Jesus ama as crianças.

 

Deus ama as Crianças Você é uma Princesa e um príncipe para Deus!

Não temas, pois Deus tem um plano para sua vida.

Ore, leia a Bíblia e vá para a igreja pelo menos aos sábados e domingos. Louve, não tenha medo.

Jesus Sabe tudo o que aconteceu e o que vai acontecer, Ele é Deus presente.

Faça o que Deus pedir e você vai receber sua benção.

Você sabia que Deus é o Deus do Impossível?

O Senhor Deus me disse: Não Pregue coisas que não é realidade. Exemplo: não falar coisas que você não faz.

Deus cura as criancinhas!

Na Bíblia no livro de Mateus está escrito: Trouxeram-lhe então algumas crianças, para que lhe impusesse as mãos e orasse, mas os discípulos repreendiam. Jesus, porém, disse: deixai os pequeninos e não os estorveis de vir a mim. Por que dos tais é o reino dos céus e, tendo-lhes imposto as mãos, partiu dali.

Não esqueça: Jesus ama as crianças.

Deus te abençoe!

Giovanna Martins Tavares (7 anos)

email: giovannamt1@hotmail.com

Uma Caixinha de Surpresas

Dizem que a vida é “uma caixinha de surpresas”. Por mais que tentemos controlar as situações, e às vezes temos a impressão de que estamos conseguindo, nunca sabemos o que acontecerá nos momentos futuros de nossas vidas.

A incerteza do porvir gera em nós humanos o famoso sentimento da ansiedade. Provavelmente conhecida por todas as pessoas que já viveram neste planeta, a ansiedade, que para alguns pode ser apenas um “friozinho na barriga” ou um pequeno nervosismo, se cultivada, como qualquer outro sentimento, bom ou ruim, cresce e pode ganhar muita força.

Até mesmo a criação de uma declaração de propósitos, aliada a incrível habilidade humana de conseguir transformar algo que tem o objetivo de beneficiar, pode se transformar em mais um motivo para se ter ansiedade. “Conseguirei atingir os propósitos da declaração?”, “O que Deus pensará de mim se eu não atingi-los?”.

A Bíblia nos ensina a não andarmos ansiosos por coisa alguma. Com certeza Deus já sabia dos problemas que esse sentimento nos traria futuramente, e provavelmente já estava trazendo antes de serem escritas essas palavras. Problemas estes, que até se refletem no nosso físico, podendo gerar problemas à saúde.

Então o que fazer para acabar, ou amenizar consideravelmente este mau que nos prejudica tanto ao longo de nossas vidas aqui na terra?

Dizer que por alguém ser ansioso não está sendo um bom cristão, ou está se afastando de  Deus, é muito parecido com dizer que o sofrimento no  afasta de Deus, ou se estou sofrendo, logo, estou pecando. E o sentimento da ansiedade, como os outros sentimentos que nos afligem neste mundo, fazem parte da luta que passamos todos os dias para nos aproximarmos de Deus, e nos mantermos firmes e constantes junto a Ele.

O próprio Jesus nos disse que neste mundo sofreríamos aflições, mas para nos animarmos, pois Ele venceu o mundo.

Quanto à aflição em si, devemos pensar que quanto mais colocamos Deus no centro da nossa vida, menos ansiedade sentiremos. Quanto mais confiamos que suas promessas se cumprirão, menos nos preocuparemos com a parte do nosso futuro que não controlamos, e passamos a investir o nosso tempo no que podemos influenciar que é o que plantamos hoje, e colheremos um dia, aqui na terra, ou na eternidade com Cristo.

João Mateus Weschenfelder

Salve Salve povo de Deus!

No último dia 05/12 rolou na Igreja Livre em Jesus a apresentação do raper paulistano Lito Atalaia.

Lito gravou DVD em 2008 com vozes finas da black music tais como Sérgio Saas, Ton Carfi, Daniel Panthro, Raiz Coral, Paulo César Baruk, Luciano Claw, entre outros. Vale à pena conferir o trabalho.

Em janeiro foi lançado um dos primeiros DVD’s de música eletrônica Gospel do Brasil! Gravado no Rio de Janeiro no dia 07/11, o projeto Union 7 teve a participação de diversos DJ’s de todo o Brasil, tais como DJ Naldo Junior, DJ Atnilson, DJ Alex Couto e eu, DJ Walter Gryllo. Union 7 significa a união perfeita entre o DJ e Produtor Frank Nuckless com a sua esposa Gláucia que, juntos, comandam diversos equipamentos de música eletrônica e cantam ao vivo Glorificando o nome de Jesus.

E a última! Silvera (FLG) está com um novo CD solo pronto para ser lançado no início deste ano! Já ouvi as faixas em primeira mão e está p-e-r-f-e-i-t-o!

DJ Gryllo: 8421-1615

Escovar não BASTA!

A vida moderna tem oferecido boas condições para a conservação dos dentes. Hoje as águas são fluoretadas, existem dentistas nas escolas e nas grandes empresas, o poder aquisitivo aumentou, e os  planos de saúde oferecem acesso a tratamentos antes proibitivos. Por outro lado, a correria do dia a dia nos tira do sossego do lar, que acabou por se transformar em dormitório, e nos priva da higienização correta da boca. No máximo temos uma escovinha que levamos para o trabalho, para sossegar a consciência. Mas escovar não basta. Afaste a idéia de escovas tecnológicas que penetram entre os dentes e que fazem milagres. O exagero das propagandas é grande. Se você não puder ser perfeito, faça pelo menos uma sessão diária de  higiene perfeita. Prefira a noite, antes de dormir. Comece por usar o Fio Dental, único modo de limpar bem entre os dentes. Depois escove lentamente, no mínimo por dois minutos, atingindo todos os dentes em todas as suas faces. Não se esqueça de escovar a língua. Por fim faça um bom bochecho com qualquer solução encontrada em farmácias (prefira as que não contêm álcool).Agora durma com a certeza que seus dentes e sua boca estão protegidos.

Amanhã é outro dia.

Dr. Hélio Sérgio Silva

Coordenador Prevenir Odonto

 

 

Se teus olhos forem bons…

Desejo abordar nesta coluna a idéia do empreendedorismo, quero falar aos empresários, mas muito mais as pessoas que querem vencer na vida e superar seus limites. Leia com atenção:
Dois homens, ambos gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de hospital. Um deles tinha sua cama junto a única janela do quarto. E todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava, ele passava o tempo a descrever ao seu companheiro de quarto todas as coisas que ele conseguia ver do lado de fora da janela: havia um parque com um lindo lago. Patos e cisnes chapinhavam na água enquanto as crianças brincavam com os seus barquinhos. Jovens namorados caminhavam de braços dados por entre as flores e de todas as cores do arco-íris. Árvores velhas e enormes acariciavam a paisagem e uma tênue vista da silhueta da cidade podia ser vista no horizonte.
Enquanto o homem da cama perto da janela descrevia isto tudo com extraordinário pormenor, o homem no outro lado do quarto fechava os seus olhos e imaginava a pitoresca cena.
Dias e semanas passaram.
Uma manhã, a enfermeira chegou ao quarto trazendo água para os seus banhos, e encontrou o corpo sem vida do homem perto da janela, que tinha falecido calmamente enquanto dormia.
Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser colocado na cama perto da janela. A enfermeira disse logo que sim e fez a troca. Depois de se certificar de que o homem estava bem instalado, a enfermeira deixou o quarto.
Lentamente, e cheio de dores, o homem ergueu-se, apoiado no cotovelo, para contemplar o mundo lá fora. Fez um grande esforço e olhou para o lado de fora da janela que dava, afinal, para uma parede de tijolo!
Ao ser indagada sobre o fato, disse a enfermeira: O seu companheiro era cego e nem sequer conseguia ver a parede.”Talvez ele quisesse apenas dar-lhe coragem…”!
Nossos olhos e ouvidos são janelas para nossa alma e, portanto, o que decidimos cultivar com o poder da visão e da audição definirão nosso “estado de espírito”.
Em Mateus 6:22 o Senhor Jesus Cristo disse: Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo estará iluminado.
Tudo que Deus fez é lindo! A vida é maravilhosa para aqueles que têm bons olhos, que conseguem enxergá-la com olhos de gratidão e de esperança. Há uma felicidade tremenda em fazer os outros felizes, apesar dos nossos próprios problemas.

Pr. Jalmir da Silva Pinto - Presidente da UNIESJ

Se te queres sentir rico, conta todas as coisas que tens que o dinheiro não pode comprar, os verdadeiros valores da vida.

 

Se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão tais trevas! Mateus 6:23 

Faça da sua existência uma festa!

Pr. André L. L. Alves

Pr. André Luis Alves Congregacional de Florianópolis

O Pr. André L. L. Alves nasceu na cidade de volta Redonda – R.J, onde passou sua infância e juventude juntamente com seus pais José Geraldo Pires Alves, sua mãe Neuza Maria Lemos Alves e seus dois irmãos José Luiz e José Marcelo, sendo ele o filho do meio. Quando ainda criança era levado pelos avós, Luis e Maria Neuza juntamente com seus irmãos a escola dominical da igreja Congregacional onde recebeu as primeiras sementes do evangelho que ficaram guardadas no coração. Quando adolescente se desviou da igreja, desejando conhecer o mundo, vindo mais tarde sentir um enorme vazio interior, onde buscou preencher com festas, amizades e night e não encontrando a solução começou a indagar: qual seria o caminho do Senhor? Foi então que vindo a ser evangelizado pela avó Maria Neuza, com quem tirou suas dúvidas e teve todo esclarecimento a respeito da vinda de Jesus; mais adiante sendo tocado pelo próprio Espírito Santo quanto saia para se divertir aos domingos a noite, Ele disse: O seu lugar é dentro da casa do Senhor, fazendo a vontade do Senhor, pois ali tu encontrará vida abundante. Foi então que começou a freqüentar a igreja que tinha abandonado retornando ao caminho do Senhor e se decidindo ao batismo aos dezoito anos de idade. Participava das reuniões de oração e estudo da Palavra de Deus semanalmente; era aluno da escola dominical e assíduo nos cultos de domingos. Vindo ser ministro de louvor em sua igreja e depois dirigente e fundador do grupo de evangelismo chamado “PROJETO REDE”. Grupo este que evangelizava aos arredores da igreja e apresentava peças teatrais evangelísticas. Vindo a se envolver com missões em viagens pelo Brasil; aí então recebeu o chamado do Senhor para o ministério da Palavra de Deus e ingressou no Seminário Teológico Congregacional de Pedra de Guaratiba – R.J onde passou três anos estudando e se preparando para o ministério da Palavra, vindo fazer mais um ano no Seminário “Unido” da Cidade de Paracambí – R.J onde concluiu o seminário e conheceu sua esposa Susana, também da igreja Congregacional. Após sua formatura foi para um Campo Missionário Congregacional na cidade de Joinville – SC onde esteve ao lado do Pr. Valdecir F. Barbosa, ajudando-o naquele trabalho juntamente com sua família onde morou um ano e depois voltou para sua cidade de origem onde pediu sua ordenação ao Ministério Pastoral que se deu no dia dois de novembro de 1996 no templo da igreja Presbiteriana Viva pastoreada pelo seu amigo, Bispo José Elias e ali houve uma linda cerimônia conduzida pelo amigo Pastor Elias Inocêncio, presidente da região administrativa na época; e no ano de 1997 casou-se com Susana Amaral e foram morar em Curitiba – PR.

Pr. André, esposa e filha.

Onde atuou como pastor adjunto do Pr. Juliel na igreja Congregacional Água da vida, onde desenvolveu uma linda amizade com pessoas maravilhosas daquela igreja, mas depois de um ano precisou deixá-la pois a mesma passava a não ser mais ligada a União de Igrejas Congregacionais do Brasil e preferindo o pastor André deixá-la para continuar seu ministério servindo o Senhor na denominação onde se converteu. Foi então que recebeu o convite de ser missionário de um campo em São Francisco do Sul – S,C, onde desenvolveu seu ministério ali por três anos e não podendo mais ser sustentado pelo departamento de missões teve que voltar para sua cidade, recebendo apoio de sua família e igreja de onde era membro e recebeu ali todo apoio de seu amigo pastor Gerson Moura Martins e igreja onde esteve trabalhando com os jovens e ministrando louvor com o ministério de louvor da igreja Água da Vida, filiada a U.I.E.C.B. onde após nove meses a deixou com muito pesar após este tempo refrigério e por ter recebido um carinho especial daqueles irmãos e família.

Pr. André -Vice Presidente Do conselho de Pastores de Florianópolis como Presidente Pr. Tarcísio Mangrich e esposas.
Pr. André -Vice Presidente Do conselho de Pastores de Florianópolis como Presidente Pr. Tarcísio Mangrich e esposas.

Foi enviado para a cidade de Florianópolis – S.C, para ser missionário e pastor da igreja Congregacional, já instalada, onde desenvolve seu ministério com frutos permanentes e sadios a sete anos e meio e trabalha para sua emancipação contando com o apoio de sua ovelhas.

União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil

As igrejas ou comunidades do tipo Congregacionalistas eram originalmente chamadas independentes, na Inglaterra, no final do século XVI e início do século XVII. O nome Congregacional veio depois.
Pode-se entender o significado desse nome quando se observa o caráter dos grupos eclesiásticos que ali se definiram desde Eduardo VI e Isabel. De um lado havia a igreja nacional, Anglicana, que mantinha a mesma estrutura eclesiástica de Roma, apenas nacionalizada, tendo o Rei como seu chefe. De outro lado estava o movimento puritano que cedo se manifestou e assumiu tendências diferentes. As primeiras manifestações históricas das comunidades congregacionalistas se verificaram em Londres entre 1567 e 1568. Richard Fytz é considerado como o mais antigo pastor de uma Igreja desse tipo. Em 1570 ele publicou um manifesto sobre “As Verdadeiras Marcas da Igreja de Cristo.” Robert Browne, clérigo anglicano, adotou tais idéias em 1580 e com Robert Harrison organizou em Norwich uma congregação independente cujo sistema era substancialmente congregacionalista. Browne foi o primeiro teórico do movimento e logo as comunidades independentes passaram a receber o nome de Brownistas. Os Congregacionais são geralmente calvinistas em
doutrina e mantém um sistema de governo eclesiástico baseado em dois princípios fundamentais:
1) Cada congregação de fiéis, unida pela adoração, observação dos sacramentos e disciplina cristã, é uma Igreja completa, não subordinada em sua administração a qualquer outra autoridade eclesiástica senão a de sua própria assembléia;
2) tais igrejas locais estão em comunhão umas com as outras e inter-comprometidas no cumprimento de todos os deveres resultantes dessa comunhão.

CONGREGACIONALISMO NO BRASIL
FUNDADOR: Robert Reid Kalley (1809-1888) médico escocês, natural de Mount Florida, nos arredores de Glasgow, nasceu no dia 8 de setembro de 1809.
Em1829 tirou o diploma de cirurgião e farmacêutico pela Faculdade de Medicina e Cirurgia de Glasgow, tendo feito os seus estudos práticos no Hospital Real dessa cidade. Era ateu, mas graças ao testemunho de uma paciente foi conduzido a estudar cuidadosamente as Escrituras Sagradas. Esses estudos o conduziram à conversão.
A princípio Kalley pretendia evangelizar a China, mas, em conseqüência do grave estado de saúde de sua esposa, resolveu ir para a Ilha da Madeira, na costa portuguesa, aonde chegou em 1838. No ano seguinte foi ordenado ao ministério pastoral, no dia 8 de julho.
Em 1840 fundou um hospital. Em 1843 foi preso acusado de apostasia, heresia e blasfemia , crime considerado inafiançável e permanecendo preso por 5 meses. Em agosto daquele mesmo ano teve início uma terrível perseguição.
Kalley saiu de casa disfarçado de camponês. Sua esposa e parentes se refugiaram no consulado britânico. Sua casa foi invadida e destruída por homens que tinham ido eliminá-lo. Sem alternativa, foi deitado em uma rede disfarçado de velhinha enferma e transportado para bordo de um navio inglês que partiria para as Índias Ocidentais.
Em dezembro de 1852 casou-se com D. Sarah Poulton Kalley. Sua primeira esposa, Mrs. Margareth Kalley falecera em 1851. Em 9 de abril de 1855 partiu com destino ao Brasil. Em 10 de maio de 1855 aportava no Rio de Janeiro o vapor Great Western da mala real inglesa. Nele vinham, entre outros passageiros, o Dr. Kalley e sua esposa, D. Sarah, para iniciarem nessa terra um trabalho que durariam 21 anos e 57 dias.
O Rio de janeiro da época tinha cerca de 300 mil habitantes. Havia cerca de 50 igrejas e capelas espalhadas pela cidade. A religião do império era a católica. Kalley, chegado ao Rio foi instalar-se em Petrópolis.
Em 19 de agosto de 1855, um domingo à tarde, Kalley e sua esposa instalaram em sua residência a primeira classe de Escola Dominical, contando com cinco crianças, filhos da senhora Webb e da senhora Carpenter. Foi contada a história do profeta Jonas.
Como desenvolvimento do trabalho, Kalley escreveu para amigos e antigos companheiros de Ilinnois, convidando-os a vir auxiliá-lo no Brasil. O primeiro a chegar foi Wiliam Pitt, inglês que fora aluno de D. Sarah em Ilinnois (EUA). Pouco depois vieram Francisco da Gama e sua mulher, D. Francisca, Francisco de Souza Jardim e família.
O primeiro crente batizado pelo Dr. Kalley foi o sr. José Pereira de Souza Louro, em 8 de novembro de 1857.
Mas foi em 11 de julho e 1858 que ele organizou a primeira igreja evangélica de regime congregacionalista no Brasil: A Igreja Evangélica Fluminense. Foi organizado com 14 membros tendo sido batizado naquele dia o Sr. Pedro Nolasco de Andrade, primeiro brasileiro batizado por Kalley.
Lentamente desenvolveu um conceito de povo de Deus – Igreja – diferente do conceito calvinista.
Quando veio para o Brasil depois de passar algum tempo nos Estados Unidos, sua convicção congregacionalista em matéria de organização e caráter da igreja local, já estava bem definida: não batizava mais crianças, organizou igrejas autônomas – Igreja Evangélica Fluminense, 1858 e, Igreja Evangélica Pernambucana, 1873 – independentes entre si e estabeleceu presbíteros e diáconos.
A partir de 1942 houve a fusão de duas denominações evangélicas brasileiras: a Igreja Cristã Evangélica do Brasil (ICEB) e a União das Igrejas Evangélicas do Brasil, de governo congregacional, se fundiram numa denominação que veio a se chamar União das Igrejas Evangélicas Congregacionais e Cristãs do Brasil (UIECCB). Esta união durou até janeiro de 1968. Em 1969 foi aprovada a nova Constituição da nova entidade que agregara os congregacionais do norte e do sul do país – União das Igrejas Evangélicas e Congregacionais do Brasil.
Começou então um período de consolidação nacional.
Foram remodelados os quadros administrativos da UIECB que contava com 177 igrejas espalhadas por vários estados do Brasil. Estas igrejas foram divididas em 15 regiões administrativas, e também: Foi adquirida uma sede própria.
Começa-se um despertamento missionário com abertura de campos em vários lugares do Brasil.
A partir de 1992 a Sede da União passou a funcionar à rua: Visconde de Inhaúma, 134 Salas 1307 – 1309- Centro, Rio de Janeiro. Em janeiro de 2001 o décimo – nono andar foi adquirido pela denominação neste mesmo prédio. Ali está toda a administração da UIECB e onde se realizam também as reuniões da Junta Geral.
A Unidade Centro do Seminário Teológico Congregacional do Rio de Janeiro passou a utilizar as dependências do décimo – terceiro andar.
A UIECB conta hoje com cerca de 380 igrejas filiadas e mais de 500 ministros ordenados. A denominação que durante mais de cem anos foi alvo de missões estrangeiras, hoje faz Missões no Brasil e no Exterior, tendo alcançado todos os estados brasileiros e nações como Portugal, Espanha, Turquia, Jordânia, Moçambique, Angola e Guiné Bissau.

O Pastor presidente atual da UIECB -Rev. Osvaldo Lopes dos Santos

Onde está o teu Tesouro?

O Senhor Jesus em certa ocasião ensinava os seus discípulos sobre vários fatores como: lei, ira, luxúria, divórcio, juramentos, amar aos inimigos, ajudar os necessitados, Jejum, oração, julgamento do próximo, pedir, buscar e bater, caminho do céu, sobre o fruto da vida e como construir um sólido alicerce.

Entre tantas coisas de fundamental importância, Ele também ensinou sobre o dinheiro dizendo que ninguém pode servir há dois senhores. Pois, sempre amará mais um do que o outro. Isto faz-nos refletir, principalmente num momento como este que estamos vivendo, onde “o ter é mais importante do que o ser”.

É claro que num mundo em que o capitalismo impera, temos que nos preocupar com o dinheiro, mas quando olhamos para a instabilidade que se vive hoje: Pessoas que até pouco tempo tinham fortunas, mas que uma crise, uma doença, uma intempérie levou tudo. Empresas e nações que eram tidas como potências mundiais, que da noite pro dia quebraram, faliram, empobreceram. Não creio e nem temos base bíblica de que o foco das nossas vidas devam ser esses.

Ouvi outro dia uma pessoa dizer: “Não me importa a cor da pele desde que seja rico”. (Racismo e preconceito)

Outra: “Minha filha só casa se for com alguém que possa dar a ela o melhor” (financeiramente falando).

Outra: “O fulano é um bom partido, pois o pai tem muito dinheiro”. Ainda: “Se eu fosse político também faria o mesmo, pois todos fazem” (referindo-se a corrupção)

Jesus ainda disse: “Não ajunteis tesouros na terra onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam”. Temos que rever nossos conceitos, reformular nossos pensamentos e renovar nossas atitudes buscando valorizar o moral, bons costumes, a ética, fazer as coisas ordenadamente e corretamente, sem pensar somente no que vamos “ganhar” com isso. Mas, se for para querer algo em troca, veja o que diz o Senhor a respeito das necessidades como: comer, beber, vestir, entre outras coisas: “Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas”.

Que Deus nos de graça para entendermos que inclusive Ele quer que o amamos não pelo que Ele pode dar, mas, sim pelo que Ele é: Deus de amor, misericordioso, longânimo, soberano, poderoso, onisciente, onipresente, bondoso entre outros atributos divinos.

Jesus ainda disse: “Amai a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo”.

Lembre-se: não podemos amar a Deus e a Mamon (deus das riquezas). Não pelo simples fato que Deus proíbe, na verdade, temos livre arbítrio, mas, Ele sabe que para nós isto é impossível. Para Ele tudo é possível, pois, é dono da prata e do ouro, de tudo que existe, tem todo o poder e ainda assim ama a nós pecadores.

Termino com mais uma frase de Jesus:

“Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.”

SalomarTagliapietra                                                                                                                            salomar@jornalgospelnews.com.br

Conheça nosso colunista
Veja mais artigos deste colunista

Parafraseando o poeta Casimiro de Abreu: “Oh! que saudades que tenho da aurora…”

Oh! que saudades que tenho…da aurora da minha Igreja, “daquelas tardes fagueiras”, quando se ouvia a voz dos crentes cantando os hinos belíssimos do cantor cristão de muito longe! Quantas pessoas se converteram a Jesus Cristo, ao ouvir os hinos, quando passavam pela rua. Entravam maravilhadas e se entregavam ao Senhor. Hoje? Agora, muitos e são muitos passam na rua e só ouvem o estrondo das baterias rufando num volume tremendo… Talvez, muitos nem reconheçam lá de fora aquele barulho tão grande como culto. Nem quem está dentro do templo consegue ouvir a própria voz. Até se esforça, grita na ponta do pé, arrebenta a veia do pescoço, mas…como?

Oh! que saudades que tenho dos conjuntos corais afinados, mesmo nas congregações do interior havia um, cantando, a capela… o repertório era lindo! Letras inspiradas, bem feitas. Hoje? Raras Igrejas têm conjuntos corais, outras e são muitas, têm “aquele” conjunto de louvorzão, muitíssimas vezes, com músicas compostas por quem nada sabe de música nem de poesia nem de ritmo…muito menos de teologia, etc…É letra sobrando, doutrina se esfolando e bom gosto faltando! Os hinos do Cantor Cristão têm sido chamados por alguns crentes de “hinossauros”. Outras igrejas se apossam dos hinos lindíssimos tradicionais e saem por aí se gabando do repertório!!!

Oh! que saudades que tenho dos programas de Natal, onde as crianças participavam e se encantavam, ficavam contando no calendário os dias que faltavam para o outro Natal. Hoje, que pena…Tenho visto idosos, jovens e crianças em casa, porque as cantatas barulhentas estressam todo mundo, com partituras longas, repetitivas…ou representações improvisadas, tomando, na maioria das vezes, o precioso tempo da Palavra.

Oh! que saudades que tenho dos crentes que viviam(muitos ainda vivem, devo reconhecer e não generalizar) no firme propósito de dignificar o Evangelho, quando a ética era a base sobre a qual deveriam ser apoiadas todas as atitudes cristãs. Levava-se ultra a sério as recomendações bíblicas: “se o teu olho escandalizar” …”como a mesma medida sereis medidos”…” “aquele que não usa a misericórdia para com seu irmão”…

Oh! que saudades que tenho dos cultos solenes, com a Igreja cantando, baixinho, de olhos fechados, às vezes, de joelhos, hinos tão inspirados de apelo. Como é triste ver cultos recortados, sem o menor critério, por avisos e avisos, dando a idéia de reunião de condomínio. E a reunião do condomínio dura hora e meia. A pregação da palavra? Dez minutos!

Oh! que saudades que tenho dos pastores de terno e gravata no púlpito, com linguagem santa, oferecendo a Deus, de forma muito especial, o culto de louvor e gratidão. Pouquíssimos gritavam pregando, hoje, poucos não gritam…Que pena! Tantos confundem púlpito com tablado de conversas engraçadas, lançamento de campanhas eleitorais, postura menos solene e brincadeirinhas…Ou críticas…Onde andam os sermões sobre a volta de Cristo?

Oh! Que saudades que tenho de seminários preocupados com a seleção do candidato à seminarista, exigindo teste psicológico, escolaridade, cultura geral. Poucos ainda exigem, mas “a seara é tão grande”…O corpo docente credenciado, experiente, espiritual. Hoje, que pena! Hoje é comum encontrar seminários em portinhas de fundo, sem conforto, sem critério, sem avaliação, sem curso…Todo mundo quer ter o seu seminário. E quando tem, nós é que não temos onde reclamar da qualidade. É curso “livre”!!! Que seja livre, mas excelente. Que toda Igreja tenha o seu, mas pra lá de competente.

Não é puro saudosismo, caretice, velhice, ranhetice, é a vontade pedagógica, mas sobretudo cristã de ver as crianças encantadas com a solenidade de um culto, de preservá-las da surdez precoce e dar-lhes o direito de cantar e ouvir a própria voz. É triste vê-las confundindo culto com espetáculo, louvor com ataque de euforia, púlpito com palco de espetáculo. E as coreografias?… Socorro! Maranata!Vem, Senhor!

Por: Ivone Boechat

Conheça nossa Colunista
Confira mais artigos da nossa Colunista