência.
Quando criança, você se via em que profissão?
Para falar a verdade, eu já quis ser de tudo, de bailarina até médica, mas quando entrei no colégio técnico em química, descobri que era isso que eu queria, apesar de ter uma quedinha por farmácia.
Você foi influenciada pelos seus irmãos engenheiros?
Meus irmãos me apoiaram muito para entrar no colégio técnico, mas eu nunca quis ser engenheira. Na verdade, eu queria fazer farmácia, mas meus pais não tinham condições de me manter estudando em outra cidade. Na época, eu já trabalhava na faculdade quando decidi prestar o vestibular. Acho que no início foi mais uma questão de me adaptação. Hoje eu sou muito feliz e sei que escolhi a profissão certa.
Porque decidiu se inscrever no prêmio?
Esse ano, o tema foi Cidades Sustentáveis, e nós vimos que tinha tudo a ver com o nosso trabalho, então decidimos tentar e, graças a Deus, dentre 2.300 trabalhos, o nosso foi escolhido.
Você pensou que poderia estar entre as vencedoras?
Eu sempre acreditei no trabalho, mas também sabia que ele era muito recente e que iria competir com muitos trabalhos bons.
O que sentiu quando soube que tinha vencido?
Fiquei muito feliz, demorei para acreditar que era verdade. Na hora, liguei para o meu orientador pra contar a novidade.
Qual a sensação de ter o trabalho reconhecido pela maior autoridade do país?
Um orgulho muito grande e também uma sensação de responsabilidade por estar representando minha universidade e os estudantes do meu país.
Você deu entrevista para diversos órgãos de imprensa. Como foi?
Fiquei com muita vergonha, pois é tudo muito diferente, mas também fiquei muito orgulhosa de falar do meu trabalho e é legal depois encontrar com as pessoas na rua dizendo que me viram na TV (risos).
Qual foi a reação da igreja quando soube da notícia?
O pastor ficou feliz, e um dia no culto ele me chamou lá na frente e a igreja orou agradecendo a Deus pela minha vitória. Foi muito bonito e emocionante.
Conte um pouco sobre o seu projeto?
Ele estuda uma forma de diminuir o impacto ambiental causado pelos resíduos sólidos urbanos (lixo). Nós fizemos a caracterização dos resíduos sólidos gerados no nosso município, Lorena (SP), e detectamos que existem muitos materiais que são recicláveis, no entanto, são rejeitados pela coleta seletiva. A maioria desses materiais é composto por filmes plásticos. Só no nosso município, mais de 1.000 toneladas de filmes plásticos vão parar no lixo anualmente. Diante disso, nós propomos a obtenção de um novo material, que possibilite a reutilização desses filmes e que agreguem valor a eles.
E como funciona na prática?
As sacolas plásticas que embalam alimentos como arroz e feijão provocam muitos prejuízos para a natureza. Elas são recicláveis, mas o baixo valor comercial desse plástico faz com que ninguém queira reciclá-las. Pensando nisso, comecei a pesquisar uma solução para esse plástico: fazer o filme plástico ganhar valor comercial. Misturamos o plástico com bagaço de cana. O resultado é um plástico marrom.
De que maneira ele pode mudar a vida das pessoas?
Nós podemos evitar que todo esse volume de plástico vá para os lixões e aterros, o que aumenta a vida útil dos mesmos e diminui o impacto ambiental causado por esses resíduos. Além disso, a implementação do projeto na comunidade deve gerar muitos empregos e aumentar a renda dos catadores. A população tem um papel fundamental nesse projeto. É muito importante que nós separemos o lixo nas nossas casas, assim cada um estará fazendo a sua parte.
Qual o papel de Deus na sua conquista?
Deus é tudo na minha vida, tudo o que eu sou e o que eu tenho eu devo a Ele! Sempre oro pedindo a Deus que guie os meus passos, as minhas escolhas e até aqui Ele tem me ajudado. Eu não esperava ganhar esse prêmio, nunca nem sonhei que pudesse conhecer a presidente do meu País, isso é coisa de Deus mesmo. Glória a Deus!
Qual foi o momento mais difícil da pesquisa?
Trabalhamos com os resíduos do lixo, e não foi nada fácil, pois é um trabalho que ninguém quer fazer. Saímos pelas ruas da cidade coletando lixo e as pessoas até zombavam, não entendiam porque estávamos fazendo aquilo.
Pensou em desistir?
Pensei em desistir, sim. Algumas vezes me senti humilhada e até perguntava pra Deus porque eu estava fazendo aquilo. “Tantos projetos e eu aqui mexendo com lixo?”, mas eu sabia que tudo aquilo era por uma boa causa.
Quais foram os prêmios que você ganhou?
Ganhei a viagem para Brasília para receber o Prêmio das mãos da presidente Dilma Rousseff, e ainda pude levar minha mãe, meu esposo, meu orientador e o diretor da minha universidade. Eu recebi um cheque de R$ 12 mil e meu orientador ganhou um computador e uma impressora. Além disso, fomos convidados para conhecer a unidade da General Eletric em Petrópolis (RJ). Esse prêmio, com certeza, é um grande incentivo para o nosso trabalho e um marco na minha vida!
Como dará prosseguimento na pesquisa?
O nosso material ainda está em fase de testes, agora nós estamos buscando parcerias e financiamento para implementarmos o projeto na comunidade. Também queremos fazer um projeto educacional nas escolas para ensinar aos alunos a separarem o lixo e mostrar que uma cidade sustentável é feita por cidadãos sustentáveis.
Qual recado você daria para a juventude?
Jovem, dê o seu melhor em tudo. Sonhe e lute para alcançar seus objetivos. Seja fiel a Deus, porque Ele é fiel a nós e tem tudo para dar àqueles que nEle confiam e que fazem a Sua vontade.

Fonte: cpadnews / Jornal Gospel News

Mais de 60% dos brasileiros não querem ver beijo gay na TV

Pesquisa foi realizada em julho com três mil entrevistados
Nesta semana o instituto Data Popular divulgou que 63% dos brasileiros não concordam com a exibição de beijo gay em novelas. A pesquisa foi realizada em julho, com três mil entrevistados.
Entre os homens, 45% se sentem incomodados ao ver duas pessoas do mesmo sexo se beijando e 25% muito incomodados. Das mulheres, 41% se incomodam e 19% se dizem muito incomodadas.
Recentemente, o próprio Aguinaldo Silva, autor da novela da Rede Globo, Fina Estampa, fez uma declaração a respeito do beijo gay. “Beijo gay só na minha casa. As pessoas não querem ver esse tipo de cena. Dá ibope só no dia, depois perde audiência”.
A estudante de psicologia Patrícia Rosa opina a respeito da seriedade de uma cena como essa. “Ser gay hoje parece ser algo que está na ‘moda’, mas no fundo as pessoas sabem que não é essa a estrutura familiar correta e se sentem incomodadas. Um beijo é um ato muito íntimo entre duas pessoas e mostrá-lo entre pessoas do mesmo sexo, em um programa de grande audiência, parece tornar aceita uma atitude que na verdade não é”.
A pesquisa avaliou ainda, com relação à aceitação de um filho homossexual, que 59% dos homens disseram que não gostariam de descobrir que um filho é homossexual enquanto entre as mulheres esse índice foi de 41%.

Fonte: Christian Post / Jornal Gospel News