Igreja católica no centro de Londres lança missa para gays

Enquanto o Reino Unido se prepara para a primeira visita do papa Bento 16 – líder de uma igreja que para muitos é tida como intolerante em relação aos homossexuais -, os católicos de Londres já podem assistir a uma “missa gay”, realizada com o aval do Vaticano.
Paul Brown não ia à igreja desde o funeral de sua mãe, em 2002. Agora ele está de volta ao templo, graças à missa para fieis homossexuais, a única do gênero no país.
“Eu procurei uma missa com uma mensagem positiva sobre coisa que as pessoas devem fazer, e não alguém me dizendo coisas que eu não devo”, diz.
Usando uma jaqueta de motoqueiro de couro preto, Brown é um fieis que mudaram a cara da igreja Our Lady of the Assumption and St. Gregory (Nossa Senhora da Assunção e São Gregório), em Soho, na região central de Londres.
Lá, os fieis cantam hinos com toda a força de suas vozes. Muitos têm menos de 30 anos, e alguns têm os cabelos pintados. De uma hora para outra, o catolicismo parece estar na moda nesta área de Londres.
Se você acha isto um pouco estranho – bem, é mesmo. Afinal, a orientação da Igreja Católica para homossexuais é rígida. Gays e lésbicas são chamados à castidade.
Além disso, a única expressão sexual permitida pelo Vaticano é “casamento”, na qual todos os atos são dirigidos para a transmissão de uma nova vida, ou seja, para a proibição da contracepção artificial.
Então, como pôde surgir uma “missa gay” (Embora ela seja aberta a todos, foi assim que ela acabou sendo chamada)?
“As pessoas estavam acostumadas a se encontrar na igreja anglicana de St. Anne, que é próxima, e havia o sentimento de que era a hora de encontrar um local católico”, diz o monsenhor Seamus O’Boyle, o padre da paróquia.
Por meio de esboços de documentos, cardeais da arquidiocese católica de Westminster e autoridades do Vaticano negociaram para chegar a um acordo sobre algumas regras básicas da missa gay.
O que o Vaticano queria era a garantia de que as missas não se tornariam uma plataforma para se contestar os preceitos católicos. Assim, um dos “princípios básicos” desses serviços religiosos é: “Informações sobre a missa devem respeitar o fato de que a sua celebração não deve ser usada para promover qualquer mudança ou ambiguidade em relação aos ensinamentos da Igreja”.
‘Estilo de vida homossexual’
Os integrantes do Conselho Pastoral de Missas de Soho, que organiza os serviços religiosos, não têm problemas em aceitar estas condições. “Este não é um lugar que oferece uma plataforma para se criticar a doutrina da Igreja”, diz o presidente do conselho, Joe Stanley.
“A ênfase é no cuidado com os fieis. Às vezes, as pessoas chegam aqui com lágrimas nos olhos, porque, pela primeira vez, duas partes realmente importantes das suas vidas se encontraram: sua fé católica e sua identidade sexual”, diz.
“Minha vida sem a missa em Soho seria mais desanimada, solitária e menos alegre”, diz a fiel Renate Rothwell.
Questionado pela BBC se há alguma razão que impeça a realização de missas semelhantes em outras partes do Reino Unido, o arcebispo Vincent Nichols, líder da Igreja Católica na Inglaterra e no País de Gales, diz: “Acho que esta é uma decisão a ser tomada por um bispo, e é uma decisão em resposta a uma necessidade dos fieis”.
Em outras palavras, se outros católicos gays pedirem pelo mesmo em outras regiões do país, isto pode ser levado em consideração.
Mas nem todos estão felizes no seio da família católica. Duas vezes por mês, um pequeno grupo de tradicionalistas se reúnem do outro lado da rua da igreja. Eles rezam com o rosário em suas mãos, cantam hinos e já pediram à arquidiocese de Westminster para acabar com a missa gay.
Eles são apoiados por um ex-editor do jornal Catholic Herald, William Oddie, que acusa líderes da Igreja de defenderem pessoas engajadas no que ele chama de “estilo de vida homossexual”.
“A ficção que justifica o apoio da arquidiocese para as missas do Soho é que elas são celebradas em benefício de gays que aceitam os ensinamentos da Igreja e, portanto, se afastam de qualquer forma de atividade sexual”, escreveu Oddie em seu blog.
Transformação
No entanto, o arcebispo Nichols diz que continuará a apoiar a missa. “Esta é uma missa paroquial para a qual todos estão convidados, mas ela tem um apelo particular a pessoas de uma mesma orientação sexual – não para distingui-las do resto da congregação, mas para dizer que elas podem se sentir em casa aqui”, afirma.
“Eu acho que esta é a coisa certa, porque ela oferece lentamente, e isto é lento, uma chance para aqueles que se sentem sob uma grande pressão de identidade a talvez relaxar um pouco e dizer ‘não, antes de tudo eu sou um católico e, como um católico, eu quero ir à missa’”, diz o arcebispo.
Em uma resposta dura aos críticos da missa gay, ele diz que “qualquer pessoa que tente julgar as pessoas que se apresentam para a comunhão realmente deve aprender a ficar quieta”.
Em 1982, na última visita papal ao Reino Unido, uma missa deste tipo só poderia existir no mundo da fantasia. No entanto, desde então, a Igreja Católica britânica passou por uma transformação bastante abrangente.
Seja a imigração do Leste Europeu, a onda crescente do secularismo, a imagem pública de padres e da hierarquia depois dos escândalos de pedofila ou a aceitação de anglicanos casados entre as fileiras do clero: isto é uma comunidade de fieis que faz parte de um grande caldeirão religioso.

PT ameaça processar Pr. Paschoal Piragine por vídeo em que fala sobre questões do aborto

O pedido do pastor da 1ª Igreja Batista em Curitiba (PR), Paschoal Piragine Júnior para que os evangélicos não votem nos candidatos do PT, gerou revolta entre os integrantes do partido. Durante entrevista à Rádio CBN do Paraná, o dirigente do PT,Enio Verri disse que vai acionar o pastor juridicamente imediatamente.
No dia 29 de agosto o pastor alertou a Igreja sobre a ‘iniqüidade estatizada’ e denunciou que o PT, durante o Congresso anual, manifestou-se favorável ao aborto, PLC 122/06. A mensagem repetida durante os dois cultos da Igreja lembrou como a iniqüidade pode ferir o coração do homem. Após pedir oração pelas eleições exibiu um vídeo mostrando os casos de abortos, infanticídios indígenas e ameaça à igreja através do PLC 122/06 que cria uma ditadura gay.  No vídeo, durante a Parada Gay, lideranças do movimento preparam uma ofensiva  para aprovar leis como a união civil entre pessoas do mesmo sexo com apoio do Governo.
Enio Verri diz que o partido estuda medidas para acioná-lo juridicamente e diz que ele mentiu misturando posição pessoal e insinuou que Piragine está comprometido. “Não esperava que um pastor proferisse a mentira, certamente o céu não será destino de-le.
Em dez dias, mais de 500 mil pessoas já assistiram ao vídeo da mensagem.

Confira o vídeo do pastor Paschoal Piragine em que fala sobre o aborto neste site.

Pastor que queria queimar o Alcorão em 11 de Setembro desistiu da iniciativa

O pastor Terry Jones cancelou a queima de exemplares do Alcorão – o livro sagrado do Islã – na Flórida no próximo sábado, aniversário dos atentados 11 de setembro.
O reverendo, que havia idealizado o “dia da Queima do Alcorão“, já havia sinalizado que poderia voltar atrás caso a Casa Branca, o departamento de Estado ou o Pentágono assim o pedissem.
Em uma entrevista nesta quinta-feira, o presidente Barack Obama defendeu que o pastor desistisse da queima. Segundo o democrata, a atitude poderia colocar em risco tropas americanas no Afeganistão e incentivar radicais islâmicos da Al-Qaeda.
“Se ele estiver escutando, espero que ele entenda que o que ele propõe é completamente contrário ao valores dos americanos. Nosso país foi construído sobre as noções da tolerância e da liberdade religiosa“, disse Obama. “Quero que ele entenda que seu golpe publicitário pode colocar em grave perigo todos aqueles que servem o país fora daqui“.
Obama ainda disse que a queima do Alcorão , impulsionaria a Al-Qaeda e aumentar os níveis de violência contra os soldados americanos no Afeganistão e no Paquistão. “Espero que ele ouça sua consciência e entenda que seus planos levarão a atos de destruição“, concluiu o presidente.
Segundo o Pentágono, a administração Obama já discutia um pedido formal para fazer o reverendo voltar atrás. “Esta possibilidade está sendo discutida no governo, mas ainda não há uma decisão“, disse o porta-voz do departamento de Defesa Geoffrey Morrell nesta quinta-feira, 9.
Também nesta tarde, o departamento de Estado emitiu um alerta para americanos fora do país sobre o risco de manifestações antiamericanas no sábado, caso o reverendo levasse sua proposta adiante.
“O potencial para protestos que podem se tornar violentos continua alta“, diz o alerta.

Fonte/autor: www.portasabertas.org.br

Igreja nos EUA queima Alcorão no 11 de Setembro

Uma igreja da Flórida, nos Estados Unidos, ignorou nesta quarta-feira (8) as críticas mundiais e afirmou que mantém seus planos de queimar cerca de 200 exemplares do Alcorão (livro sagrado dos muçulmanos), enquanto autoridades locais tentam impedir o protesto.
Apesar das condenações feitas por funcionários americanos, militares e líderes religiosos, a igreja informou que realizará o protesto contra o Islã no nono aniversário dos ataques de 11 de setembro.
Terry Jones, pastor da Igreja, disse que está determinado a realizar o ato.
– Nós sentimos que essa mensagem é importante. Nós ainda estamos determinados a fazê-lo.
Ele explica que a mensagem da igreja é destinada aos radicais do Islã.
– Nós queremos que eles saibam que, se estão nos EUA, precisam obedecer nossas leis, a Constituição e não empurrar lentamente a agenda deles sobre nós.
Autoridades mundiais criticam iniciativa de pastor
A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, classificou o plano como “vergonhoso” em meio a temores de que a ação desperte ira no mundo islâmico, colocando em perigo as vidas das tropas americanas e aliadas no Afeganistão.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, condenou hoje o plano da igreja, afirmando que um ato dessa natureza não pode ser apoiado por nenhuma religião.
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, também classificou de odioso a decisão da igreja.
– É uma falta de respeito, odioso e simplesmente um erro.
Merkel falou sobre o caso durante a entrega de um prêmio de liberdade de imprensa ao chargista dinamarquês Kurt Westergaard, ameaçado de morte por extremistas muçulmanos por ter feito uma caricatura do profeta Maomé.
Cidade se prepara para conter queima de Alcorão
As autoridades da pequena cidade universitária de Gainesville, nos EUA, reuniram-se nesta quarta para traçar planos de contingência entre os bombeiros e a polícia antes da queima dos livros, prevista para as 18h locais (19h em Brasília) no próximo sábado (11), data dos atentados ao World Trade Center em Nova York.
O porta-voz da prefeitura, Bob Woods, disse que a igreja violará as leis municipais, que proíbem fogueiras ao ar livre, e poderá ser alvo de uma multa de R$ 431 (US$ 250).
No entanto, Woods completou que não está descartada a possibilidade de prisões.
– Vai depender do que ocorrerá depois da queima dos livros em Gainesville e de os bombeiros controlarem o fogo. Nós temos um plano de contingência.

Transmissão do HIV está fora de controle entre gays da França

A transmissão do vírus da Aids parece estar “fora do controle” entre os homens homossexuais na França, apesar da queda generalizada no número de novos casos de HIV no país, de acordo com um estudo publicado hoje.
Cientistas do Instituto Nacional para a Vigilância em Saúde Pública afirmaram que quase metade das 7.000 pessoas recém infectadas com o HIV no país em 2008 é de homens homossexuais, e a incidência entre esses é 200 vezes maior do que entre heterossexuais.
Especialistas disseram que os resultados mostraram que as autoridades francesas precisavam rever e renovar estratégias de prevenção e garantir que focassem os grupos de maior risco de infecção.
O vírus da imunodeficiência humana que causa a Aids infecta 33,4 milhões de pessoas no mundo. Na África subsaariana, 22,4 milhões de pessoas têm a doença, e no Leste Europeu é onde a epidemia cresce mais rapidamente na atualidade.
O estudo também mostrou que o HIV na França caiu significativamente de 8.930 novas infecções, em 2003, para 6.940 em 2008.
Mas o número de novas infecções entre homens homossexuais ficou estável, apesar da queda em outros grupos, e respondeu por 48% dos novos casos na França em 2008.

Igreja Evangélica Assembléia de Deus

Em 19 de novembro de 1910 chegavam à Belém do Pará, procedentes de Chicago (EUA), os missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren.
Ambos batistas, porém, batizados com o Espírito Santo, no grande avivamento pentecostal derramado no início deste século nos Estados Unidos.
Vingren era candidato ao campo missionário de sua denominação na China, mas, após o batismo com Espírito Santo, sentiu não ser vontade de Deus. Buscando conhecê-la melhor, Deus revelou a ele e ao seu companheiro Daniel Berg, através de uma profecia na casa do irmão Adolfo Uldim, que os queria no Pará. Nessa profecia, o Senhor informou que seriam um povo de costumes diferentes, comidas simples, mas que, entretanto, havia uma grande obra para realizar no meio deste povo – glória a Deus. Após a oração, já que ninguém sabia onde era o “PARÁ”, foram a uma livraria e consultando um Atlas viram que Pará era um Estado do Norte do Brasil e Belém, sua capital. Daí, em lances decisivos e até impossíveis para os homens, o Senhor providenciou os meios para que chegassem até aqui. Quando desembarcaram em Belém, numa tarde ensolarada, ninguém os estava esperando, não eram enviados por nenhuma missão. Eram encomendados pelo Espírito Santo. Caminharam pela então Avenida 15 de Agosto, hoje Presidente Vargas, até a Praça da    Republica e ali sentaram em um dos seus primeiros bancos aguardando orientação divina. Adriano Nobre, que era crente presbiteriano e que falava inglês (foi o primeiro professor de Gunnar e Daniel), o qual os encaminhou até a Igreja Batista, situada na Rua João Balbi, 406 (hoje demolida), onde  caram hospedados no porão do prédio, por algum tempo. Era o primeiro contato com a terra para a qual tinham sido enviados. Nada tinha faltado até aquele momento. Arranjou emprego de fundidor na antiga Port Of Parh (hoje dividida em Cia. Docas do Para e ENASA) e Gunnar Vingren dedicava-se ao estudo do idioma. A noite transmitia ao Daniel o que havia aprendido. Assim Daniel trabalhava para o sustento de ambos. Era Deus cuidando de seus  lhos. Passado seis meses o irmão Vingren foi convidado para dirigir um culto de oração.
Aproveitou o momento e leu no Novo Testamento alguns versos sobre o Espírito Santo. Foi o su ciente para que se acendesse o desejo do batismo de fogo.
A partir dai havia fervorosas orações na casa da irmã Celina Albuquerque, na Rua Siqueira Mendes, 79, Cidade Velha. Tanto Vingren como Daniel esperavam que a Igreja lhes dessem o apoio que almejavam.
Pensavam que, como em sua pátria, poderiam continuar batistas batizados com o Espírito Santo. Porém, poucos lhe deram apoio.
Apesar disso, Vingren continuava amoroso e uma de suas particularidades era orar pelos enfermos. Aqueles que aceitavam a doutrina pentecostal tornavam as reuniões de oração mais fervorosas, na casa da irmã Celina.
Assim, na noite de 07 de junho de 1911 houve mais uma abençoada reunião. A maioria foi embora quando terminou o culto, porém Celina Albuquerque e outra irmã continuaram pela noite adentro buscando o batismo.
Precisamente à 1 hora da manhã, ao raiar o dia 08 de junho a irmã Celina foi batizada com o Espírito Santo, falando em novas línguas, e isto por duas horas seguidas, conforme depoimento de Vingren em seu diário: “A primeira operação do batismo com o Espírito Santo feita pelo Senhor Jesus em terras brasileiras.” Era então o dia 08 de junho de 1911. Esse acontecimento deu margem à expulsão de todos os simpatizantes da doutrina pentecostal da Igreja Batista.
O irmão Antônio Mendes Garcia, narra o que aconteceu na ocasião: “Um parente de Adriano Nobre (Raimundo Nobre) e outros irmãos resolveram fazer uma reunião. Nessa ocasião o irmão que tomou o direito, disse: Essa nossa reunião tem por saber quem pertence a essa nova seita. Os irmãos  ficaram espantados. Alguns quiseram falar, mas não tiveram consentimento do dirigente, que continuou. Quem faz parte desta seita se manifeste: diversos irmãos se levantaram. Então ele disse: Proponho que sejam cortados da Igreja; Alguém exclamou: Apoiado. Com isto  fizeram oração e foi encerrada a sessão.
Isto ocorreu no dia 13. Aos expulsos juntaram-se outros que não haviam comparecido ao templo, de sorte que 19 crentes resolveram organizar-se em igreja regular, que eram os seguintes por seus nomes: José Plácido da Costa (Superintendente da Igreja Batista) Piedade da Costa, Henrique Albuquerque, Celina Albuquerque. Maria de Nazaré, Manuel Maria Rodrigues, Jerusa Dias Rodrigues, José Batista de Carvalho, Maria José Batista de Carvalho, Antônio Mendes Garcia, Manuel Dias Rodrigues, Emilia Dias Rodrigues, Joaquim Silva, Benvinda Silva, Ana Silva, Tereza Silva de Jesus, Isabel e João Domingues”.
Com um número reduzido de membros estavam lançadas as bases do Movimento e as raízes se estenderiam por todo o solo brasileiro com a denominação de Assembléia de Deus.
Na mesma noite da expulsão, ao chegarem à casa da irmã Celina, os irmãos resolveram passar a se congregar ali, o que normalmente foi feito pelo espaço de mais ou menos três meses, com cultos dirigidos pelo missionário Vingren e pelo irmão Plácido. Daniel Berg pouco falava por ainda estar atrasado no aprendizado da língua. Disso tudo surgiu a necessidade de que o trabalho fosse organizado como igreja, o que se deu a 18 de junho de 1911, quando por deliberação unânime, foi fundada a Assembléia de Deus no Brasil, tendo em Daniel Berg e Gunnar Vingren os primeiros orientadores.
O termo Assembléia de Deus dado a denominação não tem uma origem definida entre nós, entretanto, sugere-se estar ligada as Igrejas que na América do Norte professam a mesma doutrina e recebem a designação de Assembléia de Deus ou Igreja Pentecostal. Sobre a questão é aceitável o seguinte testemunho do irmão Manoel Rodrigues. “Estou perfeitamente lembrado da primeira vez que se tocou neste assunto. Tínhamos saído de um culto na Vila Coroa. Estávamos na parada do bonde Bemal do Couto, canto com a Santa Casa de Misericórdia. O irmão Vingren perguntou-nos que nome deveria darse a Igreja, explicando que na América do Norte usavam o termo Assembléia de Deus ou Igreja Pentecostal. Todos os presentes concordaram em que deveria ser Assembléia de Deus.
Em 11 de Janeiro de 1968 a denominação foi registrada o cialmente como pessoa jurídica. Com o nome de Assembléia de Deus.
Organizada, a igreja aclamou seu primeiro pastor na pessoa de Gunnar Vingren que permaneceu até 1924, quando se transferiu para o Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Como auxiliar direto, Daniel Berg ocupava-se da evangelização. Este servo de Deus evangelizou Belém de casa em casa.
Também na antiga Estrada de Ferro de Bragança fez o mesmo trabalho. Quase 300 km de Belém a Bragança e ele fez a pé esta grande caminhada, levando a preciosa semente de casa em casa, em todas as cidades vilas, povoados e aglomerados, além das casas isoladas.
Onde quer tivesse um morador, Daniel Berg deixou uma palavra de salvação e uma porção bíblica. Também levou a mensagem in amada do pentecostes a região das ilhas estabelecendo igrejas em vários locais do Marajó.
Outros auxiliares foram Adriano Nobre, Bruno Skolimowisk (o primeiro estrangeiro a ser consagrado pastor) Samuel Nystron, Nels Nelson, Almeida Sobrinho (primeiro editor pentecostal) que editou dois números de A VOZ DA VERDADE. Cada crente era um missionário. Novos convertidos transformavam-se em embaixadores do Rei. Gunnar Vingren os instruíam e incentivava que levassem a Mensagem Poderosa. Já em 1913 havia obreiros vocacionados, surgindo os primeiros pastores nas pessoas de Absalão Piano e Izidoro Filho, Crispiano Melo (1915), Adriano Nobre e tantos outros.
Ainda em 1913 o irmão José de Matos foi levar a mensagem pentecostal à Portugal, tornando-se o primeiro missionário do Brasil no exterior. A Assembléia de Deus é, atualmente, a maior igreja evangélica do Brasil, e está fartamente disseminada por todos os Estados da Federação.
Esse crescimento singular não se deve propriamente aos esforços dos seus membros (embora estes sejam esforçados), mas à ação direta do Espírito Santo de Deus. No espaço de 99 anos apenas, aconteceu esse milagre: o Brasil, de Norte a Sul, de Leste a Oeste, encheu-se de pentecostais. Fenômeno igual não consta ter ocorrido em outros países no tempo presente.

Igreja Manancial das Nações

A Igreja Manancial das Nações nasceu no dia 08 junho 2003, na Rua Eugênio Portela nº 195, em Barreiros, São José, Santa Catarina.
Este endereço provisório comportou até cem pessoas sentadas confortavelmente.
O salão foi construído em 28 dias, pois havia necessidade de um lugar para as reuniões. Na oportunidade os cultos se realizavam na casa do pastor Inácio, um amigo do Pr. Julio que o apoiou estando ao seu lado nas horas mais difíceis, e por quem tem muita admiração, tendo-o como um conselheiro e Vice-Presidente do ministério que ajudou a fundar.
Como surge uma nova denominação?
Existem muitas razões pelas quais uma igreja nasce.
Depois de quase vinte anos de conversão, e já com alguma experiência chegou um tempo de tomar uma decisão importantíssima.
Era consenso do Pastor Julio e de sua família, que o tempo de começar um projeto novo em suas vidas tinha chegado. Nesse processo, onde Deus parece cuidar de nossas vidas com muito mais intensidade, deixamos de lado as coisas que são irrelevantes e passamos a atentar aos sinais que Deus nos mostra. É um tempo de revelações incríveis. O jejum torna-se um aliado e a Palavra um elemento fundamental para nos dar direção.
Como lidar com aquilo que Deus está fazendo em sua vida? Algumas pessoas procuram ignorar, outras aproveitam a oportunidade para fazer um auto-exame e realinhar sua história com aquela que Deus preparou para nós.
Seu coração estava rendido a obra missionária e disso não tinha dúvidas.
Faltava-lhe uma atitude. É preciso crer e romper com o status-quo existente, deixando Deus guiar as coisas.
Era evidente que as portas se abriam para esse  m, Estavam buscando em oração e em jejum, DIREÇÃO para agir em conformidade com a vontade do Senhor.
Na oportunidade, procuravam (Pastor Júlio e Pastora Dione) compartilhar desse desejo com alguns homens de Deus, pastores e conselheiros na cidade e tudo o que ouviam, confirmava aquilo que Deus lhes estava falando.
Certo dia, orando, Deus trouxe ao coração do Pastor Julio uma palavra no livro de Salmos, capítulo 2:8 “Pede-me e eu te darei as nações por herança e os con ns da terra por sua possessão”. Estavam aí lançadas as bases do novo ministério. Seria uma obra missionária, expandindo-se pela graça e misericórdia do Senhor até os confins da terra.
Desde junho de 2006 nosso novo endereço é um lindo Templo situado a Rua Otto Julio Malina, 279, bairro Ipiranga, São José. Nesse lugar, funcionava um clube de dança ( Clube Aquários ) e ali muitas pessoas acabaram se perdendo nas drogas e promiscuidade. Nesse mesmo lugar, entretanto, ocorrem reuniões poderosas que trazem esperança e salvação as pessoas e onde as mensagens sempre são voltadas a oferecer respostas aos problemas comuns todos os homens. O ambiente é agradável
e as pessoas se sentem amadas e parte da grande família de Deus.
Somos um grupo de pessoas que descobriu a alegria de viver em Cristo.
Nossas reuniões acontecem numa atmosfera de paz, harmonia e alegria e de muitas músicas que louvam e bendizem a Deus.
É fácil entender nossa visão: procuramos viver os cinco princípios de maior relevância na Bíblia: Adoração; Comunhão; Missões; Ministérios e Discipulado. Isto nos ajuda a andar centrado na vontade de Deus e nos dar objetivos claros a seguir.
Como Igreja queremos proclamar a mensagem do evangelho e o poder do nosso Senhor Jesus Cristo, salientando a doutrina da salvação, cura divina, batismo com o Espírito Santo e a segunda vinda do nosso Senhor.
Defendemos a prática dos ensinamentos da Bíblia, ajudando as pessoas na busca do crescimento espiritual.
Queremos enviar missionários e obreiros para todo mundo, capacitando todos os membros para uma vida missionária ativa.
Estamos prontos a trabalhar com obras educacionais e sociais, fundando, mantendo, administrando e custeando onde houver possibilidades para fazê-lo.
Atualmente temos uma associação que trabalha ativamente com a recuperação de dependentes químicos, através de uma CASA DE APOIO, onde fazemos a triagem inicial dos dependentes, encaminhando-os á uma casa de recuperação, para tratamento.
Ao término do tratamento os mesmos retornam para a casa de apoio onde são avaliados e auxiliados no processo de reintegração na sociedade. Existem parceiros, empresários que tem se disponibilizado a oferecer uma chance de um emprego digno a todos que tiverem interesse.
Outro trabalho importante é de estar em contato com os familiares, durante o período da recuperação, proporcionando assim a cura dos laços afetivos que geralmente são rompidos no processo destrutivo das drogas.
Se você não está congregando em nenhuma Igreja, visite-nos, será uma grande alegria recebê-lo juntamente com sua família. Nós da Igreja Manancial das Nações, estamos de portas abertas e nos colocamos a sua disposição.
As reuniões acontecem sempre aos Domingos às 19:30 horas e nas Quartas e Sextas-feiras às 20:00 horas.
Temos ainda uma reunião especial de mulheres nas Terças-feiras as 15:00 horas e nos sábados os adolescentes as 18:00 e Jovens às 20:00 horas.

Nosso telefone para contato é: (48) 3258-6538/ 9639-7136.

‘Eu não sou cristão de boca de urna sou cristão por convicção’

O candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, aproveitou presença de milhares de pessoas na Expocristã, uma feira voltada para assuntos religiosos, hoje no Expo Center Norte, em São Paulo, e cantou ao microfone, acompanhado por um saxofonista de um grupo Gospel que se apresentava na mostra:
– Vai dar tudo certo, vai dar tudo certo, se a gente colocar a fé em Deus – cantou Serra na feira.
Em entrevista aos jornalistas durante a caminhada na feira religiosa, Serra voltou a falar do vazamento de dados de tucanos e inclusive de sua filha Verônica Serra, dizendo que houve um crime contra a Constituição e de uso do governo para fins eleitorais.
-Tenho falado todos os dias sobre esse assunto há uma semana. O presidente do meu partido (Sérgio Guerra) vai continuar tratando do tema. A gente volta a falar sobre esse tema que, com toda certeza, é importante, porque se trata de crime contra a Constituição e de utilização do governo para fins de natureza político-partidária e eleitoral – disse Serra.
O tucano apelou para Jesus para dizer que esperava que “a Justiça e a verdade” apareçam nesta eleição.
-Jesus é a verdade e a Justiça. E a verdade e a Justiça fazem bem ao povo e fariam bem na política. Chega de enganação e mentira. A verdade e a Justiça é que o povo deseja – disse Serra.
O candidato tucano professou sua fé em Cristo.
-Tem que ter valores de Cristo. Valores de Cristo são os meus valores. Eu não sou cristão de boca de urna para agradar eleitores, conquistar votos e no dia seguinte esquecer o assunto. Eu sou cristão por convicção. Eu pratico o cristianismo na minha vida pessoal e vida política – disse Serra.
Ele disse que se for eleito vai convocar a Igreja Católica e as vertentes da Igreja Evangélica para implantarem projetos de reabilitação das pessoas com deficiência e dependentes quimicos.

Com informações do O Globo / Folha / Terra / Gospel Prime

A fé não move palanques

Segundo o cientista político Rodolfo Teixeira, quando se trata de candidaturas proporcionais – para vereadores e deputados, por exemplo -, definir uma posição religiosa pode até ser interessante. “Há um eleitorado demarcado e a quantidade de votos necessária  para se eleger é bem menor do que para cargos majoritários”. Quando se trata de eleição presidencial, porém, o especialista afirma que o cenário muda completamente. “Nesse caso, são milhões de eleitores em jogo e não vale a pena o candidato se envolver em uma discussão tão espinhosa quanto essa”.
Marina Silva, candidata do PV, é o caso mais emblemático. Participante de cultos da Assembleia de Deus desde 1997, não conseguiu atrair nem mesmo a metade dos votos que os evangélicos poderiam proporcionar. Eles representam 25% do eleitorado – uma massa de 33 milhões de pessoas.
Para Teixeira, Marina afastou muitos eleitores que estavam dispostos a votar nela depois de suas declarações sobre temas cercados de polêmica, como aborto, casamento gay, educação e religião. “Quem não gostou, desistiu”. Por outro lado, o professor Márcio Gimenes de Paula, do departamento de Filosofia da Religião da UnB (Universidade de Brasília), acredita que não é a religião que impede Marina de deslanchar nas pesquisas. “Temos uma eleição polarizada entre duas candidaturas e a da petista Dilma Rousseff tem ainda o apoio do presidente Lula, com altos índices de popularidade. Não é a crença de Marina que determina seu lugar nas pesquisas”.
Mudança de estratégia – Dilma Rousseff, em um passado recente, costumava driblar perguntas de jornalistas que diziam respeito às suas crenças religiosas. Após subir nas pesquisas, porém, a estratégia mudou. A campanha do PT chegou a divulgar um texto, intitulado “Carta aberta ao povo de Deus”, para, digamos, tentar neutralizar a opinião da candidata frente à Igreja Católica e aos evangélicos. O bispo dom Luiz Gonzaga Bergonzini, de Guarulhos (SP), defendeu o boicote à candidatura de Dilma por considerar que o PT é a favor da interrupção da gravidez. Lula precisou intervir para que o fato não gerasse uma crise na campanha.
Para o professor Márcio de Paula, a carta divulgada pelo PT veio para reforçar a postura menos radical do partido ao tratar de assuntos polêmicos. “Ela tem o mesmo efeito da ‘Carta aos Brasileiros’, assinada por Lula em 2002. Enquanto o presidente queria acalmar os mercados naquela época, Dilma quis acalmar os religiosos desta vez”.
Já o tucano José Serra costuma se guiar pela razão e, apesar de ter uma queda por astrologia – Oscar Quiroga é seu astrólogo preferido -, o candidato do PSDB à Presidência não costuma falar muito sobre suas crenças religiosas. Em debate realizado em agosto pela TV Canção Nova, emissora católica, Serra afirmou que achava bom que o “presidente da República acredite em Deus”.
Para Rodolfo Teixeira, discutir a religião durante as eleições não é a melhor maneira de esclarecer o eleitor – ou ajudá-lo a escolher seus candidatos. “Não acredito que essa seja uma polarização interessante, mas as pessoas não discutem mais o modelo político e social do país e acabam colocando outros assuntos em pauta”. O professor da UnB concorda e diz que os candidatos não precisam se posicionar quanto às suas crenças, já que “ninguém está elegendo pessoas para administrar sua paróquia. É preciso saber se o candidato tem ou não compromisso público”.

Fonte: Portal Exame / Gospel Prime