A Origem do Dia dos Pais.

Ao que tudo indica, o Dia dos Pais tem uma origem bem semelhante ao Dia das Mães, e em ambas as datas a idéia inicial foi praticamente a mesma: criar datas para fortalecer os laços familiares e o respeito por aqueles que nos deram a vida.
Conta a história que em 1909, em Washington, Estados Unidos, Sonora Louise Smart Dodd, filha do veterano da guerra civil, John Bruce Dodd, ao ouvir um sermão dedicado às mães, teve a idéia de celebrar o Dia dos Pais. Ela queria homenagear seu próprio pai, que viu sua esposa falecer em 1898 ao dar a luz ao sexto filho, e que teve de criar o recém-nascido e seus outros cinco filhos sozinho. Algumas fontes de pesquisa dizem que o nome do pai de Sonora era William Jackson Smart, ao invés de John Bruce Dodd.
Já adulta, Sonora sentia-se orgulhosa de seu pai ao vê-lo superar todas as dificuldades sem a ajuda de ninguém. Então, em 1910, Sonora enviou uma petição à Associação Ministerial de Spokane, cidade localizada em Washigton, Estados Unidos. E também pediu auxílio para uma Entidade de Jovens Cristãos da cidade. O primeiro Dia dos Pais norte-americano foi comemorado em 19 de junho daquele ano, aniversário do pai de Sonora. A rosa foi escolhida como símbolo do evento, sendo que as vermelhas eram dedicadas aos pais vivos e as brancas, aos falecidos.
A partir daí a comemoração difundiu-se da cidade de Spokane para todo o estado de Washington. Por fim, em 1924 o presidente Calvin Coolidge, apoiou a idéia de um Dia dos Pais nacional e, finalmente, em 1966, o presidente Lyndon Johnson assinou uma proclamação presidencial declarando o terceiro domingo de junho como o Dia dos Pais (alguns dizem que foi oficializada pelo presidente Richard Nixon em 1972).
No Brasil, a idéia de comemorar esta data partiu do publicitário Sylvio Bhering e foi festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família.
Sua data foi alterada para o 2º domingo de agosto por motivos comerciais, ficando diferente da americana e européia.
Em outros países
Pelo menos onze países também comemoram o Dia dos Pais à sua maneira e tradição.
Na Itália e Portugal, por exemplo, a festividade acontece no mesmo dia de São José, 19 de março. Apesar da ligação católica, essa data ganhou destaque por ser comercialmente interessante.
Reino Unido – No Reino Unido, o Dia dos Pais é comemorado no terceiro domingo de junho, sem muita festividade. Os ingleses não costumam se reunir em família, como no Brasil. É comum os filhos agradarem os pais com cartões, e não com presentes.
Argentina – A data na Argentina é festejada no terceiro domingo de junho com reuniões em família e presentes.
Grécia – Na Grécia, essa comemoração é recente e surgiu do embalo do Dia das Mães. Lá se comemora o Dia dos Pais em 21 de junho.
Portugal – A data é comemorada no dia 19 de março, mesmo dia que São José. Surgiu porque é comercialmente interessante. Os portugueses não dão muita importância para essa comemoração.
Canadá – O Dia dos Pais canadense é comemorado no dia 17 de junho. Não há muitas reuniões familiares, porque ainda é considerada uma data mais comercial.
Alemanha – Na Alemanha não existe um dia oficial dos Pais. Os papais alemães comemoram seu dia no dia da Ascensão de Jesus (data variável conforme a Páscoa) . Eles costumam sair às ruas para andar de bicicleta e fazer piquenique.
Paraguai – A data é comemorada no segundo domingo de junho. Lá as festas são como no Brasil, reuniões em família e presentes.
Peru – O Dia dos Pais é comemorado no terceiro domingo de junho. Não é uma data muito especial para eles.
Austrália- A data é comemorada no segundo domingo de setembro, com muita publicidade.
África do Sul – A comemoração acontece no mesmo dia do Brasil, mas não é nada tradicional.
Rússia – Na Rússia não existe propriamente o Dia dos Pais. Lá os homens comemoram seu dia em 23 de fevereiro, chamada de “o dia do defensor da pátria” (Den Zaschitnika Otetchestva).

Independente do seu lado comercial, é uma data para ser muito comemorada, nem que seja para dizer um simples “Obrigado Papai” !
Texto compilado das seguintes fontes

– O Guia dos Curiosos – Marcelo Duarte. Cia da Letras, S.P., 1995.
Sites:
http://www.pratofeito.com.br/pages.php?recid=2315
http://www.virtual.epm.br/uati/corpo/dia_pais.htm
http://educaterra.terra.com.br/almanaque/datas/pai.htm

Fonte: Jornal Gospel News

Livrando nosso filho adolescente dos prazeres do mundo

“Filho meu, não te ponhas a caminho com eles, desvia o teu pé das suas veredas; Porque os seus pés correm para o mal, e se apressam a derramar sangue.” (PV 1:15e16).
O mundo tem oferecido aos nossos jovens um manjar satânico que nos assusta.
Os prazeres mundanos são tantos que nos leva a clamar: Meu Deus!
Como agir numa fase da vida onde lidar com isso está tão difícil?
Sim, somente Deus. Somente Nosso Soberano criador dos céus e da terra, Ele que nos conhece e nos formou desde o ventre da nossa mãe, saberá nos dizer como agir nesse momento. Temos que lutar por quem amamos, não sucumbindo perante este desafio.
Na experiência pessoal que Deus me proporcionou, posso relatar o que pode fazer a diferença nesta batalha:
Quando estive afastada dos caminhos do Senhor, o mundo me levou para o abismo, atraiu-me com sua beleza para tristeza do meu pai Celestial. Pois Deus não deseja que aquele a quem ele escolhe com tanto amor, liberta, cura, salva, caia em tamanha desgraça.
Você pode perguntar: O que me trouxe de volta?
E eu te respondo: “Deus. Que através da sua misericórdia, me revelou, me constrangeu e me atraiu, pelo incondicional amor que Ele tem por nós.”
Quando em sua palavra nos fala que o amor é: “sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre tudo crê tudo suporta (1Co 13: 4-7).
Foi o amor. A maneira como Deus me tratou, mesmo tendo abandonado os seus caminhos. Ele cuidou de mim com carinho e zelo, o que me deixou envergonhada com o maravilhoso amor de Cristo que excede a todo entendimento, o qual não era digna de merecimento.

Passei a entender que assim é com os nossos adolescentes. Para ganharmos eles para Cristo e não perdê-los para o mundo, devemos agir com o mesmo amor que Deus agiu comigo.
Amá-los, dar-lhes a verdadeira educação Cristã, proporcionar carinho, afeto e cuidados é o mínimo que podemos fazer pelos nossos filhos, independentemente do que eles estejam vivendo ou fazendo. Creio que isso nos fará vencermos satanás e as concupiscências da carne e os manjares do mundo que atraem nossos filhos.
Somente o amor faz cair por terra as propostas que o mundo oferece a eles.
Oremos juntas para que o Senhor nos capacite através do Espírito Santo a vencermos esta batalha e nos dê o mesmo sentimento que Ele tem por nós pelos nossos adolescentes.
Que Deus abençoe a você, minha amada, e te conceda sabedoria, força e principalmente muito AMOR!

Por: Arlei Tagliapietra
Conheça nossa colunista
Veja mais artigos desta colunista