VITÓRIA DA FRAQUEZA

vitoriaVivemos numa sociedade perversa, mas que rotula maus cidadãos. Esse fenômeno está dentro de uma normalidade previsível, porque mesmo uma sociedade inimiga de Deus necessita de um código moral e de conduta para manter o bom andamento das comunidades. Na igreja  não é diferente. São necessárias normas e regras para manter o bem estar dos fiéis, que devem ser baseadas na única regra de fé, a palavra de Deus. Bom seria se a sociedade secular adotasse o código moral do decálogo; assim teríamos menos hospitais, prisões e empregos para os aplicadores da lei. O problema surge quando a igreja começa a absorver a proposta secular de justiça. É lamentável que em alguns casos, no exercício da aplicação disciplinar, a balança da justiça pende para o lado legalista onde a compaixão, a misericórdia e a restauração são deixadas de lado, em nome do “zelo”. Há casos em que o crente pecador é rotulado e tirado de circulação e o inimigo sai vitorioso. Dessa forma, muitos abandonam a fé, sentindo a maldição de um Deus que supostamente seria ilimitado em perdoar, sendo-o de fato. Deixam de ir à igreja porque mantém algum vício, algum pecado ou mesmo não possuem roupas adequadas – tudo por vergonha, medo da rejeição, críticas ou mesmo receio de serem marginalizadas. É claro que é preciso admoestar e aplicar a disciplina, afinal, vivemos numa coletividade; mas até para isso, Jesus já deixou toda a orientação por escrito para evitar qualquer confusão ou caprichos pessoais, sendo a regra para tal, o amor e a restauração. Jesus Cristo disse: “Os sãos não necessitam de médico, e sim os doentes; eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento.” Marcos 2:17  Se a igreja é um hospital, por que os bem “doentes” devem ficar fora dela, principalmente aqueles que estão em “estado terminal”? O evangelho de Cristo não se contradiz e tem o objetivo de receber e salvar o pecador. “O que vem a Mim, de maneira nenhuma o lançarei fora.” João 6:37  é o próprio Jesus Cristo afirmando. Todos erram, mas alguns erram mais não é? E para esses que erram muito, dou o meu recado de hoje.
Deus tinha um grande projeto para José, mas ele era um ser arrogante. Como resultado, sofreu humilhação e a dura vingança dos irmãos. Finalmente aprendeu a lição e ficou apto para assumir o governo egípcio e trazer a família de Israel para o Egito.
Deus tinha um grande projeto para Moisés, mas ele era um ser violento, chegando mesmo a cometer um assassinato. Sofreu um castigo de 40 anos no deserto, até que ficou manso e apto para assumir a solene missão de tirar o povo de Israel do Egito.
Paulo  executava pessoas friamente, mas caiu do cavalo e foi humilhado até aprender a lição da misericórdia e humildade. Finalmente foi escolhido como o grande apóstolo aos gentios.
Pedro era violento e genioso. Traiu o Mestre e chorou amargamente. Mas com apenas um penetrante olhar de Jesus, teve sua vida transformada. Finalmente estava apto para ser o apóstolo aos Judeus e líder da igreja primitiva.
O rei Davi era mulherengo e sanguinário; sofreu muito, mas arrependeu-se até o pó. Foi o grande rei de Israel e considerado o homem segundo o coração de Deus.
Amigo, se você tem muitos defeitos ou aquele defeito enorme e por ele sofre alguma consequência, não desanime. Aceite humildemente a repreensão de Deus; pode ser que através dela é que Deus esteja preparando-o para um grande projeto que somente você poderá realizar. Quando somos humildes diante de Deus e buscamos o Seu perdão, não há defeito que nos desqualifique para cumprirmos Seus projetos.

Por: Rubens Silva

O PRIVILÉGIO DA PRECE

Praying WomanAntigamente a comunicação à distância era feita através de cartas enviadas por mensageiros em lombos de animais. A tecnologia foi avançando, logo surgiram o telegrafo, o rádio e a TV. Hoje, tudo acontece assim, num estalar de dedos. Sabe-se que basta um “clic” para que notícias se espalhem no mundo todo. Temos à disposição uma parafernália de opções de comunicação simultânea, individual ou coletiva, a partir de fibras óticas, satélites, ondas e outros recursos que configuram a poderosa net, onde a mania é ser online; e a cada dia novos recursos são descobertos. Assim transformamo-nos num minúsculo planeta onde somos todos quase que “vizinhos”. Como diz o adágio popular, “quem não se comunica se estrumbica”. Especialistas chegaram a conclusão de que a falta de comunicação é uma das maiores causas de divórcios nos Estados Unidos. A falta de comunicação tem sido também a maior causa de divórcio do homem com Deus.
Estranhamente, o homem tem se utilizado de recursos de sistemas de ondas e outros sofisticados aparelhos de escuta na tentativa da busca por sons de Deus pelo universo. Mal sabe o homem que para comunicar-se com Deus não há necessidade de toda essa parafernália da comunicação. Na oração não há ruídos, não há sinal de ocupado, não há trotes, não há vírus, não há quedas de sinal, não precisamos de satélite ou qualquer outro aparelho eletrônico e nem mesmo precisamos emitir qualquer som vocal. A oração nos aproxima do nosso Criador, o Ser soberano do universo. Uma inspirada escritora norte-americana disse: “nunca estamos tão próximos de Deus do que quando ajoelhados”. A mesma escritora disse: “A oração é o abrir do coração a Deus como a um amigo”. É através da oração que mantemos acesa a chama de nossa amizade com Deus.
A oração tem poder terapêutico, curativo e transformador. A Palavra de Deus diz: “e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” Tiago 5: 16. Mas a oração transcende nossas necessidades. Ela nos aproxima de Deus fazendo-nos dependentes Dele. Quando oramos, estamos expulsando o inimigo e mostrando ao universo de que lado estamos no grande conflito entre o bem e o mal. Neste mundo atribulado em que vivemos, onde a correria pela vida absorve nossa atenção, somos por vezes levados a nos esquecer de Deus. Como é gratificante saber que podemos separar diariamente um momento especial para dedicarmos à comunhão com o nosso Criador em gratidão e reconhecimento de que tudo o que temos e somos vem Dele.
Devemos  aproveitar esse privilégio, porque nem sempre foi assim tão fácil. Com a entrada do pecado, o homem tinha acesso a Deus somente mediante a intercessão de um sacerdote humano, que oferecia o sacrifício de um cordeiro para o perdão dos pecados.
Hoje, pelo sangue de Jesus, esse ritual tornou-se desnecessário. Podemos falar diretamente com Deus através da oração, em nome de Jesus. Que privilégio! Lancemos mão dessa imensa oportunidade de, em qualquer momento e de qualquer lugar, podermos falar diretamente com o Onipotente Criador do universo.

Por:  Rubens Silva

Livrando nosso filho adolescente dos prazeres do mundo

“Filho meu, não te ponhas a caminho com eles, desvia o teu pé das suas veredas; Porque os seus pés correm para o mal, e se apressam a derramar sangue.” (PV 1:15e16).
O mundo tem oferecido aos nossos jovens um manjar satânico que nos assusta.
Os prazeres mundanos são tantos que nos leva a clamar: Meu Deus!
Como agir numa fase da vida onde lidar com isso está tão difícil?
Sim, somente Deus. Somente Nosso Soberano criador dos céus e da terra, Ele que nos conhece e nos formou desde o ventre da nossa mãe, saberá nos dizer como agir nesse momento. Temos que lutar por quem amamos, não sucumbindo perante este desafio.
Na experiência pessoal que Deus me proporcionou, posso relatar o que pode fazer a diferença nesta batalha:
Quando estive afastada dos caminhos do Senhor, o mundo me levou para o abismo, atraiu-me com sua beleza para tristeza do meu pai Celestial. Pois Deus não deseja que aquele a quem ele escolhe com tanto amor, liberta, cura, salva, caia em tamanha desgraça.
Você pode perguntar: O que me trouxe de volta?
E eu te respondo: “Deus. Que através da sua misericórdia, me revelou, me constrangeu e me atraiu, pelo incondicional amor que Ele tem por nós.”
Quando em sua palavra nos fala que o amor é: “sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre tudo crê tudo suporta (1Co 13: 4-7).
Foi o amor. A maneira como Deus me tratou, mesmo tendo abandonado os seus caminhos. Ele cuidou de mim com carinho e zelo, o que me deixou envergonhada com o maravilhoso amor de Cristo que excede a todo entendimento, o qual não era digna de merecimento.

Passei a entender que assim é com os nossos adolescentes. Para ganharmos eles para Cristo e não perdê-los para o mundo, devemos agir com o mesmo amor que Deus agiu comigo.
Amá-los, dar-lhes a verdadeira educação Cristã, proporcionar carinho, afeto e cuidados é o mínimo que podemos fazer pelos nossos filhos, independentemente do que eles estejam vivendo ou fazendo. Creio que isso nos fará vencermos satanás e as concupiscências da carne e os manjares do mundo que atraem nossos filhos.
Somente o amor faz cair por terra as propostas que o mundo oferece a eles.
Oremos juntas para que o Senhor nos capacite através do Espírito Santo a vencermos esta batalha e nos dê o mesmo sentimento que Ele tem por nós pelos nossos adolescentes.
Que Deus abençoe a você, minha amada, e te conceda sabedoria, força e principalmente muito AMOR!

Por: Arlei Tagliapietra
Conheça nossa colunista
Veja mais artigos desta colunista