EU ESTOU AO SEU LADO

079b6c2f04ea9890fd5c5561eb4664a1Deus não corre riscos. Ele nunca errou e jamais erra. O motivo de Deus não errar, não se dá pelo fato de Ele ter a capacidade de ver o fim desde o princípio, mas porque Nele habita toda a plenitude da perfeição – Ele é Deus e único neste vasto e infinito universo. Tudo o que Ele faz é perfeito e para o bem de Suas criaturas e criação. Então, por que não confiar a minha vida nas mãos Dele?
Vivemos num mundo outrora condenado, mas com um brilhante destino, a saber, a sua purificação e eternidade àqueles que foram feitos à imagem de Deus. Mas enquanto esse dia não chega, vivemos sob diários riscos, tentações, perigos e aflições, onde o príncipe das trevas luta ardentemente pela supremacia de nossa existência. Estamos em tempos difíceis, onde a linha entre a verdade e o erro tem se mostrado tênue; onde misturas ideológicas tem buscado confundir a mente, mesmo dos mais piedosos filhos de Deus. A sociedade tem se distanciado de Deus a tal ponto de tornar-se Sua ferrenha inimiga. Mais do que nunca, vemos diante de nossos olhos o inimigo deturpando a beleza da criação natural e original de Deus, mesmo naquele que foi criado à Sua imagem e semelhança. Não bastando tal fato, o inimigo tem sido criativo e feito esforços inimagináveis em suas contrafações para impedir que saibamos qual seja a vontade de Deus para nossa vida. Ele tem tentado abortar os Seus propósitos na vida de cada filho de Deus. É preciso apegar-Se ao nosso Pai, o Eterno, Todo Poderoso, o Único guia seguro que pode nos defender e mostrar o caminho certo. O caminho para o céu é estreito, pedregoso e traiçoeiro, mas que compensa caminhar nele porque não é um caminho sem saída; e chegar ao seu fim fará valer a pena ter passado por todos os percalços, obstáculos e sofrimentos do seu longo percurso. Como ainda vivemos neste mundo de pecado, estamos sujeitos ao erro e o cometemos a cada dia. Mas o sangue de Jesus Cristo nos torna favoráveis a Deus quando vamos a Ele em busca do perdão. Sim, podemos até perder algumas batalhas, mas temos a certeza de que a guerra já foi ganha na cruz do calvário. Não há o que temer quando temos Deus ao nosso lado. Ele nos orienta, nos capacita, nos conforta e nos dá forças para nos manter no Caminho. Ainda que seja difícil, a presença de Deus suaviza o nosso caminhar. Jamais desistamos, porque é Ele mesmo Quem disse: “Mas aquele que perseverar até o fim, esse será salvo.”(Mat. 24:13) Como é confortador saber que não estamos sozinhos… caminhamos de mãos dadas com o nosso Pai. Ele prometeu: “Não te deixarei, nem te desampararei”.(Heb. 13:5)


Por: Rubens Silva

O PRIVILÉGIO DA PRECE

Praying WomanAntigamente a comunicação à distância era feita através de cartas enviadas por mensageiros em lombos de animais. A tecnologia foi avançando, logo surgiram o telegrafo, o rádio e a TV. Hoje, tudo acontece assim, num estalar de dedos. Sabe-se que basta um “clic” para que notícias se espalhem no mundo todo. Temos à disposição uma parafernália de opções de comunicação simultânea, individual ou coletiva, a partir de fibras óticas, satélites, ondas e outros recursos que configuram a poderosa net, onde a mania é ser online; e a cada dia novos recursos são descobertos. Assim transformamo-nos num minúsculo planeta onde somos todos quase que “vizinhos”. Como diz o adágio popular, “quem não se comunica se estrumbica”. Especialistas chegaram a conclusão de que a falta de comunicação é uma das maiores causas de divórcios nos Estados Unidos. A falta de comunicação tem sido também a maior causa de divórcio do homem com Deus.
Estranhamente, o homem tem se utilizado de recursos de sistemas de ondas e outros sofisticados aparelhos de escuta na tentativa da busca por sons de Deus pelo universo. Mal sabe o homem que para comunicar-se com Deus não há necessidade de toda essa parafernália da comunicação. Na oração não há ruídos, não há sinal de ocupado, não há trotes, não há vírus, não há quedas de sinal, não precisamos de satélite ou qualquer outro aparelho eletrônico e nem mesmo precisamos emitir qualquer som vocal. A oração nos aproxima do nosso Criador, o Ser soberano do universo. Uma inspirada escritora norte-americana disse: “nunca estamos tão próximos de Deus do que quando ajoelhados”. A mesma escritora disse: “A oração é o abrir do coração a Deus como a um amigo”. É através da oração que mantemos acesa a chama de nossa amizade com Deus.
A oração tem poder terapêutico, curativo e transformador. A Palavra de Deus diz: “e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” Tiago 5: 16. Mas a oração transcende nossas necessidades. Ela nos aproxima de Deus fazendo-nos dependentes Dele. Quando oramos, estamos expulsando o inimigo e mostrando ao universo de que lado estamos no grande conflito entre o bem e o mal. Neste mundo atribulado em que vivemos, onde a correria pela vida absorve nossa atenção, somos por vezes levados a nos esquecer de Deus. Como é gratificante saber que podemos separar diariamente um momento especial para dedicarmos à comunhão com o nosso Criador em gratidão e reconhecimento de que tudo o que temos e somos vem Dele.
Devemos  aproveitar esse privilégio, porque nem sempre foi assim tão fácil. Com a entrada do pecado, o homem tinha acesso a Deus somente mediante a intercessão de um sacerdote humano, que oferecia o sacrifício de um cordeiro para o perdão dos pecados.
Hoje, pelo sangue de Jesus, esse ritual tornou-se desnecessário. Podemos falar diretamente com Deus através da oração, em nome de Jesus. Que privilégio! Lancemos mão dessa imensa oportunidade de, em qualquer momento e de qualquer lugar, podermos falar diretamente com o Onipotente Criador do universo.

Por:  Rubens Silva

MEROS INTERESSEIROS…

balançaComo é desconfortável quando você descobre que a visita tão agradável que recebeu naquela gostosa tarde de domingo foi calculada. A tanto tempo não se viam e depois de uma conversa descontraída seguida de um delicioso lanche, o amigo pede algo emprestado ou algum outro favor, e se vai, voltando apenas na próxima necessidade… e sem devolver o que emprestou. É claro que temos prazer quando podemos ajudar um amigo em necessidade e ficamos felizes com sua visita, mas que decepção ao recebê-lo somente quando precisa de algo, sendo às vezes até mal recebidos quando vamos a sua casa.
Jesus vivia diariamente cercado por milhares de pessoas. Sua imensa popularidade chegava a incomodar as autoridades locais. Multidões deixavam suas casas e iam até Ele em busca de cura física, alimentação, libertação do mal, conselhos ou apenas para satisfazer a curiosidade; e a todos atendia de forma bondosa e gratuita. Contudo, mesmo com toda essa audiência, rodeado por tanta gente, Jesus morreu sozinho e abandonado até pelos discípulos – por que?  porque a grande maioria era de meros interesseiros; queriam apenas as bençãos e não o Doador da benção. Recebiam o pão e a cura que os interessava e sumiam.  Jesus chegou a dizer que de 10 leprosos que Ele curou de uma só vez, somente 01 voltou para agradecê-Lo. Num dado momento, Ele mesmo chegou a reclamar de tanta desfeita, desafiando os próprios discípulos a se retirarem – “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.” (João 6:67-68).
Amigo, pare um pouco e reflita: por que você vai a igreja? Por que entrega os dízimos e ofertas? Por que faz o culto doméstico? É fato que esses detalhes são de importância vital na vida cristã, mas é possível que tudo isso seja feito apenas por interesse de algum benefício pessoal ou por manter a reputação através de uma  aparência de religiosidade; especialmente se estando fora de casa ou da igreja se esquece de Deus. Alguns são muito fiéis no dízimo, mas o encaram apenas como amuleto de prosperidade, aliás é bem comum grupos religiosos terem a teologia da prosperidade como principal doutrina e ênfase de pregação. É lamentável que há aqueles que usam a igreja como mecanismo de status e poder pelos cargos que detém ou apenas como um velado clube de entretenimento, onde se evidencia o exibicionismo de talentos naturais. Se a real motivação não for ADORAR a Deus e celebrar a SALVAÇÃO, repense seus motivos e valores. Deus quer abençoar o seu trabalho e o seu lar com prosperidade, mas Seu maior interesse está na sua salvação pessoal.  A palavra de Deus afirma: “Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Marcos 8:36).  Jesus fez muitos milagres quando esteve entre nós, mas o objetivo central pelo qual deixou as cortes celestes foi o de salvar a humanidade – tenha  isso sempre em mente. Receber a benção de um milagre e a prosperidade tão almejada são coisas bem especiais, mas que o meu foco esteja integralmente nas coisas de valores eternos.

Por: Rubens Silva

NÃO VOU COM A SUA CARA…

caraAo término do culto alguém anunciava: Convide aquela pessoa que você gostaria de ver no céu para estar aqui com você no próximo encontro. Isso me levou involuntariamente a pensar sobre o que eu faria com aquela pessoa que eu não gostaria de ver no céu.
Sabe, parece ser natural do ser humano não amar a todas as pessoas. Sempre tem alguém que a gente simplesmente não vai com a ‘cara’ sem qualquer explicação. O intrigante é que esse fenômeno geralmente ocorre de forma involuntária. Mesmo outros preconceitos secretos que temos, invadem nosso coração igualmente de forma involuntária. É claro, a gente vela isso para não “pegar mal”, mas como será que Deus vê essas coisas que supostamente acontecem involuntariamente no nosso coração? Será que é de fato involuntário ou um defeito desenvolvido? Se amar é uma qualificação necessária, devo ser honesto com Deus em admitir essa fraqueza e humildemente pedir a Ele ajuda para superar essa dificuldade, convertendo este meu coração às vezes petrificado. Pensando bem, acho que devo me convidar para o próximo encontro.
Jesus Cristo afirmou que não devemos amar somente a quem gostamos. Aliás, a expressão amar o amigo é até uma redundância, que não traz nobreza a ninguém. Então Ele ordenou que amássemos os nossos inimigos também; isso sim traz nobreza, mas como entender! porque uma vez que amamos um inimigo, este deixa de ser inimigo. Então, estamos nos convertendo em meros masoquistas nos autoflagelando ao sorrir para os desafetos que buscamos evitar. Porém, Jesus provou e nos ensinou que é possível amar a quem nos faz mal, sem dar aquele sorriso “amarelo” hipócrita. Quem sabe temos essa dificuldade de compreensão porque amar o inimigo esteja além da esfera espiritual que vivemos hoje.
Posso imaginar tendo pessoalmente essa conversação com Jesus Cristo; e Ele o tempo todo calado, ouvindo pacientemente minhas tolas palavras. Finalmente, meneando suavemente a cabeça, com Seu terno olhar característico, me diz: Meu filho, você precisa é nascer de novo. Então o pensamento acelera e começo a entender. Ele disse a sentença com o verbo amar no plural, ou seja, que devemos amar os vários inimigos que temos hoje e aqueles que aparecerão pelo nosso caminho. Me lembro também que Ele disse que, uma vez que O aceitássemos como o Senhor da nossa vida, seríamos perseguidos por Sua causa… e isso nos traria inimigos, e muitos… nem por isso teríamos ódio no coração; e que esse amor seria extensivo a outras áreas da vida no quotidiano.
Entendi o recado. Um milagre está à sua e à minha disposição, onde amar o inimigo passará a ser uma atitude involuntária do coração. Nascer de novo também nos faz livres para amar.

Por: Rubens Silva